PPR | (Atualização) Num dos meus 4 PPR estou a perder dinheiro

Escrito por Pedro Andersson

07.12.20

}
5 min de leitura

Publicidade

Balanço Intercalar – Só para dizer que estou a perder dinheiro

Disse no artigo inicial que vos diria sempre como as coisas estavam a correr com os meus Fundos PPR, quer quando estivesse a ganhar, quer quando estivesse a perder. Cá estou.

Recordo que subscrevi, em Novembro, 4 PPR para que juntos acompanhemos quanto rendem de facto estes produtos de investimento/poupança e de que forma seguem ou não o desempenho das bolsas mundiais. Fiz estes:

PPR Alves Ribeiro (Banco Invest)
PPR Stoik (SGF – Sociedade Gestora de Fundos)
PPR Optimize Agressivo (Optimize)
NB PPR (GNB) Pode subscrever em vários bancos (Activobank, Best, Novo Banco)
Este artigo é só um pequeno parêntesis para marcar este momento em que pela primeira vez e logo na primeira semana, registo que estou a perder dinheiro no PPR mais recente (o NB PPR). Quero com isto dar algum relevo a esta situação como se fosse uma coisa dramática? Não. Pelo contrário. Estou a mostrar-vos isto exatamente para sublinhar que é mesmo assim.
Como podem ver, quem subscreveu 1.000 €, passada uma semana, se o resgatasse só resgataria 998 €. É justamente isto que quero que percebam (os que não dominam estes investimentos, naturalmente).
Quando vos digo que na bolsas, nos fundos de investimento e nos Fundos PPR temos de estar sempre à espera de que os nossos valores investidos oscilem, é disto que estamos a falar. Faz parte do risco. Quando isto acontece, o que deve fazer? Retirar imediatamente o dinheiro antes que desça ainda mais? Claro que não. É apenas uma situação conjuntural que se deve ao facto de ter subscrito este PPR numa semana em que as bolsas estavam em alta. Logo, basta que desçam um pouco (ou muito), para isso se refletir na rentabilidade deste PPR.
Olhar para este gráfico deste PPR especificamente ajuda a compreender como isto funciona. Nota: Antes de subscrever qualquer PPR deve ver sempre este gráfico de cada um deles.

Claro que um gráfico vale o que vale, porque olhar para o passado é muito bonito, mas não sabemos o que nos reserva o futuro (vejam a pandemia). Por exemplo, olhando para o mapa, quem investiu em Janeiro de 2020 talvez imaginasse (eu imaginaria…) que ele continuaria em crescimento indefinidamente, já que vinha “lançado” desde 2018.

Com a pandemia, este PPR caiu a pique. Ora quem subscreveu este PPR (ou outro) em Março ou Abril deste ano, já viram bem o que ele cresceu desde aí? Já têm provavelmente um crescimento de cerca de 20%.

Eu, que subscrevi agora no início de Dezembro, arrisquei mas terá de ser a pensar no médio/longo prazo, porque a grande onda de recuperação já a perdi. Mas como a minha perspetiva é a 5, 10 ou 15 anos não fará grande diferença esta oscilação, nem mesmo estas quedas mais ou menos gigantes, Tenho é de ter tempo para esperar que recuperem.

Estou a partilhar convosco este momento, apenas porque não quero que pensem que isto de investir em produtos sem capital garantido (mesmo os PPR) é só investir e ver o dinheiro crescer. Tem de ter pulso firme e não se deixar levar pelas emoções.

No meu livro mais recente conto o caso de uma espectadora que me contactou aflita porque se assustou com a queda dos mercados, resgatou o dinheiro que tinha para não perder ainda mais e num segundo perdeu 5 mil euros. Como podem ver agora no gráfico, bastava-lhe não ter feito nada e agora já estava a ter lucro.

Também podia ter continuado a descer, e a descer, e a descer? E podia não ter recuperado como recuperou? Claro que sim. Nunca sabemos.

Não estou aqui a tentar convencê-lo de nada. Não ganho nada com isto. Gosto de aprender e de partilhar o que aprendo.

E o que lhe posso dizer é que com 10% das minhas poupanças em 2 anos consegui multiplicar as minhas poupanças dezenas de vezes mais do que com os restantes 90% em produtos com capital garantido. Neste momento posso dizer-vos que já estou na fase de reinvestir os ganhos com esses pequenos investimentos.

Percebo FINALMENTE o que lia nos livros quando diziam que era possível pôr o dinheiro a trabalhar para nós. Eu lia e achava piada, mas nunca pensei que fosse algo acessível a quem não percebia nada de investimentos. Na minha cabeça isto era só para os “ricos”.

Recordo-me de ter lido um livro (sim, ler livros é meio caminho andado para ganharmos mais dinheiro e experiência) em que o autor dava como exemplo investimentos que rendiam 7% líquidos ao ano. Eu ri-me. O máximo que eu tinha conseguido na minha vida eram 4% e foi num ano excelente, nos Certificados do Tesouro… Pensei: “Isto não é para mim de certeza…”.

Afinal foi. Ler livros e ter visto muitos vídeos no YouTube abriu-me os olhos para imensas oportunidades. Mas nunca arrisque dinheiro que não possa perder. Esta regra é sagrada.

É curioso estar a dizer-lhe estas coisas num artigo sobre PPR (que é um dos menos complexos e apesar de tudo menos voláteis). Mas a vida às vezes tem destas coisas. O que estou a perceber é que era por aqui que devia ter começado há muito tempo.

Se quer largar as amarras dos produtos com capital garantido, sugiro estes passos:

  1. Fazer um bom Fundo PPR (veja rendimentos e comissões, e defina o seu perfil – defensivo, moderado ou agressivo)
  2. Subscrever ETF
  3. Subscrever Fundos de Investimento
  4. Investir em ações (em plataformas com baixas comissões)
  5. Arriscar em plataformas de crowdfunding
  6. investir em imobiliário (quando perceber no que se está a meter)
  7. Reinvestir os ganhos em novos investimentos

Portanto, se decidir arriscar e investir em produtos sem capital garantido não se assuste com variações “normais” nem tome decisões precipitadas. Pode ser necessário perder dinheiro sim, mas só depois de muito pensar e de falar com muitas pessoas que percebam mais do que nós.

Era esta a mensagem que lhe queria passar hoje, com este meu exemplo.


natal-billboard

Publicidade

Sobre mim: Pedro Andersson

Ir para a página "Sobre Mim"

Siga-nos nas Redes Sociais

Para si | Artigos Recentes 

COMBUSTÍVEIS | Qual é o preço justo esta semana? (26 de fevereiro a 03 de março)

Qual deveria ser o preço justo? A ERSE faz semanalmente as contas para o consumidor saber qual é o preço "justo" dos combustíveis face ao preço das matérias-primas e transportes de combustível. Esse preço "justo" já inclui uma margem de lucro de cerca de 10% para as...

PODCAST | #218 – Vamos a contas | Tenho de declarar os Certificados de Aforro (e outros) no IRS?

Os Certificados de Aforro continuam a suscitar muitas dúvidas. Uma delas é se somos obrigados a declará-los no IRS e como se faz. Essa dúvida é também muito comum quando alguém começa a pensar em investir em produtos relacionados com as bolsas, como Fundos PPR, Fundos...

ÚLTIMO DIA | Prazo para validar faturas para IRS 2023 termina hoje

Já validou TODAS as suas faturas e do seu agregado familiar? Os contribuintes têm até ao final do dia de hoje (quarta-feira, dia 28 de fevereiro) para validar e confirmar as faturas relevantes para o IRS de 2023, após o Ministério das Finanças ter decidido prolongar o...

Arrendamentos | Burlas estão a aumentar. Conheça os sinais e como evitar

Burlas com falsos arrendamentos têm estado a aumentar nos últimos dois anos Contas-poupança | Inês de Almeida Fernandes De acordo com a PSP, as burlas com falsos arrendamentos têm vindo a agravar-se desde 2022, quer nos arrendamentos de casas de férias, quer no...

ÚLTIMA HORA | Prazo para validar faturas de 2023 prolongado até quarta-feira

Faturas pendentes - Prazo prolongado até quarta-feira A Autoridade Tributária (AT) prolongou por dois dias, até quarta-feira, o prazo para a validação de faturas relativas a 2023 no portal e-fatura, depois de constrangimentos no último dia do prazo inicial. Em...

Quer inscrever-se no regime do Residente não Habitual? Pode fazê-lo até 2025

Autoridade Tributária informou que os contribuintes elegíveis podem inscrever-se até 31 de março de 2025 Contas-poupança | Inês de Almeida Fernandes Se está interessado em inscrever-se no regime do Residente não Habitual (RNH), que permite aos seus beneficiários...

EURIBOR HOJE | Taxa a três meses mantém-se, mas sobe a seis e 12 meses

Euribor mantém-se a três meses, mas aumenta nos prazos de seis e 12 meses Contas-poupança | Inês de Almeida Fernandes Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham...

ELETRICIDADE | O indexado em Fevereiro vai baixar bastante – Vale a pena mudar?

O preço da eletricidade no OMIE está quase de graça É impressionante o que está a acontecer nesta última semana. O preço da eletricidade no mercado grossista está praticamente a zero. Os valores a que a eletricidade vai ser vendida e comprada amanhã, pelas empresas...

EURIBOR HOJE | Taxas sobem a três meses e descem a seis e 12 meses

Euribor sobe a três meses, mas desce nos prazos de seis e 12 meses Contas-poupança | Inês de Almeida Fernandes Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um...

PODCAST | #217 – Qual é a forma mais simples de poupar na eletricidade?

A ouvinte Ana nunca mudou de empresa de eletricidade em toda a sua vida. Faz-lhe confusão mudar e acha que dá muito trabalho e sente que as outras empresas não lhe inspiram confiança. Este é um perfil muito típico dos consumidores portugueses. No episódio desta...

Publicidade

Artigos relacionados

20 Comentários

  1. Marco Lopes

    Os fundos estão (indirectamente) indexados aos índices bolsistas (devido à grande quantidade de acções que os constituem) e nunca é boa ideia entrar em ALTA (e neste momento estamos, por incrível que pareça, em MÁXIMOS HISTÓRICOS).

    O problema é que, para obter os benefícios fiscais de um fundo PPR, há que subscrever até final do ano… E este NÃO é momento para subscrever o que quer que seja!…

    Responder
    • Armando Gonçalves

      Pois é, mas aí podem entrar os PPR’S com capital garantido, que também permitem benefício fiscal. Nesta fase parece o mais acertado.

      Responder
      • Pedro Andersson

        Tudo bem. É uma opção melhor que os depósitos a prazo. Mas para os meus objetivos é pouco. Para perfis defensivos ou conservadores é o ideal, sim.

        Responder
        • Tiago

          Se o objectivo é o benefício fiscal, então é porque se está a investir numa perspectiva longo prazo. Se se está a investir numa perspectiva longo prazo, então não interessa muito a altura em que se entra num Fundo que segue o index bolsista e deve-se procurar fazê-lo o mais cedo possível. Se entrarmos numa lógica de tentar entrar apenas quando há uma queda na bolsa, corremos o risco de esperar muitos anos…

          Responder
  2. Aníbal Candoso

    Boas Sr. Pedro eu como reformado vi num post seu que não, podia fazer o PPR, para ir buscar os 350 EUR, devido à minha mulher receber da retenção do seu trabalho 1200 EUR. O que comecei a fazer, em vez do PPR, fiz as contas ao investimento durante 1 ano+ juros+350 EUR ( tenho 56 anos), quanto é que tinha de poupar.
    Então consigo por +- por mês 800 a 1000 EUR.
    Vou fazer isso durante 10 anos. Tenho sempre dinheiro para o dia.
    Foi a minha opção é não estou a emprestar dinheiro a ninguém, a não ser ao meu Banco.

    Responder
  3. José Silva

    Bom dia, onde posso encontrar o grafico apresentado em cima?

    Obrigado

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá. Na página do banco onde vai subscrever o PPR. Antes de o subscrever. Para saber o que vai comprar. Basta ligar para o apoio ao cliente do banco que eles ajudam 🙂

      Responder
  4. Filipe

    Boa noite Pedro.
    Alguma vez fez as contas ao custo de deter um PPR vs investir num etf global?
    Acha que a tributação mais favorável é realmente mais vantajosa a longo prazo? Pelo menos em termos históricos não me parece. Imagine o custo de 2,34 ao ano de gestão do ar PPR vs 0.2 do iwda. Sei que este último é mais volátil, mas não sei se é mais arriscado. E ao fim de alguns anos não há benefícios fiscais que compensem a diferença nos custos de gestão…

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá. Por isso é que tenho os dois :). Diversifico. Daqui a 5 anos respondo-lhe com toda a propriedade, com contas reais. Nunca pôr os ovos todos no mesmo cesto. É o que estou a tentar fazer. O meu objetivo é no final ter uma boa média e não um super produto que pode ter resultados fantásticos e quando precisar resgata-lo revelar-se um desastre…

      Responder
    • Tiago

      Concordo com essa análise porque eu próprio também a sigo (embora não com o Iwda, sim com o spdr devido ao menor custo e menor preço). No entanto diria que há diferentes perspectivas sobre as vantagens com os PPR:
      – PPR tem vantagem de poder ser usada como seguro e com isto termos um “Depósito a Prazo” com taxa de juro superior a qualquer DP e sempre disponível para levantamento;
      – há PPRs que ao abrigo de acordo com entidades empregadoras, o valor que o trabalhador investe é igualado pela entidade empregadora;
      – o benefício fiscal, grande ou pequeno é um valor considerável para um cenário em que é um ganho “certo”!;

      No entanto, concordo com o princípio base do teu comentário sobre os ETFs: tão importante como a valorização é diminuir ao máximo os custos associados. Nisto, os ETFs são imbatíveis.

      Responder
  5. Sara

    Bom dia.

    No site do montepio não tem esse gráfico.
    Também gostava de ver o gráfico do meu PPR.

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá. O que lhe responderam no apoio ao cliente do montepio?

      Responder
  6. Nuno

    Caro Pedro,
    Como encara a comissão de subscrição do PPR Stoik, até um máximo de 2% por cada entrega, não parece demasiado elevado?
    Quanto aos 10% da mais valia, compreendo o propósito da mesma.

    Obrigado e votos de continuação com o Blog.

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá. Sim, está escrito que PODE ser no máximo de 2%. Mas estão a cobrar zero. Confirmei antes de subscrever.

      Responder
  7. Vitor Mendes

    Bom dia Pedro,

    Graças à ajuda dos seus preciosos artigos, decidi criar um PPR para aproveitar os benefícios fiscais.

    Neste momento tenho uma dúvida que penso que me pode ajudar:
    estou a pensar fazer um segundo PPR. Posso benefeciar fiscalmente dos dois? Isto é, o limite máximo de 400€ de benefício fiscal é no total, ou posso beneficiar de 400€ em cada um dos PPRs?
    Isto para tentar perceber se vale a pena o esforço de tentar investir 2000€ em cada um dos PPRs (em termos de possível benefício fiscal), ou se apenas me vale a pena investir 2000€ anuais distribuidos pelos dois PPRs.

    Responder
  8. fatima

    Boa noite Sr. Pedro eu tenho um dinheirito que venceu este mes dos certificado de aforro pode me dizer onde o aplicar ? qual banco melhor fazer um ppr? grata Fátima Alves

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá Fátima. Não me permito fazer isso. Terá de investigar por si e decidir. Mas tem muita informação para começar a investigar nos artigos do blogue e nos comentários aqui e na página de Facebook.

      Responder
  9. Alexandra

    Olá Pedro!

    Obrigada pelas suas partilhas e reflexões.

    Uma opinião: Um PPR de baixo risco (conservador Santander – sem investimento em ações) feito em Dezembro de 2021. Atualmente com uma perda de cerca de 170 €. Devo ficar preocupada? Sinto que está a ser em demasia. Tem sugestões de ação a tomar perante esta perda? Tranferência para PPR de outra instituição s/ risco? Resgate? Manutenção de PPR?

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá. Têm a certeza de que o PPR não tem ações?! Confirme por favor. Tenho quase a certeza de que terá uma parte em ações, pela sua descrição. Em todo o caso, se já teve lucros no passado, agora é o momento de reforçar, não de resgatar. Vai perder dinheiro porquê? Um ppr é para manter dezenas de anos.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Partilhe o Artigo!

Partilhe este artigo com os seus amigos.