Painel solar fotovoltaico – Balanço do 4º mês

Para quem só chegou agora ao blogue do Contas-poupança, recordo que decidi comprar no fim do ano passado um painel solar fotovoltaico de 250 W para produção caseira de eletricidade (auto-consumo imediato, sem baterias). Com isto pretendo baixar a minha fatura de eletricidade.

É um teste que estou a fazer (às minhas custas) para saber se compensa ou não investir nestes equipamentos. Há quem diga que compensa, há quem diga que não. Estou a fazer as contas.

Mês 4 – Março 2017

Finalmente, boas notícias. O sol deu a volta e já começou a produzir mais do que nos meses anteriores. O painel solar confirma que na Primavera o sol brilha mais :).

Este é o gráfico da produção de um dia ao acaso.

Como podem ver, o painel começa logo a produzir eletricidade às 7h45 e só termina depois das 18h. Aliás, se repararem bem, termina abruptamente por volta das 18h05. Cai mesmo a pique. Não é o sol que se põe num segundo, é mesmo asneira da minha parte quando o instalei. Farei um artigo (assim que tirar uma foto específica) só sobre isso para vos prevenir caso estejam a pensar instalar um em vossa casa. Erro de principiante, mesmo. Adiante. Conclusão principal: os dias são mesmo maiores, por isso o painel produz mais.

Quanto produziu em Março

Como podem ver no gráfico abaixo, só no final de Março é que baixou um pouco, com algumas nuvens e um dia de chuva. Fora isso, andou sempre à volta dos 1,5 kWh diários e essa tendência mantém-se em Abril.

Total do mês de Março

Como podem ver, no total do mês, o painel de 250 W produziu 36,091 kWh. Como sabem, nem todos foram consumidos porque tenho os equipamentos tão controlados que sempre que não estou em casa o consumo da casa é muito baixo mesmo. Alguém que deixasse os standby todos ligados consumiria a produção toda. As contas deste teste partem do pressuposto que consome toda a produção no instante em que é produzida (não tenho baterias).

Este mês demorei mais a fazer o balanço mensal porque decidi construir uma folha Excel para acompanhar sem falhas todo o processo. Os resultados são estes:

Atualizarei este ficheiro mensalmente.

Principais conclusões

De Fevereiro para Março, a poupança quase duplicou (de 4,68 € para 7,19 €).

De 11 anos de retorno para pagar os 620 euros que investi, desceu em Março para 9,6 anos. Espero que continue a baixar. Vamos ver.

Podem ver aqui os artigos anteriores (mês 1, mês 2, mês 3a instalação).

Acompanhem aqui no Blogue e no Facebook esta pequena aventura fotovoltaica.

É uma análise completamente independente e que parte com o (meu) preconceito de que vale a pena investir num painel solar a médio prazo (7 ou 8 anos). A ver vamos se se confirma a minha ideia.

(Entretanto, ando a ver preços de baterias em segunda mão).



19 comentários em “Painel solar fotovoltaico – Balanço do 4º mês

  1. José Jesus Reply

    Em resposta a PEDRO ANDERSSON.
    Não compre baterias porque a energia que não consome, é injetada na rede, não é desperdiçada.
    Se tiver acesso ao seu contador, veja se a rotação dele inverte, quando não está a consumir a energia produzida pelo painel!
    Normalmente é isso que acontece, e o contador ao inverter a rotação está a reduzir a contagem.
    Se tiver um contador analógico, ( com aquela roda que está sempre em movimento quando há consumo), é mais fácil de ver.
    Se o contador for digital já é mais difícil de ver, porque só notará nos dígitos que começam a reduzir muito lentamente.
    Eu tenho 7 paineis de 200W e um inversor de 1500W, ( aparelho que converte a corrente CC dos paineis em CA e injeta na rede), e é uma maravilha ver o meu contador a andar para trás quando o consumo é baixo cá na casa.
    Gastei cerca de 2.000€ no conjunto,( a montagem foi feita por mim), mas creio que valeu a pena o investimento.
    Se eu tiver uma redução de 200€ anuais, ganho muito mais do que ter esses 2.000€ no banco, que atualmente não dá nada.

    • José Jesus Reply

      Retificação:
      Não tenho a certeza, se o comportamento dos contadores digitais, é o mesmo dos analógicos.
      Quem tiver digitais convém fazer uma análise visual para confirmação.

    • José Jesus Reply

      Por outro lado se quiser comprar bateria, pode ter uma reserva, para consumir á noite por exemplo, mas para isso requer mais equipamento, e não sei se compensará o investimento, visto que tanto as baterias como os equipamentos, teem preços ainda bastante elevados.
      Mas vale a experiencia!

  2. Rui Reply

    Aderi ao sistema da EDP (2 paineis de 250W) numa perspectiva económica (redução da minha factura) e ambiental (estou ciente que tudo o que produzir a mais e não consumir será injectado na rede). A instalação dos paineis pelos técnicos é feita numa perspectiva de maior benefício para a empresa pois a orientação dos mesmos privilegia a captura da luz matinal e não do final de dia (quando o consumo interno é maior); creio que a produção dos meus cairá a pique ainda antes das 18h como o exemplo do último gráfico aqui colocado. Não tenho o sistema “redy” da EDP porque, findo o período de oferta, o valor cobrado pela EDP pelos aparelhos iria anular a minha parca poupança e aumentar significativamente o período de amortização dos paineis. Assim sendo, não tenho uma forma expedita de gerar gráficos de produção e deixo a questão se me puder ajudar neste aspecto: o que necessito (e onde adquirir) para registar a produção dos meus paineis? Muito obrigado

      • José Jesus Reply

        Bom dia Pedro.
        Onde tem colocado o aparelho, que faz essas medições da produção dos paineis?
        Obrigado.

          • José Jesus

            Obrigado pela resposta.
            Não seria mais lógico ficar junto ao micro inversor?
            Não entendo como o sensor distingue, a energia produzida pelos paineis, da energia da rede, estando colocado junto do contador.

            Cumprimentos.

          • Pedro Andersson
            Pedro Andersson Post author

            Está ligado apenas ao fusível da arrecadação onde está ligado o painel. O meu medidor funciona assim. http://Www.eot.pt há outros que funcionam de forma diferente. Escolhi este porque mede de 15 em 15 segundos.

  3. HT Reply

    Boas, gosto muito do blog.
    Se puder partilhe dados sobre o consumo do seu contador de electricidade para ver se é perceptível uma redução do consumo de electricidade da rede. Só assim é que se poderá de facto ter uma ideia da poupança conseguida.
    Cumprientos.

  4. Jose soares Reply

    Uma pergunta. Consomem toda a energia produzida ou não. Se não consumimos a energia vai para a rede de graça não é verdade.

    • José Jesus Reply

      Não José, a energia que não consumir é injetada na rede, e assim reduz a contagem do contador.

      • José Jesus Reply

        Digo isto, porque vejo o meu contador, (que é analógico) andar para trás.
        Em contadores digitais não tenho a certeza do resultado.
        Só mesmo estando atento ao contador, e verificar se reduz a contagem quando não está a consumir.

        • Pedro Andersson
          Pedro Andersson Post authorReply

          Olá. Isso só acontece em alguns analógicos.

          • José Jesus

            Parece que sim Pedro.
            Eu tenho o meu sistema montado há muito pouco tempo. Ainda estou a ver quais são os resultados reais.

    • José Jesus Reply

      Sim José, toda a energia que não é consumida é injetada na rede.
      A principio eu ainda pensava que o facto de o contador inverter a rotação, fazia com que a contagem fosse também invertida mas parece que isso não acontece, porque os dígitos só andam em ordem crescente e nunca decrescente.
      O melhor a fazer, para tirar maior partido da energia produzida, é procurar forma de colocar os aparelhos elétricos a funcionar nas horas de maior produção de energia.
      Podemos colocar as máquinas a lavar por exemplo. Se não estamos em casa, podem ser utilizadas aquelas fichas com temporizador, programando-as para ligarem á hora que quisermos.

  5. Fernando Gomes Reply

    Caro Pedro, obrigado pelo seu esforço e detalhe. Acompanho desde o início e o seu trabalho foi a gota que faltava para eu dar o mesmo passo. Já tinha feito muitas contas e suposições, depois de as confirmar com as suas estatísticas, avancei.
    1 painel mono 270W + microinversor + “instalo eu” = 340€
    Num dia “bom” não passa dos 230W em pico, mas mesmo assim bate certo – apenas o meu retorno de investimento será menor porque gastei menos.

    O seu trabalho ajudou-me e ajudará outros – continue!

    Cumprimentos,
    Fernando

  6. Miguel Reply

    Boas,
    Ja acompanho o seu progresso desde o inicio e decidi tambem entrar no caminho da poupanca fotovoltaica (2 paineis de 250W). Acho que os proximos 4 ou 5 meses vao ser mais elucidativos da poupanca real.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *