O meu primeiro Fundo de Investimento – Como está a correr?

Escrito por Pedro Andersson

14.03.18

}
11 min de leitura

Publicidade

O meu primeiro Fundo de Investimento

Estou a iniciar uma nova aventura. Como já vos disse sou profundamente conservador quando falamos de investimentos. Afinal de contas, custa tanto poupar algum dinheiro… Vou agora arriscar perdê-lo? Voluntariamente? Devo arriscar em Fundos de Investimento? O que são? E como funcionam?

Nestes 8 anos de Contas-poupança sempre dei dicas sobre como poupar ou gerir melhor o nosso dinheiro mas sempre, sempre, no pressuposto de manter o dinheiro em produtos de capital garantido.

Mas as pessoas insistem em perguntar onde é que o dinheiro delas rende mais e acabo sempre por sugerir os Certificados do Tesouro Poupança Crescimento. Rendem uma média de 1,39% ao fim de 7 anos, com mais um bónus conforme o crescimento do PIB de Portugal.

Os depósitos a prazo estão a render perto de zero. Fui ver quanto está a render o meu depósito a prazo e fico envergonhado por vos dizer que está a render neste momento 0,40 %, brutos. Ou seja, 5 mil euros rendem 20 euros certos em juros e após o imposto de 28% limpos, metem na minha conta 14,40 €. Mais do que isso levam alguns bancos só na anuidade do Multibanco.

E opções?

Resolvi, portanto, investigar as alternativas que possam render mais ou pelo menos um pouco mais. Procurei produtos de investimento que rendam 4 ou 5% ao ano.

Dos especialistas que entrevistei, todos me sugeriram começar pelos Fundos de Investimento. Pode rever AQUI a reportagem do Contas-poupança. Há mais tipos de Fundos. Imobiliários, por exemplo. Lá irei mais à frente.

No artigo que publiquei nesse dia, prometi que iria testar estes produtos. Digo recorrentemente que o sucesso das reportagens do Contas-poupança é testarmos o que sugerimos ou mostramos. Se resulta, fazemos reportagem, se não resulta não fazemos. Neste caso só deu para testar depois. Mas a convicção geral de quem investe em Fundos de Investimento é que a médio/longo prazo de facto são um produto rentável.

A ver vamos. Aviso que estou a arriscar o meu próprio dinheiro (não da SIC) e vou partilhar convosco regularmente (a ideia é mensalmente, mas sempre que registar “episódios” de perda ou de ganho direi) a minha aventura.

Escrevi propositadamente “aventura” porque é isso mesmo. Quem investe em Fundos de Investimento tem de perceber antes de tudo que é dinheiro que não pode precisar para o seu dia-a-dia. É dinheiro que tem de estar disposto a perder. E é para ficar parado (a render ou não) durante 5 anos ou mais. Em muitos casos é até à idade da reforma. Só assim vale a pena.

Primeiro o Fundo de Emergência

E só deve fazer isto DEPOIS de já ter o seu Fundo de Emergência. Isto é, 6 a 12 meses do seu salário para enfrentar qualquer situação imprevista que surja: Doença, acidente ou desemprego. Ter este fundo no banco – mesmo que a render zero ou quase – deve ser a sua prioridade. Nunca invista esse dinheiro! É mesmo para ficar quieto e disponível a qualquer momento.

Outra nota muito importante. Vou relatar com detalhe a minha experiência mas NÃO É DE TODO um conselho para que façam o que eu fizer. No meu caso é dinheiro que estou na disposição de arriscar (porque é um valor simbólico) e eventualmente até perder. Mas quero aprender e vou errar, bater com a cabeça na parede, vou ter dúvidas, vou perguntar e vou corrigir (se der) e se me fartar ou perceber que isto dos Fundos (ações e obrigações) não é para mim desistirei sem nenhum problema.

É apenas o meu processo e a minha experiência. Não é um conselho nem um modelo. É um retrato de quem não percebe nada do mercado bolsista que vai aprendendo (espero) e que vai partilhar convosco o que acontecer. De bom e de mau.

Um investimento simbólico para testar

Como disse o meu investimento real terá um valor simbólico para começar a perceber como funciona. Mas para as contas fazerem sentido e terem alguma leitura vou assumir sempre o valor de 1.000 euros, que é o valor que os documentos de cada fundo também assumem para explicar a evolução do fundo ao longo dos anos.

O começo

Nunca na minha vida, e tenho 44 anos, investi na bolsa e em ações. Tenho muito medo da arbitrariedade e da instabilidade do mundo bolsista. Não gosto de me ir deitar e ter medo de não ter o dinheiro lá no dia seguinte. Como é que me convenceram?

Em primeiro lugar, eu não estou a comprar ações diretamente. Nem saberia escolhê-las. E são caras. E tenho de pagar comissões só para as comprar e depois para as manter e depois para as vender. Tenho horror a comissões.

Subscrever um Fundo de Investimento (pelo que percebi), é entregar o dinheiro que entender a um gestor (uma empresa especializada) que pega no meu dinheiro e no de centenas de outras pessoas e investe esse dinheiro em ações, obrigações e outros produtos financeiros para com esse dinheiro tentar ganhar o mais possível. Mas com regras bem definidas. Eu é que decido – entre milhares de Fundos – qual é o risco que estou disposto a assumir. Vai de 1 a 7. Claro que quanto mais arriscar mais posso ganhar, mas também posso perder.

Essas empresas gestoras de Fundos, cobram uma comissão pelo seu trabalho que está incluído no lucro que o fundo tiver. Por exemplo, se eles cobrarem uma comissão de 1,5% isso quer dizer que eu só terei lucro se o conjunto de ações e obrigações que eles escolherem subir pelo menos 1,6%. Se o fundo estiver a perder 5%, o valor da comissão deles já está incluído nesse valor. Ou seja, o fundo na realidade só perdeu 3,5%. Portanto, eles ganham sempre. Mas, como é óbvio, é do interesse deles que o fundo ganhe o mais possível porque como é uma percentagem querem ganhar também o mais possível. E depois há o prestígio da entidade gestora. Se os Fundos dela só dão prejuízo os clientes passam todos para a concorrência. E fecham a loja.

Desde que percebamos isto (creio que percebi) é mais fácil aceitar o risco.

Como foi o meu processo de escolha?

Praticamente todos os bancos oferecem aos clientes a possibilidade de subscreverem Fundos de Investimento. O seu banco de sempre terá Fundos que pode adquirir. É por Unidades de Participação. Cada Fundo tem as suas regras e o seu valor. Uma UP (Unidade de Participação) pode ser de 5 euros ou de 250 euros ou de 1.000 ou até 10.000 euros). Também pode, em alguns fundos, comprar 200 euros e as UP assumem esse valor. Fica por exemplo com 43,5 unidades de participação. Noutros casos tem de ser o valor unitário.

Aproveito já para deixar um alerta. Logo no primeiro momento ia fazendo uma asneira das grandes. O processo pode ser no balcão do banco ou totalmente online. No homebanking do seu banco pode subscrever Fundos a qualquer hora do dia ou da noite. Num dos bancos onde subscrevi um Fundo escrevi o valor que pretendia subscrever no campo do valor das unidades do fundo que queria. Aquilo dava erro e eu não percebia… Até que com a ajuda do call center percebi que estava a querer comprar 50 euros de um fundo em que cada UP custava um balúrdio. Dava erro porque a minha conta não tinha dinheiro suficiente para fazer aquela subscrição. Correspondia a milhares de euros. Ainda bem que deu erro porque é uma trabalheira voltar atrás e anular uma ordem de compra. Fica o aviso.

Primeiro. Onde?

Como já disse, todos os bancos têm Fundos. Mas optei por subscrever os meus fundos em 2 bancos exclusivamente online e com comissões Zero. Porquê? Porque apesar de ter contas em 5 bancos, não pago comissões de manutenção de conta em nenhum. No dia em que me cobrarem comissões para ter lá o dinheiro fecho essas contas. Simples. Por isso não quero ter lá Fundos que me obrigariam a continuar lá. Ainda me davam prejuízo.

Assim procurei logo de início bancos que têm comissões Zero. Escolhi dois porque percebi pela conversa que tive com os vários Call Centers que há estratégias diferentes.

Prepare-se para o inquérito

Em primeiro lugar, vai ter de responder a um longo inquérito sobre os seus conhecimentos financeiros. E sobre o seu perfil de risco. Para que possam orientá-lo melhor. As diretivas do Banco de Portugal atualmente são implacáveis, e ainda bem. Num dos produtos que escolhi, tive de preencher um formulário que dizia que aquele produto não era aconselhável para mim e tive de clicar na cruzinha que dizia que eu assumia a responsabilidade de subscrever aquele fundo. Fi-lo em consciência.

É cada vez mais difícil alguém ser enganado e subscrever estes tipo de produtos pensando que são contas a prazo. Tem quilos de papel para ler sobre cada fundo.

Pedi para conversar, em ambos os bancos, com alguém que me pudesse aconselhar sobre por onde devia começar. Nos dois bancos que escolhi foram extremamente amáveis e não me trataram como ignorante. Explicaram-me tudo tim tim por tim tim. Não tiveram pressas e fiz todas as perguntas que quis. Estive quase uma hora ao telefone com cada um deles.

Fui o mais claro que pude: “Não percebo nada disto. Preciso de ajuda para saber por que tipo de Fundo devo começar para depois não me assustar e ficar decepcionado…”

 

Aconselharam-me Fundos Mistos (com ações e com Obrigações). As Obrigações são produtos dos vários Estados e grandes empresas que rendem menos mas são mais estáveis e seguras. Depois o que muda é a quantidade de ações que se juntam às Obrigações e o tipo de ações.

Num banco, aconselharam-me subscrever apenas um Fundo. Explicaram-me que ele próprio já tinha tanta variedade de produtos dentro dele que já era representativo do mercado e que ao longo dos últimos 10 anos tem tido sempre um rendimento estável e constante. Não devo esperar ficar rico, mas quase de certeza que renderá por ano mais do que os Certificados do Tesouro, se esperar 5 anos ou mais.

Fazer uma carteira de Fundos

No outro banco, a estratégia que me aconselharam foi diferente. Para o valor que tinha disponível, sugeriram comprar 4 fundos: 25% de cada um. 25% de um fundo que arrisca mais e que, portanto, pode render mais que os outros. E depois, 25% num fundo mais constante e com pouca volatibilidade (sem grandes altos e baixos), outro mais centrado em ações na Europa e outro que é mais global e que até arisca um bocadinho em acções nos Estados Unidos e na Ásia. Fico com uma chamada “Carteira de investimento”. Mandaram-me por PDF uma lista dos Fundos que estão a recomendar este mês (tipo menu de restaurante) e foi dentre esses que escolhi os 4 que subscrevi.

Percebi que para cada Fundo há uma classificação de estrelas de uma agência que se chama “Morning Star” que ajuda a perceber se os tipos são bons ou não e, muito importante, perceber que rendibilidade cada fundo teve nos últimos 5 ou 10 anos. E quando teve resultados negativos, é importante comparar com fundos semelhantes, porque se os resultados foram menos negativos que os concorrentes é aí que se pode ver se eles são mesmo bons ou não.

Por exemplo, pode parecer estranho, mas subscrevi um fundo que desde o princípio do ano está a dar prejuízo… A expectativa é que recupere rapidamente, porque nos anos anteriores resultou bem.

1 num, 4 noutro

Assim, em resumo, escolhi 1 Fundo num banco e uma carteira de 4 Fundos noutro banco. Irei, ao longo do tempo, comparar o desempenho das duas situações.

Logo no primeiro dia, quer um quer outro renderam mais do que o meu depósito a prazo num ano. Isto é o mais extraordinário para mim. Como o valor do Fundo é diário, se as bolsas crasharem posso perder 10, 15 ou 20% mas basta esperar que recuperem para recuperar o meu dinheiro (não posso vender em perda, quer dizer, não devo). Mas também daqui a 1 mês com uma loucura qualquer na Bolsa pode subir 15% e se quiser vender nesse dia terei garantido nesse dia esse lucro que jamais teria com o depósito a prazo. É esse o “fascínio” da coisa.

Devo estar atento ao evoluir da situação. Se atingir o meu objetivo com esta poupança daqui a 6 meses ou 1 ano, não tenho de estar à espera dos 5 ou 10 anos. Por outro lado, para atingir o valor que pretendo (se houver crises nas bolsas pelo meio) posso ter de esperar 7, 10 ou 12 anos. Nunca se sabe. Rendibilidades passadas não são garantia de rendibilidades futuras.

DIA 1 de negociação

Valor investido (proporcional ao valor real): 1.000 €

Fundo de Investimento 1

(misto): + 0,83%

Valor ao fim do dia: 1.011,84 €

 

Fundo de Investimento 2

Carteira: 1.000 €

Fundo 1 (misto): + 0,52%

Fundo 2 (misto global): + 0,56%

Fundo 3 (misto): + 0,36%

Fundo 4 (misto agressivo): + 0,45%

Valor ao fim do dia: 1.000,79 €

Vou dando notícias. Hoje foi o primeiro dia da minha poupança “fora de pé”…

Acompanhe-nos AQUI

Registe-se AQUI para receber a Newsletter do Contas-poupança. Assim não perde nenhuma dica.

Se quiser um resumo muito claro e prático das dicas que demos nestes anos todos, pode adquirir o livro “Contas-poupança”. Escrevi-o com esse propósito.

É só clicar AQUI abaixo.

 

 

Publicidade

Sobre mim: Pedro Andersson

Ir para a página "Sobre Mim"

Siga-nos nas Redes Sociais

Para si | Artigos Recentes 

EURIBOR HOJE | Taxas descem a 3 e 6 meses e sobem a 12

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

Devolução de propinas – Prazo termina esta sexta-feira

Mais de 165 mil jovens já pediram o Prémio salarial Atenção ao prazo! O prazo para pedir o Prémio Salarial, que prevê a devolução aos jovens do dinheiro que investiram na sua educação superior, termina esta sexta-feira, dia 31 de maio. Os licenciados e mestres que...

EURIBOR HOJE | Taxas sobem a 3 e 6 meses e descem a 12

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

COMBUSTÍVEIS | Preços na próxima semana (3 a 9 de junho)

Preços dos combustíveis na semana que vem A informação dos preços dos combustíveis é baseada nos cálculos que têm em conta a cotação nos mercados internacionais e outros fatores considerados na formação do preço dos combustíveis em Portugal. São dados que recolho...

PODCAST | #244 -Vale a pena investir em ouro? (A pergunta do Pedro)

Subscreva a nossa Newsletter, para não perder nenhuma dica *Ao subscrever, a informação partilhada será usada de acordo com os nossos Termos e Condições e a nossa Política de...

Jovens vão poder decidir a cada ano que regime de IRS preferem

Opção pelo IRS jovem é anual e poderá ser alterada ou renovada O novo modelo de IRS Jovem aprovado recentemente pelo governo é diferente daquele que ainda vigora atualmente, na medida em que prevê uma redução das taxas do imposto que incidem sobre os escalões de...

Rendas de pessoas deslocadas em trabalho vão poder ser deduzidas

Medida aplica-se a deslocados a mais de 100 quilómetros de casa As pessoas que tenham de ir trabalhar para mais de 100 quilómetros de distância da sua residência habitual e pretendam rentabilizar a sua habitação enquanto estão fora vão poder deduzir a esse rendimento...

Garantia pública extingue-se quando jovens pagarem primeiros 15% do empréstimo

Garantia pública de até 15% aplica-se a casas até 450 mil euros O governo aprovou recentemente uma garantia pública de até 15% para ajudar os jovens até aos 35 anos a conseguir financiamento para comprar casa. Na segunda-feira, ao terminar o Conselho de Ministros...

EURIBOR HOJE | Taxas descem em todos os prazos

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

COMBUSTÍVEIS | Qual é o preço justo esta semana? (27 de maio a 2 de junho)

Qual deveria ser o preço justo? A ERSE faz semanalmente as contas para o consumidor saber qual é o preço "justo" dos combustíveis face ao preço das matérias-primas e transportes de combustível. Esse preço "justo" já inclui uma margem de retalho de cerca de 10% para as...

Publicidade

Artigos relacionados

16 Comentários

  1. Luis Reis

    Pode-nos revelar em que bancos é que a comissão de gestão de carteira de fundos de investimento é 0,00€? Obrigado.

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá Luis. Pelo que percebi aos bancos não vou pagar comissões de gestão de carteira. Ao contrário das ações. As comissões são pagas diretamente ao fundo de investimento que estão incluídas e descontadas no lucro do fundo. Cada fundo tem uma comissão de gestão diferente. 0,5 ou 1 ou 1,5 ou 1,8 ou 2%. Tem de ler essa informação na FIN do fundo. É um critério importante. Obviamente, os bancos receberão uma comissão qualquer mas será entre o fundo e eles, suponho.

      Responder
  2. Bruno

    Bom dia, não é uma questão de publicidade mas ajudava imenso que informasse o nome dos bancos, pois facilitaria muito o trabalho de pesquisa que tem de ser feito por quem o segue, e além disso você já possui outros conhecimentos que o comum dos mortais não possui.

    Responder
  3. Pedro Correia

    Bom dia Pedro,
    como aqui já foi referido, ajudava-nos imenso,(pelo menos falo por mim)
    que nos pudesse referenciar que Bancos aplicou o seu dinheiro nos Fundos.
    Não por nenhum tipo de publicidade a esses mesmos bancos, mas por partilhar estas sua experiência
    já iniciada com esses Bancos. (sei que não ético para si dar esse tipo de informação)

    mas da forma como escreve e descrever a sua nova experiência, dá-nos mais segurança a Investir nesses Bancos,
    pois a sua escrita dá-me uma melhor compreensão, das propostas assentes em cima da mesa.
    vi a sua reportagem á cerca deste assunto e vi os bancos com que entrevistou. não sei se serão esses ou não.

    mas fica-lhe imensamente agradecido por essa informação.

    continuação de um bom trabalho, porque ele é importante! e nos ajuda a todos nós.

    melhores cumprimentos;
    Pedro Correia

    Responder
  4. FRANCISCO XAVIER T. CASTRO SILVA MOURA

    Tenho investido em FI, e não me tenho dado mal. Não sei se no Fundos que o Pedro investiu, o valor da UP é sempre do dia seguinte, o que nos pode surpreender (na positiva ou negativa. Outra questão é a Comissão de Resgate antecipado, caso invistamos a curto prazo. O acompanhamento diário do valor das UPs pode ser também interessante.

    Responder
    • Pedro Andersson

      No caso de alguns dos fundos que subscrevi é o valor de 3 dias depois.

      Responder
  5. Diogo Araújo

    Bom dia Pedro,

    É ótimo ver nesta rubrica um conselho de investimento, além dos ótimos conselhos de poupança existentes. De facto, apenas poupar pode não nos servir de muito, se não soubermos investir!

    Quero dizer que, relativamente a investimentos, há uma maneira mais simples, mais barata e com melhores resultados do que os fundos de investimento que está a utilizar.

    De facto, procure a opinião de Warren Buffet sobre fundos e veja também a aposta que ele lançou aos mesmos.

    Peço que me contacte, pelo email que aqui deixo e terei todo o gosto em partilhar consigo e com as pessoas que seguem o programa/página.

    Cumprimentos,
    Diogo Araújo

    Responder
    • João Rio

      Diogo, por acaso acompanho as cartas do Warren Beffet, e mesmo outros guros aconselham o mesmo, e tenho andado à procura de um fundo indexado, aos EUA, S&P 500, ou na Europa, Stoxx 600, com baixo custo. Poderia aconselhar alguns? E através de que banco / corretora poderia comprar?

      Obrigado

      João

      Responder
  6. Manuel P

    Bom dia Pedro,
    Eu tenho investido pela Raize ha 3,5 anos e tenho me dado bastante bem.
    A raize separa os emprestimos por categorias: do A, B+, B, B-, C+, C (do menos arriscado ao mais arriscado). Atualmente, so tenho praticamente A, B+ e B. Em 3,5 anos e meio, rendeu-me em media (entre ganhos e perdas de insolvencia – impostos), 6,2% liquido. No meu caso, as perdas por insolvencia das empresas, so aconteceram em empresas de risco B- para baixo. Desde entao, fixei-me no B para cima e nunca mais houve qualquer problema.

    Evidentemente que tem um risco, mas no meu caso pratico e até hoje, o que é certo, é que ganhei mesmo 6,2% contanto ja com tudo.

    Responder
  7. João Rio

    Diogo, por acaso acompanho as cartas do Warren Buffet, e mesmo outros guros aconselham o mesmo, e tenho andado à procura de um fundo indexado, aos EUA, S&P 500, ou na Europa, Stoxx 600, com baixo custo. Poderia aconselhar alguns? E através de que banco / corretora poderia comprar?

    Obrigado

    João

    Responder
  8. joão carlos

    pelo layout apresentado aposto no Banco Best e ActivoBank , acertei , Pedro ?

    Responder
  9. joão carlos

    Boa noite , aconselho a espreitarem o Fundo Imobiliário Vip , comercializado através do Montepio e distribuição de rendimentos trimestral , o valor pode ser reinvestido , subscrição a partir de 5 unidades.

    Bons investimentos e um abraço,

    João Carlos

    Responder
  10. André

    Bom dia,

    ao tentar subscrever o fundo que tem no AB diz-me que apenas posso subscrever um mínimo de 2500€, como investiu apenas 1000€?

    Obrigado.

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá. Não sei. As regras do fundo podem ter mudado. Mas eu não disse quanto investi. Apaguei os números de propósito. Cada um terá de escolher o fundo que entender com as regras no momento da subscrição. Tudo muda muito rapidamente. Já me aconteceu.

      Responder
  11. Fernando

    Pelas informações trabalha com a corretora DeGiro, tem experiência com a eToro?, parece-me que cobra menos comissões, qual a sua opinião?.

    Responder
    • Pedro Andersson

      Não. Só tenho a Degiro. Não experimentei outras. Cada uma terá as suas vantagens.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Partilhe o Artigo!

Partilhe este artigo com os seus amigos.