Painel solar fotovoltaico – Balanço do mês 11 (Outubro 2017)

Painel solar – Mês 11  (Outubro 2017)

 

Como era de prever, a produção (com o sol mais “baixo” nesta altura do ano) está a diminuir. É perfeitamente normal e vai baixar ainda mais a cada dia que passa. Não só por causa da posição da Terra nos meses de Outono/Inverno, como também porque os dias estão mais nublados e até com chuva.

Como podem ver no gráfico abaixo, mesmo nos dias de sol sem nuvens, a produção já não chega aos 200 W de pico. No Verão chegava aos 220 W ou mais.

A produção da minha “central” elétrica

Como podem ver no gráfico abaixo, o painel produziu quase todos os dia menos de 1,5 kWh (1.500 W) e em alguns dias chegou mesmo a metade disso ou quase (nuvens e chuva). Perfeitamente normal.

 

Recordo – para quem chegou agora ao blogue Contas-poupança – que para perceber se compensa ou não investir num Painel solar fotovoltaico comprei um em Dezembro do ano passado. Instalei-o no telhado do meu condomínio (com autorização dos vizinhos). Produz até 250 W de eletricidade para consumir em casa em tempo real, sem baterias.

E quanto produziu em Outubro?

Em Outubro produziu (como podem ver abaixo) 35,403 kWh. Muito menos que nos mês anterior. Se tivesse gasto tudo o que o painel produziu (que nunca é o caso) teria tido uma poupança de aproximadamente 7 € (a cerca de 0,20 €/kWh) na fatura da luz.

 

Quanto tempo para amortizar o painel solar?

(Repito isto em todos os posts) Como sei que estão sempre a fazer esta crítica, relembro mais uma vez que sei muito bem que não estou a poupar tudo o que o painel solar produz. Como não tenho baterias, tudo o que não consumo instantaneamente é oferecido à rede sem qualquer retorno. Mas faço as contas com este total para que cada um possa usar estes valores para adaptarem ao vosso caso. Eu não sei se gastam ou não o mesmo que eu. Sempre que saio de casa desligo todos os standby, pelo que durante o dia sobra sempre muita energia produzida pelo painel. (Fim da nota)

As contas de Outubro

Dos 11 anos de retorno iniciais (dados de Dezembro 2016) para pagar os 620 euros que investi, em Maio, desceu para os 7,9 anos. Com os dados de Setembro, tinha o retorno do investimento em 6,8 anos. Agora voltou a subir. Já está nos quase 7 anos. E vai piorar nos próximos meses.

 

Estou a calcular de forma absolutamente especulativa um desperdício de 30% à minha produção. É apenas intuição. Ainda não encontrei maneira de calcular com todo o rigor o que ofereço à rede. Assim sendo, com esse desperdício, o retorno do investimento estaria nos 9 anos.  Se quiserem saber mais sobre a instalação e os meses anteriores basta pesquisar  no motor de busca do blogue na página inicial “painel”.

Acompanhem aqui no Blogue e no Facebook esta pequena aventura fotovoltaica. A ideia é ajudar os curiosos a perceber se no vosso caso é um investimento útil ou não e como funciona.

 



25 comentários em “Painel solar fotovoltaico – Balanço do mês 11 (Outubro 2017)

  1. Carlos Campos Reply

    Caro José Freitas,
    É como diz, “…é curioso, …”, no entanto há uma explicação para o sucedido;
    Deverá ter o seu módulo Fotovoltaico com uma inclinação na ordem dos 25°, e com orientação Sul, e no máximo com um desfasamento de 17 a 24° a Oeste, como a temperatura exterior é menor, e há mais vento, faz com que o módulo não aqueça tanto, logo, menos temperatura no módulo vs células fotovoltaicas de silício, igual a menor percas de eficiência/potência em Watts.
    Espero ter ajudado a explicar o dito “fenômeno”.
    Despeço-me com o desejo de boa saúde para todos (as).
    Carlos Campos

  2. Nuno Reply

    Olá Sr. Pedro. Hoje recebi uma chamada da EDP a propôr- me os painéis fotovoltaicos. Eles falaram em cinco visto que nós temos um restaurante com habitação por cima. Gostava de saber a sua opinião. Obrigado.

    • Pedro Andersson
      Pedro Andersson Post authorReply

      Ola Nuno. Tenho a minha opinião mas sou só jornalista. Não quero induzir em erro sem querer. Pergunte a especialistas no grupo de Facebook do Contas-poupança. Há por lá instaladores que podem dar opiniões com todo o rigor.

      • Carlos Campos Reply

        Boa tarde;
        Caro Nuno,
        Na tentativa de o ajudar/colaborar, sugiro que lei-a desde o início (mês 1 a 11, actualidade) a iniciativa do Pedro Andersson (“painel solar fotovoltaico –
        balanço, …”).
        De certeza que ficará bem ilucidado, não só para a pergunta que colocou ao Pedro, mas também sobre muitas outras questões complementares e pertinentes.
        No entanto, poderá seguir o conselho que o Pedro Andersson lhe sugere.
        Cumprimentos,
        Carlos Campos

  3. ANDRÉ Reply

    NÃO COMPENSA pelo menos por agora é a realidade, toda gente sabe que a tecnologia evolui dia para dia e com isso o produto actual desvaloriza amanha ja esta ultrapassado e a menor custo enquanto a desvalorização ser superior á capacidade de produção nunca compensa investir.
    ora segundo informa e em números redondos fez um investimento de 620€ e ja teve uma poupança de 80 ou seja ou seja ainda lhe faltam quase 550€ agora vá no mercado ver quanto lhe custa actualmente um conjunto igual ao que tem ou por ventura ainda superior? se calhar por menos de 400€ ja compra igual ou melhor ou seja se estivesse ficado quietinho e investisse hoje partia logo com uma poupança de pelo menos 220€ ou seja essa sua dita poupança de 82€ na realidade foi um prejuízo de +-140€
    dá que pensar?
    pois seja qual for o investimento , sempre que a desvalorização seja superior ao retorno nunca é vantajoso investir é preferível aguardar pela estabilização do produto.

  4. JPC Reply

    Penso que os 30% de desperdício da produção que considera são exagerados. Tenho 500w instalados e tenho um medidor (Owl intuition PV) que me permite medir a % de energia dada à rede. Desde a instalação em janeiro de 2016, a % dada à rede é 20%. Como só tem 250W a percentagem dada à rede deve ser menor.

    • Pedro Andersson
      Pedro Andersson Post authorReply

      Obrigado. Estou a dar 30% justamente para não dar a ideia de que estou a inflacionar a poupança. A ideia é ter uma visão o mais real possível. Seja como for, no Verão quando tinha mesmo tudo desligado em casa (15 dias fora de casa), o desperdício chegou a ser de 50%.

  5. carlos jamú Reply

    Boa noite Pedro
    Tenho acompanhado estes comentários.
    Gostaria que me informasse, se souber:
    Se estes painéis requerem manutenção e os respectivos custos estimados;
    Qual o período de vida útil espectável.
    obrigado e cumprimentos
    carlos

    • Pedro Andersson
      Pedro Andersson Post authorReply

      Olá. Vai fazer agora um ano e não tem qualquer manutenção até agora. Só fui ao telhado limpá-lo uma vez. Espero que dure pelo menos 25 anos.

  6. José Freitas Reply

    Boa tarde,

    Quando fiz o registo obrigatório do meu painel em Dezembro de 2016 na DGEG, perguntaram-me se queria receber pelo excedente, mas o valor é muito baixo e não o fiz. Em abril deste ano já tinha fornecido à rede 4000 W, em janeiro do próximo ano vou perguntar ao meu fornecedor qual o valor do ano 2017.
    É curioso, mas nesta altura do ano e com temperaturas mais baixas tenho picos de 250w e no verão pode ir no máximo até aos 210w.

  7. Carlos Rodrigues Reply

    Olá Pedro, mas afinal qual é o custo de uma bateria? Pois armazenando tudo o que o painel produz o investimento faz mais sentido, uma vez que poderá gastar essa energia nas horas em que já não há produção. E se nas horas de produção não está em casa e coloca tudo em stand by, porque não programar a máquina da roupa ou da loiça para as horas de maior produção.? Obrigado pela atenção.

      • MM Reply

        uma bateria de 5000€ para um painel de 250W? Que tecnologia lhe propuseram? Tesla?
        Estamos a falar de armazenar 30% da sua produção diária (pois o consumo decorreria quando estivesse em casa). Pegando nos 44500Wh produzidos em Agosto, dá cerca de 1500 Wh por dia, 30% deste valor são 430Wh por dia que precisam de ser armazenados.
        Estou certo?

  8. Walter Manuel Reply

    Olá Sr. Pedro eu estou a pensar investir em 6 painéis fotovoltaicos de auto consumo mas a minha intenção, é e penso que só assim se consegue rentabilizar o investimento, consumir o máximo de energia produzida, com máquinas de lavar programáveis e utilizando também para aquecimento da casa no inverno e arrefecimento no verão.
    Vou estar atento ao fórum para continuar o tema.

  9. Jorge Pires Reply

    Faça as contas com IVA, afinal de contas tem impacto no retorno do investimento, ou os 620 de investimento é sem IVA?

  10. Cristina Alves Reply

    Olá Pedro Andersson,
    eu também estou a ponderar comprar e instalar um painel solar, no entanto a dúvida é se compensará mais comprar um painel solar para aquecer águas (poupando o gás) ou se para produzir eletricidade. Esta dúvida prende-se com o facto de não tendo baterias, a energia produzida ser desperdiçada. No caso de o painel ser para aquecer águas penso que não há desperdícios.
    Gostaria de saber a sua opinião.
    Obrigada pelas suas dicas semanais. Continuação de um excelente trabalho.
    Cumprimentos

    • Jorge Figueiró Reply

      Tenho um desses paineis solares para aquecer a água, com um depósito de 300 litros. Na minha opinião vale a pena. O meu consumo de electricidade para aquecer a água resume-se a alguns dias de inverno em que o sol não se deixa ver. Sei disso porque só ligo o respectivo disjuntor quando é preciso. Estamos em Novembro e só há 2 semanas atrás liguei o disjuntor, desde Março. Se a isto juntar algum cuidado na gestão dos banhos e a utilização da tarifa bi-horaria (durante o inverno, quando vejo que vou precisar de electricidade para aquecer o cilindro só ligo o disjuntor à noite para consumir energia mais barata), tenho uma boa poupança. Apesar de não o ter quantificado tenho a certeza que faço um consumo residual anual para aquecimento da água.
      Também tenho 3x300W painéis solares para produzir electricidade em auto-consumo. Mais uma vez sem o saber quantificar, a minha opinião é que valem a pena se tiver € para investir. O investimento nos 2 equipamentos foi semelhante. Se tivesse que escolher só um seria o sistema de àgua quente.
      Espero que a minha experiência lhes seja util.

  11. Lurdes Lopes Reply

    Bom dia, sr. Pedro,
    As perguntas que vou fazer soarão ridículas mas faço-as na mesma. O sr. fez algum contrato com o fornecedor?
    O fornecedor não poderá “armazenar” o excedente OU reverter esse excedente em desconto na sua fatura?
    CMC, Lurdes Lopes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *