Maior parte das famílias portuguesas sentiram dificuldades financeiras em 2023

Escrito por Inês de Almeida Fernandes

20.03.24

}
3 min de leitura

Publicidade

Despesas com a casa, comida e mobilidade foram as que mais pesaram no orçamento familiar em 2023

A esmagadora maioria das famílias portuguesas (75%) sentiram dificuldades para pagar as contas o ano passado, de acordo com um inquérito anual realizado pela DECO Proteste, divulgado esta quarta-feira, que incluiu as respostas de quase sete mil pessoas.Em situação considerada crítica estão ainda 7% das famílias.

A crise na habitação e as taxas de juro elevadas ao longo do ano de 2023 foram apontadas como as principais responsáveis pelas dificuldades financeiras sentidas pelas famílias. A diferença é abismal quando se observa os dados disponibilizados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que indica que a taxa de juro média foi de 3,612% em 2023, quando no ano anterior, em 2022, se tinha fixado em 1,084%.

As famílias ressentiram-se face à situação da habitação, quer os que arrendam casa, quer os que compraram habitação, mas ainda a estão a pagar ao banco. Do lado do arrendamento, 23% das pessoas revelaram ter tido dificuldade em pagar a renda ao longo do ano passado, mas os que têm habitação própria e pagam empréstimo também se ressentiram. De facto, foram cerca de 28% as famílias que afirmaram ter tido problemas para conseguir pagar os seus créditos à habitação.

De acordo com os dados da Deco Proteste, as despesas com habitação, educação e atividades de lazer foram as que se tornaram mais difíceis suportar face a 2022, mas áreas com a mobilidade, a saúde e a alimentação apresentaram algumas melhorias em 2023, embora ligeiras devido ao impacto da inflação.

Entre as várias despesas que integram um orçamento familiar, dez em concreto destacaram-se por terem sofrido um maior aumento nos preços. A renda da casa, por exemplo, aumentou 11% face a 2022 e as despesas com empréstimos subiram 6%. Nos gastos com a educação superior registam-se aumentos de 4%, na saúde 4% e na compra de vegetais e fruta também 4%.

Os restaurantes passaram a ser 7% mais caros em 2023, as despesas com as “férias grandes” mais 6% e os gastos com livros e streaming e eventos culturais subiram também 4% em cada uma das categorias.

Inflação diminuiu, mas impactos ainda se sentem

A inflação foi mesmo responsável por 31% das famílias portuguesas relatarem “muito mais” dificuldades em pagar despesas essenciais, enquanto 4% descreveram a situação como “uma missão impossível”. Foram apenas 6% os agregados que afirmaram não ter sentido o efeito do aumento dos preços.

De acordo com os dados da Deco Proteste, são as famílias monoparentais, as numerosas e aquelas em que pelo menos um membro está desempregado as mais afetadas, mas as diferenças também se fazem sentir conforme a região do país. O Alentejo e o Centro foram identificados como os locais onde se vive com mais dificuldades, sendo o distrito de Castelo Branco o que concentra mais problemas. Por outro lado, o sítio onde as famílias vivem melhor é em Bragança.

Analisando os dados retirados do inquérito, a Deco Proteste prevê um cenário pouco otimista nos próximos meses de 2024, considerando, inclusive, um aumento das dificuldades financeiras face ao atual contexto de incerteza económica.

Nota – os dados para este estudo foram recolhidos entre dezembro de 2023 e fevereiro de 2024, existindo 6734 respostas válidas. Por forma a garantir uma amostra representativa da realidade das famílias portuguesas, os resultados foram ponderados por idade, género, região e habilitações literárias.


GANHAR DINHEIRO – O livro que ensina tudo o que a escola não ensina

Em apenas 5 passos, tem o caminho com a estratégia mais eficaz para criar riqueza com o seu salário.

https://bit.ly/GanharDinheiro_ComoCriarRiquezaComUmSalárioNormal


OS OUTROS 4 LIVROS (Já os leu?)

Contas-poupança – Como superar a inflação e ganhar com a crise

Contas-poupança – Vença a crise com inteligência

Contas-poupança – Poupe ainda mais, Invista melhor

Contas-poupança – Viva melhor com o mesmo dinheiro

Publicidade

Sobre mim: Pedro Andersson

Ir para a página "Sobre Mim"

Siga-nos nas Redes Sociais

Para si | Artigos Recentes 

PPR | Quanto estou a ganhar (ou a perder) com os meus PPR (Junho de 2024)

Vale a pena fazer um PPR como investimento? (Mês #44) Junho voltou a bater o recorde de mais-valias na soma dos meus 10 PPR. Até ao momento tenho uma valorização média de 12%. Naturalmente, cada um dos PPR tem um desemprenho diferente. Tenho dois que ainda estão...

Famílias carenciadas vão receber um cartão com dinheiro em vez de cabaz alimentar

Cabaz Alimentar passa a cartão com dinheiro É uma questão de dignidade, diz o Governo. Até agora, as famílias identificadas pela Segurança Social como carenciadas recebiam um cabaz alimentar físico (com mantimentos para um mês) mas nem sempre esses bens eram o que a...

PodTEXT | Vou ter de pagar 20 mil€ de IRS e não estava à espera. O que faço?

O podcast de sempre, agora mais inclusivo! Como a literacia financeira é um aspeto fundamental para a boa gestão das finanças pessoais, os podcasts do Contas-poupança tornam-se agora mais inclusivos e passarão a ser publicados também em texto, nomeadamente para...

EURIBOR HOJE | Taxas descem em todos os prazos

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

COMBUSTÍVEIS | Preços na próxima semana (15 a 21 de julho)

Preços dos combustíveis na semana que vem A informação dos preços dos combustíveis é baseada nos cálculos que têm em conta a cotação nos mercados internacionais e outros fatores considerados na formação do preço dos combustíveis em Portugal. São dados que recolho...

TOP 10 | Qual a marca de COMBUSTÍVEIS mais barata esta semana? (8 a 14 de julho)

Quem subiu e quem desceu os preços esta semana A ERSE definiu para esta semana como preço eficiente (que traduzo livremente por preço "justo") uma subida de 1 cêntimo/l no gasóleo simples e de 1,3 cêntimos na gasolina simples. Abaixo tem os preços que as várias marcas...

160 mil idosos podem receber pelo menos 600 € de reforma – Tem direito? (Vídeo)

Reforma mínima de 600 € e medicamentos grátis Mais de 160 mil idosos com reformas baixas podem passar a receber pelo menos 600 euros por mês e a ter medicamentos grátis na farmácia. Na reportagem desta semana do Contas-poupança, explicamos-lhe como funciona o...

PodTEXT | Uma dica para descobrir onde anda a desperdiçar dinheiro

O podcast de sempre, agora mais inclusivo! Como a literacia financeira é um aspeto fundamental para a boa gestão das finanças pessoais, os podcasts do Contas-poupança tornam-se agora mais inclusivos e passarão a ser publicados também em texto, nomeadamente para...

EURIBOR HOJE | Taxas descem em todos os prazos

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

Inflação caiu para 2,8% em junho

O Instituto Nacional de Estatística (INE) confirmou esta quarta-feira que a taxa de inflação homóloga foi de 2,8% no passado mês de junho. Trata-se de um abrandamento face ao mês de maio, altura em que os preços dos hotéis dispararam devido aos dois concertos de...

Publicidade

Comentar

Siga-nos nas redes sociais

Artigos relacionados

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Partilhe o Artigo!

Partilhe este artigo com os seus amigos.