CRISE DA ELETRICIDADE | Coopérnico deixa de ter tarifas de eletricidade fixas e passa a ter apenas Indexado

Escrito por Pedro Andersson

02.12.21

}
5 min de leitura

Publicidade

Mais uma empresa não aguentou os preços da eletricidade no mercado grossista

É mais uma empresa (a quarta) a abandonar as tarifas fixas de eletricidade, porque não aguentam os preços de compra no mercado grossista.

A Coopérnico deixou de ter tarifas fixas de eletricidade e mantém apenas um tarifário indexado aos preços no mercado grossista, refletindo todos os meses as variações existentes, para travar as perdas acumuladas com o disparar dos preços da energia.

Sublinho que está a contecer aquilo que avisei logo desde o início da crise. Os preços da eletricidade no mercado liberalizado estão a aumentar e não é pouco. Neste momento são penas 4 as empresas (em 17) que ainda têm preços abaixo do regulado. Vou publicar muito brevemente (talvez ainda hoje) o TOP 10 das empresas de eletricidade em Portugal, como costumo fazer mensalmente.

Coopérnico – Ou mudam para o regulado ou pagam mais

Na carta enviada aos clientes em 30 de setembro, a que a Lusa teve acesso, a cooperativa de energia renovável propôs aos seus clientes mudar para um tarifário indexado ao preço da eletricidade no mercado liberalizado nacional ou para o Comercializador de Último Recurso (CUR), a SU Eletricidade.

A cooperativa começa por explicar que a “drástica escalada do preço mundial do gás natural, e consequentemente da eletricidade, imprevista e sem antecedentes, deixou a Coopérnico (e quase todos os outros comercializadores) no dilema: como sobreviver numa situação em que a nossa matéria-prima, a eletricidade, quadruplicou de preço?”.

“Se há pouco mais de um ano estávamos a cumprir o sonho de sermos comercializadores independentes, hoje vivemos o pesadelo de ver esse sonho ameaçado: todos os meses desde o início do verão temos vindo a suportar perdas muito significativas com a atividade da comercialização e afigura-se necessária a adoção de medidas drásticas com efeito imediato para assegurar a continuidade da nossa operação e da nossa cooperativa”, prossegue o presidente da direção, Nuno Brito Jorge, na carta aos clientes e cooperantes.

Para evitar o fim da atividade de comercialização e o contágio de outras áreas negócio (nomeadamente a produção), referia a cooperativa nessa carta, dava aos clientes quatro dias – até 4 de outubro – para mudar para um novo tarifário indexado ao preço da energia no mercado. Se o cliente não pedisse transferência para o CUR, lê-se na carta, “a alteração para o preço indexado será automática no dia 4 de outubro de 2021 e com efeitos à data do início do próximo período de faturação”.

Se não mudar, passa a pagar o dobro

Segundo a simulação apresentada, um cliente doméstico com consumo de 290 kWh/mês (Quilowatt-hora por mês), com uma a potência contratada de 6,9kVA (quilovoltampere), com o novo tarifário passaria a pagar — com preços de setembro — cerca de 104 euros mensais, enquanto no CUR a fatura ficaria pelos 56 euros.

No seu site, a Coopérnico explica que “o tarifário indexado de eletricidade tem uma componente variável que se baseia nos preços de energia no mercado grossista OMIE. Isto significa que, à medida que os custos de energia flutuam, o mesmo acontece com as” suas “faturas mensais de eletricidade”.

Na carta, Nuno Brito Jorge explica ainda que “a Coopérnico e os restantes comercializadores debatem-se agora com um concorrente inesperado — o próprio Estado — o mesmo que durante muitos anos impulsionou fortemente as famílias portuguesas a abandonar o nercado regulado e agora oferece preços mais competitivos”.

Em declarações à Lusa, o responsável explicou que a comunicação aos clientes “foi enviada com a máxima transparência possível, com o objetivo de manter os cooperantes informados e atualizados”.

“Na apresentação das duas alternativas relativamente à comercialização, incluímos um exemplo comparativo entre as situações antes e depois de uma eventual mudança para tarifário indexado e recomendámos até a mudança para o CUR como opção mais barata”, disse.

Segundo Nuno Brito Jorge, desde 1 de outubro, a Coopérnico perdeu 464 contratos num universo de quase 2.000.

“Isto é perfeitamente natural, até diríamos que positivo, uma vez que se trata de passar a pagar quase o triplo pela eletricidade utilizada”, destacou o presidente da direção da Coopérnico em resposta à agência Lusa.

“Com estas medidas foi possível estabilizar a situação financeira da área de atividade da comercialização, no sentido da cobertura dos custos da mesma”, disse, destacando que, uma vez que “a Coopérnico é uma entidade sem fins lucrativos e tem como objetivo empoderar os cidadãos e consumidores, não fará sentido cessar a atividade de comercialização, mesmo num panorama tão difícil, enquanto houver força dos cidadãos para continuar a lutar pela mudança de paradigma”.

A crise energética já fez três baixas na comercialização de eletricidade: a HEN foi a primeira a fechar operação, passando os seus cerca de 3.900 clientes para o mercado regulado, seguindo-se empresa Energia Simples (PH Energia), que enviou cerca de 5.300 clientes para o comercializador de último recurso, e a ENAT – Energias, que tinha 4.900 clientes. Nestes casos, os clientes passam a ser abastecidos pelo comercializador de último recurso.

Se é cliente de pequenas empresas esteja atento à fatura

Se está nas 4 maiores empresas em Portugal, para já pode ficar à espera de desenvolvimentos, mas se é cliente das empresas mais pequenas esteja hiper atento aos preços da sua fatura porque se não dispararam, vão disparar e é mais do que altura para mudar para uma das 4 mais baratas do mercado liberalizado, ou então para o mercado regulado. Faça essa avaliação já! Não esteja à espera da fatura com mais de 100 euros num dos próximos meses. Aí já perdeu tudo o que poupou nos últimos meses.


Natal2021-billboard

Publicidade

Sobre mim: Pedro Andersson

Ir para a página "Sobre Mim"

Siga-nos nas Redes Sociais

Para si | Artigos Recentes 

Arrendamento | Rendas acessíveis alargadas a quem tem rendimentos mais altos

Limite de rendimentos máximos anuais para aceder a apoios ao arrendamento foi alargado para abranger mais cidadãos O valor máximo de rendimento anual para aceder ao Programa de Apoio ao Arrendamento foi aumentado, de acordo com uma portaria publicada em Diário da...

EURIBOR | Taxas sobem a três e 12 meses, mas baixam a seis

Euribor subiram hoje a três e 12 meses, mas recuaram no prazo de seis meses Contas-poupança | Inês de Almeida Fernandes Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham...

COMBUSTÍVEIS | Qual é o preço justo esta semana? (19 a 25 de fevereiro)

Qual deveria ser o preço "certo"? A ERSE faz semanalmente as contas para o consumidor saber qual é o preço "justo" dos combustíveis face ao preço das matérias-primas e transportes de combustível. Esse preço "justo" já inclui uma margem de lucro de cerca de 10% para as...

EURIBOR | Taxas Euribor sobem em todos os prazos

Euribor subiram hoje a três, seis e 12 meses Contas-poupança | Inês de Almeida Fernandes Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua...

Segurança Social | Atribuição do Abono de Família já é automática

Segurança Social passa a atribuir automaticamente o Abono de Família, logo após registo do bebé na maternidade Contas-poupança | Inês de Almeida Fernandes Desde a passada sexta-feira, 16 de Fevereiro, o Abono de Família passou a ser atribuído automaticamente pela...

BURLAS | Não atenda telefonemas do “Banco de Portugal”

Banco de Portugal alerta para telefonemas fraudulentos que imitam o seu número telefónico O Banco de Portugal emitiu um alerta sobre chamadas telefónicas feitas por indivíduos que dizem ser seus colaboradores, usando um sistema que imita o número de telefone do BdP,...

Remuneração | Aumento real dos salários em 2023 foi de 2,3%

Salários subiram 6,6% em 2023, mas os ganhos reais para os trabalhadores foram apenas de mais 2,3% Contas-poupança | Inês de Almeida Fernandes O Instituto Nacional de Estatística (INE), revelou recentemente que o valor dos salários em 2023 aumentou 6,6% em termos...

EURIBOR | Taxas Euribor descem a três meses e sobem nos prazos de seis e 12

Euribor desceu hoje a três meses, mas subiram a seis e 12 meses Contas-poupança | Inês de Almeida Fernandes Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto...

PODCAST | #215 – Como receber 750 € “grátis” para fazer um curso de formação na área digital

Qualquer trabalhador em Portugal pode receber 750 euros para fazer um curso de formação na área do digital. E se fizer a candidatura já, pode repetir mais 750 € no ano que vem. Chama-se Cheque Formação + Digital e no episódio desta semana explico-lhe quem tem direito,...

SENHORIOS | Tribunal decide que caução de rendas não paga IRS

Tribunal decide que caução de rendas deve estar isenta de IRS. Estará aberto um precedente? Contas-poupança | Inês de Almeida Fernandes O Tribunal Arbitral, a propósito de um processo que estava em curso no Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD), decidiu, em...

Publicidade

Comentar

Siga-nos nas redes sociais

Artigos relacionados

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Partilhe o Artigo!

Partilhe este artigo com os seus amigos.