Aceito os termos e condições.

Email Marketing by E-goi

CRISE DA ELETRICIDADE | Coopérnico deixa de ter tarifas de eletricidade fixas e passa a ter apenas Indexado

Escrito por Pedro Andersson

02.12.21

}
5 min de leitura

Mais uma empresa não aguentou os preços da eletricidade no mercado grossista

É mais uma empresa (a quarta) a abandonar as tarifas fixas de eletricidade, porque não aguentam os preços de compra no mercado grossista.

A Coopérnico deixou de ter tarifas fixas de eletricidade e mantém apenas um tarifário indexado aos preços no mercado grossista, refletindo todos os meses as variações existentes, para travar as perdas acumuladas com o disparar dos preços da energia.

Sublinho que está a contecer aquilo que avisei logo desde o início da crise. Os preços da eletricidade no mercado liberalizado estão a aumentar e não é pouco. Neste momento são penas 4 as empresas (em 17) que ainda têm preços abaixo do regulado. Vou publicar muito brevemente (talvez ainda hoje) o TOP 10 das empresas de eletricidade em Portugal, como costumo fazer mensalmente.

Coopérnico – Ou mudam para o regulado ou pagam mais

Na carta enviada aos clientes em 30 de setembro, a que a Lusa teve acesso, a cooperativa de energia renovável propôs aos seus clientes mudar para um tarifário indexado ao preço da eletricidade no mercado liberalizado nacional ou para o Comercializador de Último Recurso (CUR), a SU Eletricidade.

A cooperativa começa por explicar que a “drástica escalada do preço mundial do gás natural, e consequentemente da eletricidade, imprevista e sem antecedentes, deixou a Coopérnico (e quase todos os outros comercializadores) no dilema: como sobreviver numa situação em que a nossa matéria-prima, a eletricidade, quadruplicou de preço?”.

“Se há pouco mais de um ano estávamos a cumprir o sonho de sermos comercializadores independentes, hoje vivemos o pesadelo de ver esse sonho ameaçado: todos os meses desde o início do verão temos vindo a suportar perdas muito significativas com a atividade da comercialização e afigura-se necessária a adoção de medidas drásticas com efeito imediato para assegurar a continuidade da nossa operação e da nossa cooperativa”, prossegue o presidente da direção, Nuno Brito Jorge, na carta aos clientes e cooperantes.

Para evitar o fim da atividade de comercialização e o contágio de outras áreas negócio (nomeadamente a produção), referia a cooperativa nessa carta, dava aos clientes quatro dias – até 4 de outubro – para mudar para um novo tarifário indexado ao preço da energia no mercado. Se o cliente não pedisse transferência para o CUR, lê-se na carta, “a alteração para o preço indexado será automática no dia 4 de outubro de 2021 e com efeitos à data do início do próximo período de faturação”.

Se não mudar, passa a pagar o dobro

Segundo a simulação apresentada, um cliente doméstico com consumo de 290 kWh/mês (Quilowatt-hora por mês), com uma a potência contratada de 6,9kVA (quilovoltampere), com o novo tarifário passaria a pagar — com preços de setembro — cerca de 104 euros mensais, enquanto no CUR a fatura ficaria pelos 56 euros.

No seu site, a Coopérnico explica que “o tarifário indexado de eletricidade tem uma componente variável que se baseia nos preços de energia no mercado grossista OMIE. Isto significa que, à medida que os custos de energia flutuam, o mesmo acontece com as” suas “faturas mensais de eletricidade”.

Na carta, Nuno Brito Jorge explica ainda que “a Coopérnico e os restantes comercializadores debatem-se agora com um concorrente inesperado — o próprio Estado — o mesmo que durante muitos anos impulsionou fortemente as famílias portuguesas a abandonar o nercado regulado e agora oferece preços mais competitivos”.

Em declarações à Lusa, o responsável explicou que a comunicação aos clientes “foi enviada com a máxima transparência possível, com o objetivo de manter os cooperantes informados e atualizados”.

“Na apresentação das duas alternativas relativamente à comercialização, incluímos um exemplo comparativo entre as situações antes e depois de uma eventual mudança para tarifário indexado e recomendámos até a mudança para o CUR como opção mais barata”, disse.

Segundo Nuno Brito Jorge, desde 1 de outubro, a Coopérnico perdeu 464 contratos num universo de quase 2.000.

“Isto é perfeitamente natural, até diríamos que positivo, uma vez que se trata de passar a pagar quase o triplo pela eletricidade utilizada”, destacou o presidente da direção da Coopérnico em resposta à agência Lusa.

“Com estas medidas foi possível estabilizar a situação financeira da área de atividade da comercialização, no sentido da cobertura dos custos da mesma”, disse, destacando que, uma vez que “a Coopérnico é uma entidade sem fins lucrativos e tem como objetivo empoderar os cidadãos e consumidores, não fará sentido cessar a atividade de comercialização, mesmo num panorama tão difícil, enquanto houver força dos cidadãos para continuar a lutar pela mudança de paradigma”.

A crise energética já fez três baixas na comercialização de eletricidade: a HEN foi a primeira a fechar operação, passando os seus cerca de 3.900 clientes para o mercado regulado, seguindo-se empresa Energia Simples (PH Energia), que enviou cerca de 5.300 clientes para o comercializador de último recurso, e a ENAT – Energias, que tinha 4.900 clientes. Nestes casos, os clientes passam a ser abastecidos pelo comercializador de último recurso.

Se é cliente de pequenas empresas esteja atento à fatura

Se está nas 4 maiores empresas em Portugal, para já pode ficar à espera de desenvolvimentos, mas se é cliente das empresas mais pequenas esteja hiper atento aos preços da sua fatura porque se não dispararam, vão disparar e é mais do que altura para mudar para uma das 4 mais baratas do mercado liberalizado, ou então para o mercado regulado. Faça essa avaliação já! Não esteja à espera da fatura com mais de 100 euros num dos próximos meses. Aí já perdeu tudo o que poupou nos últimos meses.


Natal2021-billboard

Publicidade

Sobre mim: Pedro Andersson

Ir para a página "Sobre Mim"

Siga-nos nas Redes Sociais

Para si | Artigos Recentes 

Prestação da casa sobe em julho nos contratos com Euribor a 3 e 6 meses

Mais quase 50 euros por mês na Taxa Euribor a 6 meses A prestação da casa paga no crédito à habitação vai subir significativamente em julho nos contratos indexados à Euribor a 3 e 6 meses, face às últimas revisões, segundo a simulação da Deco/Dinheiro&Direitos,...

COMBUSTÍVEIS | Preços na próxima semana (4 a 10 de julho)

Preços dos combustíveis na semana que vem A informação dos preços dos combustíveis é baseada nos cálculos que têm em conta a cotação nos mercados internacionais e outros fatores que são considerados na formação do preço dos combustíveis em Portugal. São dados que...

Inflação sobe para 8,7% em junho e atinge máximo desde dezembro de 1992

Inflação sobe para 8,7% em junho - A mais alta dos últimos 30 anos A taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) terá aumentado para 8,7% em junho, face aos 8,0% de maio, o valor mais alto desde dezembro de 1992, estimou hoje o Instituto Nacional...

PODCAST | #116 – O preço das casas vai baixar com esta crise? (A pergunta do Rodrigo Martins)

VAMOS TER UMA ONDA DE CASAS BARATAS ESTE ANO? Será que o aumento da Euribor e a previsível subida das prestações das casas vai levar a que haja mais oferta de casas baratas no mercado português? Será que vamos voltar a ver o que aconteceu em 2008 e 2011, com muitas...

PPR | Mês #20 – Quanto estou a ganhar (ou a perder) com os meus PPR (Junho 2022)

Vale a pena fazer um PPR como investimento? Não está fácil. Tenho praticamente todos os meus 7 PPR negativos. Os resultados negativos agravaram-se em junho. Se resgatasse neste momento todos os PPR perderia cerca de 600 euros, depois de ter estado a "lucrar" - antes...

COMBUSTÍVEIS | Preços na próxima semana (27 de junho a 3 de julho)

Preços dos combustíveis na semana que vem A informação dos preços dos combustíveis é baseada nos cálculos que têm em conta a cotação nos mercados internacionais e outros fatores que são considerados na formação do preço dos combustíveis em Portugal. São dados que...

APOIOS | Segurança Social dá mais 60 € às famílias com menos rendimentos

Segurança Social dá mais 60 euros às famílias com menos rendimentos O prolongamento do apoio de 60 euros para famílias vulneráveis vai ser novamente pago em julho, aos beneficiários da tarifa social e da eletricidade e, em agosto, a quem recebe prestações sociais...

PODCAST | #115 – A Euribor a 6 meses também já está positiva – O que é que eu faço?

A Euribor continua a subir - O que posso fazer? A Euribor a 6 meses acaba de entrar também em terreno positivo. A Euribor a 12 meses foi a primeira. Foram 7 anos de descontos inesperados na nossa prestação do crédito à habitação. Acabou, e agora vamos voltar aos...

COMBUSTÍVEIS | Preços na próxima semana (20 a 26 de junho )

Preços dos combustíveis na semana que vem A informação dos preços dos combustíveis é baseada nos cálculos que têm em conta a cotação nos mercados internacionais e outros fatores que são considerados na formação do preço dos combustíveis em Portugal. São dados que...

GÁS | A lista das 10 empresas mais baratas (Junho de 2022)

GÁS | As 10 empresas mais baratas este mês Este é o terceiro mês em que faço este TOP 10 das empresas de gás mais baratas em Portugal. Comecei a fazê-lo a pedido de muitos de vocês, depois de terem visto que estava a fazer um comparativo mensalmente com os preços da...

Publicidade

Comentar

Siga-nos nas redes sociais

Publicidade

Artigos relacionados

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Partilhe o Artigo!

Partilhe este artigo com os seus amigos.