Aceito os termos e condições.

Email Marketing by E-goi

CRISE DA ELETRICIDADE | Coopérnico deixa de ter tarifas de eletricidade fixas e passa a ter apenas Indexado

Escrito por Pedro Andersson

02.12.21

}
5 min de leitura

Mais uma empresa não aguentou os preços da eletricidade no mercado grossista

É mais uma empresa (a quarta) a abandonar as tarifas fixas de eletricidade, porque não aguentam os preços de compra no mercado grossista.

A Coopérnico deixou de ter tarifas fixas de eletricidade e mantém apenas um tarifário indexado aos preços no mercado grossista, refletindo todos os meses as variações existentes, para travar as perdas acumuladas com o disparar dos preços da energia.

Sublinho que está a contecer aquilo que avisei logo desde o início da crise. Os preços da eletricidade no mercado liberalizado estão a aumentar e não é pouco. Neste momento são penas 4 as empresas (em 17) que ainda têm preços abaixo do regulado. Vou publicar muito brevemente (talvez ainda hoje) o TOP 10 das empresas de eletricidade em Portugal, como costumo fazer mensalmente.

Coopérnico – Ou mudam para o regulado ou pagam mais

Na carta enviada aos clientes em 30 de setembro, a que a Lusa teve acesso, a cooperativa de energia renovável propôs aos seus clientes mudar para um tarifário indexado ao preço da eletricidade no mercado liberalizado nacional ou para o Comercializador de Último Recurso (CUR), a SU Eletricidade.

A cooperativa começa por explicar que a “drástica escalada do preço mundial do gás natural, e consequentemente da eletricidade, imprevista e sem antecedentes, deixou a Coopérnico (e quase todos os outros comercializadores) no dilema: como sobreviver numa situação em que a nossa matéria-prima, a eletricidade, quadruplicou de preço?”.

“Se há pouco mais de um ano estávamos a cumprir o sonho de sermos comercializadores independentes, hoje vivemos o pesadelo de ver esse sonho ameaçado: todos os meses desde o início do verão temos vindo a suportar perdas muito significativas com a atividade da comercialização e afigura-se necessária a adoção de medidas drásticas com efeito imediato para assegurar a continuidade da nossa operação e da nossa cooperativa”, prossegue o presidente da direção, Nuno Brito Jorge, na carta aos clientes e cooperantes.

Para evitar o fim da atividade de comercialização e o contágio de outras áreas negócio (nomeadamente a produção), referia a cooperativa nessa carta, dava aos clientes quatro dias – até 4 de outubro – para mudar para um novo tarifário indexado ao preço da energia no mercado. Se o cliente não pedisse transferência para o CUR, lê-se na carta, “a alteração para o preço indexado será automática no dia 4 de outubro de 2021 e com efeitos à data do início do próximo período de faturação”.

Se não mudar, passa a pagar o dobro

Segundo a simulação apresentada, um cliente doméstico com consumo de 290 kWh/mês (Quilowatt-hora por mês), com uma a potência contratada de 6,9kVA (quilovoltampere), com o novo tarifário passaria a pagar — com preços de setembro — cerca de 104 euros mensais, enquanto no CUR a fatura ficaria pelos 56 euros.

No seu site, a Coopérnico explica que “o tarifário indexado de eletricidade tem uma componente variável que se baseia nos preços de energia no mercado grossista OMIE. Isto significa que, à medida que os custos de energia flutuam, o mesmo acontece com as” suas “faturas mensais de eletricidade”.

Na carta, Nuno Brito Jorge explica ainda que “a Coopérnico e os restantes comercializadores debatem-se agora com um concorrente inesperado — o próprio Estado — o mesmo que durante muitos anos impulsionou fortemente as famílias portuguesas a abandonar o nercado regulado e agora oferece preços mais competitivos”.

Em declarações à Lusa, o responsável explicou que a comunicação aos clientes “foi enviada com a máxima transparência possível, com o objetivo de manter os cooperantes informados e atualizados”.

“Na apresentação das duas alternativas relativamente à comercialização, incluímos um exemplo comparativo entre as situações antes e depois de uma eventual mudança para tarifário indexado e recomendámos até a mudança para o CUR como opção mais barata”, disse.

Segundo Nuno Brito Jorge, desde 1 de outubro, a Coopérnico perdeu 464 contratos num universo de quase 2.000.

“Isto é perfeitamente natural, até diríamos que positivo, uma vez que se trata de passar a pagar quase o triplo pela eletricidade utilizada”, destacou o presidente da direção da Coopérnico em resposta à agência Lusa.

“Com estas medidas foi possível estabilizar a situação financeira da área de atividade da comercialização, no sentido da cobertura dos custos da mesma”, disse, destacando que, uma vez que “a Coopérnico é uma entidade sem fins lucrativos e tem como objetivo empoderar os cidadãos e consumidores, não fará sentido cessar a atividade de comercialização, mesmo num panorama tão difícil, enquanto houver força dos cidadãos para continuar a lutar pela mudança de paradigma”.

A crise energética já fez três baixas na comercialização de eletricidade: a HEN foi a primeira a fechar operação, passando os seus cerca de 3.900 clientes para o mercado regulado, seguindo-se empresa Energia Simples (PH Energia), que enviou cerca de 5.300 clientes para o comercializador de último recurso, e a ENAT – Energias, que tinha 4.900 clientes. Nestes casos, os clientes passam a ser abastecidos pelo comercializador de último recurso.

Se é cliente de pequenas empresas esteja atento à fatura

Se está nas 4 maiores empresas em Portugal, para já pode ficar à espera de desenvolvimentos, mas se é cliente das empresas mais pequenas esteja hiper atento aos preços da sua fatura porque se não dispararam, vão disparar e é mais do que altura para mudar para uma das 4 mais baratas do mercado liberalizado, ou então para o mercado regulado. Faça essa avaliação já! Não esteja à espera da fatura com mais de 100 euros num dos próximos meses. Aí já perdeu tudo o que poupou nos últimos meses.


Natal2021-billboard

Publicidade

Sobre mim: Pedro Andersson

Ir para a página "Sobre Mim"

Siga-nos nas Redes Sociais

Para si | Artigos Recentes 

Prazo para pós-pagamento das portagens das ex-SCUT passa para 15 dias

Prazo para pós-pagamento de portagens eletrónicas alargado de 5 para 15 dias O Governo alargou o prazo de pós-pagamento de portagens eletrónicas dos atuais 5 para 15 dias úteis, de forma a facilitar “a realização atempada dos pagamentos pelos utentes”, segundo uma...

Reformas que baixaram com os aumentos vão ser corrigidas com retroativos

As tabelas de retenção na fonte foram corrigidas As tabelas de retenção na fonte do IRS vão ser retificadas para salvaguardar que a atualização das pensões, que começou a ser processada em janeiro, não é absorvida pelo imposto, garantindo um aumento líquido do...

PODCAST | #90 – Como ajudar alguém a gerir melhor o dinheiro? (Pergunta da Paula)

- "Quero ajudar os meus amigos a gerir melhor o dinheiro, mas eles não querem saber..." O que pode fazer se algum amigo ou familiar seu está sempre a queixar-se de que não tem dinheiro, tenta ajudá-lo mas eles não só recusam a sua ajuda como ainda pensam que está a...

A resposta do Banco CTT à minha reclamação sobre a app id.gov.pt

A resposta do Banco CTT à minha reclamação Como expliquei neste artigo (é só clicar AQUI), encerrei a minha conta no banco CTT porque não é do meu interesse (financeiro) pagar comissões de manutenção de conta sem necessidade. Recordo que quem já paga a anuidade do...

PPR | Mês #15 – Quanto estou a ganhar (ou a perder) com os meus PPR (Janeiro 2022)

Vale a pena fazer um PPR como investimento? Janeiro está a ser um mês péssimo para os meus PPR. Num deles, o que desvalorizou só nas primeiras 3 semanas deste ano, fê-lo regressar aos valores de abril do ano passado.  Apesar disso, ainda mantenho um lucro razoável....

COMBUSTÍVEIS | Preços na próxima semana (24 a 30 de janeiro)

Preços dos combustíveis na semana que vem A informação dos preços dos combustíveis é baseada nos cálculos que têm em conta a cotação nos mercados internacionais e outros fatores que são considerados na formação do preço dos combustíveis em Portugal. São dados que...

A minha aventura com o fecho da conta do Banco CTT

Banco CTT - Capítulo encerrado (com pena minha) Como expliquei neste artigo AQUI, o banco CTT decidiu deixar de ser um banco ZERO e vai começar a cobrar comissões de manutenção de conta a partir de março. Há exceções, mas apenas para quem pagar de outra maneira (por...

O que acontece à minha prestação se a Euribor subir 1%? (Simulação)

Muitas famílias vão ficar aflitas se a Euribor subir 1% Eu sei que provavelmente só pensa nisto lá muito ao longe, mas convém estar preparado para a subida da Euribor daqui a algum tempo. Não será para já, mas é importante saber o que o espera porque não é uma questão...

PODCAST | #89 – Como posso combater a inflação em 2022? (Pergunta II do André)

Como posso evitar que a inflação "coma" o meu orçamento mensal e as minhas poupanças? A inflação está a 5% na europa e atingiu os 1,3% em Portugal. É um avanço galopante e que está a gerar uma enorme preocupação. Há várias razões para o crescimento da inflação, mas o...

Banco CTT vai passar a cobrar comissão de manutenção de conta 

Banco CTT vai passar a cobrar comissão de manutenção de conta - O fim do banco ZERO E assim acabou mais uma boa ideia.  Foi bom enquanto durou. Quando o Banco CTT surgiu, foi uma lufada de ar fresco na banca nacional. Prometia ser um banco  ZERO (nenhuma comissão). Um...

Publicidade

Comentar

Siga-nos nas redes sociais

Publicidade

Artigos relacionados

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Partilhe o Artigo!

Partilhe este artigo com os seus amigos.