Ponha as suas contas em ordem com a regra dos 50/30/20

Escrito por Pedro Andersson

08.06.21

}
5 min de leitura

Publicidade

Conhece a regra dos 50/30/20?

Nas finanças pessoais já não há muito por inventar. Não é uma ciência exata, mas há princípios que, se aplicados, não têm muito por onde falhar. É o caso da regra dos 50/30/20.

É uma proposta de organização financeira popularizada por uma senadora norte-americana num livro que ela publicou baseado na experiência da família dela, que passou (e ultrapassou) muitas dificuldades económicas.   

A ideia é muito simples: 50% do dinheiro que ganha deve servir para pagar o que é absolutamente obrigatório e inadiável na sua vida. Estamos a falar da renda de casa, do condomínio, da alimentação, da eletricidade, da água e do gás, dos cuidados de saúde e outras responsabilidades financeiras essenciais como os impostos (IUC, IMI, etc.).

No fundo, o que esta regra faz é estabelecer prioridades. Obriga-nos a pensar de que forma estamos a gastar o nosso dinheiro e a começar a fazer escolhas.

A seguir, 30% do que ganhamos devemos destinar ao que nos “apetece”. Sim, porque viver não tem de ser um sacrifício e uma penúria financeira voluntária. É aqui que entra o ginásio, o cinema, o teatro, os livros, a Netflix, os telemóveis, o comer fora e as férias.

Os restantes 20% são para planear e prever o seu futuro financeiro. Deve usar este valor para amortizar antecipadamente todos os seus créditos (automóvel, pessoal, cartões de crédito, etc.) até estar livre dessas prisões. 

Se não tem estas dívidas, estes 20% servirão para fter o seu Fundo de Emergência (6 a 12 meses das suas despesas), fazer um bom PPR e/ou investir em produtos de maior risco, mas também com maior retorno.

De uma forma resumida e traduzindo do inglês temos 50% para os “needs” (as nossas necessidades) e 30% para os “wants” (os nossos desejos) e os restantes 20% são para os “futures” (o nosso futuro).

Faça as contas a quanto ganha e que percentagem está a destinar a cada uma destas 3 áreas. Lembre-se de que cada caso é um caso e, embora estejamos a falar de uma “regra”, não é regra nenhuma. É apenas uma forma de o lembrar de que deve tratar o seu dinheiro de uma forma lógica e inteligente. 

Sobretudo, o importante é ter um propósito. Deve saber para onde vai financeiramente na sua vida e corrigir o curso se estiver a ir em direção a uma situação que não deseja.

Se perguntar a minha opinião, acho esta regra difícil de alcançar pelos portugueses. Os nossos bens essenciais infelizmente são muito caros em relação a outros países europeus, se tivermos em conta os salários e os rendimentos da maioria. Seria mais razoável qualquer coisa como 60/30/10. Mesmo assim, isso já seria uma grande evolução. 

Mas como princípio acho esta “regra” muito interessante para nos ajudar a perceber em que situação estamos.

Um exemplo prático da regra 50/30/20

De uma forma prática, se um casal ganha mil euros cada um, entram em casa 2 mil euros todos os meses.

Assim, os 50% são 1.000 euros para a renda da casa, eletricidade, água, gás, alimentação, telecomunicações, combustíveis, crédito do carro, escolas dos miúdos, roupa, saúde, seguros, etc.

Os 30% representam 600 euros para jantar fora, entretenimento, atividades extracurriculares, ginásio, telemóveis, cinema, teatro, anuidades e mensalidades, férias, etc.

Por exclusão de partes, os 20% que sobram do rendimento do casal são 400 euros que deveriam servir para criar em primeiro lugar um fundo de emergência e depois disso para criar uma carteira de investimentos construída com base nos perfis de investimento dos dois.

No caso de ser uma pessoa sozinha que ganhe mil euros líquidos, estamos a falar de 500 euros para todas as necessidades essenciais, de mais 300 para pequenos “luxos” e 200 euros todos os meses reservados para poupança e investimento. Neste caso específico, s epagar uma renda de casa de 500 euros, já está tudo estragado, como é fácil de verificar. Mais vai ter de fazer essa ginástica.

Como pode ver rapidamente, embora a regra dos 50/30/20 pareça ser uma coisa estanque e inflexível quando colocamos números reais na fórmula matemática, poderá concluir que afinal não é uma “regra” totalmente fora da realidade. Até tem alguma lógica.

Acredito que a realidade em relação a muitos de vocês e das vossas famílias, o “normal” será terem uma distribuição dos vossos gastos na base dos 70/30 nas primeiras duas categorias e zero (ou quase) na terceira categoria (muitos portugueses têm um PPR de 25 euros por mês num PPR mas só porque foram obrigados pelo banco por causa do crédito à habitação).

Se, ao analisar os seus gastos “normais” verificar que está a destinar mais do que o que devia nas duas primeiras categorias, pode ter chegado a altura de reajustar a sua vida financeira.

Vai ganhar com isso equilíbrio, segurança e a possibilidade de viver melhor no futuro dependendo cada vez mais de si em vez de depender dos outros (patrão, família ou mesmo do Estado).

Quanto maior a percentagem dos seus rendimentos pertencer à terceira categoria (a dos futuros), melhor para si e para a sua família. Quer dizer que estão a ir no caminho certo, mesmo que no presente estejamos a falar de valores pequenos. Passo a passo, fica mais perto dos seus objetivos.


Publicidade

Sobre mim: Pedro Andersson

Ir para a página "Sobre Mim"

Siga-nos nas Redes Sociais

Para si | Artigos Recentes 

VÍDEO | Como se calcula o reembolso do IRS? Quanto vai receber?

Como sei quanto vou receber de reembolso do IRS?  Todos os portugueses que entregam a Declaração de IRS, têm a expectativa de receber o reembolso. Mas poucos sabem porque é que alguns recebem e outros têm de pagar. A reportagem desta semana do Contas-poupança...

EURIBOR HOJE | Taxas descem a três e seis meses, mas sobem a 12

Euribor desce a três e seis meses, mas aumenta no prazo de 12 meses Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à...

COMBUSTÍVEIS | Qual é o preço justo esta semana? (26 de fevereiro a 03 de março)

Qual deveria ser o preço justo? A ERSE faz semanalmente as contas para o consumidor saber qual é o preço "justo" dos combustíveis face ao preço das matérias-primas e transportes de combustível. Esse preço "justo" já inclui uma margem de lucro de cerca de 10% para as...

PODCAST | #218 – Vamos a contas | Tenho de declarar os Certificados de Aforro (e outros) no IRS?

Os Certificados de Aforro continuam a suscitar muitas dúvidas. Uma delas é se somos obrigados a declará-los no IRS e como se faz. Essa dúvida é também muito comum quando alguém começa a pensar em investir em produtos relacionados com as bolsas, como Fundos PPR, Fundos...

ÚLTIMO DIA | Prazo para validar faturas para IRS 2023 termina hoje

Já validou TODAS as suas faturas e do seu agregado familiar? Os contribuintes têm até ao final do dia de hoje (quarta-feira, dia 28 de fevereiro) para validar e confirmar as faturas relevantes para o IRS de 2023, após o Ministério das Finanças ter decidido prolongar o...

Arrendamentos | Burlas estão a aumentar. Conheça os sinais e como evitar

Burlas com falsos arrendamentos têm estado a aumentar nos últimos dois anos Contas-poupança | Inês de Almeida Fernandes De acordo com a PSP, as burlas com falsos arrendamentos têm vindo a agravar-se desde 2022, quer nos arrendamentos de casas de férias, quer no...

ÚLTIMA HORA | Prazo para validar faturas de 2023 prolongado até quarta-feira

Faturas pendentes - Prazo prolongado até quarta-feira A Autoridade Tributária (AT) prolongou por dois dias, até quarta-feira, o prazo para a validação de faturas relativas a 2023 no portal e-fatura, depois de constrangimentos no último dia do prazo inicial. Em...

Quer inscrever-se no regime do Residente não Habitual? Pode fazê-lo até 2025

Autoridade Tributária informou que os contribuintes elegíveis podem inscrever-se até 31 de março de 2025 Contas-poupança | Inês de Almeida Fernandes Se está interessado em inscrever-se no regime do Residente não Habitual (RNH), que permite aos seus beneficiários...

EURIBOR HOJE | Taxa a três meses mantém-se, mas sobe a seis e 12 meses

Euribor mantém-se a três meses, mas aumenta nos prazos de seis e 12 meses Contas-poupança | Inês de Almeida Fernandes Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham...

ELETRICIDADE | O indexado em Fevereiro vai baixar bastante – Vale a pena mudar?

O preço da eletricidade no OMIE está quase de graça É impressionante o que está a acontecer nesta última semana. O preço da eletricidade no mercado grossista está praticamente a zero. Os valores a que a eletricidade vai ser vendida e comprada amanhã, pelas empresas...

Publicidade

Comentar

Siga-nos nas redes sociais

Artigos relacionados

6 Comentários

  1. Ernesto Feijão

    Esta tudo muito certo falamde pessoas que ganham mil euros e os reformados por exemplo como eu mais a minha mulher que os dois ganhamos 400 cada como é que fazemos queria que o senhor andersom me explicasse obrigado

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá. Ernesto. No seu caso não faz. Não dá… É gerir o dia a dia.

      Responder
  2. Sandra Souto

    E se o orçamento for 750€ ? só 1 pessoa com 2 filhos e casa a pagar ao banco. Existe algum hipótese de poupar?alguma dica?!

    Responder
  3. Antónia Teixeira

    E quem não consegue chegar ao fim do mês só pagando needs? Á senadora isto com certeza não acontece. Em Portugal, sim.

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá Antonia. Compreendo. Se não dá, ou mantém como está, ou reformula algumas dessas despesas caso seja possível, ou tenta formas alternativas de rendimento extra.

      Responder
  4. Elvira Lopes

    Olá Pedro, boa tarde,

    Existe alguma aplicação que nos ajude a controlar melhor esta ferramenta?

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Partilhe o Artigo!

Partilhe este artigo com os seus amigos.