Salário mínimo na Função pública também sobe e há aumentos de 10 € para quem ganha até 791,91 €




Governo aplica salário mínimo no Estado e aumenta em 10 euros até 791,91 €

Estão assim as negociações salariais na Função pública. O Governo vai aplicar este mês o salário mínimo de 665 euros na Administração Pública e subir 10 euros às remunerações até 791,91 euros, disse o dirigente da Federação Sindical da Administração Pública (Fesap), José Abraão. De acordo com a LUSA, o sindicalista disse que:

“O Governo apresentou-nos outra proposta contemplando a sexta e a sétima posições remuneratórias até aos 801 euros, mantendo um aumento de 10 euros a partir do quinto escalão”.

Na prática, significa que o Governo manteve como remuneração base na Administração Pública o aumento de 20 euros, igualando o valor ao salário mínimo nacional (665 euros), tal como tinha proposto na segunda-feira.

O Governo evoluiu na sua proposta inicial, prevendo, não apenas um aumento de cerca de 20 euros da base remuneratória da Administração Pública, mas também alargar o aumento de 10 euros a todos os trabalhadores com salários abaixo dos 800 euros.

Assim, os aumentos salariais não se limitarão ao nível 5 da Tabela Remuneratória Única (TRU), conforme constava da primeira proposta, mas abrangem também os níveis 6 e 7 e todos os salários equivalentes ou entre estes níveis, num total de 148 mil trabalhadores.

A proposta apresentada hoje passa então a abranger os dois níveis seguintes da TRU, o que significa que haverá um aumento de 10 euros até aos 791,91 euros. Segundo explicou José Abraão, com esta nova proposta, o salário da posição 5 da TRU passa de 693,13 para 703,13 euros, a posição seguinte passa de 740,26 euros para 750,26 euros e por último a sétima posição de 791,91 euros para 801,91 euros.

O dirigente da Fesap reconheceu que há “uma valorização” face à proposta inicial, mas acusou o Governo de deixar de fora 550 mil trabalhadores, que ficarão com os salários congelados, uma vez que o aumento abrange 148 mil funcionários, acrescentou.

José Abraão apelou ainda ao Governo para que não mantenha “a posição miserabilista” quanto à base remuneratória fixada nos 665 euros, lembrando que o aumento corresponde a 20 euros e não a 30 euros, como no setor privado. Nesse sentido, a Fesap vai pedir uma reunião suplementar ao ministério e apelar ao primeiro-ministro, António Costa, para um aumento de 30 euros para a base remuneratória, que passaria assim a ser de 675 euros (mais 10 euros face ao salário mínimo nacional).



Acompanhe-nos AQUI

NOVO LIVRO “CONTAS-POUPANÇA” – Dezenas de dicas para poupar muito mais e fazer crescer o seu dinheiro em 2021. Estes 3 livros vão ajudá-lo a vencer qualquer crise financeira na sua vida. É só clicar AQUI ou nas fotos dos livros.

3 comentários em “Salário mínimo na Função pública também sobe e há aumentos de 10 € para quem ganha até 791,91 €

  1. Avatar
    alberto figueiredo Reply

    Quando poderá Comentar, sobre os Reformados, Interessa-lhe?
    Obrigado

  2. Avatar
    Vítor Reply

    Bom dia,

    A Função Pública já não é o que aparamente foi.

    A “progressão de carreira” não existe de facto para Assistentes Operacionais. E para Assistentes Técnicos também é complicada para a maioria.

    Retomando ao exemplo dos Assistentes Operacionais, fazendo uma média de todas as posições, dá 50€ por posição. Sem contar que, as primeiras já não dão nada e as últimas e mais difíceis de chegar, são as que dão mais.

    Mas o pior vem agora (sim, há pior): A maioria desses trabalhadores leva 1 ponto por ano (ás vezes nem isso)…

    Se, para subir são precisos 10 pontos, vai precisar de 10 anos de carreira, ás vezes para subir 1€, ás vezes não sobe nada…

    Quem culpo? Os Dirigentes responsáveis por esta farsa que o SIADAP. Não o Governo que determina aquele recebe 1 ponto (ou nenhum), o outro 2 e fulano 3 pontos.

    Há uma dualidade de critérios nada transparente (mas toda a gente percebe).

    “Aquela função é mais relevante”, “você não é simpático” “você tem pouco tempo de casa, há quem tenha décadas”. O argumento é o que der mais jeito (quando existe).

    Mais valia as “diuturnidades”. E dizer a verdade. A função X não hipótese de progressão natural. Vamos retribuir o trabalhador conforme os anos de experiência a uma taxa razoável. Tanto no que diz respeito aos anos como ao valor por posições.

    Quando se fala que a Função Pública é boa, depende. O Privado tem trabalhadores com melhores salários médios, a acreditar nas estáticas do salário médio em PORTUGAL.

    Cumprimentos

    • Avatar
      VÍTOR Reply

      Bom dia,

      A Função Pública já não é o que aparamente foi.

      A “progressão de carreira” não existe de facto para Assistentes Operacionais. E para Assistentes Técnicos também é complicada para a maioria.

      Retomando ao exemplo dos Assistentes Operacionais, fazendo uma média de todas as posições, dá 50€ por posição. Sem contar que, as primeiras já não dão nada, e as últimas e mais difíceis de chegar, são as que dão mais.

      Mas o pior vem agora (sim, há pior): A maioria desses trabalhadores leva 1 ponto por ano (ás vezes nem isso)…

      Se, para subir são precisos 10 pontos, vai precisar de 10 anos de carreira, ás vezes para subir 1€, ás vezes não sobe nada…

      Quem culpo? Os Dirigentes responsáveis por esta farsa que é o SIADAP. Não é o Governo que determina que aquele recebe 1 ponto (ou nenhum), o outro 2 e fulano 3 pontos.

      Há uma dualidade de critérios nada transparente (mas toda a gente percebe).

      “Aquela função é mais relevante”, “você não é simpático” “você tem pouco tempo de casa, há quem tenha décadas”. O argumento é o que der mais jeito (quando existe).

      Mais valia as “diuturnidades”. E dizer a verdade. A função X não tem hipótese de progressão natural. Vamos retribuir o trabalhador conforme os anos de experiência a uma taxa razoável. Tanto no que diz respeito aos anos como ao valor por posição.

      Quando se fala que a Função Pública é boa, depende. O Privado tem trabalhadores com melhores salários médios, a acreditar nas estáticas do salário médio em PORTUGAL.

      Cumprimentos

      *correção

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *