PODCAST | #19 – Como descobrir onde está a origem do seu problema financeiro




Porque é que o meu dinheiro não chega ao fim do mês?

Muitas pessoas queixam-se de que nunca têm dinheiro para pagar as grandes despesas ao longo do ano mas esquecem-se que isso é consequência de pequenas e grandes escolhas que vão fazendo todos os dias. O que é isto tem a ver com o desenho dos aviões ingleses na Segunda guerra mundial? Tudo.

Explico tudo isto e mais algumas coisas no episódio desta semana do podcast “Pedro Andersson – Contas-poupança”. Clique nas fotos abaixo para ouvir.

O que é um podcast?

Aproveite a minha boleia financeira (gravo em áudio uma “conversa” no carro enquanto faço as minhas viagens e faço de conta que você vai ali ao meu lado) e veja como pode aumentar-se a si próprio. São uma espécie de programas de rádio para escutar enquanto faz outras coisas. Subscreva o podcast na plataforma em que estiver a ouvir para ser avisado sempre que houver um episódio novo.

Não estranhe ouvir o motor do carro, buzinadelas e o pisca-pisca. Faz parte da viagem.

Comente e dê a sua opinião.

O problema pode estar onde menos espera

Tem a seguir os links para o Spotify, Soundcloud e iTunes. Para quem não percebe nada disto, deve ir à loja de aplicações do seu telemóvel e instalar gratuitamente a app “Spotify” ou “iTunes” ou outra que dê para ouvir Podcasts. No caso do SoundCloud basta clicar e começa logo a ouvir.

Boa viagem e boas poupanças!

 

Subscreva o Podcast e partilhe-o com os seus amigos ou familiares que se queixam de ter pouco dinheiro e muitas despesas.



Acompanhe-nos AQUI

NOVO LIVRO “CONTAS-POUPANÇA” 34 dicas para poupar muito mais e fazer crescer o seu dinheiro em 2019. É um livro que se paga a ele próprio apenas com uma dica. Se quiser conhecer também as dicas que demos nos primeiros 5 anos de programa, pode adquirir o livro “Contas-poupança I”. É só clicar AQUI ou nas fotos dos livros.

2 comentários em “PODCAST | #19 – Como descobrir onde está a origem do seu problema financeiro

  1. Avatar
    Ricardo Pereira Reply

    Muito boa tarde, considero a análise interessante e até pertinente.

    Contudo, pegando no exemplo do avião, não considero que o problema esteja no lado das pessoas e como gerem o seu dinheiro. Do que tenho visto nos amigos e familiares, toda a gente tem a máquina de casa e financeira bem oleada.

    O problema é o que não se controla. Fazendo a comparação, a forma como o piloto inimigo e o avião inimigo estão a evoluir. E a evoluir de uma forma desmesurada, que não conseguimos acompanhar o passo.

    Concretamente, tendo a máquina afina posso verificar que o que está a mudar na vida das pessoas é a sociedade portuguesa. Não temos rendimentos para aguentar as dificuldades que a nossa vida em sociedade está criar. Emprego instável, baseado em vencimentos baixos – contratos a 6 meses e ordenados mínimos – custo dos bens e serviços iguais ou mais caros que no resto da Europa – ficando só pelo nosso continente, carros dos mais caros da europa, bens electronicos igual, preços dos bilhetes dos transportes públicos e dos bens de consumo de primeira necessidade.

    Cereja no topo do bolo da mistura explosiva: especulação imobiliária até mais não; fracas garantias de sobrevivência a não ser com a rede / suporte familiar – modelo latino (italiano e espanhol, que foi bem explicado com a Covid19 a por a nu).

    Resumindo, sobreviver em portugal e viver é horrível e caso de estudo a nível europeu. Por isso a corrupção se propaga como um cancro maligno; propaga o trabalho do biscate fora de horas que rouba as Finanças e todos nós e acima de tudo, rouba tempo para se criar os filhos e lhes dar uma infância alicerçada e feliz.

    Se achamos que este é o modelo de sociedade positiva e que tem pernas para andar, estamos condenados e as baixas taxas de natalidade provam que ter filhos em Portugal é a maior aventura que um casal pode ter… É enforcar-se… E infelizmente, tivemos a prova palpável de uma celebridade nacional que infelizmente ficou com o passo mais curto que a perna… Iremos todos dizer que estava doente e em depressão… Mas isso é apenas nós enquanto sociedade mais uma vez a fazer o que tão bem sabemos fazer: assobiar pro lado e não pensar muito nisso porque não é nosso problema.

    Cumprimentos

    • Pedro Andersson
      Pedro Andersson Post authorReply

      Olá Ricardo, gostei de ler a sua perspectiva. Ajuda de facto a contextualizar a situação. Em muitos casos terá razão. Há situações de famílias que deves to não têm como gerir melhor o que têm. Nessas situações só vendo caso a caso se é possível ainda gerir melhor. Contudo, haverá igualmente milhares de famílias que poderiam viver muito melhor se simplesmente se sentassem todos a uma mesa e fizessem algumas contas e fizessem opções. Isso não é piorar a vida delas, pelo contrário. É definir objetivos. Saber para onde queremos ir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *