O meu primeiro Fundo de Investimento – Semana 11

Escrito por Pedro Andersson

25.05.18

}
4 min de leitura

Publicidade

Como está a correr o investimento?

Os portugueses têm uma aversão natural ao risco quando se trata de investir. Eu também sinto essa aversão. Aliás, deixem-me dizer-vos que estar a colocar o meu próprio dinheiro em produtos nos quais nunca pensei investir na vida custa-me um bocado. Mas estou a fazer isto com ajuda.

Como jornalista, tenho acesso a profissionais destas áreas a quem posso fazer perguntas de ignorante sem grandes receios. Perdem algum tempo comigo que, num balcão de um banco, talvez alguns funcionários não tivessem paciência para explicar algumas coisas básicas, outras talvez mais complexas. Mas vou acreditar que em todos os bancos, a maior parte dos funcionários terá prazer em esclarecer as dúvidas de qualquer cliente que apareça.

Vejo isto como uma espécie de missão pedagógica em termos de literacia financeira. Por isso partilho regularmente convosco como estão a correr estes investimentos completamente novos para mim para terem a noção das vantagens, desvantagens, problemas e dúvidas de um cliente bancário normal que se aventura nestas ondas pela primeira vez.

Estes artigos NÃO são para profissionais da área (que certamente julgarão estes textos completamente ignorantes e banais). Mas são a perspectiva do cidadão normal perante produtos financeiros que (alegadamente) são mais rentáveis do que os depósitos a prazo normais.

Faz agora quase 3 meses que subscrevi alguns fundos de investimento. Decidi fazê-lo para testar a reportagem do Contas-poupança que fiz sobre como rentabilizar as nossas poupanças. Explico o processo AQUI,

Recordo que subscrevi 5 fundos: 1 isolado e uma carteira com 4 fundos em 2 bancos diferentes. Explico tudo em artigos anteriores. Se tiverem curiosidade é só usar o motor de busca do blogue, na coluna da direita, e escrever “fundos”.

A semana

Como já expliquei, investi um valor simbólico que (para facilitar as contas) dou aqui os valores proporcionais a um investimento de 1.000 €.

Da última vez que fiz o balanço, o primeiro fundo estava a render 0,65%. Neste momento está  a render 1,47 %. No ano passado rendeu 8%. Em 3 meses, passou de -1% a +1,47% (o meu depósito a prazo no banco rende 0,30%).

A carteira de 4 Fundos, que subscrevi noutro banco também já esteve toda negativa, mas agora 2 já estão positivos e um deles já rende, passados 3 meses, 3%. Mesmo assim, no conjunto dos 4 fundos ainda estou a ter prejuízo.

Não vender se estão negativos

Sublinho que só vou perder dinheiro se vender os fundos quando estiverem negativos. Seja como for, como já referi, este é dinheiro que NÃO preciso para o dia-a-dia. NUNCA INVISTA DINHEIRO QUE POSSA VIR A PRECISAR. E estes artigos não são conselhos sobre se deve investir ou não em Fundos, nem em quais deve investir. Isso são decisões exclusivamente suas.

É apenas mais um contributo para a literacia financeira dos portugueses que queiram aprender a gerir melhor o seu dinheiro. Por isso partilharei aqui o que correr bem e o que correr mal.

Daqui a 5 anos vamos ver se o que dizem é verdade ou não. Historicamente, a médio prazo os Fundos de Investimento têm rendido mais que os investimentos com capital garantido. Mas rendimentos passados não são garantia de rendimentos futuros. É o que está escrito em todos os documentos que assinei.

Fundos de Investimento

Semana 11 de negociação

Valor investido (proporcional ao valor real): 1.000 €

Fundo de Investimento 1

(misto): +1,47% (máximo negativo: -1% – Abril 2018)

Valor se resgatasse hoje: 1.018,35 € (máximo negativo: 993,50 € de 1.000 €) 

 

Fundo de Investimento 2

Carteira: (valor proporcional ao real) 1.000 €

Fundo 1 (misto): +3,00% (Máximo negativo: – 2,36% – Abril 2018)

Fundo 2 (misto global): -1,25% (Máximo negativo: – 1,79% – Abril 2018)

Fundo 3 (misto): -2,91 (Máximo negativo: – 2,91% – Maio 2018)

Fundo 4 (misto agressivo): +0,67% (Máximo negativo: – 0,97% )

Valor se resgatasse hoje: 994,70 (Máximo negativo: 976,97 € de 1.000 €)

Avalie se este tipo de investimento é para si e se vale a pena informar-se sobre Fundos de Investimento no seu banco ou em outros bancos. Não é tão complicado como parece.

Acompanhe-nos AQUI

Registe-se AQUI para receber a Newsletter do Contas-poupança. Assim não perde nenhuma dica.

YouTube 

Facebook do Contas-poupança

 Pergunte no Grupo “Contas-poupança – As suas dúvidas”

Instagram

Twitter  

Se quiser um resumo muito claro e prático das dicas que demos nestes anos todos, pode adquirir o livro “Contas-poupança”. Escrevi-o com esse propósito.

É só clicar AQUI abaixo.

Publicidade

Sobre mim: Pedro Andersson

Ir para a página "Sobre Mim"

Siga-nos nas Redes Sociais

Para si | Artigos Recentes 

PODCAST | #251 – Qual é a diferença entre os PPR normais e os Fundos PPR?

Há PPR "normais" e "não normais"? Os PPR são o tema que mais entusiasma os ouvintes deste podcast. Parece que alguém descobriu uma "pólvora" financeira, mas os PPR existem há mais de 20 anos. Porquê só agora este interesse? Porque são uma excelente ferramenta para...

Como compro lombos de salmão mais baratos do que fiambre

Como comprar lombos de salmão com 65% de "desconto" As saudades que eu tinha de escrever um artigo sobre as minhas poupanças diárias… Como sabem, a minha estratégia de poupança é ter sempre o melhor possível pelo preço mais baixo. Nunca é a poupança dos “coitadinhos”....

ATENÇÃO – Já só tem uma semana para entregar o IRS (ou para o corrigir)

Prazo acaba a 30 de junho - Evite as multas O prazo para entrega do IRS termina no dia 30 de junho. Falta uma semana. De acordo com o Portal das Finanças, até este domingo já foram entregues cerca de 5 milhões e 600 mil declarações (5 615 814). Em comparação com o...

Oficial – Parlamento aprovou o fim de portagens nas ex-SCUT

Abolição das portagens nas ex-SCUT a 1 de janeiro de 2025 É oficial. O Parlamento aprovou em votação final global a proposta do PS para eliminar as portagens nas ex-SCUT e nos troços "onde não existam vias alternativas que permitam um uso em qualidade e segurança". O...

PodTEXT Vamos a Contas | Onde devo investir se já estou perto da reforma?

O podcast de sempre, agora mais inclusivo! Como a literacia financeira é um aspeto fundamental para a boa gestão das finanças pessoais, os podcasts do Contas-poupança tornam-se agora mais inclusivos e passarão a ser publicados também em texto, nomeadamente para...

PodTEXT | O que é o movimento FIRE – É possível refomar-se mais cedo?

O podcast de sempre, agora mais inclusivo! Como a literacia financeira é um aspeto fundamental para a boa gestão das finanças pessoais, os podcasts do Contas-poupança tornam-se agora mais inclusivos e passarão a ser publicados também em texto, nomeadamente para...

EURIBOR HOJE | Taxas descem a 3 meses e sobem a 6 e 12

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

COMBUSTÍVEIS | Preços na próxima semana (24 a 30 de junho)

Preços dos combustíveis na semana que vem A informação dos preços dos combustíveis é baseada nos cálculos que têm em conta a cotação nos mercados internacionais e outros fatores considerados na formação do preço dos combustíveis em Portugal. São dados que recolho...

Isenção de IMT e Imposto de selo para jovens até aos 35 anos – O que já se sabe?

Lei já foi publicada em Diário da República Foi publicada esta quinta-feira em Diário da República a Lei (está aqui) que autoriza o Governo a avançar com a isenção do IMT e do respetivo Imposto de selo para jovens com idade igual ou inferior a 35 anos, na compra da...

EURIBOR HOJE | Taxas descem em todos os prazos

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

Publicidade

Comentar

Siga-nos nas redes sociais

Artigos relacionados

4 Comentários

  1. Sérgio

    Olá Pedro

    Nunca vender em perda é um péssimo conselho. Imagine se os acionistas do BCP ou, pior ainda, do BES fizessem todos isso? perder 20% é muito diferente de perder 100%.

    O raciocínio em relação aos produtos de rendimento variável e com possibilidade de perda total de capital é definir antes de tudo o mais quanto se está disposto a perder (definir quanto se está disposto a ganhar é fácil).

    Nunca vender em perda só se aplica se o investidor considerar que a perda máxima que está disposto a suportar equivale à totalidade do capital aplicado e que o investimento é para sempre, ou seja, não tem um horizonte temporal definido, o que só faz sentido se o investidor for muito jovem ou, não sendo, esteja a pensar nos filhos e nos netos.

    Um abraço e continuação de bom trabalho.

    Sérgio

    Responder
    • Luis

      “Nunca vender em perda é um péssimo conselho. Imagine se os acionistas do BCP ou, pior ainda, do BES fizessem todos isso? perder 20% é muito diferente de perder 100%.”

      Esse comentário é válido para investimento em acções individuais (BES, BCP, …) – que corresponde a investir da forma errada (é precisamente por causa dos BESs e dos BCPs e das Lehman Brothers,… que se deve fazer investimento em fundos diversificados) – mas não é válido para um investimento em Fundos desde que devidamente diversificados. Quem esteja a investir para o Longo prazo, dinheiro que não necessita (pelo menos no curto prazo) em fundos diversificados fará muito bem em seguir o conselho de não vender em perda. Só deve vender se os pressupostos em que se baseou no início do investimento se tiverem alterado, caso contrário deve manter o investimento apesar dos sobe-e-desce dos mercados e dos sustos que nos prega pelo caminho.

      Responder
  2. Sérgio

    É muito mais difícil perder a totalidade do investimento num fundo diversificado do que em títulos individuais como é óbvio, mas não é impossível. Por isso, e por considerar que é mau principio arrastar perdas por anos (ou mesmo lucros zero), a minha opinião é mesmo essa. Há inúmeras opções de investimento, o que não rende ou dá prejuízo é para despachar. Se é para deixar correr, é preferível fazer o contrário: “nunca” vender um fundo que nos dá ganhos consistentes ao longo dos anos. O que às vezes se ouve dizer: “estou a perder mas se não for para mim será para os mesmos netos” é, quanto a mim, uma perfeita perda de tempo/dinheiro a que muitas vezes se junta um desgaste psicológico e uma ansiedade desnecessárias. Os pressupostos em que se baseou o inicio do investimento nunca devem deixar de fora “o limite máximo de perda que estou disposto a assumir e, embora talvez mais secundário, o horizonte temporal. Se 100% do capital pode ser perdido e se não houver um prazo estipulado, assim posso dizer que nunca venderei em perda. Mas isso não é nem de longe nem de perto aquilo que procuro fazer, seja em fundos, acções, ETF, etc.

    Cumprimentos, Sérgio

    Responder
  3. André Prudencio

    Bom dia Pedro,

    Como estão actualmente os seus fundos.? Na passada semana perdi dinheiro com os meus faces ao resultados das bolsas europeias, no entanto, mantêm-se com pequenos ganhos. Obrigado

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Partilhe o Artigo!

Partilhe este artigo com os seus amigos.