Juros dos Créditos – Como pagar menos e mais rápido

O que são juros máximos?

Já há vários anos que o Banco de Portugal decide de 3 em 3 meses os juros máximos que as empresas podem pedir ao fazer qualquer tipo de empréstimo. É uma média com uma fórmula que agora não vem ao caso.

A questão é que às vezes pedimos um empréstimo ao banco para uma necessidade urgente (se não aconteceu, pode vir a acontecer) e ficamos a pagar um juro absurdo só porque não soubemos dizer à partida para que é que queríamos o dinheiro.

Cada finalidade do Crédito tem um juro diferente

Eu só soube isto há relativamente pouco tempo (durante uma reportagem do Contas-poupança) e ainda não o referi em lado nenhum. É uma dica inédita aqui no blogue.

Imagine que preciso pedir dinheiro ao banco ou a uma financeira para pagar as propinas da Universidade do meu filho ou para fazer um curso ou um mestrado. Ou para um instrumento musical ligado à educação artística. Ou para uma operação cirúrgica devido a problemas de saúde. Ou que quero comprar um painel solar ou outro equipamento ligado a energias renováveis.

Vou ao banco e peço um crédito pessoal. Vou pagar no máximo 13,8% de juros. Bom, o que tem de ser, tem de ser.

Mas não é bem assim. Se for por uma destas razões que mencionei, os bancos são “obrigados” a fazer um juro de no máximo 5,5%. Menos de metade do que se não disser para o que é. Muitos portugueses, por não saberem deste pormenor, pedem dinheiro emprestado sem dizer mais nada e, lá está, não é o banco que lhe vai perguntar para que é que quer o dinheiro para lhe fazer um “desconto”. A iniciativa tem de partir da sua parte.

Muitas vezes deitamos dinheiro à rua simplesmente por falta de informação.

Taxas máximas em vigor

O Banco de Portugal acaba de divulgar (esta quinta-feira, dia 7 de Setembro) as taxas máximas para este último trimestre de 2017. Compare com o juro que está a pagar hoje e pondere liquidar esse crédito com outro (no mesmo banco ou noutro) com as novas taxas. Pode compensar. As taxas em vigor nos próximos 3 meses são estas:

4.º Trimestre TAEG máxima
Crédito Pessoal Finalidade Educação, Saúde, Energias Renováveis e Locação Financeira de Equipamentos 5,5%
Outros Créditos Pessoais (sem finalidade específica, lar, consolidado e outras finalidades) 13,8%
Crédito Automóvel Locação Financeira ou ALD: novos 5,1%
Locação Financeira ou ALD: usados 6,3%
Com reserva de propriedade e outros: novos 9,8%
Com reserva de propriedade e outros: usados 12,3%
Cartões de Crédito, Linhas de Crédito, Contas Correntes Bancárias e Facilidades de Descoberto 16,1%

Uma dica “milagrosa”

O truque para se livrar das dívidas de uma vez por todas é aproveitar a poupança na troca de um crédito em que fica a pagar menos para usar o dinheiro que poupar para amortizar a dívida mais depressa. A maior parte das pessoas assim que poupa 50 euros numa prestação gasta logo noutra coisa.

Pensemos racionalmente: Se estava a pagar uma mensalidade alta antes, é porque a podia pagar – vamos partir deste princípio, há excepções – então os 50 euros de “lucro” que passa a ter usa no fim do mês para amortizar (pagar antecipadamente) o que deve. Poupa nos juros e acaba mais rápido. Depois de pagar a dívida na totalidade, gaste o dinheiro que a partir daí lhe sobra como quiser :).

É o “truque” dos GURUS das finanças. Simples. E funciona!



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *