Portugal entre os 13 Estados-membros com salários mínimos abaixo de 1.000 euros (Eurostat)

Escrito por Pedro Andersson

28.01.22

}
4 min de leitura

Publicidade

Portugal entre os 13 Estados-membros com salários mínimos abaixo de 1.000 euros

Portugal está entre os 13 Estados-membros da União Europeia (UE) com salários mínimos abaixo dos 1.000 euros brutos, mas é o melhor da lista com 823 euros em 12 meses, divulga hoje o Eurostat. Recordo que em Portugal existe subsídio de Férias e de Natal e isso não acontece em todos os países.

Os países com o salário mínimo mais baixo

De acordo com o serviço de estatísticas da UE, em janeiro de 2022, 13 Estados-membros tinham salários mínimos abaixo dos 1.000 euros mensais: Bulgária (€332), Letónia (€500), Roménia (€515), Hungria (€542), Croácia (€624), Eslováquia (€646), República Checa (€652), Estónia (€654), Polónia (€655), Lituânia (€730), Grécia (€774), Malta (€792) e Portugal (€823).

O salário mínimo fixado em Portugal para 2022 é de 705 euros, mas pago em 14 meses, sendo que o Eurostat divide o valor total por 12 meses, elevando para o valor para 823 euros.

Os salários mínimos no resto da Europa

Na Eslovénia (€1.074) e em Espanha (€1.126), os salários mínimos estavam ligeiramente acima dos 1.000 euros mensais e nos restantes seis dos 21 Estados-membros onde estes vigoram os valores estavam acima dos 1.500 euros mensais: França (€1.603), Alemanha (€1.621), Bélgica (€1.658), Países Baixos (€1.725), Irlanda (€1.775) e o Luxemburgo com um valor superior a dois mil euros (€2.257).

No conjunto dos 21 Estados-membros em análise, o salário mínimo no Luxemburgo (o mais alto) é quase sete vezes superior ao do da Bulgária (o mais baixo).

As disparidades, no entanto, são menores quando os salários mínimos são expressos em paridade de poder de compra (PPC), com o Luxemburgo a recuar para 1.707 euros e a Bulgária a subir para 604 euros.

A Áustria, Chipre, Dinamarca, Itália, Finlândia e Suécia não aplicam um salário mínimo nacional.

Para que serve saber quanto ganho por ano?

Porque é que achei interessante este estudo? Porque independentemente do valor que cada um de nós ganha, é muito importante termos a noção de quanto dinheiro entra em nossa casa por ano e não apenas por mês (e fazendo de conta que os subsídios de Natal e de Férias – e acrescento o reembolso “fixo” do IRS – não existem).

É imprescindível cada família ter o retrato global da sua situação financeira.

Por exemplo, apenas tendo em conta o salário mensal talvez não seja possível adquirir determinados bens ou serviços ou decidir fazer uma poupança mensal regular, mas se contarmos com o valor global até pode dar. 

Basta para isso que destinemos o valor dos salários “extra” para esses objetivos em vez de pensarmos que esses valores são destinados “de facto” para as férias e para as prendas de Natal ou outros objetivos não absolutamente essenciais. Essas famílias menos organizadas ou com menos literacia financeira (e todas as outras) devem fazer uma lista de todas as suas despesas obrigatórias e ver se com estes valores extras conseguem fazer frente a esses compromissos.

Só depois de fazer esta conta é que pode avaliar se sobra dinheiro para os “desejos”. Em primeiro lugar estão as “obrigações”. E enquanto não aumentar os seus rendimentos vai ter de dizer “Não” a muitas coisas. Sim, sei que não estou a dizer nenhuma novidade. Não precisam vir já com críticas.

Eu sei que não é isto que gostaria de ler ou ouvir, mas é a regra básica das Finanças pessoais: gastar sempre abaixo do que ganha (mesmo que seja pouco). E o que este relatório vem mostrar é que embora não mude dramaticamente a sua vida, a realidade “matemática” é que o salário bruto mínimo nacional é de 823 euros. 

Ou seja, um casal em que ambos recebam o salário mínimo nacional, têm para gerir 1.646 euros brutos para gerir por mês, ou seja, 19.752 € por ano. A este valor é preciso descontar as contribuições para a Segurança Social.

É pouco? Claro que é. Mas é importante sabermos quanto dinheiro temos para gerir, seja qual for a nossa situação. Só se pode gerir o que podemos medir. Em muitas situações, como já vos disse muitas vezes, a única solução é tentar obter fontes extras de rendimento. Essa é a parte que depende de nós e não do patrão ou do Estado.


Saldos-billboard

Publicidade

Sobre mim: Pedro Andersson

Ir para a página "Sobre Mim"

Siga-nos nas Redes Sociais

Para si | Artigos Recentes 

COMBUSTÍVEIS | Qual é o preço justo esta semana? (22 a 28 de julho)

Qual deveria ser o preço justo? A ERSE faz semanalmente as contas para o consumidor saber qual é o preço "justo" dos combustíveis face ao preço das matérias-primas e transportes de combustível. Esse preço "justo" já inclui uma margem de retalho de cerca de 10% para as...

Casas colocadas em Alojamento Local perdem redução de IMT

As regras do IMT preveem a atribuição de uma isenção parcial desse imposto nas casas que se destinem a habitação própria e permanente e também de uma redução de taxas nas casas de habitação. No entanto, como veio esclarecer a Autoridade Tributária (AT), há regras a...

Fundo Ambiental já começou a reembolsar beneficiários

Pagamentos deviam ter começado em janeiro Os beneficiários do programa Edifícios mais Sustentáveis de 2023 do Fundo Ambiental vão finalmente ser reembolsados, segundo anunciou o Ministério do Ambiente e Energia numa nota de impresa enviada à Agência Lusa. Os...

Taxa de juro na habitação voltou a baixar em junho

Trata-se da quinta descida consecutiva da taxa de juro A taxa de juro implícita no crédito à habitação tem vindo a cair lentamente depois de ter atingido um pico em janeiro de 2024, atingindo uma média de 4,657%. De acordo com o Instituto Nacional de Estatística...

EURIBOR HOJE | Taxas sobem em todos os prazos

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

PODCAST | #259 – O que já fez para melhorar a sua vida financeira?

Estamos a meio do ano - O que já fez até agora? Chegámos a meio do ano. Normalmente, em dezembro ou janeiro decidimos uma série de coisas e traçamos objetivos que depois desaparecem como que por "magia" à espera do ano seguinte. Porquê, se hoje é um bom dia para...

Se quiser investir é melhor um PPR ou um ETF? (Mês #34 – Junho 24)

PPR vs. ETF: Qual é melhor para investir a longo prazo? Nos últimos anos, com o aumento da literacia financeira (e aqui no Contas-poupança orgulhamo-nos de fazer paret desse percurso), milhares de portugueses descobriram que os PPR podiam servir para ganhar dinheiro e...

FRAUDE | Fisco alerta para e-mails falsos com imagem da AT

Fisco alerta para e-mails fraudulentos com recurso à imagem da Autoridade Tributária A Autoridade Tributária e Aduaneira emitiu um alerta de segurança sobre mensagens de correio eletrónico fraudulentas, pedindo que sejam ignoradas. "A Autoridade Tributária e Aduaneira...

PodTEXT | Quantas vezes posso trocar de Crédito à habitação e de seguro de vida?

O podcast de sempre, agora mais inclusivo! Como a literacia financeira é um aspeto fundamental para a boa gestão das finanças pessoais, os podcasts do Contas-poupança tornam-se agora mais inclusivos e passarão a ser publicados também em texto, nomeadamente para...

EURIBOR HOJE | Taxas sobem a 3 e 6 meses e descem a 12

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

Publicidade

Comentar

Siga-nos nas redes sociais

Artigos relacionados

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Partilhe o Artigo!

Partilhe este artigo com os seus amigos.