Isenção de IMI para quem vive em centros históricos da UNESCO

Escrito por Pedro Andersson

17.07.19

}
4 min de leitura

Publicidade

Se mora aqui pode deixar de pagar IMI

Isto é muito importante para quem vive nos centros históricos do Porto, Guimarães, Évora, Sintra, Angra do Heroísmo, Óbidos e Elvas. Vão deixar de pagar IMI (se pagavam até agora). Mas atenção! Tem de pedir. Se não pedir uma declaração nesse sentido a notificação para pagar vai continuar a aparecer no correio (ou e-mail).

O Jornal de Notícias (em papel) diz hoje que as Finanças decidiram finalmente assumir como boa as decisões dos tribunais que têm dado sempre razão aos contribuintes que reclamaram na justiça.

Todas as repartições de Finanças do país já tomaram conhecimento da decisão, através de uma circular enviada no passado dia 9 de julho, pela subdiretora-geral dos impostos sobre património, Lurdes Ferreira.

Em 2009, as Finanças deixaram de cobrar IMI a prédios classificados individualmente como monumento nacional, quer estivessem em zonas classificadas pela UNESCO ou não. Desde essa altura que os proprietários de casas em centros históricos começaram a contestar este pagamento nos tribunais porque as casas deveriam ser consideradas também monumentos. Os tribunais sempre lhes deram razão ao considerar estes pagamentos ilegais, fazendo com que o Governo tivesse de devolver o valor do imposto pago, com juros.

O que tem de fazer?

Para ficarem isentos do imposto municipal sobre imóveis, os proprietários têm de provar que a casa fica num centro histórico distinguido pela UNESCO. Para isso, é preciso pedir uma declaração à Direção Regional da Cultura e entregá-la nas finanças.

Suponho que seja este o Formulário que terá de preencher, mas não tenho a certeza. Confirme. Foi uma pesquisa de segundos que fiz no Google. BFDP_23-08-2016

A circular a que o JN teve acesso dá ordem para que o benefício fiscal seja atribuído, se solicitado.

O Governo só assumiu esta posição depois de em Fevereiro o Supremo Tribunal Administrativo se ter pronunciado sobre o assunto, dando razão aos contribuintes.

Portanto, se tem casa no centro histórico do Porto, Guimarães, Évora, Sintra, Angra do Heroísmo, Óbidos ou Elvas vai deixar de pagar IMI. Mas, repito, tem de pedir a Declaração na Direção-Geral da Cultura (espero que eles já saibam) e entregar na sua repartição de Finanças. Sugiro que perguntem se basta entregar uma vez ou se têm de entregar todos os anos. A experiência diz-me que deve fazer essa pergunta. Já vi muita coisa.

Estima-se que as zonas classificadas pela UNESCO tenham cerca de 20 mil imóveis. Esta isenção deverá poupar 5 milhões de euros a estes proprietários. Obviamente, deverão ser todos os outros contribuintes a pagar a diferença às Câmaras Municipais por transferências do Orçamento do Estado. É o que está previsto na lei.

Se tem casa nestas zonas, ou se conhece alguém que more nestes locais, partilhe com eles esta informação. 20 mil pessoas ainda é muita gente e 5 milhões é muito dinheiro.

Se mora num destes locais e tem pago IMI, meta o Estado em tribunal e peça o dinheiro de volta. Avalie os custos e benefícios. Mexa-se.


Acompanhe-nos AQUI

NOVO LIVRO “CONTAS-POUPANÇA” 34 dicas para poupar muito mais e fazer crescer o seu dinheiro em 2019. É um livro que se paga a ele próprio apenas com uma dica. Se quiser conhecer também as dicas que demos nos primeiros 5 anos de programa, pode adquirir o livro “Contas-poupança I”. É só clicar AQUI ou nas fotos dos livros.

Registe-se AQUI para receber a Newsletter do Contas-poupança.

(Todas as dicas da semana num só e-mail).

 

Publicidade

Sobre mim: Pedro Andersson

Ir para a página "Sobre Mim"

Siga-nos nas Redes Sociais

Para si | Artigos Recentes 

EURIBOR HOJE | Taxas sobem a 3 e 6 meses e descem a 12

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

COMBUSTÍVEIS | Preços na próxima semana (3 a 9 de junho)

Preços dos combustíveis na semana que vem A informação dos preços dos combustíveis é baseada nos cálculos que têm em conta a cotação nos mercados internacionais e outros fatores considerados na formação do preço dos combustíveis em Portugal. São dados que recolho...

PODCAST | #244 -Vale a pena investir em ouro? (A pergunta do Pedro)

Subscreva a nossa Newsletter, para não perder nenhuma dica *Ao subscrever, a informação partilhada será usada de acordo com os nossos Termos e Condições e a nossa Política de...

Jovens vão poder decidir a cada ano que regime de IRS preferem

Opção pelo IRS jovem é anual e poderá ser alterada ou renovada O novo modelo de IRS Jovem aprovado recentemente pelo governo é diferente daquele que ainda vigora atualmente, na medida em que prevê uma redução das taxas do imposto que incidem sobre os escalões de...

Rendas de pessoas deslocadas em trabalho vão poder ser deduzidas

Medida aplica-se a deslocados a mais de 100 quilómetros de casa As pessoas que tenham de ir trabalhar para mais de 100 quilómetros de distância da sua residência habitual e pretendam rentabilizar a sua habitação enquanto estão fora vão poder deduzir a esse rendimento...

Garantia pública extingue-se quando jovens pagarem primeiros 15% do empréstimo

Garantia pública de até 15% aplica-se a casas até 450 mil euros O governo aprovou recentemente uma garantia pública de até 15% para ajudar os jovens até aos 35 anos a conseguir financiamento para comprar casa. Na segunda-feira, ao terminar o Conselho de Ministros...

EURIBOR HOJE | Taxas descem em todos os prazos

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

COMBUSTÍVEIS | Qual é o preço justo esta semana? (27 de maio a 2 de junho)

Qual deveria ser o preço justo? A ERSE faz semanalmente as contas para o consumidor saber qual é o preço "justo" dos combustíveis face ao preço das matérias-primas e transportes de combustível. Esse preço "justo" já inclui uma margem de retalho de cerca de 10% para as...

Medicamentos grátis a partir de 1 de junho para quem tem CSI

Publicada em Diário da República comparticipação a 100% em medicamentos para idosos com Complemento Solidário O diploma que estabelece que os idosos que recebem complemento solidário passam a partir de 1 de junho a ter direito a medicamentos comparticipados sujeitos a...

Prazo para pedir devolução de propinas termina esta sexta-feira

Mais de 158 mil pessoas já pediram o prémio salarial O prazo para pedir o Prémio Salarial, que prevê a devolução aos jovens do dinheiro que investiram na sua educação superior, termina esta sexta-feira, dia 31 de maio. Os licenciados e mestres que tenham concluído os...

Publicidade

Comentar

Siga-nos nas redes sociais

Artigos relacionados

3 Comentários

  1. Alf

    Não acho correcto, apenas acharia correcto, se fosse indexado a uma situação económica. Tenho sérias dúvidas que o imposto deste modo seja justo! Os imóveis UNESCO estão em zonas premium e haverá decerto proprietários que deveriam pagar o imposto! A prioridade deveria ser se a habitação é mesmo a única residência do proprietário, e ter em conta o rendimento! Senão haverá sempre Portugueses de primeira e de segunda!

    Responder
  2. Leticia Mateus

    Acho que é uma grande injustiça, se o IMI é calculado por zonas premium, eu não tenho culpa que não haja onde moro um Centro Histórico……deviam pagar como os outros, ou há, como muito bem diz ALF, Portugueses de primeira e de segunda!

    Responder
  3. JC

    Se tivessem noção das implicações e obrigações que os proprietários desses imóveis têm, pensavam duas vezes antes de dar opinião.
    Os centros históricos classificados património da UNESCO foram-no devido às suas características próprias. Características essas que têm que ser mantidas sob pena de se perder essa classificação. E acho que estamos todos de acordo que ninguém gostaria de ver qualquer uma dessas cidades perder esse estatuto. Portanto, os proprietários são na prática os responsáveis pela manutenção e conservação dos imóveis sob regras bastante apertadas. Dar isenção de IMI a esses proprietários não é mais do que uma ajuda pela obrigação que cada um tem por zelar pelo património que é individual mas é pertença colectiva da humanidade.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Partilhe o Artigo!

Partilhe este artigo com os seus amigos.