Fundos de Investimento | TOP 10 dos Fundos Nacionais Mais Rentáveis (APFIPP) – Semana de 31 de Julho

Semana de 31 de Julho de 2020

Semanalmente partilho convosco o TOP 10 dos Fundos de Investimento NACIONAIS divulgado pela Associação Portuguesa de Fundos de Investimento e Patrimónios (APFIPP). Estes dados são públicos. O meu objetivo é simplesmente que vá acompanhando a rentabilidade dos Fundos de Investimento como ferramenta para pôr o seu dinheiro a crescer (muito) mais do que apenas nos depósitos a prazo. Não quer dizer que invista, mas pelo menos fica a conhecer. Estes produtos não têm capital garantido.

Como pode ver esta semana, há 3 novas entradas no TOP 10. E ao mesmo tempo dá para ver também que as rentabilidades gerais desceram. A maioria anda a render agora cerca de 4%. Isso deve-se naturalmente às quedas nas bolsas nos últimos meses por causa da Covid-19 que fizeram descer bastante a média das rentabilidades nos últimos 365 dias.  É por estarmos agora numa altura de “queda” que deve ponderar investir, antes que as bolsas recuperem totalmente. Nessa altura já irá tarde, porque não vai aproveitar estes “saldos”. Mas confirme sempre estas informações com o gestor de conta do banco onde pretender investir.

Atenção às comissões de guarda de títulos e manutenção de contas de investimento e afins. É de fugir a todo o custo a menos que compense o rendimento apesar disso tudo. Eu opto por bancos que não me cobram isso.

O que são Fundos de Investimento? Quais os fundos nacionais mais rentáveis?

Esta informação semanal é para os poucos portugueses que estão dispostos a subscrever produtos financeiros sem capital garantido. Se nem quer pensar em arriscar um pouco do dinheiro que tem, não perca tempo a ler esta informação. Os Fundos de Investimento são “cabazes” de ações e obrigações geridos por profissionais nos bancos e corretoras. Compra um “cesto” e o valor dele vai subindo ou descendo conforme o comportamento do conjunto de ações selecionadas nas bolsas. É estar na Bolsa sem estar diretamente. É ótimo para quem não percebe nada disto começar a investir uma pequena parte das suas poupanças. Tem o meu exemplo aqui.

O ponto que deve fixar é que se quer pôr o seu dinheiro a trabalhar para si e ganhar dinheiro com o seu dinheiro terá de um dia arriscar um pouco. Normalmente entregamos o nosso dinheiro aos outros (aos bancos, nos depósitos a prazo) para eles ganharem dinheiro com o nosso dinheiro. Em parte, eles pegam no nosso dinheiro, colocam neste tipo de produtos (e outros muito mais complexos) e ganham eles com o esforço do seu trabalho. Se for você a investir o seu dinheiro há uma inversão dos papéis.

O que vai encontrar neste artigo semanal?

Os Fundos de Investimento são um mundo de altos e baixos diários. Semanalmente recebo informação da APFIPP (Associação Portuguesa de Fundos de Investimento e Fundos de Pensões) com os 10 Fundos nacionais mais rentáveis nos últimos 365 dias. Esta informação é pública e está no site deles. Reproduzo apenas o que recebo. Não faço análises nem dou conselhos de investimento. O meu objetivo é incentivar a literacia financeira, para que perceba como funcionam estes produtos e suscitar a sua curiosidade. As decisões sobre como gere o seu dinheiro são exclusivamente suas.

O meu objetivo com estes artigos é que passem a ACOMPANHAR a evolução dos fundos que vos interessam (estes e muitos outros) para depois saberem quando é boa altura para comprar ou para vender. Se nunca começarem a olhar, nunca perceberão como funciona. Nunca invista dinheiro de que pode vir a precisar nos próximos meses ou anos. É a regra “sagrada”.

Ao olhar semanalmente para a lista vai verificar que muitos fundos que estavam no Top 10 na semana passada deixaram de estar e que muitos novos entraram nesta semana. O segredo, se é que há algum, é escolher dois ou 3 fundos de vários níveis de risco por exemplo um de risco 3, um de risco 5 e um de risco 6 e ir investindo ao longo do tempo com regularidade. Se começar a trocar de fundos só porque vê outros a crescer mais do que o seu isso só vai trazer-lhe stress e não chega a ver os fundos a fazerem o seu trabalho. Cada um deles tem uma estratégia diferente. Numa semana em que as bolsas caem, os fundos moderados vão crescer mais do que os arrojados e vice-versa.

Nesta fase, é apenas este detalhe que gostava que percebesse. Este Top 10 da APFIPP não é uma corrida para ver quem chega em primeiro lugar. Eu uso-o só para perceber que tipo de ganhos é possível ter com Fundos de Investimento em geral. Claro que é interessante saber quais são os que estão ao longo do tempo sempre nos primeiros lugares, esse detalhe pode ser importante na altura de escolher, como é óbvio. Mas não é num mês que vai ter essa noção. Dê tempo ao tempo. Vá acompanhando e tirando as suas próprias conclusões. Quando decidir arriscar e investir peça ajuda a um consultor financeiro do banco que escolher de preferência sem comissões, claro.


Avisos e Advertências

Antes de investir em Fundos de Investimento, deve informar-se bem junto do seu gestor de conta (no banco ou corretora/Gestora de fundos) sobre os riscos que corre e fazer a sua avaliação do perfil de risco (tem de preencher sempre um questionário primeiro). Investimentos de risco não são brincadeira. Pode perder parte do seu dinheiro se agir precipitadamente ou não souber lidar com momentos de crise/queda dos mercados.

Este Top 10 tem apenas os Fundos nacionais mais rentáveis. Não inclui os que mais perderam, que serão muitos. Há Fundos que todas as semanas entrarão em terreno negativo. A APFIPP não faz esse TOP 10. Antes de comprar/subscrever um Fundo (há unidades a partir de 25 euros ou até menos), deve ouvir as recomendações de profissionais da área e agir segundo as normas do setor que lhe serão transmitidas.

O que vai encontrar nesta lista não são recomendações de investimento, até porque há muitos outros fundos de investimento internacionais com rendibilidades superiores e inferiores e alguns destes mencionados na lista da APFIPP serão negociados junto de quem tem conta em determinados bancos e você pode não ser (nem querer ser) cliente desse banco. O meu objetivo é apenas que perceba de que tipo de rentabilidade estamos a falar quando nos referimos a fundos de investimento, sempre relativamente a quem os subscreveu há um ano.

Outra informação relevante é que devem ver sempre a evolução destes e de outros fundos nos últimos 5 anos. O facto de estarem a subir muito agora (no último ano) não quer dizer que continuem a subir assim no futuro. Mas veja sempre o passado.

Outro alerta: Os fundos da APFPP são só dos que estão inscritos nesta Associação. Há milhares de outros Fundos (nacionais e internacionais) que não fazem parte desta lista e que são melhores e piores do que os desta reduzidíssima lista de 10 fundos. São apenas um exemplo do que podem render alguns fundos. Isto são investimentos SEM CAPITAL GARANTIDO, ou seja, no limite pode perder todo o dinheiro que investiu e são dos mais arriscados. Há outros menos “perigosos” mas que rendem muito menos.

Alertas da APFIPP:

– Estes resultados não consideram comissões de subscrição e resgate, bem como outras comissões e encargos eventualmente suportados diretamente pelos participantes, que variam de acordo com as condições estabelecidas no regulamento de gestão de cada fundo.

– As informações constantes deste documento não consubstanciam qualquer tipo de aconselhamento a investidores o qual deverá ser prestado por entidades profissionais, nem dispensam a consulta de outra informação, nomeadamente a publicada oficialmente pelas Entidades Gestoras ou pelas entidades encarregues da colocação e comercialização dos valores mobiliários em causa.

-As rendibilidades divulgadas representam dados passados, não constituindo garantia de rendibilidade futura, porque o valor das unidades de participação pode aumentar ou diminuir em função do nível de risco que varia entre 1 (risco mínimo) e 7 (risco máximo).

– As informações contidas neste documento foram elaboradas tendo em conta os dados transmitidos pelas entidades gestoras ou divulgados pela CMVM. A APFIPP não se responsabiliza pela inexatidão ou deficiência dos dados que são transmitidos pelas entidades em causa nem pelos resultados das análises ao classificações elaboradas tendo por base dados deficientes ou incorretos.


 

Acompanhe-nos AQUI

Podcast

Leia os livros “CONTAS-POUPANÇA”. É só clicar AQUI ou nas fotos dos livros.

 

 

Os meus fundos de investimento – Balanço da semana de 3 de Agosto

Fundos de investimento – Balanço semanal 

Como vos expliquei neste artigo AQUI, onde tem vários avisos e explicações – que deve ler – sobre porque deve conhecer várias alternativas de investimento, semanalmente vou dizer-vos como está a evoluir a minha carteira de fundos de investimento para que perceba que, ao contrário dos depósitos a prazo, o seu dinheiro sobe e desce todos os dias. 

Perceber como funciona, não quer dizer que tenha de investir. Só quero que entenda como funciona.

Quando ganhar dinheiro digo, quando perder também digo. Não lhe estou a vender nada, apenas quero partilhar informação. Nenhum artigo neste blogue é pago por ninguém. O meu objetivo é unicamente contribuir para a nossa literacia financeira.

Semana de 3 de Agosto de 2020

Comecemos como habitualmente com o desempenho semanal dos meus 3 fundos “Poupança Covid-19”.

Como em minha casa eu e a minha mulher poupamos várias centenas de euros (porque ambos continuámos a trabalhar) durante esses meses, decidimos pegar nesse dinheiro e (já que seria dinheiro que seria entregue às gasolineiras, restaurantes, escolas, portagens, etc.) investi-lo com mais risco. Felizmente conseguimos dar-nos a esse “luxo”. Há famílias que devem colocar este dinheiro num Fundo de emergência e NUNCA os colocar em produtos de capital não garantido.

Subscrevi um fundo com o que a minha mulher não gastou durante o Estado de emergência (combustíveis e alimentação = 225,75 €), outro com o que o meu filho mais velho não gastou (passes e alimentação na escola = 153,12 €) e outro com o que o meu filho mais novo não gastou (a mensalidade da escola privada baixou e não teve atividades extracurriculares = 248,26 €).

Se comparar com o balanço da semana passada, verificará que todos recuperaram. O “American growth” estava negativo -1,06%, e de uma semana para a outra (esta) ficou positivo e está a ganhar 0,71%. O “MSS US Advantage” estava negativo -0,60% e esta semana já estava a render 3,50%. O “UBS-CAD” cresceu mais um bocadinho: subiu de 1,53% para 1,62%.

Em resumo, nestas primeiras 4 semanas, os 3 fundos recuperaram praticamente tudo o que perderam nas primeiras 3 semanas. Mesmo assim, na soma dos 3 fundos AINDA ESTOU A PERDER DINHEIRO, como poderá ver neste gráfico.

A média dos meus 3 fundos de investimento “Poupança Covid” continua negativa. Se resgatasse neste momento os fundos que subscrevi no início de Julho, perderia 1,93 €. Em todas as situações, ainda é preciso descontar os 28% para o IRS (nos depósitos a prazo seria a mesma coisa). Mas os 28% é só sobre as mais valias, neste caso seriam menos valias, portanto não pagaria nada de IRS.

Para quem está a ler este tipo de relatos pela primeira vez pode ser assustador. Então eu ponho lá o dinheiro e passados uns dias estou a perder dinheiro? Quero que perceba que é perfeitamente normal. Isto é uma coisa para ter a 5 ou mais anos, ou até atingir o seu objetivo. Se chegar aos 20 ou 30% nada o impede de resgatar nesse dia :).

Quero também partilhar um outro detalhe MUITO IMPORTANTE: dois dos fundos são em moeda estrangeira. Um é em dólares e o outro em dólares canadianos, Ou seja, quando falamos em percentagem de crescimento ainda tem de levar em conta o câmbio. Isso tanto pode favorecê-lo como prejudicá-lo. Portanto, se um dia subscrever Fundos de Investimento pela primeira vez escolha em euros para ter uma leitura mais fácil para si.

Neste caso, os valores que lhe dou já são depois do câmbio diário. O Banco faz essas contas automaticamente, não se preocupe.

No total dos 3 fundos, no dia 16/7/2020 subscrevi 627,13 € e se resgatasse neste momento só me devolviam 625,20 €.

Repito o alerta de sempre que esta estratégia é APENAS para uma pequena parte das suas poupanças a que se possa dar o “luxo” de perder. Isso ficou claro?

Os meus outros fundos

Tenho um fundo “principal” que tento reforçar todos os meses, independentemente do que estiver a acontecer nas Bolsas. Interessa-me o longo prazo e não o curto prazo.

A unidade que tem vindo a crescer mais  (que subscrevi a 13 de Março) esteve há 15 dias a crescer 30,49%, depois desceu para 26,79% e esta semana está a crescer “apenas” 27,74%. A unidade que comprei mais caro neste período de 1 ano está a crescer apenas 1,82%. A conta que tenho de fazer é a média de todos eles. Mensalmente recebo um extrato do banco com esse valor. Não tenho de estar a fazer essa conta.

O outro fundo que mantenho neste banco, nesta semana voltou a descer de 15,74% para 14,12%, como pode ver no print screen acima.

É mesmo assim. Depende de como as ações contidas nos respetivos “cabazes” se comportaram na bolsa nos últimos dias.

Podem ser pequenas poupanças. Não é preciso ser rico para ter um fundo de investimento (bastam 15 ou 20 euros). No print screen acima tem lá os valores que investi.

Cada fundo, sua rentabilidade

Nestes outros fundos, noutro banco, todos estão positivos e cresceram esta semana que passou. Uns cresceram algumas décimas, outros 1% e outro cerca de 2%. Depende dos setores económicos e das regiões do mundo em que estão as ações que fazem parte de cada um deles. Um até podia ter disparado 10% e o outro ter descido na mesma proporção. É mesmo assim.

O que pretendo mostrar-lhe é que o que conta verdadeiramente ao longo do tempo é a MÉDIA de todos os seus investimentos e não apenas um que cresce muito ou um que desce muito. O fundo “melhor” neste momento está a crescer 13,12% e o “pior” apenas 1,03%. Repito, todos estes fundos NÃO TÊM garantia de capital.

Esta semana

Na semana passada

Não fique a pensar que isto é uma máquina de fazer dinheiro. Na semana que vem podem estar todos em queda 10 ou 15% e perder todos estes “ganhos”. Quando isso acontecer, o “segredo” é não vender. É isso que eu quero que perceba.

Repetirei estes avisos em todos os balanços semanais. Estou a achar esta experiência muito interessante. Espero que vocês também.

Vou publicar aqui no blogue o vídeo que fiz no YouTube a explicar como subscrevi os vídeos da minha “Poupança Covid”. Gravei em “direto” enquanto os pesquisava e subscrevia para você perceber como é relativamente simples subscrever um fundo de investimento no seu banco.

Alguns leitores do blogue sugerem também a subscrição de ETF que terão menos comissões do que estes Fundos e são menos voláteis. Também estou a testar esse produto (subscrevi 3) e estou a ver como corre para vos falar da minha experiência. Para já também estão todos negativos. Foi uma semana má nas bolsas na parte que me toca. Sem stress… É aguardar.

Avisos

Nunca deve ver a minha carteira de investimentos ou o que eu digo como um conselho sobre como e onde deve investir ou que fundos deve escolher. Há milhares de fundos. 

Não tenho qualquer formação financeira e sou um simples cliente bancário com muita curiosidade. Quando quiser subscrever fundos pela primeira vez deve contactar um gestor especializado no seu banco ou corretora. Nunca invista dinheiro de que vai precisar. Pode perder dinheiro, se precisar levantá-lo numa altura em que estiver com valores negativos e não puder esperar meses ou anos até que eles recuperem.


 

Acompanhe-nos AQUI

Podcast

Leia os livros “CONTAS-POUPANÇA”. É só clicar AQUI ou nas fotos dos livros.

 

 

Fundos de Investimento | TOP 10 semanal de Fundos Nacionais Mais Rentáveis (APFIPP)

O que são Fundos de Investimento? Quais os fundos nacionais mais rentáveis?

Esta informação semanal é para os poucos portugueses que estão dispostos a subscrever produtos financeiros sem capital garantido. Se nem quer pensar em arriscar um pouco do dinheiro que tem, não perca tempo a ler esta informação. Os Fundos de Investimento são “cabazes” de ações e obrigações geridos por profissionais nos bancos e corretoras. Compra um “cesto” e o valor dele vai subindo ou descendo conforme o comportamento do conjunto de ações selecionadas nas bolsas. É estar na Bolsa sem estar diretamente. É ótimo para quem não percebe nada disto começar a investir uma pequena parte das suas poupanças. Tem o meu exemplo aqui.

O ponto que deve fixar é que se quer pôr o seu dinheiro a trabalhar para si e ganhar dinheiro com o seu dinheiro terá de um dia arriscar um pouco. Normalmente entregamos o nosso dinheiro aos outros (aos bancos, nos depósitos a prazo) para eles ganharem dinheiro com o nosso dinheiro. Em parte, eles pegam no nosso dinheiro, colocam neste tipo de produtos (e outros muito mais complexos) e ganham eles com o esforço do seu trabalho. Se for você a investir o seu dinheiro há uma inversão dos papéis.

O que vai encontrar neste artigo semanal?

Os Fundos de Investimento são um mundo de altos e baixos diários. Semanalmente recebo informação da APFIPP (Associação Portuguesa de Fundos de Investimento e Fundos de Pensões) com os 10 Fundos nacionais mais rentáveis nos últimos 365 dias. Esta informação é pública e está no site deles. Reproduzo apenas o que recebo. Não faço análises nem dou conselhos de investimento. O meu objetivo é incentivar a literacia financeira, para que perceba como funcionam estes produtos e suscitar a sua curiosidade. As decisões sobre como gere o seu dinheiro são exclusivamente suas.

O meu objetivo com estes artigos é que passem a ACOMPANHAR a evolução dos fundos que vos interessam (estes e muitos outros) para depois saberem quando é boa altura para comprar ou para vender. Se nunca começarem a olhar, nunca perceberão como funciona. Nunca invista dinheiro de que pode vir a precisar nos próximos meses ou anos. É a regra “sagrada”.

 

Semana de 24 de Julho de 2020

Como pode ver pela alteração das posições acima, nos Fundos de Investimento tudo é muito volátil e deve encarar isso com toda a naturalidade. Ao olhar para a lista vai verificar que muitos fundos que estavam no Top 10 na semana passada deixaram de estar e que muitos novos entraram nesta semana. O segredo, se é que há algum, é escolher dois ou 3 fundos de vários níveis de risco por exemplo um de risco 3, um de risco 5 e um de risco 6 e ir investindo ao longo do tempo com regularidade. Se começar a trocar de fundos só porque vê outros a crescer mais do que o seu isso só vai trazer-lhe stress e não chega a ver os fundos a fazerem o seu trabalho. Cada um deles tem uma estratégia diferente. Numa semana em que as bolsas caem, os fundos moderados vão crescer mais do que os arrojados e vice-versa.

Nesta fase, é apenas este detalhe que gostava que percebesse. Este Top 10 da APFIPP não é uma corrida para ver quem chega em primeiro lugar. Eu uso-o só para perceber que tipo de ganhos é possível ter com Fundos de Investimento em geral. Claro que é interessante saber quais são os que estão ao longo do tempo sempre nos primeiros lugares, esse detalhe pode ser importante na altura de escolher, como é óbvio. Mas não é num mês que vai ter essa noção. Dê tempo ao tempo. Vá acompanhando e tirando as suas prórias conclusões. Quando decidir arriscar e investir peça ajuda a um consultor financeiro do banco que escolher de preferência sem comissões, claro.

Avisos e Advertências

Antes de investir em Fundos de Investimento, deve informar-se bem junto do seu gestor de conta (no banco ou corretora/Gestora de fundos) sobre os riscos que corre e fazer a sua avaliação do perfil de risco (tem de preencher sempre um questionário primeiro). Investimentos de risco não são brincadeira. Pode perder parte do seu dinheiro se agir precipitadamente ou não souber lidar com momentos de crise/queda dos mercados.

Este Top 10 tem apenas os Fundos nacionais mais rentáveis. Não inclui os que mais perderam, que serão muitos. Há Fundos que todas as semanas entrarão em terreno negativo. A APFIPP não faz esse TOP 10. Antes de comprar/subscrever um Fundo (há unidades a partir de 25 euros ou até menos), deve ouvir as recomendações de profissionais da área e agir segundo as normas do setor que lhe serão transmitidas.

O que vai encontrar nesta lista não são recomendações de investimento, até porque há muitos outros fundos de investimento internacionais com rendibilidades superiores e inferiores e alguns destes mencionados na lista da APFIPP serão negociados junto de quem tem conta em determinados bancos e você pode não ser (nem querer ser) cliente desse banco. O meu objetivo é apenas que perceba de que tipo de rentabilidade estamos a falar quando nos referimos a fundos de investimento, sempre relativamente a quem os subscreveu há um ano.

Outra informação relevante é que devem ver sempre a evolução destes e de outros fundos nos últimos 5 anos. O facto de estarem a subir muito agora (no último ano) não quer dizer que continuem a subir assim no futuro. Mas veja sempre o passado.

Outro alerta: Os fundos da APFPP são só dos que estão inscritos nesta Associação. Há milhares de outros Fundos (nacionais e internacionais) que não fazem parte desta lista e que são melhores e piores do que os desta reduzidíssima lista de 10 fundos. São apenas um exemplo do que podem render alguns fundos. Isto são investimentos SEM CAPITAL GARANTIDO, ou seja, no limite pode perder todo o dinheiro que investiu e são dos mais arriscados. Há outros menos “perigosos” mas que rendem muito menos. Ficou claro?

Alertas da APFIPP:

– Estes resultados não consideram comissões de subscrição e resgate, bem como outras comissões e encargos eventualmente suportados diretamente pelos participantes, que variam de acordo com as condições estabelecidas no regulamento de gestão de cada fundo.

– As informações constantes deste documento não consubstanciam qualquer tipo de aconselhamento a investidores o qual deverá ser prestado por entidades profissionais, nem dispensam a consulta de outra informação, nomeadamente a publicada oficialmente pelas Entidades Gestoras ou pelas entidades encarregues da colocação e comercialização dos valores mobiliários em causa.

-As rendibilidades divulgadas representam dados passados, não constituindo garantia de rendibilidade futura, porque o valor das unidades de participação pode aumentar ou diminuir em função do nível de risco que varia entre 1 (risco mínimo) e 7 (risco máximo).

– As informações contidas neste documento foram elaboradas tendo em conta os dados transmitidos pelas entidades gestoras ou divulgados pela CMVM. A APFIPP não se responsabiliza pela inexatidão ou deficiência dos dados que são transmitidos pelas entidades em causa nem pelos resultados das análises ao classificações elaboradas tendo por base dados deficientes ou incorretos.


 

Acompanhe-nos AQUI

Podcast

Leia os livros “CONTAS-POUPANÇA”. É só clicar AQUI ou nas fotos dos livros.

 

 

Os meus fundos de investimento – Balanço da semana de 27 de Julho

Fundos de investimento – Balanço semanal 

Como vos expliquei neste artigo AQUI, onde tem vários avisos e explicações sobre porque deve conhecer várias alternativas de investimento, semanalmente vou dizer-vos como está a evoluir a minha carteira de fundos de investimento para que perceba que, ao contrário dos depósitos a prazo, o seu dinheiro sobe e desce todos os dias. 

Perceber como funciona, não quer dizer que tenha de investir. Só quero que entenda como funciona.

Quando ganhar dinheiro digo, quando perder também digo. Não lhe estou a vender nada, apenas quero partilhar informação. Nenhum artigo neste blogue é pago por ninguém. O meu objetivo é unicamente contribuir para a nossa literacia financeira.

Semana de 27 de Julho de 2020

Comecemos como habitualmente com o desemprenho semanal dos meus 3 fundos “Poupança Covid-19”.

Como em minha casa eu e a minha mulher poupamos várias centenas de euros (porque ambos continuámos a trabalhar) durante esses meses, decidimos pegar nesse dinheiro e (já que seria dinheiro que seria entregue às gasolineiras, restaurantes, escolas, portagens, etc.) investi-lo com mais risco. Felizmente conseguimos dar-nos a esse “luxo”. Há famílias que devem colocar este dinheiro num Fundo de emergência e NUNCA os colocar em produtos de capital não garantido.

Subscrevi um fundo com o que a minha mulher não gastou durante o Estado de emergência (combustíveis e alimentação = 225,75 €), outro com o que o meu filho mais velho não gastou (passes e alimentação na escola = 153,12 €) e outro com o que o meu filho mais novo não gastou (a mensalidade da escola privada baixou e não teve atividades extracurriculares = 248,26 €).

Se for ver o artigo da semana passada, verificará que nesta semana que passou perdi dinheiro (se os resgatasse), comparativamente à semana anterior. O meu fundo “principal” – que tento reforçar todos os meses – perdeu cerca de 4% em apenas uma semana. Na semana anterior tinha crescido cerca de 1%. A unidade “menos valiosa”, subscrita no dia 21 de Janeiro desceu de um crescimento de 4,01% para apenas 1,06%.

A unidade que tem vindo a crescer mais desceu de 30,49% para esta semana estar a crescer “apenas” 26,79%. O outro fundo que mantenho neste banco, nesta semana desceu também de 16,91% para 15,74%, como pode ver no print screen acima.

Em resumo, se tivesse resgatado o meu dinheiro na semana passada tinha recebido na conta mais dinheiro do que se resgatasse hoje. É mesmo assim. Depende de como as ações contidas nos respetivos “cabazes” se comportaram na bolsa nos últimos dias.

Por uma questão de privacidade, vou só revelar as percentagens de crescimento ou de perdas, mas em relação aos meus Fundos “Poupança Covid” vou colocar aqui semanalmente um gráfico com os valores reais para perceberem de que dinheiro estamos a falar. Podem ser pequenas poupanças. Não é preciso ser rico para ter um fundo de investimento (bastam 15 ou 20 euros). No print screen acima tem lá os valores que investi. Esta é a evolução que eles tiveram nestas primeiras semanas.

Como podem ver, passadas 3 semanas, estou a perder dinheiro. A média dos meus 3 fundos de investimento “Poupança Covid” continua negativa. Se resgatasse neste momento os fundos que subscrevi no início de Julho, perderia 11,46 €. Para quem está a ler este tipo de relatos pela primeira vez pode ser assustador. Então eu ponho lá o dinheiro e passados uns dias estou a perder dinheiro? Quero que perceba que é perfeitamente normal. Isto é uma coisa para ter a 5 ou mais anos, ou até atingir o seu objetivo. Se chegar aos 20 ou 30% nada o impede de resgatar nesse dia :).

No total dos 3 fundos, no dia 16/7/2020 subscrevi 627,13 € e se resgatasse neste momento só me devolviam 615,67 €.

Cada fundo, sua rentabilidade

Nestes outros fundos, noutro banco, todos estão positivos. Dois fundos desceram em relação à semana anterior e dois subiram, embora muito ligeiramente. Depende dos setores económicos e das regiões do mundo em que estão as ações que fazem parte de cada um deles. Um até podia ter disparado 10% e o outro ter descido na mesma proporção. É mesmo assim.

O que pretendo mostrar-lhe é que o que conta verdadeiramente ao longo do tempo é a MÉDIA de todos os seus investimentos e não apenas um que cresce muito ou um que desce muito. O fundo “melhor” neste momento está a crescer 13,04% e o “pior” apenas 0,85% (mesmo assim, equivale a 8 vezes mais do que um depósito a prazo). Repito, todos estes fundos NÃO TÊM garantia de capital.

Esta semana

Na semana passada

Não fique a pensar que isto é uma máquina de fazer dinheiro. Na semana que vem podem estar todos em queda 10 ou 15% e perder todos estes “ganhos”. Quando isso acontecer, o “segredo” é não vender. É isso que eu quero que perceba.

Repetirei estes avisos em todos os balanços semanais. Estou a achar esta expeiência muito interessante. Espero que vocês também.

Avisos

Nunca deve ver a minha carteira de investimentos ou o que eu digo como um conselho sobre como e onde deve investir ou que fundos deve escolher. Há milhares de fundos. 

Não tenho qualquer formação financeira e sou um simples cliente bancário com muita curiosidade. Quando quiser subscrever fundos pela primeira vez deve contactar um gestor especializado no seu banco ou corretora. Nunca invista dinheiro de que vai precisar. Pode perder dinheiro, se precisar levantá-lo numa altura em que estiver com valores negativos e não puder esperar meses ou anos até que eles recuperem.


 

Acompanhe-nos AQUI

Podcast

Leia os livros “CONTAS-POUPANÇA”. É só clicar AQUI ou nas fotos dos livros.

 

 

Fundos de Investimento | TOP 10 semanal de Fundos Nacionais Mais Rentáveis (APFIPP)

O que são Fundos de Investimento? Quais os fundos nacionais mais rentáveis?

Esta informação semanal é para os poucos portugueses que estão dispostos a subscrever produtos financeiros sem capital garantido. Se nem quer pensar em arriscar um pouco do dinheiro que tem, não perca tempo a ler esta informação. Os Fundos de Investimento são “cabazes” de ações e obrigações geridos por profissionais nos bancos e corretoras. Compra um “cesto” e o valor dele vai subindo ou descendo conforme o comportamento do conjunto de ações selecionadas nas bolsas. É estar na Bolsa sem estar diretamente. É ótimo para quem não percebe nada disto começar a investir uma pequena parte das suas poupanças. Tem o meu exemplo aqui.

O ponto que deve fixar é que se quer pôr o seu dinheiro a trabalhar para si e ganhar dinheiro com o seu dinheiro terá de um dia arriscar um pouco. Normalmente entregamos o nosso dinheiro aos outros (aos bancos, nos depósitos a prazo) para eles ganharem dinheiro com o nosso dinheiro. Em parte, eles pegam no nosso dinheiro, colocam neste tipo de produtos (e outros muito mais complexos) e ganham eles com o esforço do seu trabalho. Se for você a investir o seu dinheiro há uma inversão dos papéis.

O que vai encontrar neste artigo semanal?

Semanalmente recebo informação da APFIPP (Associação Portuguesa de Fundos de Investimento e Fundos de Pensões) com os 10 Fundos nacionais mais rentáveis nos últimos 365 dias. Esta informação é pública e está no site deles. Reproduzo apenas o que recebo. Não faço análises nem dou conselhos de investimento. O meu objetivo é incentivar a literacia financeira, para que perceba como funcionam estes produtos e suscitar a sua curiosidade. As decisões sobre como gere o seu dinheiro são exclusivamente suas. Os Fundos de Investimento são um mundo de altos e baixos diários.

O meu objetivo com estes artigos é que passem a ACOMPANHAR a evolução dos fundos que vos interessam (estes e muitos outros) para depois saberem quando é boa altura para comprar ou para vender. Se nunca começarem a olhar, nunca perceberão como funciona. Nunca invista dinheiro de que pode vir a precisar nos próximos meses ou anos. É a regra “sagrada”.

 

Semana de 17 de Julho de 2020

Tabela-fundo-investimento-mobiliário-contas-poupanca

 

Como pode ver, mesmo o fundo que está em último lugar neste Top 10 rende mais de 50 vezes mais do que um depósito a prazo normal. Claro que também podia estar a perder dezenas de vezes mais do que num depósito a prazo dependendo do fundo que escolheu no passado. Mas é mesmo assim que funciona. Tem de estar disposto a arriscar, se tiver esse perfil. Ninguém o obriga a investir neste tipo de produtos. É só para perceber como funcionam. Depois também tem os ETF e as ações, mas deixemos isso para depois.

Avisos e Advertências

Antes de investir em Fundos de Investimento, deve informar-se bem junto do seu gestor de conta (no banco ou corretora/Gestora de fundos) sobre os riscos que corre e fazer a sua avaliação do perfil de risco (tem de preencher sempre um questionário primeiro). Investimentos de risco não são brincadeira. Pode perder parte do seu dinheiro se agir precipitadamente ou não souber lidar com momentos de crise/queda dos mercados.

Este Top 10 tem apenas os Fundos nacionais mais rentáveis. Não inclui os que mais perderam, que serão muitos. Há Fundos que todas as semanas entrarão em terreno negativo. A APFIPP não faz esse TOP 10. Antes de comprar/subscrever um Fundo (há unidades a partir de 25 euros ou até menos), deve ouvir as recomendações de profissionais da área e agir segundo as normas do setor que lhe serão transmitidas.

O que vai encontrar nesta lista não são recomendações de investimento, até porque há muitos outros fundos de investimento internacionais com rendibilidades superiores e inferiores e alguns destes mencionados na lista da APFIPP serão negociados junto de quem tem conta em determinados bancos e você pode não ser (nem querer ser) cliente desse banco. O meu objetivo é apenas que perceba de que tipo de rentabilidade estamos a falar quando nos referimos a fundos de investimento, sempre relativamente a quem os subscreveu há um ano.

Outra informação relevante é que devem ver sempre a evolução destes e de outros fundos nos últimos 5 anos. O facto de estarem a subir muito agora (no último ano) não quer dizer que continuem a subir assim no futuro. Mas veja sempre o passado.

Outro alerta: Os fundos da APFPP são só dos que estão inscritos nesta Associação. Há milhares de outros Fundos (nacionais e internacionais) que não fazem parte desta lista e que são melhores e piores do que os desta reduzidíssima lista de 10 fundos. São apenas um exemplo do que podem render alguns fundos. Isto são investimentos SEM CAPITAL GARANTIDO, ou seja, no limite pode perder todo o dinheiro que investiu e são dos mais arriscados. Há outros menos “perigosos” mas que rendem muito menos. Ficou claro?

Alertas da APFIPP:

– Estes resultados não consideram comissões de subscrição e resgate, bem como outras comissões e encargos eventualmente suportados diretamente pelos participantes, que variam de acordo com as condições estabelecidas no regulamento de gestão de cada fundo.

– As informações constantes deste documento não consubstanciam qualquer tipo de aconselhamento a investidores o qual deverá ser prestado por entidades profissionais, nem dispensam a consulta de outra informação, nomeadamente a publicada oficialmente pelas Entidades Gestoras ou pelas entidades encarregues da colocação e comercialização dos valores mobiliários em causa.

-As rendibilidades divulgadas representam dados passados, não constituindo garantia de rendibilidade futura, porque o valor das unidades de participação pode aumentar ou diminuir em função do nível de risco que varia entre 1 (risco mínimo) e 7 (risco máximo).

– As informações contidas neste documento foram elaboradas tendo em conta os dados transmitidos pelas entidades gestoras ou divulgados pela CMVM. A APFIPP não se responsabiliza pela inexatidão ou deficiência dos dados que são transmitidos pelas entidades em causa nem pelos resultados das análises ao classificações elaboradas tendo por base dados deficientes ou incorretos.


 

Acompanhe-nos AQUI

Podcast

Leia os livros “CONTAS-POUPANÇA”. É só clicar AQUI ou nas fotos dos livros.

 

 

Os meus fundos de investimento – Balanço da semana de 20 de Julho

Fundos de investimento – Balanço semanal 

Como vos expliquei neste artigo AQUI, onde tem vários avisos e explicações sobre porque deve conhecer várias alternativas de investimento, semanalmente vou dizer-vos como está a evoluir a minha carteira de fundos de investimento para que perceba que, ao contrário dos depósitos a prazo, o seu dinheiro sobe e desce todos os dias. Tem de aprender a conviver com isso.

Perceber como funciona, não quer dizer que tenha de investir. Primeiro estranha-se, depois logo se vê se é para si. Comigo foi assim.

Quando ganhar dinheiro digo, quando perder também digo. Não lhe estou a vender nada, apenas quero partilhar informação. Nenhum artigo neste blogue é pago por ninguém. O meu objetivo é unicamente contribuir para a nossa literacia financeira.

Semana de 20 de Julho de 2020

Antes de mais uma novidade. Uma das sugestões que vos dei durante a fase crítica da pandemia foi colocarem de lado o que pouparam para uma emergência ou para investirem.

Como em minha casa eu e a minha mulher poupamos várias centenas de euros (porque ambos continuámos a trabalhar) durante esses meses, decidimos pegar nesse dinheiro e (já que seria dinheiro que seria entregue às gasolineiras, restaurantes, escolas, portagens, etc.) investi-lo com mais risco. Felizmente podemos dar-nos a esse “luxo”. Há famílias que devem colocar este dinheiro num Fundo de emergência e NUNCA os colocar em produtos de capital não garantido, como vai ver a seguir.

Subscrevi um fundo com o que a minha mulher não gastou durante o Estado de emergência (combustíveis e alimentação), outro com o que o meu filho mais velho não gastou (passes e alimentação na escola) e outro com o que o meu filho mais novo não gastou (a mensalidade da escola privada baixou e não teve atividades extracurriculares). Vou fazer um vídeo a explicar tudo isto com detalhe e vou colocar no meu canal de YouTube.

Se for ver o artigo da semana passada, verificará que o meu fundo “principal” cresceu cerca de 1% em apenas uma semana. A unidade que está a crescer menos passou de 3,17% para 4,01% e a que está a crescer mais passou de 29,44% para 30,49%. O outro fundo que mantenho neste banco, numa semana cresceu de 14,72% para 16,91% como pode ver no print screen acima.

Por uma questão de privacidade, vou só revelar as percentagens de crescimento ou de perdas (também ficam negativos…), mas em relação aos meus Fundos “Poupança Covid” vou passar a colocar aqui um gráfico com os valores reais para perceberem de que dinheiro estamos a falar. Podem ser pequenas poupanças. Não é preciso ser rico. No print screen acima tem lá os valores que investi. Esta é a evolução que eles tiveram nesta primeira semana.

Como podem ver, uma semana depois, estou a perder dinheiro. Dois perderam e um está a ganhar muito pouco. A média dos 3 fundos é negativa. Portanto, para quem está a ler este tipo de relatos pela primeira vez é de facto assustador. Então eu ponho lá o dinheiro e passada uma semana já estou a perder dinheiro? Quero que perceba que é perfeitamente normal.

No total dos 3 fundos, subscrevi 627,13 € e se resgatasse neste momento só me devolviam 623,34 €. Menos 3,79 €.

Nestes outros fundos, noutro banco, já estão todos novamente positivos. Na semana passada um ainda estava negativo. Estava com -1,69%, esta semana já está a crescer 0,75%. Os restantes cresceram entre 1 e 2%. Em apenas uma semana, sublinho.

Mas não fique a pensar que isto é uma máquina de fazer dinheiro. Na semana que vem podem estar todos em queda 10 ou 15% e perder todos estes “ganhos”. Quando isso acontecer, o “segredo” é não vender. É isso que eu quero que perceba.

Na próxima semana continuarei a fazer este balanço com a comparação face à semana anterior para começarem a perceber como funciona esta ferramenta financeira. 

Avisos

Nunca deve ver a minha carteira de investimentos ou o que eu digo como um conselho sobre como e onde deve investir ou que fundos deve escolher. Há milhares de fundos. 

Não tenho qualquer formação financeira e sou um simples cliente bancário com muita curiosidade. Quando quiser subscrever fundos pela primeira vez deve contactar um gestor especializado no seu banco ou corretora. Nunca invista dinheiro de que vai precisar. Pode perder dinheiro, se precisar levantá-lo numa altura em que estiver com valores negativos e não puder esperar meses ou anos até que eles recuperem.


 

Acompanhe-nos AQUI

Podcast

Leia os livros “CONTAS-POUPANÇA”. É só clicar AQUI ou nas fotos dos livros.

 

 

Fundos de Investimento | TOP 10 semanal de Fundos Nacionais Mais Rentáveis (APFIPP)

O que são Fundos de Investimento? Quais os fundos nacionais mais rentáveis?

Esta informação semanal é para os poucos portugueses que estão dispostos a subscrever produtos financeiros sem capital garantido. Se nem quer pensar em arriscar um pouco do dinheiro que tem, não perca tempo a ler esta informação. Os Fundos de Investimento são “cabazes” de ações e obrigações geridos por profissionais nos bancos e corretoras. Compra um “cesto” e o valor dele vai subindo ou descendo conforme o comportamento do conjunto de ações selecioadas nas bolsas. É estar na Bolsa sem estar diretamente. É ótimo para quem não percebe nada disto começar a investir uma pequena parte das suas poupanças. Tem o meu exemplo aqui.

O ponto que deve fixar é que se quer pôr o seu dinheiro a trabalhar para si e ganhar dinheiro com o seu dinheiro terá de um dia arriscar um pouco. Normalmente entregamos o nosso dinheiro aos outros (aos bancos, nos depósitos a prazo) para eles ganharem dinheiro com o nosso dinheiro. Em parte, eles pegam no nosso dinheiro, colocam neste tipo de produtos (e outros muito mais complexos) e ganham eles com o esforço do seu trabalho. Se for você a investir o seu dinheiro há uma inversão dos papéis.

O que vai encontrar neste artigo semanal?

Os Fundos de Investimento são um mundo de altos e baixos diários. Semanalmente recebo informação da APFIPP (Associação Portuguesa de Fundos de Investimento e Fundos de Pensões) com os 10 Fundos nacionais mais rentáveis nos últimos 365 dias. Esta informação é pública e está no site deles. Reproduzo apenas o que recebo. Não faço análises nem dou conselhos de investimento. O meu objetivo é incentivar a literacia financeira, para que perceba como funcionam estes produtos e suscitar a sua curiosidade. As decisões sobre como gere o seu dinheiro são exclusivamente suas.

O meu objetivo com estes artigos é que passem a ACOMPANHAR a evolução dos fundos que vos interessam (estes e muitos outros) para depois saberem quando é boa altura para comprar ou para vender. Se nunca começarem a olhar, nunca perceberão como funciona. Nunca invista dinheiro de que pode vir a precisar nos próximos meses ou anos. É a regra “sagrada”.

 

Semana de 10 de Julho de 2020

Top10-Fundos-Investimento-10-Julho

Como pode ver, o fundo que está em 10º lugar nesta lista rende “só” 56 vezes mais do que um depósito a prazo normal. Claro que podia estar a perder 56 vezes mais do que num depósito a prazo. Mas é mesmo assim que funciona. Tem de estar disposto a arriscar, se tiver esse perfil. Ninguém o obriga a investir neste tipo de produtos. É só para perceber como funcionam.

Avisos e Advertências

Antes de investir em Fundos de Investimento, deve informar-se bem junto do seu gestor de conta (no banco ou corretora/Gestora de fundos) sobre os riscos que corre e fazer a sua avaliação do perfil de risco (tem de preencher sempre um questionário primeiro). Investimentos de risco não são brincadeira. Pode perder parte do seu dinheiro se agir precipitadamente ou não souber lidar com momentos de crise/queda dos mercados.

Este Top 10 tem apenas os Fundos nacionais mais rentáveis. Não inclui os que mais perderam, que serão muitos. Há Fundos que todas as semanas entrarão em terreno negativo. A APFIPP não faz esse TOP 10. Antes de comprar/subscrever um Fundo (há unidades a partir de 25 euros ou até menos), deve ouvir as recomendações de profissionais da área e agir segundo as normas do setor que lhe serão transmitidas.

O que vai encontrar nesta lista não são recomendações de investimento, até porque há muitos outros fundos de investimento internacionais com rendibilidades superiores e inferiores e alguns destes mencionados na lista da APFIPP serão negociados junto de quem tem conta em determinados bancos e você pode não ser (nem querer ser) cliente desse banco. O meu objetivo é apenas que perceba de que tipo de rentabilidade estamos a falar quando nos referimos a fundos de investimento, sempre relativamente a quem os subscreveu há um ano.

Outra informação relevante é que devem ver sempre a evolução destes e de outros fundos nos últimos 5 anos. O facto de estarem a subir muito agora (no último ano) não quer dizer que continuem a subir assim no futuro. Mas veja sempre o passado.

Outro alerta: Os fundos da APFPP são só dos que estão inscritos nesta Associação. Há milhares de outros Fundos (nacionais e internacionais) que não fazem parte desta lista e que são melhores e piores do que os desta reduzidíssima lista de 10 fundos. São apenas um exemplo do que podem render alguns fundos. Isto são investimentos SEM CAPITAL GARANTIDO, ou seja, no limite pode perder todo o dinheiro que investiu e são dos mais arriscados. Há outros menos “perigosos” mas que rendem muito menos. Ficou claro?

Alertas da APFIPP:

– Estes resultados não consideram comissões de subscrição e resgate, bem como outras comissões e encargos eventualmente suportados diretamente pelos participantes, que variam de acordo com as condições estabelecidas no regulamento de gestão de cada fundo.

– As informações constantes deste documento não consubstanciam qualquer tipo de aconselhamento a investidores o qual deverá ser prestado por entidades profissionais, nem dispensam a consulta de outra informação, nomeadamente a publicada oficialmente pelas Entidades Gestoras ou pelas entidades encarregues da colocação e comercialização dos valores mobiliários em causa.

-As rendibilidades divulgadas representam dados passados, não constituindo garantia de rendibilidade futura, porque o valor das unidades de participação pode aumentar ou diminuir em função do nível de risco que varia entre 1 (risco mínimo) e 7 (risco máximo).

– As informações contidas neste documento foram elaboradas tendo em conta os dados transmitidos pelas entidades gestoras ou divulgados pela CMVM. A APFIPP não se responsabiliza pela inexatidão ou deficiência dos dados que são transmitidos pelas entidades em causa nem pelos resultados das análises ao classificações elaboradas tendo por base dados deficientes ou incorretos.


 

Acompanhe-nos AQUI

Podcast

Leia os livros “CONTAS-POUPANÇA”. É só clicar AQUI ou nas fotos dos livros.

 

 

Os meus fundos de investimento – Balanço da semana de 13 de Julho

Fundos de investimento – Balanço semanal 

Há muitos meses que vos falo dos meus fundos de investimento. Como já vos expliquei muitas vezes, durante toda a minha vida financeira, sempre fui um investidor extremamente conservador. Ou seja, nunca investi um cêntimo em produtos que não tivessem capital garantido. O ponto alto dos investimentos que me deixaram orgulhoso da minha “coragem” foi ter subscrito Certificados do Tesouro. Foi durante a crise da Troika e os juros pagos pelo estado foram muito razoáveis: acima dos 5% no último ano. 

Foi nessa altura que percebi que afinal havia produtos financeiros que rendiam de facto bastante mais do que os depósitos a prazo, onde sempre coloquei durante décadas as poupanças da minha família.

Acontece que a situação do país melhorou e o Estado começou a pagar muito menos pelos Certificados do Tesouro (agora chamam-se “Poupança Crescimento”) que, como sabem, continuam a subscrever-se nos CTT ou no site do IGCP.

Mas os juros dos depósitos a prazo continuaram a descer e muitos de vocês começaram a inundar-me com perguntas sobre quais os produtos que aconselhava para pôr o nosso dinheiro a render um pouco mais.

Ora, que conselhos podia dar quando eu próprio fugia de qualquer espécie de riscos? Um bocadinho a contragosto comecei a perguntar a alguns especialistas em finanças e investimentos por onde poderia começar alguém que não sabia nada – zero mesmo – de investimentos.

A resposta foi unânime: os Fundos de investimento. Mas isso não tem a ver com a bolsa? Sim, tem. E não tem risco? Sim, tem. Mas se quer começar de facto a arriscar ganhar dinheiro e pôr as suas poupanças a trabalhar para si deverá começar por aí. Não tem outra maneira.

Avisos para quem pensa em investir

A primeira regra é que nunca invista dinheiro que não se possa dar ao luxo de perder ou que vá precisar nos próximos meses ou anos.

A segunda regra é que nunca deve investir dinheiro do seu fundo de emergência. Isso tem de ficar muito claro.

Como gosto de perceber do que falo, fiz o que sempre faço: invisto 100 euros e vejo o que acontece. Se os perder, não fico nem mais pobre nem mais rico. Mais rico fico sempre, nem que seja em conhecimento. Também aprendemos com as más decisões.

Então o que aconteceu é que há cerca de 2 anos, para a reportagem, investi algum dinheiro e subscrevi dois ou três fundos de investimento.

Quanto dinheiro é preciso para subscrever um Fundo de investimento?

Essa foi a minha primeira surpresa. Quando me disseram que bastava 20 euros ou 25, ou 50 ou 100 pensei cá para comigo: “Mas isto não era só para ricos?”.

Quer dizer que quem tem 50 ou 100 euros num porquinho mealheiro pode começar a investir na bolsa. Sim, de facto, foi isso que descobri.

– “Mas as comissões devem ser muito elevadas, só compensa investir valores muito grandes…” 

Descobri novamente que não. Mas claro que depende dos bancos/corretora onde o faz. Todos os bancos onde tenho atualmente Fundos de Investimento permitiram-me abrir as contas por internet e não tenho comissões de manutenção. Claro que precisam de anexar documentos de identificação, mas fiz tudo pela net. Depois explico tudo com mais detalhe, se quiserem.

Quanto tenho ganho?

Todo este “relambório” é para vos dizer que nos últimos 2 anos ganhei mais dinheiro com uma pequeníssima parte das minhas poupanças do que com a grande parte das minhas poupanças em depósitos a prazo onde tinha também o meu fundo de emergência.  

Quer isso dizer que é um resultado positivo absolutamente garantido? Claro que não. Neste momento podia estar a dizer-vos que tinha perdido dinheiro. Felizmente, não é o caso.

E esta crise da pandemia fez-me de facto passar por momentos preocupantes em que olhei para o meu saldo durante 2 meses e tinha lá menos dinheiro do que aquilo que investi.

Neste momento, passado estes meses já está tudo praticamente positivo e alguns até estão com ganhos superiores a 20%, como vos vou mostrar a seguir.

Aquilo que tenho aprendido sobre esta forma de ganhar dinheiro levou-me a pensar que seria importante para a nossa literacia financeira começar a tratar este tema de uma forma mais regular.

Como sabem, todos os meses faço o balanço da produção do meu painel solar para vos ajudar a decidir se deve ou não investir em painéis fotovoltaicos. Inicialmente pensei que não valeria a pena porque acabariam por achar que “painéis” era um tema chato, mas já passaram quase 3 anos e continua a ser uma informação útil para muitos.

Assim, decidi fazer o mesmo em relação aos meus investimentos financeiros. Semanalmente, vou dizer-vos como está a evoluir a minha carteira de fundos de investimento para que perceba que todos os dias praticamente o seu dinheiro sobe e desce e quando deve subscrever e quando deve resgatar, para atingir os seus objetivos.

Quando ganhar dinheiro digo, quando perder também digo. Acho que nisto o mais importante é a verdade e a isenção. Quero que compreenda desde o princípio que não lhe estou a vender nada, nem produtos nem serviços, apenas quero partilhar informação. Nenhum artigo neste blogue é pago por ninguém. O meu objetivo é unicamente contribuir para a nossa literacia financeira.

Onde posso subscrever Fundos de Investimento

Eu diria que o seu banco – seja ele qual for – deve ter alguns fundos de investimento. Basta contactar o seu gestor de conta e perguntar como pode investir. A primeira coisa que lhe vão pedir é que preencha um longo questionário online para definir o seu perfil financeiro e o seu grau de conhecimentos para criar uma conta de investimento para gerir pelo homebanking ou app. Só depois disso é que pode subscrever e resgatar este tipo de produtos. Não tem outra forma.

Para ser totalmente claro desde o princípio, tenho fundos de investimento no ActivoBank e no banco Best. O ActivoBank é um banco completamente grátis nas anuidades e cartões onde tenho conta há muitos anos; o Best também não cobra comissões de manutenção mas cobra anuidades pelos cartões (por isso não o uso para o dia-a-dia). Ambos os bancos têm muitas muitas dezenas de Fundos para escolher.  

Nem perdi muito tempo a procurar fundos de investimento nos bancos clássicos porque todos eles cobram muitas comissões e anuidades  e caso quisesse sair deles e fechar as contas, poderia ter de ficar lá preso caso os fundos de investimento estivessem negativos na altura em que quisesse sair. Podia ficar acorrentado a 2 ou 3 anos de comissões só para não perder dinheiro. Não me interessa. Mas é uma avaliação que deve fazer por si. 

Para escolher o seu primeiro fundo de investimento deve pedir ajuda a um gestor de conta do banco que escolher. Foi o que eu fiz. Lá mais para a frente começa a conseguir escolher sozinho. O ideal é depois ter 5 ou 6 preferidos, cujo desempenho já conhece, e depois conforme o desempenho deles vai resgatando quando atingem o objetivo que definiu ou subscrevendo mais nas alturas em que estão em queda.

O que vos posso dizer é que foi graças aos fundos de investimento que consegui comprar o meu carro atual (usado) um pouco mais cedo e com um orçamento um pouco maior. Porquê? Porque fiz dinheiro com o meu dinheiro. Neste momento já estou a “reencher” o meu depósito de Fundos.

Para que não pense que sou rico e que faço parte de uma elite endinheirada devo referir-lhe que estou a falar de cerca de 60 euros por mês. Como já atingi o meu objetivo de ter um Fundo de emergência que me pode sustentar durante 1 ano, agora sempre que tenho algum dinheiro de parte subscrevo mensalmente mais uma ou duas unidades de fundos de investimento. Quando recebo os subsídios de férias ou de Natal reforço um pouco mais. Foi a forma de poupança/investimento que encontrei. Há quem faça isso também com um ou mais PPR. E faz bem.

Para mim esta é mais adequada porque assim tenho o dinheiro sempre mais disponível, consigo fazer uma gestão mais pessoal e imediata e o rendimento até ao momento parece ser maior. Há a questão dos impostos na altura do resgate que depois faz alguma diferença em relação aos PPR. Já falei disso várias vezes no blogue.

Bom, acho que já vos macei que chegue. Querem saber em que pé estão os meus investimentos, certo?

Os meus fundos de investimento (Semana 13 a 19 de Julho de 2020)

Como podem ver neste print screen, no principal fundo que mantenho e que tento reforçar mensalmente, cada unidade do fundo tem um comportamento diferente conforme o valor que o fundo tinha no dia em que o subscrevi. Varia entre os 3% e os quase 30% (o mesmo fundo). O outro está a render cerca de 14% neste momento. Recordo que todos eles estiveram bastante negativos em Março e Abril durante a queda das bolsas. Bastou não fazer nada e esperar.

Nestes outros fundos, noutro banco, já todos estão novamente positivos, excepto um. Mas mesmo esse já está a aproximar-se do zero (da “não perda”, caso o pretendesse resgatar). Em todo o caso, deve sempre levar em conta que estas percentagens de crescimento são brutas. Tem sempre de descontar 28% para o Estado quando entrega o IRS, tal como acontece com os depósitos a prazo e outros produtos financeiros com capital garantido. Será sempre esse o dinheiro que de facto vai receber no final.

Na próxima semana continuarei a fazer este balanço com a comparação face à semana anterior para começarem a perceber como funciona esta ferramenta financeira. Às vezes é uma verdadeira “montanha russa”. É preciso sobretudo ter nervos de aço quer para não vender, quer para não comprar ou vice-versa. Há alguma regra para decidir? Eu diria que é a experiência e o bom senso.

Nunca deve ver a minha carteira de investimentos ou o que eu digo como um conselho sobre como e onde deve investir ou que fundos deve escolher. Há milhares de fundos. Em alguns casos até posso estar a fazer “asneira” sem saber. 

Não tenho qualquer formação financeira e sou um simples cliente bancário com muita curiosidade e que até agora tem tido alguma sorte, também porque tento decidir de forma consciente e tento não entrar em pânico quando estou a perder dinheiro. Até hoje, nunca perdi um cêntimo, simplesmente porque nunca vendi quando estava com valores negativos. Bastou-me esperar que voltassem ao “normal”. Atenção que esta estratégia nem sempre resulta. Espero que não, mas posso vir a dar-lhe exemplos disso. Será mau sinal para mim e para o meu dinheiro.

Mas a principal mensagem que que quero deixar no fim disto tudo é que nós somos o nosso melhor “gestor de conta”. Ninguém se preocupa mais com o nosso dinheiro do que nós próprios. Os gestores de conta nos bancos e corretoras são profissionais simpáticos, mas no fundo trabalham para quem lhes paga, que é o patrão deles. E o patrão deles ganha dinheiro consigo. Se perceber isto, é mais fácil tomar as rédeas do seu dinheiro. 

Vou também passar a publicar semanalmente o TOP 10 dos Fundos de investimento nacionais, com base nos dados da APFIPP (Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios). Para saber que há pessoas que estão a ganhar (e a perder) dinheiro, e quanto. E depois, também comecei a investir em algumas ações, com valores muito baixos e agora já tenha lá algum dinheiro. Pago cerca de 50 cêntimos cada vez que compro ou vendo ações numa plataforma “low cost”. Mas isso fica para outro artigo.


 

Acompanhe-nos AQUI

Podcast

Leia os livros “CONTAS-POUPANÇA”. É só clicar AQUI ou nas fotos dos livros.

 

 

Podcast #8 – Os fundos de Investimento não são só para ricos

Os fundos de Investimento não são só para ricos

Pode ouvir aqui o episódio da semana passada do Podcast “Pedro Andersson – Contas-poupança”.

Pode ganhar dezenas de vezes mais com Fundos de Investimento do que nos clássicos depósitos a prazo. Mas muitos têm medo porque não têm capital garantido e outros porque acham que isto é uma coisa só para ricos. Acontece que há fundos a partir de 20 euros. Isto quer dizer que até alguém que recebe o salário mínimo nacional pode ser um pequeno investidor e pôr o dinheiro a trabalhar para si. O que importa no princípio de tudo não é o dinheiro que tem mas a forma inteligente como gere o seu dinheiro.

Nesta boleia financeira explico-lhe como descobri os Fundos de Investimento, como os escolhi e como faço para decidir se devo resgatá-los ou mantê-los.

Não sou conselheiro financeiro. Não tenho nenhuma formação nesta área. São apenas as minhas experiências que partilho com a maior isenção e rigor que consigo. Espero que sejam informações úteis para depois você decidir pela sua própria cabeça.

Para quem não conhece o podcast, é uma espécie de programa de rádio em que uma vez por semana lhe dou dicas ou partilho consigo algumas reflexões sobre a forma como gerimos o nosso dinheiro. Pode ouvir no computador ou no telemóvel ou tablet enquanto faz outras coisas.

Gravo estas conversas enquanto viajo de carro e faço de conta que você vai ali ao meu lado. É uma espécie de boleia financeira semanal.

Subscreva (clique em “Seguir” ou “Follow” na aplicação que utilizar para me ouvir). Procure “Pedro Andersson” ou “Contas-poupança” no Spotify, iTunes ou SoundCloud.

Aqui abaixo tem os link. É só carregar no play e aumentar o volume.

Boas poupanças!

 

 

E AQUI no iTunes:

 

https://podcasts.apple.com/pt/podcast/pedro-andersson-contas-poupan%C3%A7a/id1489537327?fbclid=IwAR2V6xPxrSzDMG5ZuSUh_NJez3RXWwRMQoF-R-6OTqqwVOK1-rP5togMzpg

 



Acompanhe-nos AQUI

NOVO LIVRO “CONTAS-POUPANÇA” 34 dicas para poupar muito mais e fazer crescer o seu dinheiro em 2019. É um livro que se paga a ele próprio apenas com uma dica. Se quiser conhecer também as dicas que demos nos primeiros 5 anos de programa, pode adquirir o livro “Contas-poupança I”. É só clicar AQUI ou nas fotos dos livros.

Os Fundos de Investimento nacionais mais rentáveis na semana passada

O TOP 10 dos Fundos nacionais

Na semana passada, perguntei aqui e no Facebook do Contas-poupança se tinham interesse em receber semanalmente a listagem dos 10 Fundos Nacionais mais rentáveis nos últimos 365 dias. Recebi muitas dezenas de mensagens a dizer que sim, que estavam interessados.

Fiquei admirado, porque normalmente, o português nem quer ouvir falar em produtos sem capital garantido. Este artigo que escrevi no fim de Março foi lido por dezenas de milhares de pessoas. É o balanço atual dos fundos que adquiri no ano passado para a reportagem.

É um mundo de altos e baixos diários.

Como expliquei, semanalmente recebo informação da APFIPP (Associação Portuguesa de Fundos de Investimento e Fundos de Pensões) com os 10 Fundos nacionais mais rentáveis. Esta informação e pública e está no site deles. Pode aceder a tudo AQUI.

Atenção que reproduzo apenas o que recebo. Não faço análises nem dou conselhos.

Os avisos

O leitor João fez-me entretanto o seguinte reparo que é MUITO IMPORTANTE. Quero que o leiam e que o entendam bem antes de verem os valores abaixo.

Gosto do seu trabalho mas devia ter atenção quando se põe a querer incentivar pessoas a investirem sem o mínimo de conhecimento ou avaliação do perfil de risco. Pode dizer que não incentiva, que só partilha informação, mas a verdade é que pela exposição que tem devia ter cuidado porque as pessoas vão atrás sem saber no que se metem, simplesmente porque referiu no seu blog ou programa. Tudo o que é relacionado com investimentos não é brincadeira. Não estamos a falar da mesma coisa que poupança de cupões.

Outro comentário, do Paulo Vieira, é igualmente importante. E coloco-o aqui porque sendo dado por outras pessoas que não eu penso que terá mais relevância para que percebam que quero partilhar convosco conhecimento e não conselhos financeiros específicos neste ou naquele Fundo.

Boa tarde Pedro,
Se vai divulgar o fundo que rendeu mais e quanto %,
a meu ver, e se me permite, deve também divulgar (com destaque) o que teve maiores perdas e de quanto %.

Para se dar destaque aos 10 mais deve igualmente dar destaque aos 10 MENOS. E mostrar bem as suas perdas.
Como já escrevi outras vezes, no meu humilde ver, está a entrar num campo “perigoso”, de investimento de ALTO RISCO. Que só deve ser recomendado por profissionais da área e segundo as normas do setor.

Eu sei… eu concordo… e já conversamos várias vezes sobre isso que o Pedro, NÃO está a recomendar nada. Apenas divulga algumas rentabilidades.
Mas… Independentemente do que possa achar, e que diga que NUNCA está a recomendar (o que eu concordo), Muitas…mas mesmo muitas pessoas confiam em si… e mesmo que o Sr não queira, vão ler uma simples analise como nota positiva a investir.
Abraço.

Em resposta ao Paulo Vieira, quero dizer que tenho consciência desta responsabilidade e quero que vocês também tenham, e quero acrescentar que não tenho acesso fácil a essas informações dos fundos menos rentáveis. Terão de ser vocês a procurar essas informações no site da APFIPP e noutras fontes de informação, se quiserem enveredar por este tipo de investimentos.

Creio que seria tempo perdido da minha parte estar à procura dos piores. O essencial é ver o fundo me interessa e comparar com os melhores (da mesma categoria) e comparar os riscos e benefícios. Não pretendo perder tempo com os piores (nem nos fundos nem na vida).

Outra informação que é relevante dar é que devem ver sempre a evolução destes e de outros fundos nos últimos 5 anos. O facto de estarem a subir muito agora não quer dizer que continuem a subir assim no futuro.

O ideal é subscrever um fundo quando ele está em queda (em “saldos”) e com uma perspectiva boa de subir. Isto é um pouco como comprar uma casa que está super inflacionada porque se estão a pedir tanto por ela só pode vir a valer mais. Às vezes é um erro crasso.

O ideal é comprar casas que são uma “pechincha” e depois esperar que valorizem com o passar dos anos. Com os fundos de investimento é a mesma coisa. Se estão a ganhar muito, pode acontecer já estarem no topo. É sempre um imponderável. Nunca pôr tudo no mesmo cesto, OK? Vários fundos, várias estratégias.

O meu objetivo com estes artigos é que passem a ACOMPANHAR a evolução dos fundos que vos interessam (estes e muitos outros) para depois saberem quando é boa altura para comprar ou para vender. Se nunca começarem a olhar, nunca perceberão como funciona.

Outro alerta: Os fundos da APFPP são só dos que estão inscritos nesta Associação. Há milhares de outros Fundos (nacionais e internacionais) que não fazem parte desta lista e que são melhores e piores do que os desta reduzidíssima lista de 10 fundos. São apenas um exemplo do que podem render alguns fundos. Isto são investimentos SEM CAPITAL GARANTIDO, ou seja, no limite pode perder todo o dinheiro que investiu e são dos mais arriscados. Há outros menos “perigosos” mas que rendem muito menos. Ficou claro?

O Top 10 da semana passada (5 de Abril)

Atenção a estes avisos da APFIPP:

Acompanhe-nos AQUI

NOVO LIVRO “CONTAS-POUPANÇA” 34 dicas para poupar muito mais e fazer crescer o seu dinheiro em 2018. É um livro que se paga a ele próprio apenas com uma dica.

Se quiser um resumo claro e prático das dicas que demos nos primeiros 5 anos de programa, pode adquirir o livro “Contas-poupança I”. É só clicar AQUI abaixo.

Registe-se AQUI para receber a Newsletter do Contas-poupança.

(Todas as dicas da semana num só e-mail).