Via Verde começa a cobrar mensalidade para pagar estacionamento e outros serviços

Escrito por Pedro Andersson

07.12.21

}
7 min de leitura

Publicidade

Via Verde vai começar a cobrar mensalidade para pagar serviços além das portagens

É um clássico. Depois dos clientes estarem fidelizados e contentes com um serviço gratuito, começam a cobrar sem grande forma de escapar. A Via Verde acaba de anunciar que a partir de 5 de janeiro vão dividir os serviços em duas modalidades: A Via Verde Auto-estradas continua como está; mas se quiser outros serviços vai ter de pagar à parte uma mensalidade de 0,49 € a 0,99 € (se for mensal) ou de 5,75 € ou 11,65 € (se for anual).

Nestes serviços adicionais estão incluídos o estacionamento em parques com Via Verde, o pagamento de abastecimento em algumas gasolineiras, o McDonalds drive e outros. Até agora não se pagava nada à Via Verde (só à empresa que prestava o serviço), mas a partir de 5 de janeiro para além do preço normal vai ter de pagar uma taxa mensal ou anual para usar esse meio de pagamento.

Estamos a falar de quase 3 milhões de utilizadores de Via Verde. 2,7 milhões de clientes vezes 0,49 cêntimos dá assim de repente mais 1,3 milhões de euros que vão sair dos nossos bolsos. E a transição vai ser automática a menos que diga nos próximos 10 dias que não quer que passe a pagar quando acabar o período de transição.

A Via Verde vai aumentar os preços ?

A partir de janeiro de 2022, a Via Verde vai lançar novas modalidades de subscrição. Durante um período experimental, até 31 de março de 2022, o preço não será alterado, podendo escolher a nova modalidade que melhor se ajusta às suas necessidades.

O ajuste de preço só entra em vigor após o final do período experimental, em função do reforço dos benefícios e vantagens que serão incluídos na modalidade Via Verde Mobilidade, para uma experiência de mobilidade ainda mais abrangente, diz a Via Verde. Tem aqui a nova tabela de preços.

Não. Todos os Clientes que tenham Identificadores de Compra não vão ser alvo da migração automática para as novas modalidades. ​

Os Identificadores de Compra vão manter o acesso a todos os serviços que já tinham disponíveis até à data de lançamento das novas modalidades Via Verde. ​

Contudo, não será garantido o acesso a futuras evoluções da oferta Via Verde que surjam após esta data.

Há um período de transição gratuito

Os atuais clientes estão a ser transferidos automaticamente para a nova modalidade; se não quiserem, têm de o comunicar por escrito nos próximos 10 dias. Tem abaixo as respostas da Via Verde, na página de internet deles.

O período experimental tem por objetivo dar a conhecer aos clientes todos os serviços disponíveis na modalidade Via Verde Mobilidade, sem aumento de custo e assegurando os pagamentos já efetuados e mantendo-se em vigor as ofertas e os descontos comerciais, se aplicável.

O período experimental decorre entre o 5 de janeiro e 31 de março de 2022. Durante este período, os clientes podem optar por outra modalidade da Via Verde, consoante a sua preferência.

O que acontece depois do período experimental?

No fim do período experimental passam a aplicar-se as condições e preçário das novas modalidades de adesão à Via Verde.​

Mantendo apenas as ofertas em vigor até ao momento previsto de cessação (renovação de mensalidades/anuidades), ficando assegurados os pagamentos já efetuados. ​

​Pode, a qualquer momento, alterar a modalidade em que se encontra, através de um dos canais Via Verde disponíveis.

Quais são as novas modalidades de adesão à Via Verde?

As três novas modalidades de adesão à Via Verde entram em vigor no dia 5 de janeiro de 2022 e são as seguintes:

  • Via Verde Autoestrada – inclui apenas o serviço de pagamento eletrónico de portagens através do identificador Via Verde;
  • Via Verde Mobilidade – inclui toda a oferta de serviços de mobilidade da Via Verde atualmente existentes e que será reforçada com mais ofertas e benefícios para uma experiência de mobilidade mais ampla, a partir de abril de 2022;
  • Via Verde Mobilidade Leve – modalidade com oferta idêntica à da Via Verde Mobilidade, mas de utilização ocasional.

Depois do lançamento das novas modalidades, no dia 5 de janeiro de 2022, pode, a qualquer momento, alterar para outra modalidade da sua preferência, através de um dos canais Via Verde disponíveis.

Qual o critério para estas alterações, tendo em conta que existem várias modalidades disponíveis?

O critério para a migração automática do contrato foi o de preservar as condições de acesso aos serviços Via Verde, assim como a periodicidade de pagamento, mantendo ativos todos os serviços aos quais tinha acesso na modalidade anterior:

  • De Via Verde Livre Mensal para Via Verde Mobilidade Mensal
  • De Via Verde Livre Anual para Via Verde Mobilidade Anual
  • De Via Verde Leve para Via Verde Mobilidade Leve
  • De Aluguer Anual para Via Verde Mobilidade Anual.

Quanto tempo tenho para me opor a esta alteração contratual?​

No âmbito do lançamento e migração automática para as novas modalidades Via Verde Autoestrada e Via Verde Mobilidade tem 10 (dez) dias úteis para se opor.​

Mesmo após este prazo de 10 dias úteis, pode, a qualquer momento, alterar de modalidade ou rescindir o seu identificador, através de um dos canais Via Verde disponíveis. ​

Em alternativa, caso pretenda rescindir antecipadamente à migração automática prevista, deverá comunicá-lo, por escrito, no prazo máximo de 10 (dez) dias úteis a contar da receção da comunicação das alterações.

Não quero a nova modalidade de adesão que me apresentaram, o que posso fazer?

De acordo com a comunicação enviada a todos os clientes em modalidade de subscrição (Leve, Livre e Aluguer Anual), estas modalidades serão descontinuadas, passando a ser disponibilizados apenas novos modelos de subscrição, que permitem aos clientes optar pelo que melhor se adequa ao seu perfil de utilização dos serviços Via Verde.

Após o lançamento das novas modalidades, a 5 de janeiro, poderá, a qualquer momento e de forma gratuita, alterar no site ou app Via Verde para uma das novas modalidades que mais se adeque às suas necessidades.

Em alternativa, caso pretenda rescindir antecipadamente à migração automática prevista, deverá comunicá-lo, por escrito, no prazo máximo de 10 (dez) dias úteis a contar da receção da comunicação das alterações.

Mesmo após este prazo de 10 dias úteis, pode rescindir a qualquer momento, através de um dos canais Via Verde disponíveis.

Tenho de devolver o identificador em caso de não querer a migração automática para as novas modalidades?

Sim. Após comunicação da intenção de rescisão à Via Verde Portugal, o identificador deve ser devolvido no prazo máximo de 30 dias, para que não tenha nenhum custo associado – taxa de depreciação: ver tabela de preços.​

A devolução deve ser feita através de correio registado para a seguinte morada:​

Via Verde Portugal SA​
Departamento de Operações​
Quinta da Torre da Aguilha​
2785-599 São Domingos de Rana

(Fim das respostas da Via Verde)

Se não disser nada, vai começar a pagar, mesmo que não use os serviços

Em resumo, se quiser continuar a estacionar em parques de estacionamento com Via Verde, vai passar a pagar por ano no mínimo mais 5,88 euros. Avalie se lhe interessa. Se não lhe interessa, vai ter de escrever para a Via Verde nos próximos 10 dias para impedir a transição automática a 5 de janeiro para as novas modalidades.

Depois dessa data também o pode fazer mas a Via Verde está naturalmente a contar com a inércia e preguiça dos seus clientes que, na sua maior parte não farão nada, mesmo que nunca usem esses serviços. Vão ficar a pagá-los só porque sim. Um verdadeiro disparate financeiro. Esta transição devia ser consciente e só com o acordo do consumidor. Nunca automática. Ainda vamos ouvir falar muito disto. Eu pelo menos, vou falar.


Natal2021-billboard

Publicidade

Sobre mim: Pedro Andersson

Ir para a página "Sobre Mim"

Siga-nos nas Redes Sociais

Para si | Artigos Recentes 

EURIBOR HOJE | Taxas descem a 3 e 6 meses e sobem a 12

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

Devolução de propinas – Prazo termina esta sexta-feira

Mais de 165 mil jovens já pediram o Prémio salarial Atenção ao prazo! O prazo para pedir o Prémio Salarial, que prevê a devolução aos jovens do dinheiro que investiram na sua educação superior, termina esta sexta-feira, dia 31 de maio. Os licenciados e mestres que...

EURIBOR HOJE | Taxas sobem a 3 e 6 meses e descem a 12

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

COMBUSTÍVEIS | Preços na próxima semana (3 a 9 de junho)

Preços dos combustíveis na semana que vem A informação dos preços dos combustíveis é baseada nos cálculos que têm em conta a cotação nos mercados internacionais e outros fatores considerados na formação do preço dos combustíveis em Portugal. São dados que recolho...

PODCAST | #244 -Vale a pena investir em ouro? (A pergunta do Pedro)

Subscreva a nossa Newsletter, para não perder nenhuma dica *Ao subscrever, a informação partilhada será usada de acordo com os nossos Termos e Condições e a nossa Política de...

Jovens vão poder decidir a cada ano que regime de IRS preferem

Opção pelo IRS jovem é anual e poderá ser alterada ou renovada O novo modelo de IRS Jovem aprovado recentemente pelo governo é diferente daquele que ainda vigora atualmente, na medida em que prevê uma redução das taxas do imposto que incidem sobre os escalões de...

Rendas de pessoas deslocadas em trabalho vão poder ser deduzidas

Medida aplica-se a deslocados a mais de 100 quilómetros de casa As pessoas que tenham de ir trabalhar para mais de 100 quilómetros de distância da sua residência habitual e pretendam rentabilizar a sua habitação enquanto estão fora vão poder deduzir a esse rendimento...

Garantia pública extingue-se quando jovens pagarem primeiros 15% do empréstimo

Garantia pública de até 15% aplica-se a casas até 450 mil euros O governo aprovou recentemente uma garantia pública de até 15% para ajudar os jovens até aos 35 anos a conseguir financiamento para comprar casa. Na segunda-feira, ao terminar o Conselho de Ministros...

EURIBOR HOJE | Taxas descem em todos os prazos

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

COMBUSTÍVEIS | Qual é o preço justo esta semana? (27 de maio a 2 de junho)

Qual deveria ser o preço justo? A ERSE faz semanalmente as contas para o consumidor saber qual é o preço "justo" dos combustíveis face ao preço das matérias-primas e transportes de combustível. Esse preço "justo" já inclui uma margem de retalho de cerca de 10% para as...

Publicidade

Artigos relacionados

50 Comentários

  1. Graça Cêncio

    Obrigado pelo alerta.
    Sou cliente e ainda não recebi qualquer informação relativamente à alteração das condições contratuais.
    Trata-se, efectivamente, de uma situação abusiva.

    Responder
    • Anibal

      Boas não se pode fazer uma petição para assembleia da República para que esta nova lei da Via Verde vá oara a frente?

      Responder
    • Maria Magalhães

      Agradeço a informação, não disponibilizada pelos serviços competentes!
      É inadmissível e absurdo!
      Como é possível este abuso de poder?!
      Muitas vezes, a inércia de muitos de nós, portugueses, faz com que estas entidades façam o que bem lhes interessa, e lucrem constantemente à nossa custa!
      Os portugueses têm que dizer “Não” mais vezes!

      Responder
      • Maria João Correia

        Bom dia, manifestei a minha intenção de não fazer a transição para a nova modalidade e a resposta que obtive foi um “esclarecimento” de que só dia 5 é que poderia escolher o serviço que mais se adequasse, na minha área de cliente.

        Responder
    • Miguel

      fiz reclamação no livro de reclamações electronico

      Responder
  2. Ricardo Silva

    E aos clientes mais antigos que adquiriram o dispositivo e só pagavam as portagens que efectuavam? Também vão ser obrigados a mudar?

    Responder
    • Ivo Carvalho

      Honestamente não acho caro para os utilizadores que usam os serviços de estacionamento. Só o facto de se pagar apenas o tempo que estamos estacionados sem ter a preocupação de ir meter a moedinha ou meter dinheiro a mais ao fim de alguns estacionamentos fica paga a mensalidade.

      Responder
      • Marta Viviana Ribeiro

        Sr Ivo, mas o senhor paga sempre o estacionamento e a mensalidade ou anuidade à Via Verde! Ou seja é sempre um custo acrescido. É sempre um custo extra!

        Responder
    • Pedro

      Esta é a resposta que está no site da via verde.

      “Tenho um identificador de compra, vou ter de migrar para outra modalidade?

      Não. Todos os Clientes que tenham Identificadores de Compra não vão ser alvo da migração automática para as novas modalidades. ​

      Os Identificadores de Compra vão manter o acesso a todos os serviços que já tinham disponíveis até à data de lançamento das novas modalidades Via Verde. ​

      Contudo, não será garantido o acesso a futuras evoluções da oferta Via Verde que surjam após esta data.”

      Responder
      • Ana Santos

        Acrescento um pormenor: por coincidência dois identificadores de compra que eu tinha passaram a dar “luz amarela”. Liguei para a via verde depois de receber o alerta no mail e informaram-me que “a pilha já devia estar gasta e devia pedir um novo …ou com anuidade ou mensalidade ou se quisesse poderia comprar um novo identificador por 35 euros”. Um dos identificadores quase não é usado e questionei o que aconteceria se não fizesse qualquer alteração. Resposta obtida:
        “por enquanto faremos sempre reconhecimento fotográfico da matrícula respetiva débito da conta. Por enquanto esse reconhecimento é gratuito mas se não usa muitas vezes o identificador, nem quer substituí-lo mas prevê que poderá passar em via verde então aconselho a ligar-nos para verificar se já cobramos pelo reconhecimento de matrícula.” Minha decisão: vou fazer como os imigrantes e aderir à mensalidade que implica pagamento de 0,70 mês feita apenas nos meses em que haja passagem em via verde. Passar em scuts que não têm pagamento manual implica pagar uma taxa de serviço que vai até 2,euros e tal para além do valor da portagem. Assim, pago 0,70 uma só vez e apenas nos meses em que usar, independentemente do número de viagens que fizer. O outro…já substitui por anuidade de 5 euros e tal…que compensa uma vez que o identificador tem garantia vitalícia (enquanto que o de compra tem garantia de apenas 2 anos…e estou em crer que passados dois anos…uppsss acabou a pilha)

        Responder
        • Jorge

          Ana Santos, poderia ter feito como muitas pessoas já o fizeram, mandava trocar a pilha numa casa de reparações de eletrônica e ficava o caso resolvido. A pilha dura muitos anos! Eu tenho um com 10 anos e ainda trabalha normalmente.

          Responder
    • Augusto Josefa

      A pergunta a fazer é;- Qual é a razão que não tem concorrência a Via VERDE? Só por esta razão fazem o que querem e bem lhes apetece!!!!!

      Responder
  3. Hélio Lourenço

    Aderi recentemente à via verde, tendo em conta que utilizo muito pouco escolhi a opção via-verde leve em que pagaria uma taxa de 0.70€ nos meses que utilzava ora essa mesma taxa passa agora para 1.75€ ou seja um aumento de 250% se isto não é um roubo anda lá perto.
    Vou pensar seriamente em cancelar o serviço.

    Responder
  4. Monica

    Sou cliente e ainda não recebi qualquer informação por parte da empresa. Tenho a mesma questão já apresentada…se não quiser transitar para a nova modalidade sou obrigada a devolver o identificador? Então, fico impedida de aceder ao serviço da Via Verde nas autoestradas e Scoots? Ou seja, ou aceitamos as condições que nos impõem ou deixamos de ter o serviço? É isso?

    Responder
    • Ana Santos

      Tive essa mesma dúvida: se o seu identificador for de compra (há uns anos pagávamos 20 a 25 euros) apenas deve cancelar o identificador na sua conta via verde (e desassociar a matrícula). Neste caso não precisa devolver o identificador. Se por acaso mudar de ideias pode reativar e reassociar uma matrícula ao identificador mas tem apenas 30 dias para o fazer.

      Responder
  5. Sérgio Tavares

    Estive no site da via verde e não vi qualquer informação que corrobore o que está no artigo. Onde está no site da empresa a informação aqui partilhada?

    Responder
  6. Pedro Boleta

    Ainda não consegui entender o que vai acontecer com os clientes antigos que compraram os seus identificadores.

    Responder
    • Nuno Silva

      No site da Via Verde li o seguinte:
      “Tenho um identificador de compra, vou ter de migrar para outra modalidade?
      Não. Todos os Clientes que tenham Identificadores de Compra não vão ser alvo da migração automática para as novas modalidades. ​
      Os Identificadores de Compra vão manter o acesso a todos os serviços que já tinham disponíveis até à data de lançamento das novas modalidades Via Verde. ​
      Contudo, não será garantido o acesso a futuras evoluções da oferta Via Verde que surjam após esta data.”

      RESTA SABER se “manter o acesso” implica um custo adicional?

      Responder
  7. Pedro Silva

    Sou cliente de longa data que adquiriu o dispositivo e só pago as portagens que efetuo. Porque razão sou obrigado a mudar?

    Responder
  8. Maximino Santos Mesquita

    Sou cliente de longa data, adquiri o identificador para utilizar quando passo em qualquer estrada com portagem, fora desta situação raramente utilizo a via verde. Pretendo continuar com o identificador mas só com esta finalidade, pois por força de circunstâncias (idade designadamente) já pouco saio de carro, salvo quando vou a consultas a alguns hospitais e não sempre, porque quando posso aproveito o transporte público. Nestas condições o que tenho que fazer para manter o identificador nas mesmas condições em que o tenho. Agradeço informação.

    Responder
  9. Nuno Silva

    Bom artigo como habitualmente mas falta referência ao que vai acontecer a quem actualmente tem a modalidade “COMPRA”.

    No site da Via Verde li o seguinte:
    “Tenho um identificador de compra, vou ter de migrar para outra modalidade?
    Não. Todos os Clientes que tenham Identificadores de Compra não vão ser alvo da migração automática para as novas modalidades. ​
    Os Identificadores de Compra vão manter o acesso a todos os serviços que já tinham disponíveis até à data de lançamento das novas modalidades Via Verde. ​
    Contudo, não será garantido o acesso a futuras evoluções da oferta Via Verde que surjam após esta data.”

    RESTA SABER se “manter o acesso” implica um custo adicional?

    Responder
  10. Paulo

    No site da via verde, na conta de utilizador, não deveria dar para dizer que não queremos a nova modalidade?
    Temos de escrever com carta registada?
    Não compreendo como é permitido a uma empresa fazer o que não é aceitável.
    O cliente que quer o serviço, terá de manifestar esse interesse diante o fornecedor do mesmo, e não o seu contrário. Não deve ser o consumidor a manifestar, que não quer o serviço imposto automaticamente.

    Responder
  11. Português Explorado

    Onde anda a DECO nestas coisas?
    E as autoridades instituídas pelo governo ligadas ao sector? Será que existem?
    Institutos e direcções-gerais que deviam defender os consumidores quando uma empresa faz a “transição” automática, na prática creio ser uma alteração de contrato com acréscimo de custos, obrigando o cliente ter que se opor e, certamente nalguns casos (info-excluídos ou quem simplesmente não tem Internet, os mesmo que são ignorados pela IVAucher – (em português IVAle)- e derivado) a incorrer em custos? É a mesma balbúrdia das comunicações (tarifários sem carregamentos obrigatórios mas em que removem saldo para estar ativo) ou dos bancos (em que se obriga a ter uma conta no banco e a pagar uma conta de serviços mínimos)?
    Na sábias palavras de Fernando Ulrich “Ai aguenta, aguenta…”
    Eu comprei o meu aparelho e paguei para receber as comunicações por escrito. Eu não recebi qualquer comunicação. Não sei, se depois deste tempo todo, depois de diversas tentativas telefónicas para me mudar o contrato – apesar de ter, por diversas vezes ter solicitado que não fosse contactado – não tenha havido a “falha no sistema” milagrosa (ou a “actualização no sistema” incompetente) que me inclua nesta vergonhosa incursão na carteira dos clientes.
    Na sábias palavras de Fernando Ulrich “Ai aguenta, aguenta…”

    Responder
  12. Mara

    Boa tarde, em relação aos tipos de identificadores, surgiu-me uma dúvida: como sei se o meu identificador é de compra ou de outra tipologia? O identificador que temos já é bastante antigo e foi oferecido aquando da adesão à via verde. Tendo em conta que não pagamos mensalmente/anualmente nenhum valor extra-portagens posso assumir que é um “identificador de compra”? Ou estou enganada? Não consegui ficar esclarecida ao ler a informação que estava no site da Via Verde, pelo que optei por colocar aqui a questão. Penso que esta dúvida poderá ser relevante para outros, pois acredito que haja mais gente a ter beneficiado dos identificadores gratuitos.

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá. É simples. Liga para o apoio ao cliente 🙂

      Responder
    • Rui Viana

      Pra semana já vou entregar o meu dispositivo e cancelar todo o serviço. Se todos assim fizessem nada disto acontecia. Um ladrão quanto menos armas tiver em sua posse menos perigoso é 😉

      Responder
      • Rui Santos

        E que tal efectuar um cancelamento massivo de identificadores Via Verde, originando o caos no atendimento da Brisa, e provocar filas intermináveis nas portagens (o equivalente a um bloqueio de trânsito), mas em que a Polícia não pode fazer nada; não existe nenhuma lei que exija que os utilizadores das portagens tenham quaisquer identificadores, podem pagar em dinheiro.
        Este é mais um exemplo do que sucede quando o Estado, faz contratos de concessão não acautela os interesses dos cidadãos!

        Responder
        • Sonia Pinto

          o problema é que ao passar em scuts sem identificador paga sempre a portagem e mais os custos administrativos

          Responder
  13. Rui Passos

    Boa tarde, estimado Pedro Andersson em vez de carta registada posso enviar email ?

    Responder
  14. Nuno fonseca

    Chulice 🙁 no serviço mobilidade leve aumentam 250%. Tenham vergonha Via Verde. Vou desistir do serviço.

    Responder
  15. Marco Lopes

    Caro Pedro Anderson, estive a ler o “novo” CONTRATO, e deparei-me com o seguinte:

    “Quando a Via Verde Portugal disponibilizar a funcionalidade, os Clientes que tenham subscrito a modalidade Via Verde Autoestrada poderão, a qualquer momento e caso assim o entendam, utilizar parques de estacionamento, integrados nos Serviços Complementares” https://www.viaverde.pt/Portals/0/Documentos/TermosCondicoes/Condi%C3%A7%C3%B5es_Gerais_e_Espec%C3%ADficas_Ades%C3%A3o_Servi%C3%A7o_Via_Verde_New_2021.pdf

    No entanto, no preçário é claro que a modalidade Autoestrada apenas contempla as portagens (daí a criação das novas modalidades, mais caras!)

    Em que ficamos? É mais uma jogada para ENGANAR os consumidores a manter a modalidade com preço agravado (para onde vão migrar todos os contratos) ou a modalidade Autoestrada vai permitir usar os serviços de parques de estacionamento?

    Responder
  16. Marco Lopes

    A alínea 3.4 diz mais…

    “3.4. Quando a Via Verde Portugal disponibilizar a funcionalidade, os Clientes que tenham subscrito a modalidade Via Verde Autoestrada poderão, a qualquer momento e caso assim o entendam, utilizar parques de estacionamento, integrados nos Serviços Complementares, ou outros serviços nestes integrados e/ou o(s) Serviço(s) Digital(ais), conforme aquilo que vier a ser, a cada momento, determinado pela Via Verde Portugal, bastando para o efeito escolher essa opção na entrada do parque de estacionamento ou de outra infraestrutura se (e quando) aplicável, sendo aplicável o Preçário Via Verde em vigor, de acordo com o disposto no número 6.6.. A disponibilização deste(s) serviço(s) avulso(s) permanecerá válida durante o período de 30 (trinta) dias.”

    Vão existir serviços AVULSO?

    Se um cliente com a modalidade Via Verde Autoestrada efectuar um estacionamento, está automaticamente a contratar o serviço AVULSO de estacionamento?

    Onde está o preçário desses serviços?

    Responder
  17. Gabriel Fernandes

    Típico destas empresas, bancos e mais que tais. Quando são medidas que são uma mais valia aceito, agora quando é claramente para chular os clientes mando-os abaixo de Braga. Já não basta o que somos roubados em portagens e rendas abusivas com a conivência dos corruptos que desgovernam o país desde abril de 74? Já estou farto de ser gramado, chega de chularia nesta república das bananas.

    Responder
  18. Cintia

    É tudo a roubar o pobre 😅😅

    Responder
  19. Maria Ferreira

    olá a todos,
    Tenho 2 identificadores na modalidade de compra. Quem tiver login de acesso ao site consegue ver nos contratos a modalidade contratada. Liguei VV para saber do meu caso. Disseram que podia ficar descansada que no momento a modalidade de compra mantém os serviços associados (que por acaso não uso) ativos e sem custos mensais ou anuais. A ver até quando… No fundo confirma-se a informação veiculada.

    Concluindo, acho um abuso de poder estas atitudes por parte das empresas, nomeadamente daquelas que não tem concorrência para onde os clientes possam “fugir”.

    Apelo a todas as autoridades que ajam de acordo com tais práticas lesivas para o cliente!
    Obrigada.

    Responder
  20. Delfina Alves

    Boa tarde,

    E qual é o endereço para envio da intenção de não ter estas modalidades de pagamento ativas? Nos contactos só há um nº de telefone, vamos escrever para onde?
    Obrigada.

    Responder
  21. vasco manuel de araujo e castro soares

    vendi o meu carro e como tal vou devolver o meu identificador
    vasco soares

    Responder
  22. Adelino Olívio Carvalho Cardoso do Amaral

    Isto é que é fartar vilanagem.
    Assalto directo ao bolso dos utentes da Via verde
    Como é possível isto tudo?
    Não há ninguém que ponha cobro a tanta roubalheira?
    Nem contactam quem de direito. Toma lá e embrulha

    Responder
  23. João Silva

    Boa Tarde,
    No meu caso, aproveitei os tais 10 dias para perguntar à Via Verde onde devolver o identificador do carro. Ao fim de uns dias, telefonaram-me a propor uma anuidade de 5,75 € anuais ( em vez da mensalidade de ,70 € mensais). E não me cobram taxa adicional por qualquer estacionamento ou outro serviço que use.
    Pareceu-me um bom negócio. É evidente que vou estar atento aos extractos que me enviarem este ano.

    Responder
    • Daniel

      Pois, mas antes nem pagavas isso! Onde está o bom negócio?

      Responder
  24. Catarina

    Obrigada pelo artigo, desde já, penso que este é um assunto que passou “de fininho” e poucas pessoas se terão apercebido que isto iria acontecer! Se bem percebi, então oferecem agora um preço “promocional” para quem aderir até ao final do período experimental (31/03/2022) e esses preços são atualizados para o preço base (com ou sem promoção do extrato eletrónico) assim que essa subscrição termine, é isso?

    Exemplificando:
    Se até dia 31/03/2022 quiser aderir ao serviço Via Verde Mobilidade na modalidade de pagamento anual, pagarei 5.75€. Este preço será então o da minha primeira subscrição anual. Após 1 ano, o preço automaticamente atualiza para 11.50€ com extrato eletrónico ou 17.40€ sem extrato eletrónico. Certo?

    Assim sendo, no primeiro ano de subscrição, podendo usufruir do desconto de período de adesão, estar na modalidade auto-estrada ou modalidade mobilidade sai ao mesmo preço (5.75€), sendo que a última permite aceder a mais serviços pelo que pode ser mais vantajosa para algumas pessoas. Após o primeiro ano é que convém rever novamente o que sai mais barato devido ao fim do preço promocional.

    Responder
  25. Ricardo

    Bom, peço desde já desculpa por estar a ressuscitar um post antigo, mas fiquei a saber hoje que a via verde está a enviar emails de aviso que o identificador está com falhas nas leituras. Como ultimamente não tenho notado qualquer falha deste género, decidi ir ver do que se tratava, e seguindo o link para substituição do equipamento, descubro que querem cobrar uma mensalidade ou anuidade para poder usar o equipamento que já tinha comprado. Fiquei impressionado pela negativa, pois o meu equipamento via verde não tem qualquer problema, e tal como eu, mais uns milhares de pessoas vão receber este email e vão a correr tratar da substituição do mesmo quando não é necessário. Enquanto não trocar o meu, não tenho que pagar mensalidade, mas no momento em que ele deixar de registar, vai mais uma mensalidade ou anuidade. Anda meio mundo a roubar outro meio mundo… Vale tudo amigos!

    Responder
    • Filipe

      Boa tarde, o post deve mesmo ser ressuscitado, pois está a acontecer. No meu caso modalidade de compra e pasmem-se email a dizer que tem problemas. Impressionantemente está a dar sempre verde nas portagens. Já agendei na loja e agora vamos a ver que informações teem para mim, mas o esquema parece óbvio espero estar enganado……
      Haverá alguma forma de o cidadão comum lutar contra isto? Não há concorrência nem alternativas, portanto que nos sobra? Advogados? Processos dispendiosos em tribunal? Comunicação social?
      Neste momento nem confio em passar o identificador para a mão do atendimento para verificação, não virá ele lá de dentro com defeito que não tinha.
      Trarei novidades depois de ir à loja.

      Responder
  26. André Pereira

    CML chegou a acordo com a Brisa/Via Verde para que o pagamento de estacionamentos de rua no município possa ser feito pela app Estacionar no entanto os utentes que visitam, trabalham, estudem ou residem em Lisboa e utilizem determinada app para liquidar valores devidos por estacionamento em zonas pagas vão sair lesados pois apesar de verem o valor do estacionamento cobrado pela app e acharem assim que estão legitimamente aparcados podem muito bem ser alvo de coimas pesadas pelos serviços municipais pois AFINAL e apesar de terem pago o estacionamento em causa estavam com a sua viatura numa zona de residentes e a app alem de não o alertar ainda permite que a cobrança seja feita em zona que tal não deveria ser possível.

    Responder
  27. Mario Albuquerque

    Existem “Negócios”, cuja protecção pelo Estado é inadmissível.
    Banca, Telecomunicações, Energia, Seguros e Mobilidade, são Organizações que têm os seus lucros garantidos, e com quem é praticamente impossível argumentar, contrapor ou recusar uma qualquer taxa ou taxinha, sob pena de não dispormos da totalidade do serviço.
    Vejamos a “Taxa” dos chamados Serviços Digitais da Via Verde:
    A mim cobram-me, mensalmente, 2,42 €, que me aparecem na folha “Pagamentos de Serviços Via Verde – Valores Totais”, porém não aparecem reflectidos nas folhas “Pagamento de Serviços Via Verde – Extracto/Recibo”, e que reflectem as Facturas de Portagens, SCUTS e Estacionamentos, individualizadas por Entidade fornecedora do Serviço.
    Mas afinal o que é esta “Taxa” de Serviços Digitais?
    – A mensalidade de utilização da APP Via Verde? Não faz sentido porque é por intermédio dela que os Clientes acedem á Compra dos Serviços, quando precisam;
    – A mensalidade pelo envio electrónico das Facturas e Resumos? Não faz sentido porque poupa papel e selos de correio.
    – A mensalidade pelo pagamento por transferência Bancária ou Cartão de Crédito ou Débito? Não faz sentido porque essa taxa deveria ser cobrada às Entidades Prestadoras do Serviço ao Cliente, que é o que acontece na generalidade do Mercado.
    Em resumo, a “Taxa de Serviços Digitais” é um esbulho aos Clientes da Via Verde, que, certamente, cobrarão às Diversas Entidades prestadoras dos Serviços: Brisa, Infraestruturas de Portugal, Entidades Gestoras dos Estacionamentos Públicos, Municipais ou Privados, etc. todo o Serviço de Angariação de Clientes, Controlo, Facturação e Cobrança dos Serviços prestados por essas Entidades.
    A Brisa não é mais do que uma Prestadora de Serviços, ou melhor, um Distribuidor Único, ou Retalhista (sem concorrência) dos Serviços prestados por Terceiros, não se limitando a cobrar os serviços por eles prestados, permitindo-se e sendo-lhe permitido, cobrar aos Clientes, “serviços inventados”, a que deveria estar obrigada contratualmente para poder exercer a sua actividade.
    E não falemos dos “famigerados” Identificadores. Afinal eles vieram diminuir substancialmente o número de Portageiros (diminuição dos custos operacionais), e aumentar o volume de facturação e benefício para a Via Verde. Os accionistas agradecem, E quem são eles? A Brisa e a SIBS. Isto é, um dos fornecedores de Serviços, tem interesses e forte participação accionista no Retalhista, em manifesto CONFLITO de INTERESSES.

    Responder

Trackbacks/Pingbacks

  1. Prazo para pós-pagamento das portagens das ex-SCUT passa para 15 dias - […] Via Verde começa a cobrar mensalidade para pagar estacionamento e outros serviços […]

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Partilhe o Artigo!

Partilhe este artigo com os seus amigos.