PPR | Mês #8 – Quanto estou a ganhar (ou a perder) com os meus PPR (junho 2021)

Escrito por Pedro Andersson

21.06.21

}
9 min de leitura

Publicidade

Fazer PPR como investimento?

Muitas pessoas, ao longo de décadas, sempre pensaram que os PPR eram apenas para a reforma e que servia para ir buscar entre 300 ou 400 euros ao IRS pela dedução fiscal, ou para baixar o spread do crédito à habitação.

Foi só há cerca de 2 anos que percebi que não é (só) assim. Desde que eu não coloque este valor no IRS, posso levantá-lo quando quiser (ver as condições do banco ou corretora) sem qualquer penalização.

Foi por isso que decidi fazer um PPR para cada um de nós aqui em casa, incluindo para os meus filhos (de 16 e 8 anos). E mensalmente faço aqui o balanço de quanto estão a crescer (ou a perder) para partilhar convosco mais alguma literacia financeira completamente isenta de influência de bancos, marcas, publicidade, etc. É o que é, com valores absolutamente reais (os meus) e depois você tira a suas próprias conclusões.

Subscrevi os PPR em 4 instituições diferentes e têm componentes diferentes de ações e obrigações. Uns são mais arriscados do que outros. Fiz de propósito com este fim, embora possa estar a “perder” algum dinheiro com estas opções diferenciadas. Ou talvez não, porque se as bolsas caírem, talvez os que agora não crescem tanto (ou estão a perder) provavelmente se aguentem melhor. Vamos ver.

Neste artigo expliquei os meus critérios.

Quanto estou a ganhar com os meus PPR?

Subscrevi, em Novembro de 2020, 4 PPR para que juntos acompanhemos quanto rendem de facto estes produtos de investimento/poupança e de que forma seguem ou não o desempenho das bolsas mundiais. Fiz estes (podiam ser outros, mas tenho por princípio ser o mais transparente possível convosco, por isso digo os nomes):

PPR Alves Ribeiro (Banco Invest)
PPR Stoik (SGF – Sociedade Gestora de Fundos)
PPR Optimize Agressivo (Optimize –  Sociedade Gestora de Fundos)
NB PPR (GNB) Pode subscrever em vários bancos (Activobank, Best, Novo Banco)

Neste artigo AQUI expliquei porque escolhi estes especificamente. Não estou a “vender” nenhum produto ou instituição bancária/corretora. Isso tem de ficar muito claro. Só quero que perceba como funcionam os Fundos PPR.

Balanço dos meus PPR – Mês #8

PPR Alves Ribeiro (Banco Invest)

O meu PPR AR está a crescer neste momento 11%, mais cerca de 3% do que no mês passado.

Se já está a arregalar os olhos com este crescimento, deve perceber que não será sempre assim. É raro crescer a estes valores todos os anos. Deve-se em parte à recuperação das bolsas depois da queda terrível por causada pandemia da Covid-19. Alguns “especialistas” prevêm que dentro de pouco tempo virá uma crise cíclica (esta da pandemia foi completamente surpreendente). Mas é uma previsão completamente óbvia. É o que tem acontecido ao longo das últimas décadas. Se vier, é esperar que recupere.

Este é um investimento a muito longo prazo. Pelo menos mais de 5 anos. Vamos ver como vai correr.

Quero também chamar a sua atenção para outro pormenor. Como pode ver abaixo, no caso dos meus dois filhos o crescimento é inferior ao meu. Mas foram feitos exatamente no mesmo dia. Porquê esta diferença?

É que estou a reforçar mensalmente o PPR dos meus filhos, mas não o meu. Portanto, a cada mês, há novas unidades de participação que entram para o “bolo” de cada um deles. Cada pedacinho de dinheiro do reforço deles é “comprado” ao preço desse respectivo dia. Logo, com o passar do tempo, e como o PPR está a crescer, cada mês compro esse “pedaço” mais caro do que o anterior. Logo está a crescer menos na média do que o “bolo” inicial.

Como já lhe expliquei, cada unidade de participação cresce (ou recua) em relação ao dia em que a subscreveu. Duas pessoas que subreveram o mesmo PPR com uma semana de diferença podem estar uma com lucro e outra com prejuízo. A longo prazo, essas diferenças vão esbater-se.

A ideia do PPR é fazer um e reforçar todos os meses independentemente de como estão os mercados, como estou a fazer com os meus dois filhos. Se notar que num dia específica as bolsas tiveram uma queda brutal, considere reforçar com um valor maior do que o habitual, porque estão em saldos.

Ou seja, com 1.000 euros, ganharia 113 euros brutos se o levantasse hoje. Antes de 1 ano, teria de pagar uma comissão de resgate de 1% ao banco. Mesmo assim, compensaria bastante. É o que está no contrato deste PPR (cada um tem as suas próprias regras). Leia sempre as condições TODAS antes de assinar/clicar “Subscrever”.

No homebanking do Banco Invest consigo ver todos os dias (se quiser) se o PPR está a ganhar ou a perder. Naturalmente, não faço isso. Basta ir lá uma vez por semana ou uma vez por mês.

As contas que vou partilhar convosco ao longo do tempo será sempre em relação a estes 1.000 euros originais subscritos no dia 2 de Novembro de 2020, com o valor de subscrição da unidade de participação nessa data específica. Devo sempre relembrar que rendimentos passados não garantem rendimentos futuros.

PPR STOIK

Este mês, o PPR STOIK, da SGF (uma sociedade gestora de fundos de pensões) continua a crescer mais do que o PPR Alves Ribeiro. Não tenho de abrir nenhuma conta num banco (ao contrário do Alves Ribeiro e do NB PPR). Mas tenho de abrir “conta” na corretora e transferir dinheiro para lá.

Foi subscrito exatamente no mesmo dia do Alves Ribeiro, e está a crescer 14,36%. É o valor mais alto de sempre.

A forma como estão constituídos é diferente. Este tem uma percentagem maior de ações do que o AR PPR. A minha expectativa era que a longo prazo crescesse mais do que o AR PPR. Isso aconteceu. Tem o gráfico com o desempenho dos 4 PPR mais abaixo.

Se resgatasse o PPR Stoik hoje, teria um “lucro” de 143 € brutos. Como passar dos anos, a tributação sobre as mais-valias descerá até aos 8%, ao contrário dos depósitos a prazo que serão sempre de 28%.

Este mês, o STOIK é o segundo PPR mais rentável.

PPR Optimize Agressivo

O terceiro PPR foi subscrito 15 dias depois dos dois primeiros, numa altura em que as bolsas já tinham recuperado da queda do início de Novembro. Mas este mês, é o PPR mais rentável dos 4. Está a crescer 15%.

Este é o PPR com maior percentagem de ações no cabaz. Daí o nome “Agressivo” na descrição. Esta corretora também tem PPR menos arriscados.

NB PPR

O meu quarto PPR é o NB PPR. Foi o último a ser subscrito e portanto, também é natural que seja o que cresceu menos até ao momento em que escrevo este artigo.

No mês passado, se bem se recorda estava a perder -1,48%. Mas este mês voltou a números positivos e está a crescer 1,36%.

Subscrevi 1.000  euros e se os resgatasse hoje ganharia cerca de 13 euros. Perceber esta diferença grande serve para compreender que o momento em que subscreve um PPR faz diferença, bem como o tipo de ações, obrigações e outros produtos que ele tem lá dentro.

Os PPR não são todos iguais. Tem de os escolher muito bem e se não estiver satisfeito com o seu, transfira-o para outro que considere melhor, depois de pesquisar muito. Não o mantenha, só porque sim. Não perde os benefícios que ganhou entretanto.

Este é o PPR em que deposito menos expectativas de crescimento, mas por outro lado se no futuro precisar deste dinheiro numa altura de grave crise financeira (nas bolsas) este será o mais defensivo. Portanto, se precisar de levantar dinheiro em “stress”, será este que perderá menos. Logo, será o primeiro a resgatar com menos prejuízo. É uma espécie de rede nos meus investimentos em PPR. Vamos ver se é assim como estou a pensar.

O gráfico

Para todos estes números terem alguma leitura para si (e para mim), fiz um gráfico em Excel com o comparativo de todos os meus 4 fundos PPR ao longo do tempo.

Acredito que visualizar o crescimento dos PPR com estas linhas vai ajudar a perceber como cada um deles se comporta quando os mercados (bolsas) estão em alta e em queda. O Optimize Agressivo, o STOIK e o PPR AR estão taco-a-taco. O Optimize está em primeiro lugar, seguido do STOIK e depois vem o Alves Ribeiro. O NB PPR deixou de estar negativo, mas continua a larga distância.

Feitas as contas, com 4.000 € (4 PPR de 1.000 € cada um) ganharia em 4 meses cerca de 425 € brutos, se os regatasse esta semana. Haverá semanas (ou meses) no futuro em que poderei estar a perder dinheiro (caso resgatasse). Nessas situações é esperar que passe a “tempestade”. Caso fossem 40 mil euros, estaria a ganhar neste momento 4.250 € para além do que investi. Agora imagine isto a crescer (não a este ritmo e com quedas temporárias) durante 10 ou 20 anos… A ideia dos PPR é justamente essa: Investir, reforçar regularmente e não mexer até que precise do dinheiro (muito lá para a frente).

Este mês acrescentei um novo gráfico para que acompanhe quanto ganhei (ou perdi) mês a mês com 4 mil euros nos 4 PPR. É o resultado cumulativo dos ganhos.

Já lhe expliquei que não me interessam os Seguros PPR com capital garantido. Quero arriscar ter ganhos maiores em vez de simplesmente garantir o que tenho, com ganhos mínimos. Quando chegar aos 60 anos (ou quando atingir o valor que tenho como objetivo) será altura de transferir para um PPR com capital garantido.

Mas respeito muito quem opta por produtos com capital garantido. É uma decisão pessoal. Cada um tem o perfil que tem. Mas ganha historicamente muito menos. A diferença é que não perde nunca nada do que lá tem. Mas também nunca ganhará nada de muito significante e que faça diferença na sua vida. É a diferença que faz pôr o dinheiro a trabalhar para si.

Se quer largar as amarras dos produtos com capital garantido, sugiro estes passos:

  1. Fazer um bom Fundo PPR (veja rendimentos e comissões, e defina o seu perfil – defensivo, moderado ou agressivo)
  2. Subscrever ETF
  3. Subscrever Fundos de Investimento
  4. Investir em ações (em plataformas com baixas comissões)
  5. Arriscar em plataformas de crowdfunding
  6. Investir em imobiliário (quando perceber no que se está a meter)
  7. Reinvestir os ganhos em novos investimentos

Publicidade

Sobre mim: Pedro Andersson

Ir para a página "Sobre Mim"

Siga-nos nas Redes Sociais

Para si | Artigos Recentes 

Como compro lombos de salmão mais baratos do que fiambre

Como comprar lombos de salmão com 65% de "desconto" As saudades que eu tinha de escrever um artigo sobre as minhas poupanças diárias… Como sabem, a minha estratégia de poupança é ter sempre o melhor possível pelo preço mais baixo. Nunca é a poupança dos “coitadinhos”....

ATENÇÃO – Já só tem uma semana para entregar o IRS (ou para o corrigir)

Prazo acaba a 30 de junho - Evite as multas O prazo para entrega do IRS termina no dia 30 de junho. Falta uma semana. De acordo com o Portal das Finanças, até este domingo já foram entregues cerca de 5 milhões e 600 mil declarações (5 615 814). Em comparação com o...

Oficial – Parlamento aprovou o fim de portagens nas ex-SCUT

Abolição das portagens nas ex-SCUT a 1 de janeiro de 2025 É oficial. O Parlamento aprovou em votação final global a proposta do PS para eliminar as portagens nas ex-SCUT e nos troços "onde não existam vias alternativas que permitam um uso em qualidade e segurança". O...

PodTEXT Vamos a Contas | Onde devo investir se já estou perto da reforma?

O podcast de sempre, agora mais inclusivo! Como a literacia financeira é um aspeto fundamental para a boa gestão das finanças pessoais, os podcasts do Contas-poupança tornam-se agora mais inclusivos e passarão a ser publicados também em texto, nomeadamente para...

PodTEXT | O que é o movimento FIRE – É possível refomar-se mais cedo?

O podcast de sempre, agora mais inclusivo! Como a literacia financeira é um aspeto fundamental para a boa gestão das finanças pessoais, os podcasts do Contas-poupança tornam-se agora mais inclusivos e passarão a ser publicados também em texto, nomeadamente para...

EURIBOR HOJE | Taxas descem a 3 meses e sobem a 6 e 12

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

COMBUSTÍVEIS | Preços na próxima semana (24 a 30 de junho)

Preços dos combustíveis na semana que vem A informação dos preços dos combustíveis é baseada nos cálculos que têm em conta a cotação nos mercados internacionais e outros fatores considerados na formação do preço dos combustíveis em Portugal. São dados que recolho...

Isenção de IMT e Imposto de selo para jovens até aos 35 anos – O que já se sabe?

Lei já foi publicada em Diário da República Foi publicada esta quinta-feira em Diário da República a Lei (está aqui) que autoriza o Governo a avançar com a isenção do IMT e do respetivo Imposto de selo para jovens com idade igual ou inferior a 35 anos, na compra da...

EURIBOR HOJE | Taxas descem em todos os prazos

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

Maiores de 35 anos podem aceder a isenção de IMT se comprarem casa com um jovem

Isenção de impostos também beneficia maiores de 35 anos Há cerca de três semanas, o Governo aprovou em Conselho de Ministros diversas medidas para facilitar a compra de habitação aos jovens até aos 35 anos. Entre elas, além da garantia pública de até 15% do valor do...

Publicidade

Artigos relacionados

11 Comentários

  1. Vitor Mendonça

    Boa tarde Pedro,

    Não sei se mais alguém tem a dúvida que eu tenho, por isso fica a questão.
    Sendo que foram constituídos PPR para os filhos os mesmos só poderão ser titulares após os 18anos correto?

    Durante este período de investimento de 10anos ou mais no seu caso, não poderá usufruir dos benefícios á entrada mas sim á saída de 8,6% por ser mais de 8anos correto?

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá. No caso específico do Alves ribeiro já estão em nome deles. Mas sou o movimentador até aos 18. Aos 18 são eles que mexem. 8% à saída, sim. É muito bom. Mas espero que eles continuem o PPR durante 30 ou 40 anos. Acho que pode ser a melhor prenda que lhes podia dar.

      Responder
      • Raquel Viana

        Boa tarde Pedro,

        fiquei com a dúvida, para além do 1% de comissão que se paga no resgate temos ainda a questão dos 8.6% de IRS (mais de 8 anos).
        Sendo que no caso da comissão me parece claro que seja 1% do valor total, no caso dos 8,6% de IRS é só sobre mais valias?

        Responder
        • Patrícia Pimenta

          1% de comissão de resgate? A que PPR se refere?

          Responder
  2. Manuel Caetano Miguel

    Muito obrigado pelo verdadeiro serviço público que presta aos portugueses pelos seus ensinamentos e testemunhos. Foi graças ao seu trabalho que comecei a investir com algum risco e até ao momento não me arrependo.
    Nesse sentido gostaria de saber a sua opinião sobre investimentos em vinhos. Li na imprensa sobre isto e fiquei curioso. Chama-se Oeno future e tem sede em Londres. Envio o link para que possa investigar.

    https://oenogroup.com/pt-pt/future/

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá Manuel. Recomendo sempre que invista em produtos de áreas que conhece. O setor do vinho é tão específico que não é para mim. Como a arte ou antiguidades. Se domina deve investigar mais. Eu não tenho esse conhecimento nem pretendo ir por aí. Prefiro investimentos mais “clássicos”.

      Responder
  3. Sérgio Paulo

    Bom dia.
    Estou a começar a dar os primeiros passos neste tipo de investimentos e como tal surgem muitas dúvidas. A primeira e principal é perceber o que está em “jogo” com este tipo de investimentos, e por isso tenho uma dúvida que ainda não consegui dissipar.
    Ao investir um determinado valor num PPR com capital de risco, o montante investido e os respetivos reforços, também estão em risco, ou só os potenciais ganhos.
    Desde já muito obrigado.

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá. Ao subscrever um PPR compra as unidades que entender. Se nesse dia uma unidade valer 10 euros, daqui a 3 anos essa unidade valer 20 euros é o que resgata. Se no dia em que resgatar valer 7 euros é o que lhe vão dar.

      Responder
      • Sergio Paulo

        Obrigado pelo esclarecimento. No entanto este tipo de aplicação financeira, não se devia chamar PPR, pois o PPR supõe um investimento onde se espera retorno no futuro, coisa que pode não acontecer. 🙂

        Responder
  4. Felisberto Esteves

    O snr. Sérgio Paulo faz uma pergunta igual à que eu próprio pensava fazer. Quando o Pedro responder aproveitarei a resposta, já que dos 3 PPR´s que pesquisei todos são de Capital de risco. A gestão da seguradora ou do banco pode ser má e perde-se o capital. Penso que o rendimento também será perdido se houver deficiente gestão dos capitais investidos.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Partilhe o Artigo!

Partilhe este artigo com os seus amigos.