Aceito os termos e condições.

Email Marketing by E-goi

Quanto tempo demoro a duplicar o dinheiro que tenho?

Escrito por Pedro Andersson

01.06.21

}
5 min de leitura

Quanto tempo demoro a duplicar o dinheiro que tenho?

Quero partilhar consigo uma fórmula matemática que encontrei em vários artigos sobre finanças pessoais quando comecei a ler – a ler muito – sobre o tema. Aliás, tenho a dizer-lhe que o “truque” é só esse: Ler e pensar muito sobre como gerir da melhor maneira o seu dinheiro e depois COMEÇAR a fazer, para atingir os seus objetivos. 

A regra dos 72

É a Regra dos 72. Não sou o autor da fórmula, nem sei quem foi. Mas é muito interessante para perceber o efeito dos juros compostos sobre o dinheiro que está a poupar/investir. 

A conta é simples de fazer: Dividindo o numero 72 (alguns matemáticos dizem que o correto é 69) pelo juro que estão a pagar pelos seus investimentos, tem o número de anos que demora (com juros compostos) até duplicar o seu investimento. Vamos testar? 

Se colocar 1.000 euros num depósito a prazo que rende 0,10% ao ano, vai demorar quantos anos a ter lá 2.000? Vamos dividir 72 por 0,10. A mim deu-me 720 anos. E a si? 

Agora imagine que pega nos mesmos mil euros e coloca numa ferramenta que rende 1,38%, como os Certificados do Tesouro Poupança Crescimento. Quanto tempo demoraria a duplicar esse valor? 72/1,38= 52 anos. Sofrível, não é? Dá logo vontade de desistir. Mas sempre é melhor do que 7 séculos…

Como já vos disse, a média dos meus fundos de investimento é de 20% até ao momento (sem qualquer garantia de que isso continue a crescer assim no futuro). Quanto tempo demoraria a duplicar o meu investimento? 72/20=3,6 anos. Obviamente a esta conta depois terá de retirar os 28% para o Estado, ou os 8% no caso dos PPR. 

Começam a perceber –  com estas contas simples – porque é que mudei completamente o meu chip da poupança para o investimento? 

É por ter feito algumas contas simples como estas que percebi que, apesar de ter começado a investir depois dos 45 anos, ainda vou muito a tempo de ainda fazer alguma coisa por mim e pela minha família, em termos financeiros. 

Ainda me faltam exatamente 20 anos para a minha idade legal da reforma. Era melhor se tivesse começado aos 23 anos? Era. Mas por estas contas, pelo menos uma parte das minhas poupanças ainda têm a oportunidade de duplicar 5 vezes e meia até me reformar. 

E mesmo nessa altura, o que me impede de continuar a investir e a viver do que essas poupanças me renderem, enquanto elas lá continuam? 

Pense nisso. Faça a conta da Regra dos 72 e encontre ferramentas de investimento (após ter o seu fundo de emergência) que lhe permitam duplicar o seu dinheiro o mais rapidamente possível. Com cabeça, claro. Não vá atrás de esquemas ou falsas promessas de ninguém. 

Não investir é “mau”?

Aproveito para responder a um comentário de um leitor que considerou que com este tipo de artigos e opiniões, estou a tratar como “analfabetos” e uma outra palavra que não me agrada que ele utilizou, as pessoas que não arriscam o dinheiro que tanto lhes custa a ganhar.

Eu próprio era uma dessas pessoas para quem arriscar um cêntimo que fosse era quase um crime contra a minha família. Não pretendo ser modelo para ninguém, nem me acho superior a ninguém. Simplesmente percebi que há uma janela (financeira) que eu nunca tinha aberto na minha vida e que, ao abri-la, fez uma ventania que me mudou completamente a perspectiva sobre o dinheiro.

Posso dizer-vos neste momento que neste momento em que vos escrevo já dupliquei o dinheiro que investi em apenas dois ano e meio. Coisa que nunca tinha imaginado na minha vida enquanto nem pensava em produtos sem capital garantido.

Sorte de principiante? Talvez. Não sei. Sorte com o ano em que investi? Sim, mas também passei pela pior pandemia e crise financeira mundial da minha vida. E os meus investimentos caíram a pique e recuperaram. É aí que entra a literacia financeira. Temos de saber lidar com os momentos bons e os momentos maus.

Mas se eu consegui, acho que qualquer pessoa deve pelo menos informar-se sobre as várias possibilidades de investimento disponíveis e escolher alguma de acordo com o seu perfil. Nem que seja para experimentar.

E testar com muito pouco dinheiro, dinheiro que possa perder sem lhe causar mossa. Foi o que eu fiz e não estou arrependido. Sei que posso perder o que estou a investir e só estou a usar dinheiro que não faz falta à minha família.

Naturalmente, você tem uma cabeça para pensar e para decidir. Não estou a vender-lhe nada, nem ganho um cêntimo sequer para escrever o que quer que seja. O meu critério é simples: Se é bom para mim, partilho porque também pode ser bom para mais alguém. Mas posso estar  enganado? Posso. Daqui a 20 anos saberei se fiz bem ou não. 

Claro que não deve ver esta regra como infalível, porque basta que em vários dos anos o rendimento seja menor do que o que espera. Mas também pode acontecer em 2 ou 3 anos ser superior ao que previa. A regra dos 72 foi útil para me abrir os olhos para o tipo de investimento que devo procurar. Brinque com a fórmula e veja quanto está a ganhar com os seus investimentos.


Publicidade

Sobre mim: Pedro Andersson

Ir para a página "Sobre Mim"

Siga-nos nas Redes Sociais

PPR | Mês #8 – Quanto estou a ganhar (ou a perder) com os meus PPR (junho 2021)

Fazer PPR como investimento? Muitas pessoas, ao longo de décadas, sempre pensaram que os PPR eram apenas para a reforma e que servia para ir buscar entre 300 ou 400 euros ao IRS pela dedução fiscal, ou para baixar o spread do crédito à habitação. Foi só há cerca de 2...

Como comprar 22 bolos e salgados por 3 euros e lutar contra o desperdício

Como lutar contra o desperdício alimentar e poupar ao mesmo tempo Acabo de passar por uma pastelaria perto de minha casa, a poucos minutos dela fechar, para ir buscar uma caixa com pães, bolos e salgados que iriam literalmente para o lixo. Paguei 3 euros através da...

COMBUSTÍVEIS | Preços na próxima semana (21 a 27 de junho)

Preços dos combustíveis na semana que vem A informação dos preços dos combustíveis é baseada nos cálculos que têm em conta a cotação nos mercados internacionais e outros fatores que são considerados na formação do preço dos combustíveis em Portugal. São dados que...

As exceções para entrar e sair da Área Metropolitana de Lisboa durante os fins-de-semana

Quem pode entrar e sair de Lisboa durante o fim-de-semana Como expliquei neste artigo ontem, a partir das 15h desta sexta-feira, dia 18 de junho, e até nova ordem está proibida a circulação de pessoas de e para fora dos concelhos da Grande Lisboa. Acaba de ser...

ÚLTIMA HORA – Proibição da circulação de e para fora na área metropolitana de Lisboa este fim de semana

Proibido circular de e para fora na área metropolitana de Lisboa este fim de semana O Governo acaba de anunciar que a partir das 3 da tarde de amanhã (sexta-feira) não é possível entrar e sair da área metropolitana de Lisboa. A proibição termina às 6 da manhã de...

Os meus fundos de investimento – Balanço da semana #47 (17 de junho)

Fundos de investimento - Balanço semanal Passou mais uma semana. Estou praticamente a voltar a tocar no máximo que já tive até hoje, na média dos 3 fundos. Estou a ganhar uma média de 26% com os 3 fundos que subscrevi em julho do ano passado com o dinheiro que poupei...

JUNHO – Tarifa indexada de eletricidade continua acima do mercado regulado

Este mês é MAU para aderir à tarifa indexada de eletricidade Este mês de junho está a ser o mês mais caro dos últimos 3 anos no mercado OMIE (onde as empresas vão comprar a eletricidade para lhe vender a si). É, portanto, um mau mês para começar um contrato de tarifa...

ELETRICIDADE | Preço da eletricidade sobe 3% em julho para famílias no mercado regulado

Preço da eletricidade sobe a 1 de julho para famílias no mercado regulado As tarifas da eletricidade vão subir a partir de 1 de julho para os clientes domésticos em mercado regulado, refletindo a subida dos preços da energia nos mercados grossistas, anunciou ontem a...

Painel solar fotovoltaico – Balanço de maio e junho de 2021 (mês #53 e #54)

Balanço dos meses de abril e maio de 2021 Olá! Acabo de verificar que não fiz aqui o balanço da produção do meu painel solar em abril. Peço desculpa se estiveram à espera dele. Mas não se perde pela demora. Ficam aqui os dois juntos.  Entrámos nos melhores 4 meses do...

As taxas Euribor continuam muito negativas

Taxas Euribor continuam muito negativas São boas notícias para quem tem crédito à habitação associado às taxas Euribor. Todas as 3 taxas (3, 6 e 12 meses) continuam a rondar os -0,50% (sim, negativos). O que é que isso significa? Significa que o seu banco lhe está a...

Publicidade

Publicidade

Artigos relacionados

23 Comentários

  1. João Pinto

    Bom Dia Pedro!

    Vou direto ao assunto, curto e grosso:

    1. Continuo e hei-de continuar a deliciar-me com os seus textos, seja aqui no blog seja no podcast.

    2. Quando não gosto do que leio, simplesmente não continuo a ler, tal e qual como um serviço, deste modo fica a dica para leitores ofendidos com o tom sincero e transparente.

    3. Apesar de ter 36 anos, digo-lhe que não precisa de esperar 20 anos para saber que está certo, não sou eu que lhe digo, é o mercado desde que se iniciou em Amsterdão, no caso da Europa.

    4. Obrigado por partilhar comigo as suas perspectivas, raciocínios, visões e ideas, depois disso cada leitor adapte a si, a minha recomendação é que seguissem religiosamente todas elas, e todos deveriam estar gratos por todas as milhentas dicas que dá, serem de mão beijada e a custo ZERO.

    OBRIGADO!

    É muita saúde para continuar a aprender consigo!

    GRANDE ABRAÇO!

    Responder
    • Pedro Andersson

      Obrigado João. Tento partilhar o que aprendi, sempre com a ressalva de que também posso estar enganado. A vida é isso mesmo. Temos de pensar pela nossa cabeça, ouvir e ler muito e decidir. Abraço.

      Responder
  2. José Cunha

    Sr. Pedro Anderson
    Obrigado pela partilha, que para mim, entendo como sendo de grande valor.
    Um bem haja, pelo seu trabalho.

    Responder
  3. Soraia

    E se não for perguntar muito, que tipo de investimentos podem dar essas margens que fala?
    Obrigada pela partilha, os seus artigos ajudam de facto muita gente, sao de interesse público!

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá Soraia. Tem muitos artigos sobre isso no blogue. Não pense que são muitos. Os que dão esses valores têm um grande risco. Os que me rendem atualmente 20% são ações, fundos de investimento, ETFs e criptomoedas. Os outros rendem menos.

      Responder
  4. Helder Graça

    Bom dia Pedro Anderson,

    Em primeiro lugar obrigado por partilhar as melhores dicas, seja em poupanças no mundo financeiro, assim como na nossa própria casa.
    Gostaria de perguntar se sempre foi para o “AR” a rubrica acerca do que os deficientes podem usufruir mas que desconhecem de todo. Não me lembro das palavras exatas mas penso que o princípio era este.
    Tenho uma filha deficiente, mas sinceramente devido a tanta burocracia e tempo que se perde, a maior parte das vezes desisto de solicitar o que quer que seja.
    Felizmente estou numa condição que vou conseguindo o que preciso para a minha filha, mas infelizmente conheço de quem necessita de ajuda mas falta-lhe o conhecimento de causa.
    Se puder responder agradeço. Eu e os demais deficientes.

    Desejo-lhe que viva muitos anos para irmos aprendendo consigo.

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá. Foi sim para o ar. Pesquise no blogue “guia pessoas com deficiência”. Felicidades e coragem. O caminho é difícil.

      Responder
  5. Luís Mendes

    Boa Tarde Pedro,
    mais uma vez obrigado pela partilha, mas este post deixou me mesmo desanimado, no entanto não vou desistir dos meus objetivos.
    Deixou me desanimado, pois dificilmente verei a duplicação do meu investimento, ….MAS, sim porque tudo tem um “mas”!
    Mas o que interessa é ter objetivos, ter consciência financeira, que tal como o Pedro só ganhei aos 41 anos de idade, essa consciência financeira, que me permite, mesmo que não duplique os meus investimentos, estar no bom caminho para uma liberdade financeira, sem receios de não ter dinheiro no bolso.

    Por isso quero mais uma vez agradecer, pois o Pedro é a razão deste minha nova consciência financeira!

    Depois do seu ultimo post sobre se sabemos quanto dinheiro temos, fiz um upgrade aos meu ficheiro em excel, conforme as suas dicas, acrescentei um campo com cálculos para saber quanto estou a poupar por mês sobre os meus rendimentos. Ou seja consigo ver que deste Janeiro de 2021, retiro uma média de 13% para poupanças e investimentos, sobre os meus rendimentos. Acima da média europeia!!! Nada mau… estou contente!

    Obrigado Pedro
    Grande Abraço

    Luís Mendes

    Responder
    • Pedro Andersson

      Como não vai conseguir, Luís?!
      Planeje. Pergunte-se: o que tenho de fazer para ter o dobro daqui a 10 anos? E faça! Se só conseguir 50% é mau? 🙂

      Responder
  6. Natividade Silva

    Boa tarde Sr. Pedro,
    Acompanhe todas as semanas as suas informações sobre poupança e investimentos, agradeço desde já a sua disponibilidade para nos dar estás informações que considere bastante úteis para estarmos mais informados sobre como podemos investir algum dinheiro e ganhar dinheiro com esses investimentos….
    Gostava de lhe fazer uma pergunta visto que nunca falou nesta hipótese de investimento. É sobre as obrigações Europa… não sei se conhece, se sim gostaria de saber a sua opinião sobre este investimento…se me puder ajudar agradeço desde já a sua atenção… muito obrigada e um bem haja para si… Natividade Silva…

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá Natividade. As obrigações que tenho estão inseridas em fundos de investimento. Não são suficientemente rentáveis para o objetivo a que me propus. Têm encargos e comissões demasiado elevados para mim.

      Responder
  7. Ines

    Bom dia,
    Pois eu agradeço todas as dicas.
    Comecei antes dos 45 a investir mas mto a medo, e continuo mto conservadora nessa matéria.
    Por isso, ir vendo como os outros fazem e aprendendo, só ajuda, sobretudo quando a linguagem é acessível a quase todos.

    Responder
  8. Isabel Ferreira

    Eu sou analfabeta nestas matérias e perante desgraças que aconteceram a tantos portugueses ainda tenho medo e com tanta gente ” sábia” a opinar agora estou ” mria ou totalmente desconfiada”…
    Esta situação e comum a muitas mulhetes como eu..poupadinhas e com um bom ” pé de meia” ….mas como sair daqui?
    Não pretendo duplicar a poupança ,mas fazer algum dinheiro para uma viagem ,para me pagar os IMIs da casa.
    Deixo um exemplo : estou disposta a usar 30 mil euros e investir, sem regra 72, e sem risco elevado que propõe ?
    A leitura ” contas poupança” ja me fez dar este passo…quem sabe?

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá. Com capital garantido tem os Certificados do tesouro. Basta ir aos CTT :). Se quiser ir um pouco mais além pode fazer um seguro PPR e tira do IRS para poder usar quando quiser. Se quiser arriscar um bocadinho faça um fundo PPR num banco que confie. E tira do IRS também. Neste último caso o valor sobe e desce todos os dias. Quando estiver a ganhar o que pretende, levanta. Se estiver a “perder” espera e não faz nada. Avalie 🙂

      Responder
  9. Manuel

    Olá Pedro
    Desde já os meu parabéns pelo excelente artigo. Acho que seria interessante estender este tema até as P2P que são hoje uma grande alternativa aos investimentos tradicionais. Desde de 2012 que invisto em algumas estrangeiras e hoje até numa portuguesa. E com algum cuidado na seleção destas posso dizer que se consegue ir buscar uma taxa muito mais atrativa que os depósitos a prazo (entre 5 a 10%) e com um rendimento previsível e linear.
    Abraço

    Responder
    • Manuel

      Para quem quer investir com uma taxa a partir de 6.75% recomendo a plataforma Bondora e a subscrição do produto Go&Grow. Entre muitas vantagens é de destacar:
      • É uma plataforma que já tem mais de 12 anos. Dado o seu excelente modelo de negócio já ultrapassou uma crise financeira sem qualquer problema;
      • O produto Go&Grow garantiu sempre liquidez imediata, o que permite colocar e retirar dinheiro praticamente de forma imediata;
      • É de muito fácil utilização e pode-se acompanhar o pagamento dos juros diários;
      • Nos primeiros 30 dias, através de um link de afiliação, dá um extra de 5% do valor investido entre outros prémios de bonificação (5€ iniciais mais 5€ finais pelo menos).
      Como tal, segue o meu link de afiliação para quem decidir investir:
      https://bondora.com/ref/ruim10
      (Para receber a bonificação é obrigatório fazer o registo a partir do link)

      Responder
  10. Amadeu Romão

    Boa noite,
    Sou o que se pode dizer “um zero à esquerda” em questões finaceiras/económicas. Já tenho 68 anos e, por isso mesmo, tenho dúvidas quanto ao fazer um PPR ou um fundo PPR, nem sei se será aceite pelos Bancos.
    Segundo penso, na minha faixa etária, ao fazer um PPR já não irei retirar qualquer vantagem no IRS mas, não sei bem, recolher apenas vantagem nos juros que o PPR ou o fundo PPR render.
    É assim ou estou a ver mal a situação?
    Obrigado e fico a aguardar a sua estimada resposta.

    Responder
  11. Anabela Brito

    Graças ao Pedro, o Contas Poupança existe!
    Já aprendi muito consigo e consegui fazer muito pela minha carteira, depois de conhecer o seu blogue.
    …e se por acaso há algo por que me interessa menos, passo à frente. Mas por certo, haverá de interessar a outro seu seguidor.
    Muitoooo obrigada pelo seu serviço público! Cpts

    Responder
  12. Ana Francês

    Gosto muito de ler os seus artigos.
    Fiquei curiosa em aprender mais sobre o tema dos investimentos.
    O que acha da plataforma que falaram aqui Bondora? Fiável?
    OBrigada

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá. Tive lá dinheiro durante bastante tempo. Só retirei porque tenho ferramentas de investimento mais rentáveis. Conhecendo os riscos é uma das hipóteses que costumo referir.

      Responder
    • Manuel

      Quando se olha e se compara investimentos temos de comparar alhos com alhos e bugalhos com bugalhos. Não podemos comparar a Bondora ou outra P2P a um fundo de investimento, ETF ou outro produto de variação em função da oferta/procura. Tem atualmente produtos destes com muito maior rendimento que descem e sobem 10% ao dia. A questão é se aceita variações destas amplitudes e qual a sua estratégia. Atenção também que nem tudo são rosas e nem tudo sobe para sempre. Já vivi alguns Bear Markets e eles conseguem nos convencer que o mundo vai desabar. Assim como os Bull Market nos conseguem convencer que vai subir para sempre (Dica: momento atual). Mas lembrem-se: há sempre alguém que vai ter de pagar a conta e fechar a porta.
      A Bondora de 6.75% é comparável a produtos de taxa linear como obrigações, certificados etc, com o risco respetivo de perda de capital de cada produto. Por outras palavras é divida como todos os outros.
      Atualmente num mundo de taxas 0% não tem nenhum investimento alternativo de rendimento linear com 12 anos de histórico e que já viveu uma crise financeira em 2009 que lhe garanta 6.75%. Se amanhã vai falir? Não sei. Tenho analisado o modelo de negocio deles e o histórico e não me parece pior que muitos emissores obrigacionistas (inclusive nacionais) que pagam metade pelas obrigações e ainda tem comissões bancarias.
      https://bondora.com/ref/ruim10

      Responder
      • Manuel

        Chamo também a atenção que como em qualquer investimento não deve alocar o capital todo num investimento. A Bondora deve ser vista como parte integrante de uma carteira de investimento não devendo ultrapassar os 5 a 10% desta. Lembrar da regra de separar os ovos por vários cestos. Assim se um cair e partir os ovos, sempre tem ovos para uma omelete.
        De referir que também deixar o dinheiro numa conta a ordem ou a taxa de 0% também é um investimento. Mas neste caso de taxa negativa no valor da inflação. Lembre-se: 1€ hoje vale mais que 1€ amanhã. Portanto rentabilize o 1€ de hoje.

        Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Partilhe o Artigo!

Partilhe este artigo com os seus amigos.