PODCAST | #42 – Cuidados a ter quando contratar um crédito à habitação

Escrito por Pedro Andersson

14.02.21

}
4 min de leitura

Publicidade

Dicas para fazer um bom crédito à habitação (para si, não para o banco)

Apesar da crise, as casas continuam a vender-se e a comprar-se e os preços não baixaram. Isso quer dizer que os preços continuam altos, por isso as pessoas que compram casa continuam a endividar-se e a fazer créditos à habitação.

O problema é que muitas vezes só querem ouvir o “sim” do banco e não ligam o que deveriam ligar às condições do empréstimo.

Não são raros os casos de pessoas que pensam que estão a comprar uma casa e no fundo – sem se aperceberem – estão a comprar duas (ou 3). Só que a segunda e a terceira são os juros e produtos que estão a pagar ao banco todos os meses.

Muitas vezes, bastava ir ao banco do outro lado da rua ou um banco mais digital ou mais pequeno para encontrar o mesmo dinheiro mas mais barato.

Neste episódio dou-lhe algumas dicas para a sua casa lhe sair mais barata para assim que puder começar a investir – não na casa – mas nos seus sonhos. Já tendo a casa paga ou quase, obviamente!

É o tema deste episódio em que partilho mais uma viagem de carro consigo. Aproveite a boleia para melhorar a sua vida financeira.

Veja todas as dicas de poupança em www.contaspoupanca.pt
Assine a Newsletter no blogue
Facebook facebook.com/contaspoupanca
Instagram www.instagram.com/pedroandersson_contaspoupanca/

O que é um podcast?

Aproveite a minha boleia financeira (gravo em áudio uma “conversa” no carro enquanto faço as minhas viagens e faço de conta que você vai ali ao meu lado) e veja como pode aumentar-se a si próprio. São uma espécie de programas de rádio para escutar enquanto faz outras coisas.

Subscreva o podcast na plataforma em que estiver a ouvir para ser avisado sempre que houver um episódio novo. Não estranhe ouvir o motor do carro, buzinadelas e o pisca-pisca. Faz parte da viagem.

Aprenda a gerir melhor o seu dinheiro

Tem a seguir os links para o Spotify, Soundcloud e iTunes. Para quem não percebe nada disto, deve ir à loja de aplicações do seu telemóvel e instalar gratuitamente a app “Spotify” ou “iTunes” ou outra que dê para ouvir Podcasts. No caso do SoundCloud basta clicar e começa logo a ouvir.

 

Boa viagem e boas poupanças!

Subscreva o Podcast e partilhe-o com os seus amigos ou familiares que se queixam de ter pouco dinheiro e muitas despesas.



Acompanhe-nos AQUI

NOVO LIVRO “CONTAS-POUPANÇA” – Dezenas de dicas para poupar muito mais e fazer crescer o seu dinheiro em 2021. Estes 3 livros vão ajudá-lo a vencer qualquer crise financeira na sua vida. É só clicar AQUI ou nas fotos dos livros.

Publicidade

Sobre mim: Pedro Andersson

Ir para a página "Sobre Mim"

Siga-nos nas Redes Sociais

Para si | Artigos Recentes 

COMBUSTÍVEIS | Qual é o preço justo esta semana? (22 a 28 de julho)

Qual deveria ser o preço justo? A ERSE faz semanalmente as contas para o consumidor saber qual é o preço "justo" dos combustíveis face ao preço das matérias-primas e transportes de combustível. Esse preço "justo" já inclui uma margem de retalho de cerca de 10% para as...

Casas colocadas em Alojamento Local perdem redução de IMT

As regras do IMT preveem a atribuição de uma isenção parcial desse imposto nas casas que se destinem a habitação própria e permanente e também de uma redução de taxas nas casas de habitação. No entanto, como veio esclarecer a Autoridade Tributária (AT), há regras a...

Fundo Ambiental já começou a reembolsar beneficiários

Pagamentos deviam ter começado em janeiro Os beneficiários do programa Edifícios mais Sustentáveis de 2023 do Fundo Ambiental vão finalmente ser reembolsados, segundo anunciou o Ministério do Ambiente e Energia numa nota de impresa enviada à Agência Lusa. Os...

Taxa de juro na habitação voltou a baixar em junho

Trata-se da quinta descida consecutiva da taxa de juro A taxa de juro implícita no crédito à habitação tem vindo a cair lentamente depois de ter atingido um pico em janeiro de 2024, atingindo uma média de 4,657%. De acordo com o Instituto Nacional de Estatística...

EURIBOR HOJE | Taxas sobem em todos os prazos

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

PODCAST | #259 – O que já fez para melhorar a sua vida financeira?

Estamos a meio do ano - O que já fez até agora? Chegámos a meio do ano. Normalmente, em dezembro ou janeiro decidimos uma série de coisas e traçamos objetivos que depois desaparecem como que por "magia" à espera do ano seguinte. Porquê, se hoje é um bom dia para...

Se quiser investir é melhor um PPR ou um ETF? (Mês #34 – Junho 24)

PPR vs. ETF: Qual é melhor para investir a longo prazo? Nos últimos anos, com o aumento da literacia financeira (e aqui no Contas-poupança orgulhamo-nos de fazer paret desse percurso), milhares de portugueses descobriram que os PPR podiam servir para ganhar dinheiro e...

FRAUDE | Fisco alerta para e-mails falsos com imagem da AT

Fisco alerta para e-mails fraudulentos com recurso à imagem da Autoridade Tributária A Autoridade Tributária e Aduaneira emitiu um alerta de segurança sobre mensagens de correio eletrónico fraudulentas, pedindo que sejam ignoradas. "A Autoridade Tributária e Aduaneira...

PodTEXT | Quantas vezes posso trocar de Crédito à habitação e de seguro de vida?

O podcast de sempre, agora mais inclusivo! Como a literacia financeira é um aspeto fundamental para a boa gestão das finanças pessoais, os podcasts do Contas-poupança tornam-se agora mais inclusivos e passarão a ser publicados também em texto, nomeadamente para...

EURIBOR HOJE | Taxas sobem a 3 e 6 meses e descem a 12

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

Publicidade

Artigos relacionados

28 Comentários

  1. Bruno Fernandes

    Boa noite Pedro!
    Segui atentamente o podcast e gostaria de expor uma outra visão e pedir lhe um comentário! O que diz sobre a ‘teoria’ de: “o crédito não é para se pagar… Quando morrer fica pago” Quero com isto dizer que ao contrário do que diz no podcast, ao procurar prolongar o crédito por mais tempo, terei sempre mais dinheiro disponível na carteira no momento. Tendo a clara noção que no final se paga muito mais… Mas tal como começou o podcast: “secalhar já cá não estou aos 82” e como o seguro de vida é obrigatório…. O que tem a dizer sobre isto?
    Abraço

    Responder
  2. Pedro Andersson

    Olá. A sua questão é um desafio interessante. Eu sempre pensei assim como está a dizer. Para lhe dizer a verdade, nem conhecia outra alternativa. Depende da sua perspectiva de vida. O que aprendi é que o dinheiro faz dinheiro. Por exemplo, se eu conseguir despachar a minha casa antes dos 40, (coisa que já não vou a tempo) posso usar a minha casa como garantia por outro crédito para arrendar ou para vender. Posso usar o dinheiro disponível para investir entrenato em produtos sem garantia de capital. Não tenho sempre a espada da Euribor sobre a cabeça. Não estou preocupado se deixo dívidas para os meus filhos (há um limite de idade para o seguro de vida). A partir da idade da reforma, chapéu. Se tiver uma doença após essa data já não me pagam nada (estarei dos 67 anos aos 82 com um peso em cima que ainda não imagino). Resumindo, não conheço nenhuma pessoas (nenhuma mesmo) que tenha terminado o crédito antes do tempo (amortizado antecipadamente) que se tenha arrependido. Isso deixa-me a pensar se pensamos realmente nas alternativas que temos. A mim só me ensinaram que devo fazer um crédito e cumpri-lo até ao fim até ao último dia. Estão a abrir-se janelas à minha frente e partilho. Há mais mundo (financeiro) para além do óbvio. Mas o problema começa antes como digo no episódio. Como faço um crédito para pagar até aos meus 70, 80 anos, peço o mais possível porque a prestação será mais baixa. Mas ao ser mais baixa, estico até ao limite. Ao esticar até ao limite, qualquer sobressalto (e ele vai acontecer ao longo de 40 anos) pode deitar todos os seus sonhos abaixo. Não pretendo ser o “dono da verdade”. Há muitos meio-termo nesta questão. Como referi, a minha estratégia passou a ser poupar o mais possível para o colocar a crescer 7% ao ano limpos para juntar o máximo possível para (SE EU QUISER) amortizar o crédito à habitação (todo ou em parte)e redefinir outros objetivos. Se ao ter mais dinheiro disponíivel por ter um crédito longo, pergunto-lhe se acha mesmo que as pessoas estão a poupar/investir essa diferença. Conheço duas ou 3 aves raras que fazem isso. Todos os outros que conheço têm o crédito caro e longo e ainda gastam tudo o que resta em “viver a vida”. Qualquer pedra fora do lugar no caminho e é queda certa. É para isso que pretendo alertar. Não sei se ajudei a responder à sua pergunta… É sempre possível encontrar uma solução equilibrada/flexível entre o que referi no episódio e a questão que colocou. Se o coloquei a pensar no assunto atingi o meu objetivo :). Abraço.

    Responder
  3. Ana

    Bom dia.

    Não é a propósito deste artigo mas estava a ler a secção da acumulação de descontos do livro 1 e não percebi bem. Pode esclarecer um pouco essa questão? Eu percebi que usam os cupões de desconto e tentam acumular com outros descontos e não pagam quase nada. Mas como se faz isso? Fiquei incerta porque os cupões apenas têm um certo prazo que é incompatível acumular com outros

    Responder
    • Pedro Andersson

      Se tem um cupão de desconto de 25% em detergentes, nessa semana vai procurar um detergente nessa loja que esteja com 50% de desconto para todos os clientes. Acumula :).Compra com 50% e sobre esse valor final acumula mais 25%.

      Responder
      • Ana

        Obrigada pela resposta 🙂 mas essa estratégia não é baseada em ter pura sorte? acontece ter um cupão sobre determinado produto e vou, por exemplo, ao Continente e por coincidência tenho um desconto directo que se aplica para toda a gente…

        Responder
        • Pedro Andersson

          Olá. Sim. Só usa se se aplicar. Sempre que dá uso. Mas acumulo quase todas as semanas com os cupões de 5 euros em 20 ou de 10%. Compro o que estiver em promoção com esses cupões. Maximizo a poupança.

          Responder
          • Hugo

            Bom dia Sr Pedro, pela pesquisa que efectuei este é tópico que me parece mais recente sobre crédito habitação,. Penso durante 3ste ano recorrer a crédito habitação e sair de sistema de arrendamento que não me tá trazer qualquer vantagem e muitas vezes andar com a casa às costas. Pergunto-lhe se tem algum tópico mais actualizado? Tenho dúvidas sobre que valores mínimos são necessários ter a cabeça (% de entrada por ex), se é mais vantajoso taxa fixa ou variável, e que bancos ou instituições me aconselha a começar a explorar a fim de comparar preços e condições, pois nesta fase é difícil andar de banco em banco e falar pessoalmente com funcionários. Um bem haja e obrigado pelas dicas que vai dando!

  4. Daniela

    Bom dia.
    Fala em dar de entrada o mais possível.
    Mas com 24 anos demoro pelo menos uns 10 anos a juntar os 25000 (208€ por mês). Dependentemente do ordenado estes 208€ podem já ter um peso muito grande no mês visto que há sempre rendas água luz etc para pagar.
    Será que não vale mais comprar logo casa e ir usando o dinheiro que pagamos de renda para o crédito habitação? É que na questão de pagar renda estamos sempre sujeitos ao mercado e neste momento é só ridículo os preços que se praticam.
    Aos 24 anos o seguro de vida é baixo pelo que até poderá compensar comprar casa sem uma grande entrada. É que os 10 anos de renda podem ser 10 anos a menos no CH.
    Podia fazer um episódio ao estudar este cenário (óbvio que varia consoante o salário atual e capacidade de poupança, mas seria interessante concluir em diferentes cenários possíveis e ver se realmente existe algum em que haja uma poupança efetiva )

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá Daniela. Claro que depende dos rendimentos de cada um. Um jovem que ganhe mil euros e esteja em casa dos pais, consegue por de lado cerca de 10 mil euros por ano. Se começar aos 23, aos 25 já tem 20 mil euros. Se ganha menos e tem despesas é mais difícil. Mas não se esqueça de só lhe emprestam 90% do valor da casa. Não tem muito por onde fugir… Entre arrendar e comprar casa neste momento compensa comprar, se conseguir uma casa por um preço razoável.

      Responder
  5. Vasco Grzm

    Para o comentario do chico esperto de nome ” Bruno Fernandes ” :

    Acha que alguma comapnhia de seguros o vai manter como cliente dum seguro de vida até aos 82 anos ?! Muito antes de atingir esssa idade ja o terao posto “fora” ha muito !

    A teoria “do crédito não é para se pagar… Quando morrer fica pago” faz-me lembrar o idiota do Eng Socrates que dizia : ” a divida publica nao é para ser paga , mas sim GERIDA ”

    Continue com essa mentalidade que antevejo-lhe um futuro cheio de felicidades !

    Responder
    • Bruno Fernandes

      Em resposta a si Vasco GRZM, que opta pela ofensa nada tenho a dizer. Venho para a discussão para colocar questões, ouvir opiniões e debater. Ofender não faz parte da minha forma de estar. Passe bem.

      Responder
  6. Bruno Fernandes

    Antes de mais obrigado pela análise. Posso interpretar da sua opinião que a teoria em si não está errada, tem é outras premissas que têm que ser atendidas nomeadamente o facto de a pessoa com o remanescente que tem todos os meses conseguir ter o auto controle para saber gastar e saber ser o aforrador QB que se exige. É uma questão de as pessoas reforçarem a sua literacia financeira e com essa informação serem críticos quanto à sua situação e gerirem da forma que considerarem mais pertinente para a sua vida. Concorda? 🙂
    Abraço.

    Responder
    • Pedro Andersson

      Gravei um episódio do padcast sobre a sua questão. Vou publicar nos próximos dias 🙂

      Responder
      • Bruno Fernandes

        Boa. Fico a aguardar!

        Responder
  7. Isaac Freitas

    Boa noite Sr. Pedro
    Aproveito para expôr o meu caso. Tenho um crédito habitação com spread 2.5 e tendo em atenção as campanhas actuais dos vários bancos decidi ir á CGD pedir uma proposta para transferência de crédito. Analisaram a minha situação e no fim dizem me que a minha escritura da casa, com hipoteca, está como crédito para outras finalidades e não concretamente crédito habitação (deve ter sido assim na altura para ser um processo mais rápido). Sendo assim disseram-me não ser possível fazer a transferência.
    Fui para casa e pensei: estou preso para o resto da vida neste banco… A minha pergunta então é: Não podem fazer uma transferência fazem uma aquisição… Certo? Peço desculpa e espero ter conseguido explicar a minha situação.

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá. Contacte empresas especializadas como dr finanças, decisões e soluções, reorganiza, maxfinance, etc. Talvez haja solução 🙂

      Responder
  8. Carina Leitão

    Boa tarde Pedro, concordo por inteiro com tudo o que foi dito no Podcast e, no seguimento do indicado por si, referencio-me como mais uma alternativa. Eu sou Intermediária de Crédito na CENTURY 21 Concept e também nós fazemos esse acompanhamento sem custo ao cliente que pretende comprar casa ou transferir o crédito habitação.
    Obrigada

    Responder
  9. Helena Herdadinha

    Olá Pedro.
    Agradeço os seus podcast que sempre acompanho e partilho, tal como já me autorizou.
    Aproveito para dar como referência, a Original Properties, intermediária de crédito vinculado com o número de registo 0003427 no Banco de Portugal. Dedicamo-nos ao acompanhamento dos clientes que procuram habitação, numa vasta rede de instituições financeiras, sem qualquer custo para o cliente, das melhores condições de crédito habitação. Agradeço a sua referenciação.
    Obrigado e boa continuação.
    Helena Herdadinha
    Original Properties

    Responder
  10. Patrícia Santos

    Olá,

    Desde já muito obrigada pelo excelente trabalho. Já poupei muito dinheiro só por ler e ouvir os podcasts 🙂

    Gostaria se possível se poderia falar mais sobre o porquê de os melhores anos para amortizar serem os primeiros 3/4 ou 5 anos. É o meu caso neste momento, tenho sempre feito isso mas gostaria de perceber melhor as vantagens de agora em relação a outras alturas do empréstimo.

    Li também há pouco tempo que já existe a possibilidade quando se amortiza se escolher se a redução é a nível de prestação ou a redução do nº meses/anos correspondentes ao valor amortizado. No entanto, ainda vi muito pouca informação sobre o assunto. Talvez seja um outro tema 😉

    Obrigada desde já.

    Responder
  11. Ricardo C.

    Olá Pedro,
    não sei se alguma vez já falou sobre este assunto, mas na sua opinião, é mais vantajoso amortizar e baixar a prestação ou manter a prestação e diminuir ao período. Sou da opinião que é diminuir ao período mas já ouvi muita coisa.
    Ainda esta semana contactei o meu Banco para amortizar anos ao crédito, no entanto foi recusado, sendo apenas permitido diminuir à prestação.

    Obrigado pelo excelente trabalho.

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá. Também tentei reduzir o prazo e não consegui. Eles querem os juros até ao fim e eu ver-me livre deles o mais depressa possível 🙂

      Responder
  12. Pedro Silva

    Excelentes Dicas Pedro.

    Eu sou dos casos que nao fui a tempo de ouvir este excelente resumo antes de avancar com um Processo de C.H., contudo serviu para me auto avaliar e saber o que fiz e aquilo que nao fiz.

    Verifico que as segui todas as dicas e sugestoes no 1o Processo C.H. que faco, portanto 1a Casa, 1a Compra. Sou uma pessoa que me considero sem uma grande literacia financeira e portanto aproveitei em parte os tempos livres que a Pandemia me deu para dedicar-me a ler, investigar, comparar e ler, ler bastante. Encarei que o C.H. era a “compra” mais importante que iria fazer na vida e tinha de a fazer bem feita, que tinha que fazer um bom negocio custasse o que custasse. Pois bem,

    – Fui a 7 bancos, pessoalmente e por telefone, fiz contactos varios e repetidos nalguns casos, comparei sempre todas as propostas e construí 2 excels que me ajudaram a ajustar e a comparar quase diariamente aquilo que me iam partilhando (os Bancos).
    – Sem ajuda externa, da qual nao sabia da sua inexistencia, cheguei ao que eu penso a uma boa proposta, diria talvez ate optima, para as minhas condicoes e, para o que actualmente o mercado oferece.
    – Especializei-me a ler contratos, a saber que ate a comissão de conta e/ou a taxa de manutenção ou a extinta comissão de prestação podem ser em alguns casos factores decisivos e se estamos com essa duvida, diria que que e’ uma boa duvida.
    – Custou-me 3 meses tudo isto, contudo, foi porque poderia calmamente procurar e avaliar as propostas. Decidi nao ir a um 8o banco pois o que tinha deu-me um grau de conforto e confiança suficiente para avançar.

    O único erro que talvez tenha cometido foi nao ter reduzido um pouco, ou talvez mais que um pouco, a maturidade do contrato. Tinha margem para o fazer e ainda assim ficar com um bom LTV, por isso, em boa verdade segui todas menos uma.

    Excelente Contributo. Para quem nao entendeu bem, também 3 ou 4 vezes, e também as entre-linhas!

    Responder
  13. Gonçalo Mendes

    Bom dia Pedro Andersson,

    Antes de mais, deixe-me dar-lhe os parabéns pelo contributo quem tem dado para a Literacia Financeira de todos nós.

    A propósito deste “episódio”, gostaria de saber a sua opinião relativamente ao leasing imobiliário (aquisição de casa). Em que cenário (s) considera que este produto é vantajoso e deve ser considerado?

    Muito obrigado, e por favor continue com o excelente trabalho,

    Responder
  14. João Marques

    Boa tarde,

    Imagine o seguinte cenário hipotético.
    Faltam-lhe 100.000€ pra pagar a casa e “caem-lhe do céu” esses 100.000€
    Nesta fase em que a euribor está negativa o que faria?
    1. Pagava completamente a casa para se livrar do crédito (e finalmente poder dizer que a casa é sua)
    2. Punha os 100.000 a render porque os vai conseguir transformar em 105.000€ ou 110.000€ e depois então quando a euribor ficar a zeros ou positiva pagar o que falta da casa
    3. Outra coisa qualquer 🙂

    Obrigado pelas suas partilhas e cumprimentos,

    Responder
    • Pedro Andersson

      Olá. É uma decisão pessoal. Eu podia amortizar neste momento parte do meu crédito, mas estou a aproveitar para o fazer crescer para amortizar mais tarde. Mas estou a pagar 250 euros de prestação. Ja estive a pagar 800… Amortizar neste momento não me compensa. A CGD “paga-me” 25 euros por mês…

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Partilhe o Artigo!

Partilhe este artigo com os seus amigos.