Os meus fundos de investimento – Balanço da semana #18 (12 de Novembro)




Fundos de investimento – Balanço semanal

Foi a segunda melhor semana de sempre. É o resultado da satisfação das bolsas com a vitória de Biden nos Estados Unidos e do anúncio de resultados animadores em relação às vacinas para a Covid-19.

Como começam a perceber, o que que acontece no mundo afeta bastante os seus Fundos de Investimento, uma vez que estão sustentados pelo desempenho das bolsas mundiais. Foi o caso mais uma vez.

A minha expectativa era que, se Biden ganhasse, as bolsas afundariam, mas isso não aconteceu. Como não sabia, não reforcei, nem resgatei nada, na semana que passou. Mas ainda vai acontecer muita coisa nas próximas semanas. Vou simplesmente estar atento e vou avaliando semana a semana o que fazer. Em princípio não vou mexer muito (ou nada).

Normalmente só reforço substancialmente quando as bolsas despencam. Tento manter sempre um pequeno valor das minhas poupanças “normais” reservado para essas janelas de oportunidade. Não meta logo tudo de uma vez em produtos deste tipo. Vá testando o terreno.

Esta semana o lucro que estava a ter disparou. Desde Julho, e se resgatasse hoje todos os meus “fundos Covid” teria um ganho bruto de 6,7% em 3 meses. É o que é. Podia estar a perder dinheiro neste momento. Tem os gráficos mais abaixo.

Os avisos do costume (repito esta informação em todos os artigos)

Recordo-lhe que não sou um profissional desta área. Sou um cidadão curioso que está a partilhar a experiência consigo. Não são conselhos para fazer o que quer que seja. A única coisa que tenho para lhe mostrar são resultados reais absolutamente rigorosos e sem filtros. Ganho, ganho, perco, perco. É o meu dinheiro. Não é uma conta virtual.

Como lhe tenho vindo a explicar ao longo destas semanas, qualquer lucro em Fundos de investimento pode ser temporário e as “perdas” fazem igualmente parte do percurso. Se perceber isto, nunca se sentirá enganado.

Porque faço isto

Em 2019 decidi começar a investir em Fundos de Investimento. Nunca na minha vida tinha investido em produtos sem garantia de capital. Sempre tive medo destas coisas. Mas decidi arriscar e estou aqui, como um cliente bancário “normal” a partilhar consigo a minha experiência.

Algumas pessoas criticam-me por estar a falar deste tipo de investimentos de risco sem ser profissional da área. Mas acredito que é isso mesmo que dá algum interesse a estes meus artigos. São MESMO as experiências de uma pessoa normal que está a aprender e a dizer-lhe o que estou a descobrir e o que estou a ganhar e a perder com isso. Para que você aprenda também. Depois o que você faz é consigo. Recordo-lhe que em Março estive a perder com os meus fundos (que agora estão a dar lucro) cerca de 30%, mas decidi esperar e não resgatar. Não quero que pense que isto são “rosas”.

Concluí que de facto, para fazer crescer o nosso dinheiro, em algum momento, terá de colocar parte do seu dinheiro em produtos sem capital garantido.

O que vai encontrar aqui são dados reais (os meus) e não simulações de um banco ou corretora.

Expliquei neste artigo AQUI porque estou a fazer isto, onde tem vários avisos e explicações sobre os bancos onde tenho estes fundos – que deve ler – sobre porque deve conhecer várias alternativas de investimento. Quero que perceba que, ao contrário dos depósitos a prazo, o seu dinheiro sobe e desce todos os dias. Se isso lhe faz confusão, não se meta nisto.

Quando ganhar dinheiro digo, quando perder também digo. Não lhe estou a vender nada, apenas quero partilhar informação. Nenhum artigo neste blogue é pago por ninguém. O meu objetivo é unicamente contribuir para a nossa literacia financeira.

Semana de 12 de Novembro de 2020

Comecemos como habitualmente com o desempenho semanal dos meus 3 fundos “Poupança Covid-19”.

Fundos muito positivos

Breve contexto: Em minha casa eu e a minha mulher poupámos várias centenas de euros (porque ambos continuámos a trabalhar) durante esses meses da Covid-19. Decidimos pegar nesse dinheiro e (já que seria dinheiro que seria entregue às gasolineiras, restaurantes, escolas, portagens, etc.) investi-lo com mais risco. Felizmente conseguimos dar-nos a esse “luxo”. Há famílias que devem colocar este dinheiro num Fundo de emergência (depósito a prazo) e NUNCA os colocar em produtos de capital não garantido.

Subscrevi um fundo com o que a minha mulher não gastou durante o Estado de emergência (combustíveis e alimentação = 225,75 €), outro com o que o meu filho mais velho não gastou (passes e alimentação na escola = 153,12 €) e outro com o que o meu filho mais novo não gastou (a mensalidade da escola privada baixou e não teve atividades extracurriculares = 248,26 €). A situação neste momento é a seguinte:

Esta semana

Semana anterior

Como pode verificar, todos os 3 fundos subiram bastante. Quase todos duplicaram o crescimento. Como já expliquei várias vezes, cada um tem comportamentos diferentes conforme o cabaz de ações (setores e zonas geográficas) que tem lá dentro.

Recordo que dois dos fundos são em moeda estrangeira (dólares americanos e dólares canadianos) por isso tenho de fazer as contas ao câmbio. O banco faz essas contas por mim e estão no gráfico abaixo.

Em resumo, 18 semanas depois, na média dos 3 fundos ESTOU A GANHAR DINHEIRO, como poderá ver no gráfico.

Se resgatasse hoje os fundos que subscrevi no início de Julho, ganharia 41,82 € brutos. É 68 vezes mais do que o mesmo dinheiro num depósito a prazo ao fim de um ano.

Ao resgatar, teria de descontar no ano que vem 28% para o IRS anexando o Modelo respectivo de rendimentos no estrangeiro, ou de taxa liberatória retida na fonte se forem fundos nacionais (nos depósitos a prazo seria exatamente a mesma coisa). Não é melhor nem pior na questão de impostos. Só paga o devido de forma diferente (no IRS, no ano seguinte ao resgate).

Se um dia subscrever Fundos de Investimento pela primeira vez escolha em euros para ter uma leitura mais fácil para si e siga as instruções dos gestores de conta profissionais do banco ou corretora.

No total dos 3 fundos, no dia 16/07/2020 subscrevi 627,13 € e se os resgatasse neste momento devolviam-me 668,95 €.

Se acha que são valores pequenos, só tem de multiplicar por 10. Se tivesse investido 6.200 euros nos mesmos 3 fundos, teria, passados 4 meses e uns dias, mais 410 euros brutos. E agora na loucura, se multiplicasse por 100 (ou seja, 62 mil euros) teria em 4 meses 4.100 euros para ir levantando e gastando. Mas se estivesse a perder, também seria na casa dos muitos milhares de euros. É isto que eu quero que percebe MUITO BEM logo desde o início.

É por estas contas que costumamos dizer que os ricos ficam cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres. É que o dinheiro deles faz dinheiro. O nosso, numa conta a prazo, não. Só isto. Assim que alguém consegue chegar ao patamar das dezenas de milhares de euros e começa a investir começa logo a notar a diferença. Para cima e para baixo.

Ou seja, é desta forma que pode colocar o dinheiro a trabalhar para si. Tendo dinheiro (poupando-o e investindo-o) pode ao longo do tempo viver melhor.

Por exemplo, poderia hoje, caso precisasse, levantar 400 euros e deixava lá o resto a continuar a render. E sempre que estivesse a ganhar 400 euros levantava esse valor. É uma estratégia. No meu caso, a intenção é deixar lá o dinheiro para render o máximo possível ao longo dos próximos anos.

Repito o alerta de sempre que esta estratégia é APENAS para uma pequena parte das suas poupanças a que se possa dar o “luxo” de perder. Não têm capital garantido.

Se na altura em que precisar desse dinheiro os seus Fundos estiverem negativos, o “segredo” é fazer de conta que esse dinheiro não existe e gasta, sim, do seu bolso. E espera que recuperem. Isto quase não tem mais ciência nenhuma.

Os meus outros fundos

Tenho um fundo “principal” que tento reforçar todos os meses, independentemente do que estiver a acontecer nas Bolsas. Sempre que posso subscrevo duas unidades (é o mínimo, de acordo com as regras deste fundo). Interessa-me o longo prazo e não o curto prazo. Veja como está esta semana:

Como pode ver, a unidade que tem vindo a crescer mais (que subscrevi a 13 de Março) voltou esta semana aos 40% (igualou o máximo de sempre, a 12 de Outubro).

A unidade que subscrevi no dia 2 de Outubro (há cerca de 1 mês) esteve em terreno negativo, mas hoje está a crescer 3,88%. Faz parte do dia a dia de quem investe em Fundos de Investimento.

O outro fundo que mantenho neste banco, está no valor mais alto de sempre. Está atualmente a ganhar 17%. Se eu tivesse uma estratégia de curto prazo aproveitaria para resgatar hoje. Nos próximos dias vai descer certamente.

NOTA PERMANENTE: Recordo que se resgatar um fundo, o banco começa pelas unidades mais antigas. Não posso dizer que quero resgatar “aquela” dos 30 e tal por cento. É a regra do “first in, first out” (o primeiro a entrar é o primeiro a sair). Também deve perceber isto desde o princípio. Não pode escolher. Mas não tem de resgatar o fundo TODO. Pode ser só metade ou um terço ou um determinado valor e eles fazem as contas. Ou pode resgatar um fundo que está a dar lucro e deixar lá os que estão a dar prejuízo.

Pode investir pequenas poupanças. Não é preciso ser rico para ter um fundo de investimento (bastam 15 ou 20 euros, outros “custam” 100, 200 ou 300 euros). No print screen acima tem lá os valores que investi.

Cada fundo, sua rentabilidade

Nestes outros fundos, noutro banco, todos quase duplicaram o a rentabilidade esta semana. Mesmo o que estava muito negativo está agora mais próximo do zero.

O fundo “melhor” neste momento está a crescer 18,88% e o “pior” está negativo -1,94% (menos negativo do que na semana passada). Repito, todos estes fundos NÃO TÊM garantia de capital. O que vou fazer com o que está negativo? Nada. Vou continuar a esperar.

Esta semana

Na semana passada

Quando resgato?

Pode ter duas estratégias: ou resgata sempre que atingir o seu objetivo em termos de juros ou decide manter vários anos à espera que (apesar do sobe e desce) vá sempre subindo ano após ano durante 10, 20 ou 30 anos.

Outra dúvida que as pessoas têm é se o que cresce este ano acumula com o crescimento do ano que vem. Sim e não. Não acumula no sentido em que fica fechado o que cresceu este ano e começa outra vez do zero a 1 de Janeiro. Não é assim que funciona.

O fundo cresce (ou desce) em relação ao dia em que o subscreveu. Depende dos valores em bolsa de cada uma das empresas que fazem parte de cada fundo. Se elas cresceram em relação ao dia em que subscreveu vai ganhar (ou perder) a diferença face ao dia em que resgatar.

Pode ter um fundo que cresceu 10% ao ano ao longo de 10 anos (ou seja, duplicou o investimento) e apanha uma “pandemia” no ano 11 e de repente volta a estar negativo e perdeu todo esse “crescimento”. Também pode subscrever este ano e estar a ganhar 15% no ano que vem. Só você é que pode decidir o que fazer com o que estiver a ganhar a cada momento. Está sempre tudo à distância de um clique no computador.

Volto para a semana com mais um balanço.

Veja neste vídeo como subscrevi os meus fundos.

Avisos

Nunca deve ver a minha carteira de investimentos ou o que eu digo como um conselho sobre como e onde deve investir ou que fundos deve escolher. Há milhares de fundos. 

Não tenho qualquer formação financeira e sou um simples cliente bancário com muita curiosidade. Quando quiser subscrever fundos pela primeira vez deve contactar um gestor especializado no seu banco ou corretora. Nunca invista dinheiro de que vai precisar para outros fins. Pode perder dinheiro, se precisar levantá-lo numa altura em que estiver com valores negativos e não puder esperar meses ou anos até que eles recuperem.



Acompanhe-nos AQUI

4 comentários em “Os meus fundos de investimento – Balanço da semana #18 (12 de Novembro)

  1. Avatar
    Bruno fernandes Reply

    Boa noite Sr. Anderson.
    Tenho estado a acompanhar a sua experiência, ao ponto de ter aberto uma conta no activo Bank e consciente de todos os riscos tou a pensar investir em fundos em valores pequenos, 200 300 euros mês, mas tou com uma dúvida em relação aos custos e encargos, para perceber melhor dou o exemplo de um fundo do activo Bank, PICKER-WATER R EUR.
    Em relação as comissões está claro 2.8% indirectos depois em baixo na documentação fundamental para investidores tem mais 2.7% de encargos correntes até aqui tudo bem, o que me está a fazer confusão são na informação de custos e encargos, em que tem uma simulação de custos num valor inicial equivalente a 10mil euros em que fala em percentagens no caso de venda após 1 3 e 5anos. Se me conseguir ilucidar que valores são estes agradecia lhe.

    Cumprimentos
    Bruno

    • Pedro Andersson
      Pedro Andersson Post authorReply

      Olá Bruno. Parabéns por ler as letras miudinhas :). Tem de ligar para o banco e perguntar. Há milhares de fundos… Eu só conheço os meus. Na minha fin dizia que tinha algumas comissões, liguei e esclareceram-me que eram valores máximos, mas que cobravam zero. Só falando com um gestor de conta. Se tiver dúvidas, não faça 🙂

  2. Avatar
    António Alves Reply

    Caro Pedro,

    Referiu, no artigo de 16 de julho, que fui ler, que tem os fundos no ActivoBank, que não cobra comissões, e no Banco Best, que também não cobra, mas que não usa este para o dia-a-dia, porque cobra anuidades pelos cartões.
    Vi no site deles e, para o cartão de débito, não cobra.
    Estava-se a referir a cartão de crédito, ou a situação alterou-se, entretanto?
    Gostaria que me confirmasse.
    Obrigado.
    Alves

    • Pedro Andersson
      Pedro Andersson Post authorReply

      Olá. Decidiram agora oferecer a anuidade do cartão de débito no primeiro ano, creio. Basta ver o preçário deles. Está na página deles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *