Painel solar fotovoltaico – Balanço Janeiro de 2020 (mês 38)



Balanço do mês de Janeiro de 2020

Foi um mês mau, se compararmos com o mesmo mês do ano passado e o de há 3 anos. Foi o pior mês de Janeiro até agora. Recordo a quem chegou agora ao blogue que instalei um painel solar fotovoltaico (que produz eletricidade) em 2016. Gastei na altura 620 euros (painel mais instalação completa) e estou mensalmente a fazer as contas para perceber se foi ou não um bom investimento.

Partilho estas minhas contas porque sei que há muita falta de informação sobre o tema dos painéis solares (muitos acham que é muito caro ou que é muito complicado) e sobre as contas que devem fazer para avaliarem se compensa no vosso caso. Assim têm contas reais (e não as que fazem nas publicidades e as dos vendedores).

Os números

O painel solar (só tenho um) produziu em Janeiro 19,874 kWh. Para ter uma noção do que isso significa digamos que dá para aspirar a casa durante quase 20 horas de “graça”. Para perceber como funciona a sua fatura de eletricidade, 1 kWh são 1.000 W. Se o seu aspirador é de 1.000 W e ele estiver a aspirar sem parar durante uma hora, significa que consumiu 1 kWh e por isso vai pagar cerca de 20 cêntimos de eletricidade (com IVA e taxas).

É certo que produziu mais do que em Dezembro, mas pouco mais, como podem ver no gráfico abaixo.

Aqui pode ver o dia a dia. Como poderá verificar está a ser um Janeiro “normal” com vários dias de chuva. Recordo-me que por esta altura no ano passado havia dias de quase Verão e todos se queixavam de falta de chuva. Agora não é o caso.

As contas

O que o painel fotovoltaico de 250 W produziu em Janeiro representou 3,65 € de poupança na minha fatura da luz, se tivesse consumido tudo o que o painel produziu no mês passado. O preço do meu kWh atualmente é tarifa simples de 0,1839 (com IVA). Ou seja, teoricamente poupei mais 10 cêntimos do que em Dezembro.

Devo sublinhar (como faço sempre em todos os artigos) que tem de compreender que tudo o que eu não consumir no exato momento em que o painel produz a eletricidade, tudo o que “sobra” é oferecido à rede elétrica nacional a custo zero.

Por isso é que é tão importante que não compre uma quantidade de painéis que produzam mais eletricidade do que aquela que consome durante as horas de sol. Se não tem ninguém em casa a essas horas ter mais do que um painel pode ser um desperdício absoluto.

Se vai perguntar porque não tenho baterias, repito que são muito caras (cerca de 5 mil euros) e que para recuperar o investimento demoraria décadas. Não estou disposto a isso.

Na foto abaixo pode ver os 3 painéis de um cidadão absolutamente normal que tem sempre gente em casa e para quem instalar um quarto painel é um excelente investimento. Veja ou reveja a reportagem com o caso dele.

Pode ver ou rever a reportagem que fiz sobre como deve fazer as contas AQUI. Tem muita informação útil.

Abaixo tem a evolução da produção ao longo dos últimos meses e a respectiva poupança.

 

Se tivesse consumido tudo o que o painel produziu teria já poupado até agora 247,60 €. Volto a sublinhar que gastei 620 euros no painel e instalação, em 2016. O retorno do investimento está neste momento em cerca de 8 anos. Agora já consegue o mesmo ou melhor por cerca de 500 euros. Como não gasto tudo o que produzo, estimo uma perda para a rede de 25%. Portanto, no meu caso o retorno do meu investimento será em cerca de 10 anos. Este prazo parece estar estabilizado.

Na minha opinião – que vale o que vale –  todos os portugueses com um telhado virado a sul deveriam ter 1 painel solar. Se depois vale a pena ter 2, 3 ou 6, ou 20 é outra conversa, como explico na reportagem. Faça muitas perguntas num instalador perto de si e informe-se. Não é tão complicado como pensa.

Termino com um gráfico que achei interessante. São 3 dias seguidos, cada um com uma produção diferente. Tem aqui um exemplo de um dia mau (com chuva e nuvens), um dia mais ou menos e um dia excelente em que o painel produziu o máximo que tecnicamente poderia nesta altura do ano.

É isto que deve esperar se decidir comprar um painel solar e começar esta aventura de autoconsumo de energia solar. Até agora não estou nada arrependido. Mas tem de fazer as contas ao seu caso. Se não percebe nada disto explico-lhe apenas que é só instalá-lo no telhado e ligar o fio que sai do telhado a uma tomada lá de casa, como se fosse um frigorífico.

Tem aqui o vídeo com a instalação do meu painel, caso ainda não tenha visto.



Acompanhe-nos AQUI

NOVO LIVRO “CONTAS-POUPANÇA” 34 dicas para poupar muito mais e fazer crescer o seu dinheiro em 2019. É um livro que se paga a ele próprio apenas com uma dica. Se quiser conhecer também as dicas que demos nos primeiros 5 anos de programa, pode adquirir o livro “Contas-poupança I”. É só clicar AQUI ou nas fotos dos livros.

13 comentários em “Painel solar fotovoltaico – Balanço Janeiro de 2020 (mês 38)

  1. Avatar
    Hugo Durães Reply

    Boa tarde,
    hoje falei com uma empresa para instalar painel fotovoltaico e eles insistem que no mínimo tenho de instalar 4 ou 5 para ter rentabilidade, menos do que isso não fazem instalação. Li neste blog que devemos começar com 1 e acrescentar se valer a pena mas não me parece fácil arranjar uma empresa que venha instalar só 1. Eu moro na Maia, conhecem alguma empresa que instale só 1?
    Cumps
    Hugo Durães

  2. Avatar
    Rita Reply

    Bom dia,
    Como escolheu a empresa para fazer a instalação?
    Fiz uma pesquisa online, e muitas pareceram-me banha da cobra.
    Obrigado,
    Rita

  3. Avatar
    Joana Batalha Reply

    Para quem só tem telhados virados a nascente/poente, será que compensa? Obrigada

  4. Avatar
    Tiago Reply

    Pedro, é possível que já lhe tenham questionado isto: O painel fotovoltaico deu-lhe alguma melhoria substancial no certificado energético? Daquelas que depois dão benefícios de isenção de IMI caso suba dois níveis…

  5. Avatar
    Manuel Gonçalves Reply

    Para nao estar a pagar a energia que é produzida e não é consumida, tem que ser substituído o contador.
    O problema é que a EDP Distribuição, demora uma eternidade a proceder a essa substituição, e só depois da comunicação no portal do autoconsumo.

  6. Avatar
    R.Seixas Reply

    Depreendo que o “usufruto” só se verifica durante o dia , e claro se houver condicoes. Portanto só cobrirá consumo electrico nessa parte do dia., isto é, na maioria dos caso cobrirá apenas o consumo de frigorificos…

  7. Avatar
    Teixeira Reply

    Foi-me dito por um técnico que, ao lançar na rede aquilo que não é gasto, no contador também conta como se fosse consumo. O contador não anda para trás! Pedro, sabe alguma coisa acerca disto?

    • Avatar
      deSousa Reply

      Se for um contador antigo de roda posso garantir que anda ao contrário (gerando crédito).

  8. Avatar
    David Domingues Reply

    Falta explicar que independentemente de ter produzido 19kw em janeiro e ser o equivalente a 20 horas de aspiração da casa, na realidade, nunca poderia ter usufruir gratuitamente destas 20 horas de aspiração. O painel tendo um máximo de energia produzida em 250wh, não consegue suportar em o consumo de um aparelho de 1kwh. Assim tera sempre de pagar parte do consumo. Foi o que percebi das minhas leituras.

    • Avatar
      deSousa Reply

      O painel só pode suportar o consumo instantâneo de um aparelho tendo em conta o que está a produzir no momento. Se ele está a produzir 200W e a casa à consumir 500W por exemplo, está a consumir na realidade da rede apenas 300W (500-200=300)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *