VÍDEO – Recorra aos Centros de Arbitragem se tiver um problema com uma empresa

Escrito por Pedro Andersson

12.12.19

}
6 min de leitura

Publicidade

Tem um problema com uma empresa?

Pode resolvê-lo. E a custo zero (ou paga 12,5 €). Se tem um conflito com uma empresa e não consegue resolver deve recorrer imediatamente a um Centro de Arbitragem. É para isso que eles servem. Estou a falar de QUALQUER produto ou serviço até 5.000 €.

Vou dar alguns exemplos de situações que eles podem resolver:

  • Faturas erradas ou injustas (na sua opinião)
  • Roupas estragadas/perdidas numa lavandaria
  • Contratos que não fizemos e que nos estão a cobrar
  • Não respondem a reclamações e não há uma decisão
  • Penalizações por quebra de fidelização
  • Garantias não assumidas pela loja
  • Produtos com defeito
  • Prazos não cumpridos
  • Encomendas não entregues ou danificadas
  • Etc.

Obviamente deve sempre tentar sempre primeiro resolver os seus problemas com a empresa, mas se isso não está a funcionar, recorra aos Centros de Arbitragem.

O que são os Centros de Arbitragem?

Há 12 Centros de Arbitragem de Conflitos de Consumo em todo o país e todo o país está coberto por eles, mesmo que viva na aldeia mais isolada do país. Se não encontra um perto de si neste mapa, não se preocupe. Há um nacional que abrange todo o território. Trata de tudo online.

Há vários anos falei destes centros, mas havia um problema. As empresas podiam recusar ir lá. Mas a lei mudou e neste momento nenhuma pode recusar ir perante um juiz arbitral.

Quanto pago?

Na maior parte dos casos não vai pagar nada. Portanto, só não resolve o seu problema se não quiser. É verdade que vai ter de ter algum trabalho mas pode evitar pagar faturas de centenas de euros (se for uma fatura injusta ou errada) ou andar a perder tempo em discussões com uma empresa sem nenhum resultado.

Na reportagem desta semana do Contas-poupança, fomos gravar uma sessão no TRIAVE, Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo em Guimarães. É um dos tais 12 centros de arbitragem espalhados pelo país.

O caso confrontava Francisco Pereira e uma empresa de telecomunicações. O consumidor contratou um pacote de TV, NET VOZ mas diz que não conseguia ver os canais na televisão. Chegou uma fatura de mais de 100 euros com a soma dos 3 meses que não pagou porque achou injusto pagar um serviço que não tinha tinha usufruído. Fez queixa no centro de arbitragem.

As duas partes apresentaram os respectivos argumentos e, passados alguns minutos, chegaram a um acordo. Em vez de pagar 108 euros, acabou por pagar apenas os consumos do telefone. A empresa abdicou do valor dos canais de TV e dos consumos de internet porque o senhor Francisco garantiu que não usa internet. Vai pagar então os 34 euros que o cliente reconhece que consumiu no telefone. Todos sairam satisfeitos.

Este é apenas um de milhares de exemplos que todos os anos são tratados pelos centros de arbitragem. Se tem um caso assim, não tem nada a perder.

Até recentemente, só as empresas das áreas dos serviços públicos essenciais é que eram obrigadas a ir a estes centros de arbitragem. Estávamos a falar de telecomunicações, eletricidade, água, gás, correios e alguns outros. Mas se tivesse um conflito com uma lavandaria, um pronto a vestir ou um restaurante eles podiam recusar se quisessem. Agora, já não podem recusar.

E se não forem, o juiz decide na mesma. Antes o caso era arquivado. Assim tem sempre uma solução garantida (mesmo que não seja a seu favor).

Ir para um tribunal normal tem custos muito elevados. Nestes centros de arbitragem não paga nada, ou no máximo cerca de 10 euros, nos casos de Lisboa e Algarve. Para casos mais complexos a partir de 2 mil euros, poderá pagar no máximo 40 euros a dividir pelas duas partes. Como vê, é muito diferente de ir para um tribunal normal. E o resultado é o mesmo. É uma sentença legal.

A única excepção são as agências de viagens, que devem resolver os conflitos junto do provedor da APAVT.

Estes são os 12 centros de arbitragem que existem em Portugal. O mapa está na página da Direção Geral do Consumidor. Tem AQUI o link.

Se não tem um perto de si, há um pelo menos que abrange todo o territóirio nacional. Ninguém fica de fora mesmo que more na aldeia mais recôndita do país. Todos os centros têm uma página com um formulário onde pode apresentar a sua queixa online. Preenche com os seus dados e explica a situação e depois é só esperar ser contactado. Também pode ir presencialmente a um centro ou pedir ajuda na sua Câmara Municipal. Tem AQUI o Formulário.

Os consumidores não devem ter medo de usar mais este direito. Qualquer caso apresentado nestes Centros de Arbitragem é resolvido no máximo em 3 meses, mas a média tem sido 45 dias.
A percentagem de resolução de conflitos é de 97%. Volto a sublinhar que resolver não significa necessariamente dar razão ao consumidor. Às vezes as empresas também têm razão. Os consumidores também têm deveres e devem ler bem antes o que assinam.

Da próxima vez que tiver um conflito com uma empresa, grande ou pequena, lembre-se dos centros de arbitragem. É um direito seu.

Pode ver ou rever a reportagem em vídeo neste link na página da SIC Notícias:

https://sicnoticias.pt/programas/contaspoupanca/2019-12-11-Saiba-como-agir-caso-tenha-um-conflito-com-uma-empresa

 

Já conhece o PODCAST? Subscreva!



Acompanhe-nos AQUI

NOVO LIVRO “CONTAS-POUPANÇA” 34 dicas para poupar muito mais e fazer crescer o seu dinheiro em 2019. É um livro que se paga a ele próprio apenas com uma dica. Se quiser conhecer também as dicas que demos nos primeiros 5 anos de programa, pode adquirir o livro “Contas-poupança I”. É só clicar AQUI ou nas fotos dos livros.

Registe-se AQUI para receber a Newsletter do Contas-poupança.

(Todas as dicas da semana num só e-mail).

 

Publicidade

Sobre mim: Pedro Andersson

Ir para a página "Sobre Mim"

Siga-nos nas Redes Sociais

Para si | Artigos Recentes 

Como compro lombos de salmão mais baratos do que fiambre

Como comprar lombos de salmão com 65% de "desconto" As saudades que eu tinha de escrever um artigo sobre as minhas poupanças diárias… Como sabem, a minha estratégia de poupança é ter sempre o melhor possível pelo preço mais baixo. Nunca é a poupança dos “coitadinhos”....

ATENÇÃO – Já só tem uma semana para entregar o IRS (ou para o corrigir)

Prazo acaba a 30 de junho - Evite as multas O prazo para entrega do IRS termina no dia 30 de junho. Falta uma semana. De acordo com o Portal das Finanças, até este domingo já foram entregues cerca de 5 milhões e 600 mil declarações (5 615 814). Em comparação com o...

Oficial – Parlamento aprovou o fim de portagens nas ex-SCUT

Abolição das portagens nas ex-SCUT a 1 de janeiro de 2025 É oficial. O Parlamento aprovou em votação final global a proposta do PS para eliminar as portagens nas ex-SCUT e nos troços "onde não existam vias alternativas que permitam um uso em qualidade e segurança". O...

PodTEXT Vamos a Contas | Onde devo investir se já estou perto da reforma?

O podcast de sempre, agora mais inclusivo! Como a literacia financeira é um aspeto fundamental para a boa gestão das finanças pessoais, os podcasts do Contas-poupança tornam-se agora mais inclusivos e passarão a ser publicados também em texto, nomeadamente para...

PodTEXT | O que é o movimento FIRE – É possível refomar-se mais cedo?

O podcast de sempre, agora mais inclusivo! Como a literacia financeira é um aspeto fundamental para a boa gestão das finanças pessoais, os podcasts do Contas-poupança tornam-se agora mais inclusivos e passarão a ser publicados também em texto, nomeadamente para...

EURIBOR HOJE | Taxas descem a 3 meses e sobem a 6 e 12

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

COMBUSTÍVEIS | Preços na próxima semana (24 a 30 de junho)

Preços dos combustíveis na semana que vem A informação dos preços dos combustíveis é baseada nos cálculos que têm em conta a cotação nos mercados internacionais e outros fatores considerados na formação do preço dos combustíveis em Portugal. São dados que recolho...

Isenção de IMT e Imposto de selo para jovens até aos 35 anos – O que já se sabe?

Lei já foi publicada em Diário da República Foi publicada esta quinta-feira em Diário da República a Lei (está aqui) que autoriza o Governo a avançar com a isenção do IMT e do respetivo Imposto de selo para jovens com idade igual ou inferior a 35 anos, na compra da...

EURIBOR HOJE | Taxas descem em todos os prazos

Euribor Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um impacto direto na sua prestação do crédito à habitação, são um indicador precioso para perceber a tendência...

Maiores de 35 anos podem aceder a isenção de IMT se comprarem casa com um jovem

Isenção de impostos também beneficia maiores de 35 anos Há cerca de três semanas, o Governo aprovou em Conselho de Ministros diversas medidas para facilitar a compra de habitação aos jovens até aos 35 anos. Entre elas, além da garantia pública de até 15% do valor do...

Publicidade

Comentar

Siga-nos nas redes sociais

Artigos relacionados

2 Comentários

  1. pedro

    Bom dia Sr Pedro Andresson,

    Por acaso já utilizei este recurso,
    Mas proponho se possível que esclareça se há um para resolver pequenos actos administrativos perante o Estado ou algum organismo do mesmo para valores ou actos simples.
    Sem custos ou com custos reduzidos.

    Com os melhores cumprimentos,
    Pedro

    Responder
  2. Ricardo

    Bom dia Sr. Pedro,

    Infelizmente já tive que utilizar este recurso quando mudei de casa, devido a problemas com a Vodafone. Mas não aconselho utilizarem, obtive uma resposta tardia e negativa, sem qualquer fundamento ou argumento válido. Uma vez que até a Anacom tem informações bastantes claras sobre as exceções em casos de mudança de morada.
    E quando questionei de modo a tentar perceber os argumentos utilizados para tal decisão, obtive uma resposta que estava decidido e ponto final.

    Não aconselho vivamente, a utilização destes centros. Parece-me mais virado para os interesses das empresas do que os interesses dos cidadãos.

    Responder

Trackbacks/Pingbacks

  1. Bancos não podem subir juros às famílias com créditos em moratória - […] Leia também: Como funcionam os Centros de arbitragem de conflitos de consumo […]

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Partilhe o Artigo!

Partilhe este artigo com os seus amigos.