Painel solar fotovoltaico – Balanço Março de 2019 (mês 28)


Balanço do mês de Março de 2019

Já começo a notar a diferença com o aproximar do Verão.

De Fevereiro para Março, a produção de eletricidade do meu painel solar subiu quase 45%. Graças ao sol, claro.

O painel fotovoltaico de 250 W produziu quase 42 kWh (foram 29 kWh em Fevereiro). Representa 7,66 € de poupança na fatura da luz, se tivesse consumido tudo o que o painel produziu no mês passado.

Painel solar fotovoltaico

As contas

Em Março, o painel solar fotovoltaico produziu 41,653 kWh. Simplificando, daria para aspirar a casa sem parar de “graça” durante 27 horas (com um aspirador de 1500 W). Claro que não funciona assim. É só para terem uma noção do que um painel de eletricidade produz.

Foram assim os dias de Março.

Como podem ver acima, os dias começam a ser muito mais “iguais” com menos variação do que nos meses anteriores de Inverno. A média de produção diária é de 1,5 kWh, ou seja, 1.500 W desde as 8 da manhã à 7 da tarde.

A seguir pode ver o gráfico com o total de eletricidade produzida mensalmente. Estamos a entrar nos meses de maior produção do ano. Vamos aguardar.

Por curiosidade, repito o gráfico diário de um dia “perfeito” sem nuvens. às 8 da manhã começa a produzir poucochinho à medida que o sol nasce, atinge o pico (que nunca chega aos 250 W, e depois vai descendo até chegar ao zero por volta das 7 da tarde.

E o desconto na fatura?

Estas são as contas de Março de 2019. Se tivesse consumido tudo o que o painel produziu teria poupado na fatura da luz exatamente 7,76 euros (já com IVA).

Nestes 28 meses (já passaram mais de 2 anos) teria poupado 186,13 euros. Como investi 620 euros no painel e na instalação, neste momento o retorno do investimento continua nos cerca de 8 anos.

 

Compensa comprar um painel solar?

Como não consumo tudo o que o painel produz (porque não estou em casa durante o dia durante a semana), tenho estimado o meu desperdício para a rede em cerca de 25%.

Assim, o retorno real  (o chamado break even) continua pelas minhas contas perto dos 10 anos (reais). Depois de passado esse tempo, o painel estará pago e terei pelo menos mais 15 anos de “lucro”. Veremos se é assim. Mensalmente continuarei a fazer aqui o balanço.

Recordo também que há leitores que me dizem que já conseguem comprar painéis solares fotovoltaicos de 250 W com tudo incluído e pronto a funcionar por menos de 500 euros. Aí o retorno é muito mais rápido. Quando comprei eram mais caros (e os 620 euros incluem a instalação e equipamentos adicionais que adquiri).

Para os que chegaram agora ao blogue, relembro que como não tenho baterias, tudo o que não consumir em tempo real é oferecido à rede. As baterias são demasiado caras para mim. Com baterias, todo o sistema fica em cerca de 5 mil euros.

Até agora, não tive nenhuma avaria nem precisou de qualquer manutenção. Sempre que tenho ido ao telhado o painel está limpo e neste 2 anos só o limpei uma vez com um paninho porque tinha alguma poeira acumulada.

Acompanhe-nos AQUI

NOVO LIVRO “CONTAS-POUPANÇA”

34 dicas para poupar muito mais e fazer crescer o seu dinheiro em 2018.

É um livro que se paga a ele próprio apenas com uma dica.

Se quiser um resumo claro e prático das dicas que demos nos primeiros 5 anos de programa, pode adquirir o livro “Contas-poupança I”.

É só clicar AQUI abaixo.

Registe-se AQUI para receber a Newsletter do Contas-poupança.

(Todas as dicas da semana num só e-mail).

 



Acompanhe-nos AQUI

NOVO LIVRO “CONTAS-POUPANÇA” 34 dicas para poupar muito mais e fazer crescer o seu dinheiro em 2018. É um livro que se paga a ele próprio apenas com uma dica.


11 comentários em “Painel solar fotovoltaico – Balanço Março de 2019 (mês 28)

  1. Avatar
    Carlos Campos Reply

    Caro Pedro Andersson;
    Estes dados são referentes ao “Balanço do mês de Março de 2019”, mas o título de busca não aparece o mês de Março de 2019!
    Mas sim este título;
    “Painel solar fotovoltaico – Balanço Fevereiro de 2019 (mês 28)
    ESCRITO POR PEDRO ANDERSSON EM 14 ABRIL, 2019 COM 10 COMENTÁRIOS”
    Existe uma Gafe, …
    Cumprimentos,

  2. Avatar
    Carlos Campos Reply

    Olá Pedro Andersson;
    Quando nos presenteia com os dados relativos ao mês de Abril?
    Estamos (todos com certeza!?) curiosos, pois o mês de Abril foi um pouco o ditado popular, “Abril águas mil”, de certeza que a produção foi inferior neste mês, em relação ao mês de Abril de 2018.
    Até breve.
    Bem-haja.
    Cumprimentos,

  3. Avatar
    Carlos Campos Reply

    Prezados (as);
    Cara Victoria Morais,
    Não se arrependa de ter um sistema solar térmico, independentemente da tecnologia ser Termossifão ou Forçada.
    Se o sistema estiver bem montado, bem orientado a Sul, e com uma inclinação no mínimo de 40°, máximo 47°, de boa marca, então só pode obter bons resultados!
    Mas para isso, terá de utilizar todos os dias do ano as AQS, senão deixa de ser eficiente em termos de poupança vs utilização.
    Quem optar por estas tecnologias de SOLAR Térmico, não deverá nunca investir em utilização SAZONAL.
    Além disso, TODOS os fabricantes, para poderem atribuir as garantias, com comprovados defeitos de fabrico, os sistemas após a montagem, têm um período de manutenção vs vistorias.
    Sejam 6 anos, 10 anos, etc.
    Os valores de manutenção rondam entre os 70€ a 100€ anuais. Isto se fizer um contracto de manutenção, com uma empresa fidedigna, e, na sua área de residência.
    Esta avença anual, deverá cobrir todas as deslocações e mão de obra, necessárias à manutenção do sistema, incluíndo o GLICOL, pelo menos um enchimento do sistema por ano.
    Não contempla os acessórios ou equipamentos necessários em caso de avaria, e fora da cobertura no âmbito das garantias.
    O seu sistema Solar Térmico, foi adquirido em 2009, no âmbito do programa do Governo, designado por MST2009, Medida Solar Térmica 2009?
    Se sim, obteve um óptimo desconto com o apoio dos impostos das empresas e dos trabaladores portugueses.
    O valor atribuído como “fundo perdido” foi de: 1.641,70€
    Fica este alerta e informação adicional, que o investimento em Solar Térmico, (Colectores Solares) é quase sempre (>98%) um óptimo investimento.
    Cumprimentos,

  4. Avatar
    Carlos Campos Reply

    Boas para todos,
    Não sendo o Pedro Andersson, vou responder na tentativa de ajudar em algumas questões,…
    Caro David,
    se ler o DL153/2014, irá obter todas as respostas.
    Caro Daniel,
    não há ainda nenhuma reportagem digna de ser interpretada pelo comum do cidadão, como sendo elucidativa e isenta de quaisquer interesses!
    Julgo que o Pedro Andersson, esteja a preparar algo do género para os próximos tempos, seja sobre solar fotovoltaico, solar térmico, e bombas de calor vs Caldeiras de Condensação.
    Cara Victoria Morais,
    Os “painéis” a que se refere, são para aquecimento de AQS-águas quentes sanitárias.
    Esta tecnologia, deverá ter manutenção anual, quer seja para os sistemas de Termossifão, quer seja os sistemas com tecnologia Forçada. Estes necessitam de ser vistoriados pelo menos uma vez por ano, para ver se existem fugas de Glicol, roturas, verificação de estado do Ânodo de Magnésio, etc.
    Normalmente, e únicamente por falta de informação técnica, e linguagem correcta, é chamado de painel solar, quer seja a tecnologia fotovoltaica quer seja a térmica.
    O correcto é:
    Módulo Fotovoltaico = Produção de energia eléctrica em DC-electricidade contínua.
    Colector Solar = Produção de águas quentes sanitárias, AQS.
    Sendo que neste último, Colector Solar, existem com tecnologias em vidro=Colector Selectivo Plano e Tubos de Vácuo. Mas também Colectores Solares em formato tubagem, entre outros modelos normalmente disponíveis nos mercados nacional e internacional.
    Caro José Dinis,
    O que pretende informar-nos é, o chamado de “Net Metering”, um contador Bidirecional que conta a energia nos dois sentidos, produção e consumo, e depois fazem um encontro de contas.
    Esta Lei, existe há muitos anos na Alemanha, mas também no Brasil, etc.
    Restante Europa, é um problema os governos tentarem “impôr” estas regras, porque existem muitas outras EDP’s, que, como todos sabemos, são um estado dentro do estado!
    Vamos esperar sentados, para ver se há algum governo da nossa República que se digne a forçar a implementação do NET METERING, que, não é mais do que uma justa regra de princípios!!
    Espero ter ajudado.
    Cumprimentos,

  5. Avatar
    victoria morais Reply

    tenho 2 painéis solares, mas não sei se valeu a pena, pois o que economizei na energia, acabo por gasta-lo na manutenção . Pois tem que ser feita e por vezes é muito cara. Eu francamente arrependi-me de os pôr. V. Morais

  6. Avatar
    Rui Correia Reply

    Boa tarde Pedro Andersson,
    Corrija-me se estiver errado, mas parece-me que neste momento já está a produzir valores diários muito próximos do limite do painel solar. Pelo menos olhando para os gráficos que tem mostrado desde que instalou o equipamento.
    Ou seja, para quem compre um equipamento destes, o limite são mesmo esses 8-9€ de desconto mensais. Para poupar mais só investindo mais noutro painel e/ou baterias.
    Que lhe parece?
    Cumps.

    • Pedro Andersson
      Pedro Andersson Post authorReply

      Olá. Correto. Esse é o máximo. A variável é o preço que pago por kWh de consumo na empresa fornecedora de eletricidade. Quanto mais caro pagar, mais poupo.

  7. Avatar
    David Reply

    Boa tarde,
    Tenho uma duvida no seguimento do comentário do “José Dinis” os contadores digitais não deveriam contar para trás automaticamente?
    Possivelmente já fez uma reportagem sobre isto, mas como fez a instalação, teve de informar a EDP/ERSE sobre a instalação? houve alguma inspeção por parte destas entidades? Quais são os requisitos legais para este tipo de instalações?
    Será que pode publicar o instalador/marca/referência do seu equipamento?

    Cumprimentos e obrigado

  8. Avatar
    José Dinis Reply

    Srº Pedro

    É verdade que, na Alemanha quem tem este tipo de equipamento, é ressarcido do que não consome através de um contador colocado junto do já existente ? Isto assim em Portugal e sendo verdade o que se passa na Alemanha é uma mina de “ouro” para a EDP, com tanta energia a entrar na rede á nossa custa e, depois continuamos a discutir os cmec e a pagar iva a 23% num bem essencial. Só em Portugal . Obrigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *