Painel solar fotovoltaico – Balanço Fevereiro de 2019 (mês 27)

Balanço do mês de Fevereiro de 2019

Como era de prever, a produção de energia elétrica aumentou em Fevereiro. O meu painel de 250 W produziu quase 29 kWh. Representa pouco mais de 5 euros de poupança na fatura da luz, se tivesse consumido tudo o que o painel produziu no mês passado.

A poupança sofreu uma pequena redução por culpa minha. É que como ando sempre à procura da fornecedora de energia mais barata (pelos serviços que quero) consegui reduzir (novamente) o preço da eletricidade. A tarifa da Endesa baixou em Fevereiro, por isso já atualizei o gráfico com os novos valores. O painel produz mais kWh, mas isso representa menos dinheiro porque também pago menos quando fui buscar eletricidade à rede. Isso chateia-me? Nadinha. O que eu quero é pagar menos, sempre.

Painel solar fotovoltaico

As contas

Em Fevereiro, o painel solar fotovoltaico produziu 28,832 kWh. Para terem uma noção do que isso representa, dava para engomar roupa de graça durante 29 horas seguidas. Isto em teoria. Como o painel produz no máximo 250 W, se engomasse roupa ao meio-dia, isso significaria “apenas” 25% de desconto no que me custaria isso em eletricidade. Os outros 750 W teria de os ir buscar à rede. Para ser mesmo de graça teria de ter pelo menos 4 painéis para produzir em tempo real o total de 1.000 W durante aquela hora.

Foram assim os dias de Fevereiro.

Progressivamente, como podem ver no gráfico abaixo, o sol começa a ser mais “potente” à medida que nos aproximamos da Primavera e do Verão e isso reflete-se na produção global do painel fotovoltaico.

E o desconto na fatura?

Estas são as contas de Fevereiro de 2019. Se tivesse consumido tudo o que o painel produziu teria poupado na fatura da luz exatamente 5,30 euros (já com IVA).

Nestes 27 meses (já passaram mais de 2 anos) teria poupado 178,47 euros. Como investi 620 euros no painel e na instalação, neste momento o retorno do investimento está nos 7,8 anos.

 

Compensa comprar um painel solar?

Como não consumo tudo o que o painel produz (porque não estou em casa durante o dia durante a semana), tenho estimado o meu desperdício para a rede em cerca de 25%.

Assim, o retorno real  (o chamado break even) continua pelas minhas contas perto dos 10 anos (reais). Depois de passado esse tempo, o painel estará pago e terei pelo menos mais 15 anos de “lucro”. Veremos se é assim. Mensalmente continuarei a fazer aqui o balanço.

Recordo também que há leitores que me dizem que já conseguem comprar painéis solares fotovoltaicos de 250 W com tudo incluído e pronto a funcionar por menos de 500 euros. Aí o retorno é muito mais rápido. Quando comprei eram mais caros (e os 620 euros incluem a instalação e equipamentos adicionais que adquiri).

Para os que chegaram agora ao blogue, relembro que como não tenho baterias, tudo o que não consumir em tempo real é oferecido à rede. As baterias são demasiado caras para mim. Com baterias, todo o sistema fica em cerca de 5 mil euros.

Acompanhe-nos AQUI

NOVO LIVRO “CONTAS-POUPANÇA”

34 dicas para poupar muito mais e fazer crescer o seu dinheiro em 2018.

É um livro que se paga a ele próprio apenas com uma dica.

Se quiser um resumo claro e prático das dicas que demos nos primeiros 5 anos de programa, pode adquirir o livro “Contas-poupança I”.

É só clicar AQUI abaixo.

Registe-se AQUI para receber a Newsletter do Contas-poupança.

(Todas as dicas da semana num só e-mail).

 


10 comentários em “Painel solar fotovoltaico – Balanço Fevereiro de 2019 (mês 27)

  1. Carlos Campos Reply

    Cara Helena Jacob,
    Primeiro aconselho a verificarem se têm consumos Diurnos que justifique o investimento em um módulo Fotovoltaico. Ou até mesmo 2, se assim se justificar os consumos nos períodos diurnos.
    Quanto a marcas, o módulo Fotovoltaico do Pedro Andersson, é da marca S-Energy, fabricante na Coreia do Sul, com tecnologia de I&D da Samsung, e a primeira fábrica de Fotovoltaico da Coreia do Sul.
    O Microinversor é da marca APS Energy, muito conceituado nos mercados internacionais.
    Se adquirirem um módulo Fotovoltaico, sugiro-vos que comprem um Microinversor da APS, já com a possibilidade de interligar mais um módulo Fotovoltaico no futuro, (com entrada para 2 módulos Fotovoltaicos). A diferença de preço é mínima, e compensa bem o investimento.
    Porque se chegarem à conclusão que será melhor adquirir mais um módulo, já não necessitam de investir em outro Microinversor.
    O Microinversor do Pedro Andersson, só serve para se ligar um módulo Fotovoltaico.
    Os módulos Fotovoltaicos, neste momento têm potências (Watts) entre os 275W; 285W; 290W; ou 300W, e estes do mesmo tamanho do módulo do Pedro Andersson, que terá as seguintes medidas: 1655mm× 999mm×60mm.
    Boas decisões e Sucessos.
    Cumprimentos,

  2. Helena Jacob Reply

    Boa tarde, andamos cheios de vontade de nos aventurar num painel fotovoltaico, mas não sabemos qual o melhor, nem por onde começar.
    Quer fazer o favor de nos ajudar.
    Helena e Joaquim Jacob

  3. Jomapica Reply

    Na falta de um carro elétrico (muitos €€€€) eu compraria uma bicicleta elétrica (aproveitando o incentivo, claro) e duas ou mais baterias, carregando-as alternadamente para aproveitar as horas de maior produção solar. Que acham da ideia?

  4. Joaquim Tenreiro Reply

    Não confundam kWh (emergia) com potência (kW), sff. Se não, não se entende o texto.

  5. Silvio Reply

    Verifique se a energia não consumida injectada na rede não estará a ser contabilizada contra si no contador da empresa fornecedora.

  6. Jose pereira Reply

    Bom dia. Se voces fizerem a propria montagem fica bem mais barato.

  7. Luís Moreira Reply

    Tem de pensar em construir uma PowerWall com células 18650. Não faltam tutorias no youtube.

  8. Luísa Novo Reply

    “Com baterias, todo o sistema fica em cerca de 5 mil euros.”
    E quantos painéis a produzir quantos kwh por esse valor?Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *