Painel solar fotovoltaico – Balanço Abril 2018 (mês 17)

Balanço do mês de Abril de 2018

Como é normal, a produção do painel solar fotovoltaico continua a subir à medida que nos aproximamos do Verão.

Em Abril, o painel produziu 33,268 kWh, muito menos que no mesmo mês do ano passado (45,80 kWh). Ou seja, a produção do painel em Abril daria para 33 ciclos de lavagem de roupa na máquina, 22 horas com o aspirador ligado ou 33 horas a passar a ferro de “graça”. É destes valores que estamos a falar.

Foi um mês mau porque choveu e houve muitos dias com muitas nuvens. Tem aqui cada dia com o seu detalhe.

Regressa também o meu problema com a chaminé. Quando instalei o painel em Dezembro de 2016, não me apercebi que com a rotação da terra ao chegar o Verão a chaminé de um vizinho tapa parte do painel ao fim do dia. É aquela queda abrupta que pode ver no gráfico abaixo. Como é só um bocadinho, vou deixar estar, mas fica o aviso a quem estiver a pensar instalar um painel solar. Atenção às sombras durante as várias estações. O Painel tem de estar completamente livre de sombras todo o ano.

Continua a compensar?

Estas são as contas de Abril de 2018.

Até agora, se tivesse gasto tudo o que o painel produziu, já teria poupado na fatura da luz 112 euros, em 17 meses. Como investi 620 euros no painel e na instalação, neste momento o retorno do investimento está nos 7,8 anos.

Como podem ver abaixo, mesmo nos meses maus, a poupança ronda os 5 euros por mês. E tenho baixado o valor do kWh ao longo do tempo porque tenho mudado de empresa fornecedora de eletricidade. Portanto, junto as duas poupanças mas atraso o retorno do investimento no painel.

Compensa comprar um painel solar?

Como não consumo tudo o que o painel produz (porque não estou em casa durante o dia durante a semana), tenho estimado o meu desperdício para a rede em cerca de 30%. Era apenas uma intuição, porque os meus equipamentos  não me permitem (ainda) fazer a conta em tempo real.

Por isso pedi ajuda aos técnicos da empresa que instalou os equipamentos e deram-se ao trabalho (agradeço a ajuda) de fazer as contas “à mão” para uma semana escolhida ao acaso que me pareceu típica dos meus consumos.

As contas apresentadas abaixo estão certas ao Watt, minuto a minuto. Como podem verificar, há dias em que consumi praticamente a totalidade da produção do painel e outros em que o desperdício foi quase metade ou superior a 50%.Fiz a média (tem as contas abaixo também) e, ao longo daquela semana completa, o desperdício para a rede foi de exatamente 25%. Vou passar a usar essa bitola para as contas que aqui apresento mensalmente.

Assim, o retorno real  (o chamado break even) estará neste momento perto dos 10 anos (reais). Depois de passado esse tempo, o painel estará pago e terei pelo menos mais 15 anos de “lucro”. Veremos se é assim. Mensalmente farei o balanço.

A ideia é ajudar os curiosos a perceber se no vosso caso é um investimento útil ou não e como funciona. Até agora nenhuma avaria ou problema.

Acompanhe-nos AQUI

Registe-se AQUI para receber a Newsletter do Contas-poupança. Assim não perde nenhuma dica.

YouTube 

Facebook do Contas-poupança

 Pergunte no Grupo “Contas-poupança – As suas dúvidas”

Instagram

Twitter  

Se quiser um resumo muito claro e prático das dicas que demos nestes anos todos, pode adquirir o livro “Contas-poupança”. Escrevi-o com esse propósito.

É só clicar AQUI abaixo.



16 comentários em “Painel solar fotovoltaico – Balanço Abril 2018 (mês 17)

  1. Carlos Campos Reply

    Boas para todos (as);
    Caro Fernando Rocha,
    Aconselho-o, (apesar de o não ter solicitado) a não comprar baterias a pensar em carregar com energia da rede pública (RESP) nas horas de vazio!
    E porquê? Porque o que conta em termos de duração média de vida útil do “Banco de Baterias”, é o seu número de Ciclos, ou seja, de cargas e descargas, quanto maior for o número de cargas e descargas, menor tempo as baterias irão durar/resistir.
    As baterias devem de ser SEMPRE carregadas com fontes de energias renováveis, só desta forma se torna um investimento SUSTENTÁVEL!
    E uma utilização racional desta tecnologia, seja ela de Lithium, AGM, Eletrólito Livre, NaS, Vanadium, etc.
    Se tem muitos kWh “perdidos” em vazio, (tarifas bi-horário ou tri-horário) então o melhor mesmo e saber gerir essas percas, no período de vazio.
    Se não o conseguir gerir por diversos motivos, (equipamentos não temporizados, não podendo estar fisicamente presente para iniciar os equipamentos nesses períodos, etc.) então sugiro que deixe de ter esse tipo de tarifa, não sendo o Sr. Rocha o beneficiário, mas sim a sua comercializadora de energia eléctrica.
    Neste momento, e nos próximos anos, não haverá disponíveis no mercado comercial de venda ao público baterias a preços que justifiquem adquiri-las para este tipo de aplicação vs utilização, estou a referir-me somente para utilizações Domésticas e residências, e por consumidores individuais.
    Se pretende efectivamente poupanças em termos de compensações de consumos residuais de standby, então o melhor mesmo é investir num sistema fotovoltaico, tal como fez o Pedro Andersson.
    Aqui fica o meu humilde e sincero conselho.
    Espero ter ajudado.
    Cumprimentos a todos (as),

  2. Carlos Campos Reply

    Boas para todos (as);
    Caro Fernando Rocha,
    Aconselho-o, (apesar de o não ter solicitado) a não comprar baterias a pensar em carregar com energia da rede pública (RESP) nas horas de vazio!
    E porquê? Porque o que conta em termos de duração média de vida útil do “Banco de Baterias”, é o seu número de Ciclos, ou seja, de cargas e descargas, quanto maior for o número de cargas e descargas, menor tempo as baterias irão durar/resistir.
    As baterias devem de ser SEMPRE carregadas com fontes de energias renováveis, só desta forma se torna um investimento SUSTENTÁVEL!
    E uma utilização racional desta tecnologia, seja ela de Lithium, AGM, Eletrólito Livre, NaS, Vanadium, etc.
    Se tem muitos kWh “perdidos” em vazio, (tarifas bi-horário ou tri-horário) então o melhor mesmo e saber gerir essas percas, no período de vazio.
    Se não o conseguir gerir por diversos motivos, (equipamentos não temporizados, não podendo estar fisicamente presente para iniciar os equipamentos nesses períodos, etc.) então sugiro que deixe de ter esse tipo de tarifa, não sendo o Sr. Rocha o beneficiário, mas sim a sua comercializadora de energia eléctrica.
    Neste momento, e nos próximos anos, não haverá disponíveis no mercado comercial de venda ao público baterias a preços que justifiquem adquiri-las para este tipo de aplicação vs utilização, estou a referir-me somente para utilizações Domésticas e residências, e por consumidores individuais.
    Se pretende efectivamente poupanças em termos de compensações de consumos residuais de standby, então o melhor mesmo é investir num sistema fotovoltaico, tal como fez o Pedro Andersson.
    Aqui fica o meu humilde e sincero conselho.
    Espero ter ajudado.
    Cumprimentos a todos (as),

  3. Fabio Alves Reply

    Viva Caro Pedro, antes de mais parabens pelo blog, esta 5 estrelas e muito informativo. A minha casa em standby gasta 300w ( arca, frigorífico, alarme, etc) . E estou pensar colocar um painel dessas características para fazer face a esse gasto que eu tenho em standby. O aparelho que para medir o desempenho do seu painel foi oferta da compra painel? Estava a pensar comprar um de 250 ou ate 500w…. obrigado

  4. Daniel Reply

    Caro Pedro,

    Como sempre, muito interessante. Só para dizer que as contas finais não podem ser feitas assim (as contas da % de desperdício), pois a média diária assume que um desperdício de 1% quando tem menos produção é igual a um desperdício de 1% quando tem mais produção (e não é, 1% de 1600 produzidos é diferente de 1% de 900 produzidos). Ou seja, o seu desperdício deve ser calculado como a soma dos W desperdiçados sobre a soma dos W produzidos, dando realmente uma % de desperdício de cerca de 27,2% – não anda muito longe dos 25% de qualquer maneira.

    Abraço

  5. Cláudio Cortez Reply

    Caro Pedro, já pensou usar o EDP re:dy como solução para medir e contabilizar o consumo da rede, a injeção na rede, a produção e com isso ter o valor exacto do autoconsumo, para além de ter os valores instantâneos do que consome e produz, tendo um registo e histórico com intervalos de 15minutos?
    Penso que é a melhor solução no mercado para esse fim.

  6. orlando lopes Reply

    Eu dou lhe os parabens por essa iniciativa mas podia promonorizar melhor td este processo em valor a pagar a menos na fatura da luz mensalmente pois digamos que haveria uma precepçao melhor nos resultados pois perdas e ganhos tem de haver penso, digamos que por exemplo tem 50 euros de luz num mes mas com o painel tem 2 euros de desconto na luz isso equivale a esse desconto pagar este mes uma parte da contribuiçao ao estado que nem chega ja nao dava o ano passado este ano com aumento ainda foi menos nao sei se percebe a minha intençao de dar promonores alem desses do painel nao sei se lhe dá jeito mas acho que dava outra visao do que acontece aqui nesta pesquisa.

    Cumpriementos

    • Pedro Andersson
      Pedro Andersson Post authorReply

      Ola Orlando. Tem um quadro Excel no artigo com o que poupo todos os meses na fatura. O valor a pagar varia todos os meses e só depende de mim. Pode fazer as contas à sua fatura com os seus valores. A produção do painel será mais ou menos igual para todos. Só varia a meteorologia de cada região. Pago normalmente 70 euros de luz. Se poupar 7 euros com o painel por mês equivale a um desconto de 10%. Mas também pago menos de IVA porque o consumo é menor.

  7. Antonio silva Reply

    Eu tenho 6 paineis fotovultaicos e acho que foi um mau investimento

    • Fernando Pires da Rocha Reply

      Não sei se fez primeiro uma avaliação aos seus consumos e que tipo de consumo é o seu. No caso do Sr. Pedro Andersson, que me recordo, ele reduziu os standby e sabe que tipo de consumo tem: durante o tempo de sol, ele está fora de casa. Inicialmente, avaliei o que me consume mais electricidade e reduzi tudo o que me foi possível, usando apenas 1 contador de Kw e passei em todos os aparelhos – incluindo placas eléctricas, fogão gás, maquinas de lavar e de secar, tudo mesmo. Nem imaginam a quantidade de Watts consumidos nesses standbys- a titulo de exemplo, a máquina de lavar roupa, só por estar ligada à tomada gastava 7w, o fogão a gás, com isqueiro electrónico 15w, maquina lavar louça 9w, Hi-Fi 10,7W, agora adicione mais aparelhos, box, tv, router, ONT, telefone, transformadores. Depois através de uma pagina web, construí um logger caseiro que me faz as leituras do consumo de casa a cada 10segundos. E ainda estou a avaliar se vale a pena por um painel de 200w … cumprimentos

  8. Ruben Melo Reply

    incluir uma bateria para uso da energia em horas que estivesse em casa, aumentaria muito o investimento? será que dava para uso de 100% da energia produzida equilibrando mais as contas?

    • Fernando Pires da Rocha Reply

      Sr Rúben Melo, talvez sim. Tudo depende do uso – desgaste – arranque dos motores de arcas e frigoríficos, ciclos. As soluções em bateria encarecem o sistema, aumentando o retorno do investimento. No meu ponto de vista, faria o seguinte, se tivesse dinheiro para investir em renováveis, comprava um conjunto/banco de baterias e painel: eu explico, além de as carregar durante o dia, também carregava durante a noite, no período do Vazio (a electricidade é mais barata que a produzida do painel) e usar durante a manhã quando o sol “está fraco”! Tipo Powerwall ou similares no mercado. Pode desviar o excesso do painel para um termoacumulador ou resistência de modo a consumir esse excedente, procurem no google, existem n projectos sobre o assunto, de maneira a absorver esse energia desperdiçada.
      Ando com muita cautela a avaliar, se compro um painel ou um banco de baterias, e optar muito mais tarde por um painel – só por causa do preço do Kw do vazio, não há painel que bata esse valor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *