IRS – Se comprou casa antes de 2011 e agora mudar de banco perde a dedução

Escrito por Pedro Andersson

22.10.17

}
3 min de leitura

Publicidade

Mudou de banco? Perde a dedução

Pelos vistos, se alguém comprou casa até 2011 mas entretanto transferiu o Crédito à habitação de banco para um que lhe fazia um spread mais baixo suportando todas as despesas da transferência, acaba de perder a dedução dos juros que paga pela casa (15% até ao limite de 296 €).

Esta notícia veio hoje (Domingo) no DN, no JN e no Dinheiro Vivo. Todos citam uma resposta vinculativa da AT a um contribuinte que pediu este esclarecimento:

“A verificar-se, à data [presente], uma transferência do crédito à habitação para uma outra entidade bancária, o que mais não corresponde que à celebração de um novo contrato de crédito, não poderá o sujeito passivo beneficiar do disposto no artigo 78.º E [dedução de encargos com imóveis] do Código do IRS, uma vez que o mesmo ocorrerá em data posterior ao legalmente estabelecido para o efeito”.

Não vi o documento, mas já o pedi ao Ministério das Finanças. Também já perguntei se (caso se confirme) o governo pensa mudar essa situação.

Estou com dúvidas

Vamos por partes.  Fiquei surpreendido com a notícia. Afinal de contas – embora não perceba porque é que quem comprou casa até 2011 tem direito à dedução de 15% dos juros que paga ao banco e quem comprou 1 dia depois já não tem direito – a casa não mudou de dono. A casa foi adquirida até 31 de Dezembro de 2011…

Se eu a vender, e outra pessoa a comprar, faz sentido perder a dedução uma vez que uma pessoa adquiriu a casa depois dessa data.

Mas aqui estamos a falar apenas de um procedimento financeiro e não de uma mudança de proprietário. Eu acho que percebo o ponto de vista da Autoridade Tributária (AT) porque quando transferimos o Crédito à Habitação para outro banco é necessário fazer outra Escritura.  É como se a outra casa ficasse paga e agora fosse vendida a outra pessoa. Mas a questão é que é exatamente a mesma pessoa. Não vende a ela própria. Apenas faz um novo contrato de pagamento com outra entidade. Ainda é a mesma casa que foi adquirida até final de 2011…

Confesso que me sinto dividido entre o que parece óbvio e a questão puramente legal. Embora haja de facto um novo contrato, é relativo à mesma casa e ao mesmo proprietário. A nova escritura é só para acrescentar o banco novo. O proprietário e o bem continuam os mesmos. Se mudarem os proprietários já percebo. Mas como é que a AT vai perceber que se trata da mesma casa comprada até 2011? Teria de ser o contribuinte a fazer um requerimento, aumentando ainda mais a burocracia nas Finanças.

Vem aí confusão

Antevejo, portanto, mais um imbróglio para se resolver.

Ponto 1: Neste momento esta situação não é muito grave porque a amortização do valor em dívida já não entrava na dedução e como a Euribor está negativa em todos os prazos o que pagamos de juros é uma ninharia. Logo, 15% de quase nada é muito, muito pouco.

Mesmo assim o máximo da dedução seria de 296 euros. Ainda é dinheiro. Para atingir esse valor máximo de dedução no IRS teria de pagar de juros cerca de 2.000 € em 2017.

Em casos como o meu, em que a Euribor ultrapassa o spread (0,3-0,329) pago zero de juros. Portanto, 15% de zero é zero. Mas nunca sabemos o dia de amanhã. e se a Euribor subir esses 296 euros de reembolso (se for o caso) vão dar-me jeito.

Portanto, serve este artigo para ficarem atentos. Estou a aguardar os esclarecimentos que pedi à AT e se se confirmar esta situação, não se perde nada em apresentarem os vossos casos e reclamar, uma vez que a casa foi adquirida até 2011. Tudo está igual, só mudou a forma de pagamento do crédito. Pode não dar nada, mas pelo menos tentam.

Vou estar atento e se tiverem também novidades sobre isto, digam.

No livro Contas-poupança tem muito mais dicas sobre como aumentar o seu IRS.

 

Publicidade

Sobre mim: Pedro Andersson

Ir para a página "Sobre Mim"

Siga-nos nas Redes Sociais

Para si | Artigos Recentes 

COMBUSTÍVEIS | Qual é o preço justo esta semana? (26 de fevereiro a 03 de março)

Qual deveria ser o preço justo? A ERSE faz semanalmente as contas para o consumidor saber qual é o preço "justo" dos combustíveis face ao preço das matérias-primas e transportes de combustível. Esse preço "justo" já inclui uma margem de lucro de cerca de 10% para as...

PODCAST | #218 – Vamos a contas | Tenho de declarar os Certificados de Aforro (e outros) no IRS?

Os Certificados de Aforro continuam a suscitar muitas dúvidas. Uma delas é se somos obrigados a declará-los no IRS e como se faz. Essa dúvida é também muito comum quando alguém começa a pensar em investir em produtos relacionados com as bolsas, como Fundos PPR, Fundos...

ÚLTIMO DIA | Prazo para validar faturas para IRS 2023 termina hoje

Já validou TODAS as suas faturas e do seu agregado familiar? Os contribuintes têm até ao final do dia de hoje (quarta-feira, dia 28 de fevereiro) para validar e confirmar as faturas relevantes para o IRS de 2023, após o Ministério das Finanças ter decidido prolongar o...

Arrendamentos | Burlas estão a aumentar. Conheça os sinais e como evitar

Burlas com falsos arrendamentos têm estado a aumentar nos últimos dois anos Contas-poupança | Inês de Almeida Fernandes De acordo com a PSP, as burlas com falsos arrendamentos têm vindo a agravar-se desde 2022, quer nos arrendamentos de casas de férias, quer no...

ÚLTIMA HORA | Prazo para validar faturas de 2023 prolongado até quarta-feira

Faturas pendentes - Prazo prolongado até quarta-feira A Autoridade Tributária (AT) prolongou por dois dias, até quarta-feira, o prazo para a validação de faturas relativas a 2023 no portal e-fatura, depois de constrangimentos no último dia do prazo inicial. Em...

Quer inscrever-se no regime do Residente não Habitual? Pode fazê-lo até 2025

Autoridade Tributária informou que os contribuintes elegíveis podem inscrever-se até 31 de março de 2025 Contas-poupança | Inês de Almeida Fernandes Se está interessado em inscrever-se no regime do Residente não Habitual (RNH), que permite aos seus beneficiários...

EURIBOR HOJE | Taxa a três meses mantém-se, mas sobe a seis e 12 meses

Euribor mantém-se a três meses, mas aumenta nos prazos de seis e 12 meses Contas-poupança | Inês de Almeida Fernandes Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham...

ELETRICIDADE | O indexado em Fevereiro vai baixar bastante – Vale a pena mudar?

O preço da eletricidade no OMIE está quase de graça É impressionante o que está a acontecer nesta última semana. O preço da eletricidade no mercado grossista está praticamente a zero. Os valores a que a eletricidade vai ser vendida e comprada amanhã, pelas empresas...

EURIBOR HOJE | Taxas sobem a três meses e descem a seis e 12 meses

Euribor sobe a três meses, mas desce nos prazos de seis e 12 meses Contas-poupança | Inês de Almeida Fernandes Diariamente, divulgamos aqui na página "Contas-poupança", o valor das taxas Euribor a três, seis e 12 meses. Embora as alterações diárias não tenham um...

PODCAST | #217 – Qual é a forma mais simples de poupar na eletricidade?

A ouvinte Ana nunca mudou de empresa de eletricidade em toda a sua vida. Faz-lhe confusão mudar e acha que dá muito trabalho e sente que as outras empresas não lhe inspiram confiança. Este é um perfil muito típico dos consumidores portugueses. No episódio desta...

Publicidade

Comentar

Siga-nos nas redes sociais

Artigos relacionados

2 Comentários

  1. Ana Nunes

    Na realidade, enquanto pagamos empréstimo a casa não é nossa, nas sim do banco a quem pagamos o crédito. Se não pagarmos eles ficam com ela, por isso, quando mudamos de banco, o bem é o mesmo, mas o dono muda!!!

    Responder
    • Pedro

      Então se o dono é o banco, era o banco que deveria arcar com todas as despesas inerentes ao mesmo, nomeadamente o IMI, e não o “cliente” que pediu o empréstimo…

      A casa é minha, e está em meu nome (NIF)… apenas têm um hipoteca bancária para a aquisição da mesma, o “dono” não muda se mudarmos de entidade bancária, apenas o “dono” da hipoteca…
      Para a AT não deveria ter qualquer implicação, o NIF mantém-se sobre o “mesmo imóvel” muda é a entidade que concedeu o credito, por tal não vejo qualquer sentido que se perca está dedução para quem adquiriu casa até 2011 e agora mude de entidade bancária, em busca de melhores condições de spread e menores despesas bancárias.

      Julgo que a AT deveria esclarecer este assunto ASAP.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Partilhe o Artigo!

Partilhe este artigo com os seus amigos.