VÍDEO – Alternativas para vender a sua casa

Há alternativas às comissões das imobiliárias?

Sim. Há. Mostrei várias na reportagem desta semana do Contas-poupança. Já estava à espera e confirmou-se. Estou a ter talvez a maior reação corporativa de que tenho memória desde que iniciei a rubrica Contas-poupança há 8 anos.

Meus amigos, o facto de dizer que há alternativas não quer dizer que alguém esteja a defender o fim da vossa profissão. Isso faz algum sentido?

Quem quer usar os serviços da Mediação Imobiliária, faz muito bem. Quem não quiser, pode vender a sua casa sozinho por sua conta e risco ou com a ajuda de outros profissionais que fazem o mesmo trabalho legal por menos dinheiro. Em nenhum caso alguém está a substituir-vos no trabalho de prospecção, angariação de casas e de compradores. As agências imobiliárias prestam um serviço e são pagas por isso. Tudo OK. Ninguém disse o contrário. Só podem e devem continuar.

Criticam que a reportagem incentiva à destruição de um inteiro setor económico. Não misturem as coisas. Eu, como jornalista, falei de opções pouco conhecidas que os proprietários fazem bem em conhecer. CONHECER. E avaliar. Podem chegar à conclusão que o trabalho que vão ter e os riscos que podem correr valem bem os 5, 6 ou 7 mil euros. Tudo bem. Nada contra.

Quem quer contratar uma mediadora, contrata, quem não quer não contrata. Qual é a incorreção ou mau jornalismo?

Tenho, infelizmente, uma incorreção na reportagem. Escrevi “destrate” e é “distrate”. Peço desculpa e está a ser corrigido.

Quanto às críticas e os argumentos dos agentes imobiliários que se sentiram atingidos pela reportagem estão aqui no blogue e no Facebook. São às dezenas. Percebo. Mas tentem distinguir, por favor, o conteúdo da reportagem que terá utilidade para quem vende do efeito que acham que pode ter no vosso negócio.

Posto isto, para quem não viu a reportagem pode vê-la ou revê-la AQUI.

http://sicnoticias.sapo.pt/programas/contaspoupanca/2018-01-17-Varias-alternativas-para-vender-a-sua-casa-1

As críticas

Até hoje, senti este tipo de reações “profissionais” em 3 situações: quando referi que podemos comprar férias mais baratas em sites de viagem espanhóis; quando recentemente disse que muitas vezes as rações para animais são mais baratas se compradas online em Espanha e agora quando refiro que qualquer pessoa PODE vender a casa sem a ajuda de uma imobiliária, desde que assuma o trabalho e os riscos (minimizados pelo apoio de um solicitador). Deixo à vossa avaliação o interesse das reportagens.

Por mim tenho mais alguns setores que podem ser postos em causa por futuras reportagens. Mas sublinho: É para dar opções às pessoas. Não para destruir ou prejudicar ninguém. Se não o entenderem assim, tenho pena, mas considero ser essa a minha função enquanto jornalista.

Mesmo que não concordem.



24 comentários em “VÍDEO – Alternativas para vender a sua casa

  1. Nuno Barros Correia Reply

    Quero deixar os meus parabéns pela iniciativa, realmente é uma grande poupança que se faz ao dispensar o trabalho profissional de um consultor. Deixo algumas sugestões para trabalhos futuros, “Poupe no arranjo do seu carro, alguns sites que o ensinam a reparar as avarias mais comuns”, “Está doente e não quer gastar dinheiro com médicos? Veja no Google! Tem toda a informação que precisa!”, “Tem um problema e necessita de ir a tribunal? Siga estes passos para se fazer representar a si próprio e poupe dinheiro no advogado!”.
    Achei interessantíssimo terem falado nas mais-valias, mas esquecerem-se de referir que todo o custo de um consultor imobiliário é descontado nesse custo das finanças. Também o lapso de terem alertado os consumidores que poderão perder mais dinheiro que o que estão a tentar poupar ao definirem mal o preço de mercado da habitação e não terem a capacidade negocial de um profissional experiente na área.
    No geral, acho uma enorme desinformação a vossa reportagem, um consultor não gasta várias horas do seu mês em formação para “tratar de papelada” e ganhar uma comissão por isso, é ridículo.

  2. Ana gonçalves Reply

    Efectivamente somos todos livres de optar…. agora a campanha deveria ser tida ao contrário, ou seja , os proprietários que não recorrem a mediação imobiliária ou até a serviços de solicitador para o mesmo efeito, é muito verdade que sim, conseguem fazer tudo sozinhos e por um custo mais baixo obviamente, no entanto é MENTIRA que vendam a casa mais barata . Vendem, mas por vezes em tempo recorde mas aproveitam-se claramente de valores elevadíssimos, convencendo quem compra, que estão a comprar mais barato por não haver intermediários . Por isso a campanha tem que ser inversa e apelar aos compradores os riscos que correm quando negoceiam directamente com proprietários .
    A sra. Da reportagem não vendeu a casa mais barata …. a sra. Vendeu com certeza acima de preço e ficou com a sua merecida comissão . Que, comprou é que comprou mal .., mas isso daria outra reportagem interessante .

  3. Elena Reply

    Eu não estou vendo os consumidores aqui defenderem os agentes ou as imobiliárias… Estou vendo só mesmo os agentes defenderem a si próprios… Por que?

    Senhor Pedro, o senhor tem razão, podemos vender nossas casas sem pagar um absurdo.

    O serviço prestado NÃO vale o que cobram, especialmente aqueles que cobram 5%, que é absurdo mesmo.

    Qual é mesmo o serviço dos agentes? Ir á Conservatória, pedir certificado energético, tirar a certidão predial, atender telefone e fazer visitas. Tem muito segredo nisso? E quando as coisas dão errado…não conte com eles…

  4. Sofia Reply

    Serviço caro e muitas vezes precário é o que prestam as imobiliárias e muitos agentes.

    Não vale o que cobram isso é absolutamente certeza.

  5. João Sá Reply

    Sr. Pedro . O seu erro foi tentar fazer uma reportagem sobre um tema que não estudou minimamente, utilizou uma funcionária de uma agência de gestão de bens , para passar por uma cidadã normal, foi buscar a opinião de um sr. solicitador, que foi juiz em causa própria e acima de tudo esqueceu-se da regra numero um de um jornalismo isento, ouvir as duas partes, mas como a intenção da sua peça não era essa, nem se preocupou em prestigiar a sua classe.
    O seu interesse é ser sensacionalista nas suas peças, é fazer mossa e nisso dou-lhe os parabéns porque conseguiu mais uma vez. Não se trata de lóbis ou corporativismo. Não se está a falar de medir papel higiénico, onde o senhor é perito… Trata-se de falar do bem mais precioso que a maior parte da população alguma vez terá e merece todo o cuidado a ser tratado. Venha conhecer uma imobiliária por dentro, perceba como funciona o modelo de negócio, entenda que o sector imobiliário e o turismo são as duas forças que estão a tirar o País do fosso que alguém o meteu. E o senhor vive da desgraça alheia, vive do sangue, das imagens dos cadáveres de um incendio qualquer que o canal de televisão onde trabalha emite sem qualquer pudor nem respeito pelas famílias enlutadas, vive da desgraça alheia… nós vivemos de fazer famílias felizes, dia após dia, de quem vende e de quem compra, temos milhares de agentes imobiliários com licenciaturas e doutoramentos que trabalham diariamente para levar para casa os seus honorários em função de uma actividade devidamente regulada com carteiras profissionais de mediação imobiliária, onde temos que ter o registo criminal limpo, apresentado anualmente à entidade que regulamenta o sector, o IMPIC, pagamos licenças anuais, temos mais horas de formação que possivelmente o senhor teve no seu canal de televisão, e só recebemos honorários se efectuarmos o nosso trabalho correctamente, o que não acontece consigo, porque mesmo que só saia asneiras da sua boca, vai receber na mesma os seu salário ao fim do mês…exactamente igual se fizer bom ou mau jornalismo como foi o caso…. Tenha vergonha e retrate-se… porque a sua reportagem é pura difamação de uma classe trabalhadora tão importante para o País como qualquer outra. Não fazemos greves, não metemos baixas fraudulentas, pagamos impostos e temos que provar as nossas despesas, sem deduções especificas como o senhor tem, e acima de tudo olhamos para a vida de uma forma positiva. Por isso ficamos tão revoltados, porque não merecemos que um jornalista mal informado, mal preparado para fazer o seu trabalho venha dar conselhos e denegrir uma classe e uma actividade que demonstrou bem desconhecer. Mau jornalismo, má informação e má formação da sua parte como pessoa.

  6. Celso Reply

    Caro Pedro Andersson:
    O senhor não é mediador imobiliário, solicitador ou advogado. É, e um excelente, jornalista: informa-se antes de informar, e fá-lo de uma forma acessível ao cidadão comum.
    Ainda não vi a sua reportagem, mas pelas reacções, tenho a certeza de que foi conscienciosa e pertinente. Continue, e obrigado por isso.
    Eu continuarei a seguir, e vou ver a reportagem, mesmo que não tencione voltar a comprar ou vender casa nos próximos tempos: e tenho feito o que sugere, tratei directamente (mas com conhecimentos na área).

  7. Sergio Fonseca Reply

    Caro Sr. Pedro Andersson:
    As críticas nas redes sociais à reportagem são inteiramente justas, e vão muito além da forma de escrever distrate.
    A sua reportagem demonstra um desconhecimento atroz do ramo imobiliário, uma série de confusões entre conceitos e funções, e o desrespeito por uma classe profissional.
    Os advogados e solicitadores não são especialistas em venda de imóveis, pelo contrário, são contratados pelas imobiliárias para apoio jurídico e na documentação. A venda é legalmente e por definição das imobiliárias, pois são licenciadas para isso.
    Emite uma opinião, dá um parecer, influencia e incentiva publicamente e em horário nobre os proprietários a vender os seus imóveis pelos seus próprios meios, tomando como exemplo um único caso, aparentemente com sucesso, quando a maioria dos proprietários não tem o conhecimento, nem os meios para o fazer.
    Erra pela base quando afirma categoricamente que a proprietária poupou 7 mil euros, mas não averiguou efectivamente quanto poderia valer o imóvel, nomeadamente através de uma avaliação ou estudo de mercado. E se uma imobiliária vendesse o imóvel por mais 10 mil euros, o que é bem provável, pois tem mais conhecimento e carteira de clientes? Já reparou que nesse caso a proprietária perdeu 3 mil?
    É evidente que o Sr. desconhece o serviço que está subjacente ao trabalho de uma imobiliária, por isso lhe parece fácil, mas posso informá-lo do seguinte:
    Tenho 13 anos de carreira, na área da engenharia civil, e trabalho há 3 anos na REMAX, onde fui sempre agente premiado e já vendi mais de 60 imóveis, na região de Aveiro. O meu trabalho envolve uma diversidade de competências e tarefas, desde a área comercial, de marketing, de relacionamentos pessoais, técnicos, processuais, documentais, etc.
    Esta é a minha actividade a tempo inteiro, sem horários, frequentemente à noite, e ao fim de semana, mas adoro o que faço e tenho a recompensa de ter frequentemente clientes satisfeitos que me recomendam publicamente no Facebook e no meu Blog:
    É uma actividade requer conhecimento, formação, dedicação, muito empenho, e principalmente seriedade e honestidade, para se ter sucesso. Ao contrário do que faz transparecer na reportagem, não é um hobby que se faz nas horas vagas.
    É fácil vender um imóvel? Depende do imóvel. É tão fácil como arrancar um dente. Os meus filhos também o fazem, aqueles de leite, é divertido, até vem a fada do dentinho… está a ver? Mas se for uma desvitalização ou um pivot? Como faz para poupar 800€ num implante dentário? Vai ao Youtube e faz por si próprio ou escolhe um especialista que lhe dê garantias?
    Sr. Pedro Andersson, vivemos num país que corta onde não deve cortar e onde todos somos especialistas em tudo e em coisa nenhuma, quando devíamos entender que cada um se deve especializar no que faz melhor e ser o excepcional no que faz, sendo remunerado em conformidade.
    Espero que reconheça o seu maior erro, que foi o de desrespeitar uma classe de profissionais, ao não valorizar o serviço que prestam nem o valor que acrescentam, e de ser parcial na opinião que emite, sem sequer consultar uma única imobiliária, para dar a oportunidade de contrapor o seu lado.
    Deveria então retratar-se publicamente, assumindo o erro e emitindo o devido pedido de desculpas.
    Ao dispor para qualquer questão!

  8. Pedro Gomes Reply

    A Anabela Rosado expôs tocou alguns pontos importantes, mas existem muitos mais. Sou profissional da área há mais de 20 anos, e já vi de tudo. Como em todas as profissões existem bons e maus profissionais (veja-se o caso do jornalismo, alguns parecem jornaleiros em vez de jornalistas). O histórico do programa e o assuntos já desenvolvidos e aflorados no passado exigem muito mais rigor na abordagem que fez a este assunto. Duas notas muito importantes: 1) em nenhum momento contabilizou quanto custa no total a uma pessoa fazer o trabalho sozinho em todas as visitas de potenciais compradores (deslocações inclusive), em todas as vistas às Repartições (Finanças, Conservatórias e Câmaras) caso sejam necessárias (grande parte dos imóveis necessitam de actualização de documentos), com o Certificado Energético (esqueceu-se de dizer que é obrigatório nos anúncios), quanto tempo se utiliza em revisão de Contratos, negociação, etc., etc., mais ainda, induz as pessoas a cometer um erro básico da negociação que é representar-se a si próprio. No momento em que se representa a si próprio, qualquer vendedor está a deixar na mesa uma percentagem do valor (não sou eu que o digo, é uma regra básica da negociação…). 2) Porque é que nesta reportagem não se ouviu nenhuma imobiliária ou representante da classe a falar? Será que não é uma regra básica do jornalismo fazê-lo? Ou só conta a opinião do jornalista e a direcção que ele quer dar à história? Onde está o contraditório que poderia ajudar a comprovar a sua tese? É pena, não existe, e por conseguinte é muito mau jornalismo. Tenho a certeza que uma das associações da Classe seria capaz de lhe explicar que esta peça está mal feita, cheia de incorrecções e que induz as pessoas em erro e a cometer erros que podem ser muito muito caros. Termino dizendo que li as suas “justificações” posteriores à exibição da “peça jornalística” e como pediu, vi a “peça” com os olhos de um “vendedor”. Achei-a muito perigosa e caso lhe queira dar continuação posso apresentar-lhe alguns casos que ocorreram com quem tentou fazer o que descreveu na peça e correu muito mal para ele e para a sua família. PS: Caso não saiba, em alguns países (apenas países muito desenvolvidos) é obrigatória e presença de um Mediador Imobiliário em qualquer transacção de imóveis por várias razões, mas vou apenas referir algumas: controlo das transacções (seu valor e forma de pagamento), dever de informação das partes de todos os riscos envolvidos em cada negócio, esses Estados consideram que nem toda a gente tem formação suficiente para comprar ou vender uma casa sem a presença de alguém que os ajude no processo (não é só no momento da Venda/Compra como faz o Notário), sem serem enganados por vendedores que vendem o mesmo imóvel a mais que uma pessoa no mesmo dia ou compradores que pagam com notas falsas, etc., além disso esses Estados, passaram a recolher mais impostos depois de as transacções passarem a ser devidamente acompanhadas por Mediadores Imobiliários Certificados (como existem em Portugal) e os processos em Tribunal sobre estes assuntos reduziram-se drasticamente. Será que a mensagem subliminar que quis passar com esta “peça jornalística” sem contraditório e cheia de incorrecções foi apenas para induzir as pessoas a fazerem negócios particulares sem pagarem os devidos impostos??? Agora que penso melhor, fico com essa ideia… Ou quererá facilitar a vida aos “habilidosos” e arranjar mais uns “incautos” para serem enganados por pensarem que afinal podem poupar uns trocos… Pense bem, penso que a “Contas- Poupança” deveria por as Contas em dia… ou em pratos limpos…

  9. Pedro Fonseca Reply

    Apoiado, para vender a minha casa ou terreno, não preciso que me façam o trabalho…e conhecedor da área que sou, considero que são demasiadamente bem pagos por certos serviços. No entanto na área do arrendamento considero que sejam mais justos e prestativos!!

  10. Miguel Reply

    Esse senhor não faz ideia os riscos do que mencionou ser o melhor para os consumidores. Para além dos custos, tempo perdido e chatices. E nem vale a pena recorrermos a grandes textos e explicações. Os factos ocorridos nos últimos anos falam por si..
    Percebo o porquê desta triste reportagem, pois a SIC quis poupar num bom jornalista e contratou este senhor. Que deveria ter passado informação as pessoas dos perigos que correm ao vender ou comprar um imóvel. Ainda bem que a venda de um imóvel tem corrido bem para muitas pessoas, mas infelizmente para os que correu mal e viram a sua vida e dos seus familiares prejudicada por terem optado por poupar uma comissão a uma imobiliária. Bem haja a todos.

  11. Sandra Braga Reply

    Parabéns Pedro! Sinceramente parece-me um tema tão relevante como outro qualquer. Acompanho frequentemente o blog e as reportagens e aprendo muito sobre poupança. Só para deixar o meu testemunho que também vendi a minha casa sem ajuda de imobiliárias… demorou, perdemos algum tempo, mas sem dúvida compensou. Continue assim!

  12. Ricardo Ferreira Reply

    Boa tarde
    Nao quero nem devo desprestigiar o seu trabalho, mas já que o fez com o meu então vou responder desta forma…
    Sabe quantos jornalistas estão no fundo de desemprego e gostariam de ocupar o seu lugar?
    Sabe quantos jornalistas querem ocupar o seu lugar e desejariam estar na sua posição por menos de metade do que a SIC lhe paga?
    A mediucre reportagem que elaborou onde diz que pode poupar 5000 a 7000 euros contabilizou as horas, as campanhas de divulgação e promoção que as agências imobiliárias gastam para que possam atrair clientes para o negócio?
    Porque nao informou quanto cobra um solicitador pela elaboração de um contrato promessa e uma escritura?
    Mas para que perceba melhor, imagine que a ANACOM permitia que fosse para o ar uma TV amadora com programas equivalentes á SIC e onde os seus colaboradores recebessem um terço do seu vencimento o que iria dizer no contas poupança?
    Mas já vez que entrou neste tema desenvolva um programa nesse sentido e depois peça autorização ao diretor de programas da SIC para ver qual será a reação da sua entidade patronal…
    Peça desculpa a todos os profissionais desta atividade é o mínimo exigível depois do desprestígio pela classe que ontem desprestigiou.
    O contas poupança tem tantos assuntos para abordar tantos temas de maior interesse para a sociedade portuguesa vai mexer com uma classe onde a maior parte dos envolvidos nem vencimento base tem?!?!
    Lamentável a sua atitude, lamentável a sua postura, mas mais lamentável é a sua direção de programas permitir que o fosse para o ar este programa…
    Levante assuntos de interesse público nao destrua setores da sociedade portuguesa…
    Cumprimentos,
    Ricardo Ferreira

  13. João Delgado Reply

    Parabéns Pedro! Eu vendi a minha sozinho e no final digo que compensou. Deu algum trabalho mas vale muito a pena. Até criei uma página no Facebook para ajudar outros a divulgar as casas sem cobrar nada. Boa sorte a todos!

  14. Pedro Maia Reply

    Apenas gostaria de deixar uma questão…
    Porque razão a SIC contrata jornalistas profissionais se poderia poupar uns bons “trocos” contratando pessoas que saibam falar e escrever razoàvelmente???

  15. Jacinto Lopes Reply

    Parabéns, Pedro, por mais uma magnifica reportagem!
    Aliás, diria mais: parabéns por continuar esse “serviço público”, em prol dos consumidores!
    Que estas e outras críticas não o desmoralizem…
    E em jeito de resposta às criticas das imobiliárias, pergunte-lhes apenas porque insistem tanto nos 5% de comissão, quando existem outras imobiliárias que conseguem vender os imóveis “apenas” cobrando 3%? É que, estes 2 pontos percentuais, equivalem quase a 50% de poupança para o vendedor…

    • miguel pereira Reply

      Sr. Jacinto Lopes,

      Um profissional consegue-lhe explicar bem a diferença de 5% para 3%.

    • Nuno Barros Correia Reply

      Simples, numa boa imobiliária, esses pontos percentuais a mais são utilizados para partilhar o negócio e dividir a comissão a meio com outras agências imobiliárias que levem compradores. Quando é abaixo disso, não há partilha nenhuma de negócio e são na totalidade para a imobiliária que não vai promover o negócio junto a todas as possíveis fontes de compradores para o imóvel. Peça para ver isso escrito no acordo que assinar com a imobiliária, deve dizer que partilham a 50% com qualquer agência com licença AMI. Espero ter sido esclarecedor

  16. João Almeida Reply

    Sr.Ricardo Vieira,
    Tem a certeza inabalável que dois particulares não podem redigir e celebrar um contrato promessa de compra e venda na presença de um notário, por exemplo?
    A peça, no âmbito do programa Contas Poupança, sugere e bem, uma forma de um particular vender o seu imóvel sem recorrer a um mediador, e explica como o poderá fazer.

  17. vieira Reply

    Bom dia,
    A sua reportagem é pertinente, a questão é o que é o solicitador? e que faz ou tem ele para poder ter tanta importância para si? Já pensou que ele apenas ficou com trabalho que na essência não era dele, e que muitas das vezes cobra por coisas que efectivamente nem resolveu? e acima do que o Sr diz?

  18. Ricardo Vieira Reply

    Reportagem vergonhosa que a SIC passou hoje no Jornal da Noite!!!Respeito quem queira vender o imóvel particularmente, agora uma televisão incentivar a não recorrer a mediadores imobiliários porque vão poupar dinheiro é inadmissível a nível jornalístico!
    Mas qual foi a parte que o jornalista não percebeu que o mais difícil num negócio é o vendedor arranjar um comprador com total segurança, com um profissional que além de toda a experiência é obrigado a ter um seguro para que o negócio seja feito com total legalidade e transparência??
    Qual foi a parte que não perceberam que um particular não pode elaborar um Contrato Promessa de Compra e Venda?
    Até poderia entender a utilidade da reportagem explicando o que é necessário um particular fazer para poder vender um imóvel, agora incentivar a fazê-lo sozinho?? E mais grave, sugerindo que como não é fácil fazê-lo, que podem recorrer a solicitadores e advogados, onde terão que pagar cerca de 1000 euros…
    Sinceramente não esperava vindo da SIC, que sempre achei que a nível de informação era a televisão mais credível do nosso país..
    Pergunto aos meus clientes que trabalham comigo há mais de 22 anos, se a comissão que me pagam, não é justa? O tempo que pouparam e as chatices que eventualmente poderiam ter não justifica o que pagaram?
    Tenho dito!
    Ricardo Vieira
    Imobairro – A confiança de um bom negócio!

  19. Cristina Freire Reply

    Parabéns pela entrevista.
    Já vendi 2 casas sem recurso a imobiliárias e correu tudo bem.Tentei vender à pouco tempo a minha casa com recurso a imobiliárias e meu deus experiências desagradáveis..
    Acho que as comissões que levam são simplesmente absurdas e obriga os proprietários a aumentar os preços que tornam os preços super inflacionado.Não etendo a indignação.das imobiliárias…

  20. Bruno Gonçalves Reply

    Bom dia. Antes de mais parabéns pelo trabalho que faz em ajudar os portugueses a poupar alguns euros. Em relação á reportagem está bem explicado como fazer poupar uns bons milhares de euros na compra de imóveis nunca fazendo referência que não deve optar por uma agência imobiliária. A questão aqui é que as agência querem ganhar milhares de euros só para si e quem compra e quem vende fica refém das suas regras. No meu caso comprei o meu imóvel através de um conhecido e que estava a vender sem interferência de nenhuma agência imobiliária. Consegui negociar o preço e o vendedor vendeu a casa sem a assinar nenhuma minuta de compra e venda, somente por palavra porque a palavra vale muito. Mas por segurança deve se optar pela via legal. Mas correu tudo bem, pedimos empréstimo a uma entidade bancária e em 2 meses tínhamos a casa. O banco tratou de tudo. Pediu-me os documentos que devia entregar e que o vendedor devia me dar também é feito. O vendedor pagou 0 € a uma imobiliária.

  21. Ricardo Ferreira Reply

    Boa noite,
    Confesso que tendo em conta as críticas que já vi pensei que teria sido judiada a atividade de mediação imobiliária…
    Na realidade e na minha opinião todas as pessoas que pensem em vender um imóvel seu podem e devem ponderar em vender por próprios meios pois eventualmente estamos a falar sempre de valores consideráveis de comissão.
    No entanto são valores consideráveis porque acarretam também algumas questões relevantes. A primeira é logo, quanto vale o meu imóvel? A verdade é que pode estar a fugir das comissões imobiliárias para ser manietada por comprador experimentado que tente esmagar o preco ou pode mesmo estar a vender abaixo do valor de mercado porque desconhece o mesmo. Nesta circunstância deverá pedir o relatório de avaliação e aqui começará a entender o porque de um mediador imobiliário (custo de 150€ a avaliador independente).
    Depois de mais alguns passos vem a promoção, também aqui pode fazer o trabalho sozinho e deverá atender à qualidade da reportagem fotográfica (poderá contratar um profissional -custo de 100€) pois a imagem é importantíssima para obtenção de contactos. Nao se esqueça do Homestaging à casa antes do video e foto reportagem…
    Poderá sempre publicar em sites da especialidade contudo conte com algum custo se pretender fazê -lo nos sites com maior procura.
    Se tudo estiver vem feito será aguardar pelos contactos e pelas visitas sendo que partirá em desvantagem face às empresas de mediação imobiliária porque não terá esses potenciais clientes qualificados motivacionalmente e financeiramente pelo que as suas hipóteses de fecho baixam drasticamente além do que nao terá qualquer conhecimento prévio das pessoas…
    O cliente gostou e agora?
    Pois esta é a parte mais complexa para si pois em mais de 95% das vezes os compradores recorreram a financiamento bancário e não conseguirá controlar essa parte. Isto além do Contrato Promessa Compra e Venda que tem que ser assinado (custo advogado ou solicitador – 150€)…
    Poderá ainda perante estes condicionalismos todos continuar a pensar em promover sozinho a venda do seu imóvel e nesse caso aconselho ao invés do solicitador como indicado no Contas-Poupanca encaminhar o potencial comprador para uma empresa dr Consultoria Financeira como por exemplo a Decisões E Soluções, que não só acompanham o processo de financiamento sem qualquer custo para o cliente como ultimam o negócio até à escritura.
    Fica a sugestão. Obrigado

  22. Anabela Rosado Reply

    Infelizmente esta é a verdade neste país, (ao contrário de outros paises,)quem quer contrata um profissional quem não quer não contrata. Se queria ser isento ,deveria ter exposto o custo que acarreta todo o processo ao proprietário e os riscos de o fazer sózinho. Calcule também os custos as empresas e a quem trabalha por conta própria as horas dispensadas nas finanças conservatórias ,bancos a publicitar o imóvel a gerir os contatos e as visitas sem ter formação na criaçao do perfil do comprador. Pergunte aos proprietários se têm tempo disponível para as horas dispensadas nos telefonemas e visitas de quem não tem disposição ou crédito para aquisição. Já agora em nome do rigor jornalístico esclareça os proprietários, do custo / risco de colocar o imóvel a venda sem conhecer o valor de mercado e sem formação para o fazer, baseando o mesmo em questões emocionais o que leva o mesmo a estar demasiado tempo no mercado a venda, pagando juros, principalmente se estiver em incumprimento ou com risco de penhora.Não me parece que a SIC, possa dar se ao luxo de contratar qualquer pessoa para exercer jornalismo para poupar! Além de que se queria ser justo deveria ter explicado que a comissão ,cobre assistência jurídica , publicidade etc ,nenhum agente imobiliário ganha 100% dos 5000€. Pergunte com quanto é que ficam no fim de todo o processo! E já agora não foi de bom tom passar publicidade a um candidato à ordem dos solicitadores em época de eleições, especialmente alguém envolto numa polémica divulgada no programa sexta às nove da RTP

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *