No próximo IRS vai entregar em conjunto ou em separado

No próximo IRS vai entregar em conjunto ou em separado?

Se está casado ou em União de facto, a questão põe-se todos os anos. Quer dizer, devia pôr-se. As coisas mudam todos os anos e o que é melhor para o agregado familiar num ano, no ano seguinte pode já não ser.
Há uma novidade importante este ano que deve ter em atenção e que estou agora a referir pela primeira vez e que ainda não vi em mais lado nenhum. É assim a modos que um EXCLUSIVO. Se calhar até para muitos contabilistas.

A fórmula de cálculo mudou este ano

Durante a entrevista que fiz esta semana na Autoridade Tributária sobre as mudanças no IRS, disseram-me que a fórmula de cálculo do IRS para quem entrega em separado mudou. Não referi na reportagem desta semana do Contas-poupança este detalhe porque não há nada que possa fazer para alterar a situação e demorava tanto tempo para explicar só este pormenor que ficava sem tempo para falar de coisas mais importantes. Na prática, este detalhe pode baralhar bastante as suas contas este ano se entregar o IRS em separado.

Separam os rendimentos, mas não separam as despesas

Eu não fazia ideia de que, até hoje, quando um casal entregava o IRS em separado os rendimentos eram “isolados” por sujeito passivo mas as despesas do casal e dos dependentes eram somadas e depois divididas pelos dois. Sempre pensei que quando entregamos em separado “isolavam” os rendimentos e “isolavam” as despesas de cada um. Eram os meus rendimentos menos as minhas despesas. Mas não.

Imaginem a seguinte situação. Eu ganho 1.000 € e tenho muitas despesas de saúde e de educação. Sempre pensei que deduziam as minhas despesas ao meu rendimento. Mas não. Apesar de entregar em separado, o que deduzem aos meus rendimentos são as minhas despesas de saúde e de educação e as outras somadas às despesas de saúde, educação, etc. da minha mulher e depois divididas por 2. Ora isso tanto me pode beneficiar como pode prejudicar. A ideia da entrega em separado É SER EM SEPARADO, certo?

Pois este ano, no IRS que vai entregar em Abril já vai ser tudo rigorosamente separado: os rendimentos e as despesas. As deduções dos filhos continuam a ser divididas pelos dois, como é suposto ser. No fundo, na minha opinião, passa a ser feito como deveria ser desde o início. Senão é uma separação fictícia.

As simulações podem mudar este ano

Este detalhe tem a sua relevância porquê? Porque embora não possa fazer nada para alterar esta fórmula de cálculo, se entregar este ano o IRS em separado os valores podem ser muito diferentes dos anos anteriores em virtude deste pormenor.
Estou a alertar para isto porque 99% da população não conhece de todo as fórmulas de cálculo do IRS e confiamos simplesmente nas contas da AT. E é suposto que assim seja e que a AT nunca se engane.

Em resumo, este ano mais do que nunca, simule sempre todas as situações. Em separado para um, em separado para o outro e em conjunto. Some os reembolsos da entrega em separado dos dois e compare com o reembolso do em conjunto e decida o que é melhor para o agregado familiar. Se quiser ser ainda mais picuinhas, pode comparar em separado um com um filho e depois por o filho só no outro e ver o que dá. Dá trabalho? Claro que sim. Pode ganhar muito mais dinheiro se o fizer? Claro que sim! O trabalho que quer ter é uma decisão só sua.

O Ministério das Finanças agradece que não se dê a trabalho nenhum… Ficam eles a ganhar.

Registe-se AQUI para receber a Newsletter do Contas-poupança. Assim não perde nenhuma dica.



6 comentários em “No próximo IRS vai entregar em conjunto ou em separado

  1. luis Reply

    Será que o Contas-Popupança irá disponibilizar algum simulador para calculo do IRS ?
    Seria interessante …

  2. Raquel Mendes Reply

    Onde podemos encontrar um simulador em excel que já contemple esta alteração e que esteja devidamente atualizado? Obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *