Também há particulares que martelam conta-quilómetros

Um vendedor de carros em cada português

Continuo estupefacto com o impacto da reportagem sobre os conta-quilómetros martelados.

Também me chegaram diversas mensagens de vendedores de carros. Com situações surpreendentes. Que mostram que temos (todos nós, portugueses) um certa “pancada” com os quilómetros. Passo a explicar.

A “pancada” dos 200 mil kms

Se um carro tem mais de 200 mil km ninguém o quer comprar. Portanto, os stands também não os querem. Logo, às vezes são os próprios particulares que (como conhecem alguém que sabe fazê-lo) adulteram o conta-quilómetros antes de colocar o carro à venda.

Um marido e um pai que querem fazer “boa figura”

Ouvi esta estória de dois vendedores diferentes que não se conhecem. Conseguiram convencer o cliente a comprar um carro com 200 mil quilómetros que estava de facto em excelentes condições a um bom preço. Mas num caso o homem tinha vergonha de chegar ao pé da mulher com um carro com 200 mil km. Mas comprou-o por ser um bom negócio.

No outro caso, um pai queria oferecer à filha um carro. Comprou o de 200 mil km. Mas queria fazer boa figura ao pé da filha e dos amigos da filha. 200 mil km não fazem boa figura em Portugal mesmo que o carro esteja impecável, quase como novo, de motor e aspecto.

Fim da história: ambos, o marido e o pai, em cidades diferentes do país, assim que compraram o carro arranjaram um conhecido que tirou uma batelada de quilómetros antes de chegarem a casa. Apenas para impressionar.

Não tenho razões para duvidar da veracidade destas histórias. Confio nas duas pessoas que mas contaram. Se alguém acabar por comprar hoje estes dois carros, e descobrirem que numa das inspeções desapareceram 120 mil kms, vão por as culpas em quem? Nos vendedores do stand.

Não estou a tirar responsabilidades aos vendedores. Pelo grau de conhecimento que têm, deveriam confirmar os km dos carros que vendem antes de os comprar para evitar estas situações e explicarem aos clientes a história de cada carro, caso haja incongruências.

Como me protejo?

O único “segredo” que vejo é mesmo investigar tudo o que puder antes de comprar um carro a quem quer que seja. Tem as dicas AQUI se ainda não viu a reportagem.

Todos me explicam que o processo de martelar um conta-quilómetros é super simples. É só ligar um computador portátil ao carro na tal ficha de diagnóstico a que todas as oficinas têm acesso.

Em 10 minutos colocam os km que disser. Demasiado simples. Acessível a quem tiver um “conhecido” que conhece alguém que o faz. Pelas descrições que me fizeram em privado, a prática parece-me estar completamente enraizada.

Temo que a prática continue, apenas com mais frequência. Quem pratica esta fraude vai passar a fazê-la imediatamente com menos km antes de cada inspeção em vez de muitos km de cada vez. Nesses casos, não há Certidão do IMT que lhe valha.

Aí terá de ir pela média de quilómetros “normal” por ano. Conselho de vendedor honesto: “Se parece bom demais, é porque é mesmo bom demais para ser verdade. Não há milagres”. Ou conhece MESMO a história do carro e das pessoas ou muito provavelmente a “velhinha que só passeava ao fim de semana” vive no computador portátil de alguma oficina.



8 comentários em “Também há particulares que martelam conta-quilómetros

  1. Vitor Reply

    Os Km só contam para adulterar uma venda/compra, não acredito que ha pessoas que compram carros com muitos kilometros e depois só para impressionar a mulher ou os filhos, vão depois tirar os kilómetros ao carro. Simplesmente estúpido que a mulher ou a filha vá olhar para o conta kilómetros… será que tb questionavam os kms se recebessem um porsche?
    Se houvesse fiscalização e houvesse punição neste tipo de adulteração, muita gente pensava duas vezes antes de adulterar as coisas. Para isso a informação devia estar acessível, bem cruzada e ser gratuita, porque assim o trabalho de adulterar deixava de ter vantagem alguma e os negócios eram mais claros!
    Muitos stands ofenderam-se com a reportagem, mas muitos se não o fazem internamente, nem procuram saber ou confirmar o estado do carro e com isso compactuar com a adulteração porque se alguém descobrir essa conformidade no carro, desculpam-se que tb foram enganados por terceiros.

    Também não percebo porque o IMTT vende essa informação, é que assim só está a compactuar com estas ilegalidades! Tão ladrão é quem adultera e vende veículos baseado em informação adulterada como é quem tem a informação real do carro e que todo o comprador tem direito a saber.

  2. Hugo Reply

    Os kms podem ser alterados se o quadrante avariar e trocar por outro.. mas em Portugal os kms parecem que contam muito na hora de comprar, não percebo o porquê dessa pancada… mais vale um carro com cento e tal mil por fazer muita autoestrada do que um de serviço, de uma rent a car ou escola de condução com metade….. enfim..

  3. augusto silva Reply

    o maior ladrão está no topo da “cadeia” …. o estado mais os impostos “pornográficos” com que oneram os veículos. É novo ? sim ! mas a que preço.

  4. Paulo Jorge Reply

    Boa tarde,
    Falta ser criada uma base de dados onde fosse registada toda a informação referente aos veículos (inspeções, seguros, oficinas, etc).
    Uma empresa para estar legal deveria ter que cumprir a rotina de declarar esta informação no sistema criado para o efeito.
    Os dados aqui poderiam ser consultados pelos respectivos profissionais, autoridades e proprietários dos veículos.
    Assim sempre se dava uma ajudinha na transparência dos negócios.
    Um comprador só teria que solicitar ao vendedor uma cópia deste registo e desta forma teria, ou poderia ter, acesso completo ao historial do veículo.
    Cumps

  5. Bruno Gonçalves Reply

    Boa tarde.
    Vale tudo para ganhar dinheiro. Não há honestidade na nossa sociedade. Agora há outra questão. É impossível saber se “martelaram” os quilómetros de um carro com apenas 3 anos por exemplo? Digo isto porque os carros com menos de 4 anos não vão ao centro de inspeções pois comprando um carro novo este só é obrigado a ir ao IPO passado 4 anos da data da primeira matrícula. Nestes casos acho que ainda pode ser mais enganado o consumidor.

    • Rui Reply

      Com menos de 3 anos por norma fazem a revisão na marca, o que possibilita pedir o “cadastro” de revisões e verificar os kms.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *