Mini-dica nº 2 – Eletricidade: Poupar nas lâmpadas

O Facebook está a recordar-me as dicas com que comecei esta página há um ano. Hoje são só mais 47 mil amigos do que em agosto do ano passado. Vou recordar essas dicas aqui para os que chegaram entretanto. Umas são mais relevantes do que outras, obviamente. Mas são fruto da minha experiência pessoal e portanto partilho-as, correndo o risco de alguns acharem que são “preciosistas”. Se for o caso, paciência :). Não têm de seguir estas sugestões.

Colocar a data nas lâmpadas

Mini-dica de poupança nº2.

Sempre que substituo uma lâmpada escrevo a data na dita com um marcador e guardo a fatura. Se ela se fundir antes das 10.000 horas (ou as horas previstas na embalagem) vou à loja e reclamo. Acredito que “ninguém” vai à loja dizer que uma lâmpada está na “garantia”. Acho que é daqueles casos de que quase ninguém se lembra. Já me aconteceu uma lâmpada destas fundir-se no momento em que a coloquei. Fui devolvê-la e deram-me uma nova.

Quanto é 10.000 horas de utilização?

Vamos a contas. 10.000 horas a dividir por 24h dá 1 ano e 1 mês. Mas ninguém tem as luzes ligadas 24h por dia, certo? A 12h por dia dá o dobro, 2 anos e 2 meses. Mesmo assim é um exagero ter as luzes ligadas tanto tempo. Posso fazer as contas também ao número de liga/desliga anunciado. Mas como depois não tenho provas do tempo que estiveram de facto ligadas ou não, parece-me ser um tempo razoável a ter em conta.

Quando fundirem, vejo a data. Dependendo do tempo que passou desde que a coloquei, logo avalio o que faço. Na pior das hipóteses, tenho a noção de quanto tempo a lâmpada durou e da fiabilidade da marca e da “publicidade” às horas previstas de utilização. 

 NOTA: A lâmpada da fotografia ainda está a funcionar. A fatura já perdeu a tinta das letras.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.